Entrevista com o cofundador do Icônica Ronaldo Entler

Imagem de capa: Ronaldo Entler, foto de Priscilla Buhr.

Temas

***

Présentation en français

No início de abril, tive a grande oportunidade de conversar com Ronaldo Entler, um dos criadores do Icônica (iconica.com.br, ISSN 2359-5477, novembro 2009, São Paulo/SP), plataforma de relevância no debate sobre a fotografia e de seus diálogos com outras linguagens. Segundo Ronaldo, um dos grandes desejos que moveram a criação da plataforma, juntamente com Rubens Fernandes Junior, foi o de circulação. Uma circulação que vai além da difusão possibilitada por publicações impressas, buscando um público mais abrangente, mas também que é aumentada pela produção de textos que não se restringem ao formato acadêmico. Temas da cultura visual são discutidos a partir de um exercício aberto da escrita, acionando debates teóricos e críticos relativos à imagem, à memória e ao cotidiano. 

Quando o Icônica foi criado, ele foi pensado como um blog, como uma espécie de diário de bordo, mas logo Ronaldo Entler percebeu uma ambivalência nessa definição. Os artigos publicados iam além do público de leitores de blog, já que também eram (e continuam sendo) lidos por pesquisadores, professores, fotógrafos e estudantes universitários. Suas publicações são citadas e utilizadas em aulas. Assim, pode-se dizer que o desejo de circulação trouxe consigo algo mais, uma permanência de seu conteúdo a partir de apropriações variadas. Essa continuidade carrega consigo a pergunta se o Icônica não seria algo diferente de um blog. Como deixa entender Entler, em sua entrevista, a publicação de um blog, em um fluxo contínuo, do texto mais recente para o menos recente, leva à perda gradual dos posts mais antigos. Um post publicado há muito tempo acaba indo parar lá no fim da timeline. Atento a essas questões, em 2011, Entler conta que mudou de layout, possibilitando o acesso aos artigos por temas e uma visualização facilitada. O interessante é que, desde esse momento, muitas pessoas começaram a chamar o site de revista. 

O Icônica, ou a Icônica, talvez questione tanto o formato mais habitual de um blog de arte, que prioriza textos de um mesmo autor, quanto a ideia de revista oriunda de sua materialização em papel, como a publicação de números fechados e uma periodicidade que depende da edição de um grupo de textos. Essa ambivalência do Icônica chamou muito a minha atenção quando comecei a elencar as revistas de arte digitais que atuam no Brasil, porque ela parece um indício de transformações mais profundas que o formato revista pode passar na era digital. O espectro dessas publicações pode ter áreas mais ou menos nítidas, mais ou menos reconhecíveis. Suas histórias, como a do Icônica, que é contada aqui pelas generosas palavras de Ronaldo Entler, tornam mais tangível a observação dessas nuances.

***

Entrevue avec le cofondateur de l’Icônica Ronaldo Entler

Au début d’avril, j’ai eu l’occasion d’interviewer Ronaldo Entler, l’un des créateurs de l’Icônica (iconica.com.br, ISSN 2359-5477, depuis novembre 2009, São Paulo/SP), une plateforme qui joue un rôle considérable dans le débat sur la photographie et dans les dialogues avec d’autres langages artistiques. Selon Ronaldo, l’une des grandes motivations de créer la plateforme, avec Rubens Fernandes Junior, a été de permettre une distribution élargie à leurs discussions. Il s’agit d’une distribution qui va au-delà de la diffusion permise par les publications imprimées, qui cherche un public plus large et qui est également augmentée par la rédaction des textes qui ne se restreignent pas au format académique. Les thèmes de la culture visuelle sont abordés à partir d’un exercice ouvert de l’écrit, ce qui déclenche des débats théoriques et critiques liés à l’image, à la mémoire et à la vie quotidienne.

Lorsque l’Icônica a été créé, il était considéré comme un blogue, une sorte de journal de bord, mais Ronaldo Entler a vite remarqué une ambivalence dans cette définition. Les articles publiés ont dépassé le public des lecteurs de blogue, puisqu’ils étaient également (et sont toujours) lus par des chercheurs, des professeurs, des photographes et des étudiants universitaires. Ses publications sont citées et utilisées dans des cours. Ainsi, on peut dire que la volonté d’élargir la diffusion des textes a apporté quelque chose de plus, une permanence de leur contenu à partir d’emplois différents. On se demande alors si l’Icônica ne serait pas quelque chose d’autre qu’un blogue. Comme le laisse entendre Entler dans ses propos, la publication d’un blogue dans un flux continu du texte le plus récent au moins récent entraîne la perte graduelle des billets les plus anciens. Un billet de blogue publié il y a longtemps se retrouve à la fin de sa timeline. Conscient de ces questions, en 2011, Ronaldo a décidé de modifier la mise en page de l’Icônica, permettant l’accès aux articles par thème et une visualisation plus facilitée. Ce qui est intéressant aussi, c’est que, depuis ce moment-là, ses lecteurs ont commencé à dire qu’il s’agissait d’une « revue ».

Le ou la « Icônica » remet peut-être en question à la fois le format le plus habituel d’un blogue d’art, qui privilégie les textes d’un même auteur, et l’idée de « revue » issue de sa matérialisation sur papier, comprise par la publication de livraisons qui ont une périodicité qui dépend de l’édition d’un ensemble de textes. Cette ambivalence qu’on retrouve dans l’Icônica a attiré mon attention lorsque j’ai commencé à repérer les revues d’art numériques dans le domaine des arts visuels au Brésil, car elle semble révéler des transformations plus profondes que ce que le format « revue » peut subir à l’heure du numérique. Le spectre de ces publications peut avoir des parties plus ou moins claires, plus ou moins reconnaissables. Leurs histoires, comme celle de l’Icônica, qui est racontée ici au travers des mots généreux de Ronaldo Entler, rendent l’observation de ces nuances plus tangibles.

***

História & Organização

Talitha Motter Eu queria que tu pudesse me contar um pouco de como foi a criação do Icônica em 2009. Tu criou junto com o Rubens Fernandes, não é mesmo? E também falar um pouco sobre qual foi a ideia inicial, quais foram os objetivos que vocês pensaram e como foi realmente colocar no papel o Icônica até ele começar a publicar os primeiros textos.

Ronaldo Entler Eu trabalho com o Rubens há muito tempo. O Rubens foi meu professor. E, desde 95, eu dou aula na FAAP, onde ele é diretor da área de comunicação. Então, ele é meu chefe há muito tempo e é principalmente um grande amigo, um grande parceiro de trabalho. A gente já fez muita coisa juntos. E a gente tem um perfil semelhante. A gente tem uma formação acadêmica, um histórico de publicações acadêmicas, ao mesmo tempo que a gente lida com um público muito amplo, muito variado. Desde artistas, fotógrafos, um pessoal que está no circuito cultural da fotografia e também alunos de graduação, que são pessoas que eu prezo muito e que me ajudam muito a testar a clareza do meu discurso. A gente sempre fez um esforço muito grande de conseguir falar ou de conseguir modular nossa fala para levar as nossas questões para esse público amplo. O universo dos pesquisadores, dos alunos… Eu dou aula por exemplo para um primeiro semestre de graduação, que exige um pouco mais de generosidade na construção dos textos ou das falas e converso muito com artistas que têm também às vezes o seu vocabulário próprio. Então, nos artigos acadêmicos que a gente publicava corriqueiramente, já havia da nossa parte um esforço de que eles fossem lidos por outras pessoas que não estão necessariamente imersas nesse campo da pesquisa. A gente, o Rubens especialmente, ele é um grande cronista, um cara que acumula muitas histórias, porque ele é colecionador de fotografias e de outros tantos cacarecos. Ele traz histórias que são repletas de questões importantes, de questões que valeriam ser compartilhadas para um público amplo. Mas são histórias, histórias de vida, você não vai escrever um artigo para uma revista de uma universidade contando de um passeio que fez em um domingo, quando você achou uma coleção, um álbum de família que tomou a sua atenção por muito tempo. Enfim, o Rubens é um cara que tem muitas histórias. Da minha parte, uma coisa que pauta muito… A minha vida é como falar pra esse aluno que é muito jovem. Eu sempre tive muito isso na cabeça e sempre usei muitos alunos e ex-alunos para testar aquilo que eu estou pensando.

Essa é uma coisa que aparecia muito nas nossas conversas, como não se fechar, como transitar, como ter um pé em cada lugar e como não se trancar num desses ambientes.

Coisas que a gente viu acontecer com muita gente. Eu fui fotógrafo, eu trabalhei em jornal, durante muito tempo da minha vida, e a vida acadêmica é uma coisa que te traga, que às vezes te afasta do mundo. Eu sempre morri de medo de perder essa conexão com uma produção mais corriqueira, mais cotidiana e com as conversas mais cotidianas. Bom, eu me lembro bem. Num evento que aconteceu no Itaú Cultural em 2008, eu acho que era o Fórum Latino-Americano de Fotografia, se não me engano, eu estava numa mesa, creio que junto com o Rubens, ou se ele não estava na mesa, talvez ele tivesse ali na minha frente, na plateia, não me lembro bem, em que essa discussão surgiu de como falar ao mesmo tempo para o mundo acadêmico e para o universo dos artistas, que era basicamente o público que a gente tinha lá. E, na minha resposta, um pouco de brincadeira, eu falei sem a devida autorização do Rubens, mas eu tornei público uma coisa assim que eu arrisquei. Era só uma brincadeira, eu falei: “Mas, inclusive, eu estou aqui junto com o Rubens planejando aí um espaço na internet para a gente poder estabelecer conversas mais amplas.” O Rubens arregalou o olho ali na plateia, mas comprou a ideia. No intervalo, muita gente veio falar com a gente, assim “me conta essa história, como é que é isso? Que formato vocês vão dar pra isso?”. E ali não teve mais volta desse negócio. Eu, por sorte, me dou bem com tecnologia. Eu sempre gostei assim de me meter, me atrever, lidar com linguagens simples de programação, e decidi usar a plataforma WordPress, que era bastante disponível. A gente levou muito tempo para conseguir fazer esse treco sair para valer. Assim, foi quase um ano até colocar o blog no ar.

Primeiro layout do Icônica, fonte: https://imagesvisions.blogspot.com.

Em princípio, era um blog. Era para ser um blog com linguagem de blog, a gente queria conversa de boteco mesmo, a gente não queria colocar lá coisas que teriam potencial para virar artigo. Um comentário assim do tipo, fui assistir um filme, com um personagem fotógrafo. Aí, você faz lá… Às vezes, tinha textos muito pequenos, coisas provocativas. O Rubens também contando pequenas histórias. Acontece que a coisa deu certo. E, em algum momento, e muito rapidamente, a gente percebeu que a gente estava sendo lido tanto pelos fotógrafos, quanto por alunos e também pesquisadores que eram nossos parceiros, que mandavam retorno, deixavam comentários, convidavam a gente a escrever artigos a partir de coisas que a gente tinha postado ali. O que deu um pouco de medo, porque bate um certo senso de responsabilidade. Não é que a gente está falando aí para uma galerinha que já é leitora de blog, a gente continuou falando com os nossos interlocutores todos. Quando isso aconteceu, a gente foi parando um pouco com as gracinhas, com os textos mais… mais superficiais. Enfim, o que virou um drama para a gente, porque a gente não queria perder a agilidade. Naquele momento, isso foi muito difícil de manter. Por muitos anos, a gente tinha a proposta de publicar um texto por semana e quando bateu esse senso de responsabilidade, é que eu acho que a gente começou a querer não usar a linguagem de blog. Porque blog, assim, era uma época, em que todo mundo tinha blog e falava dos assuntos mais diversos. A gente falou: “Opa! Não, ele pode ser mais do que um blog”. A gente começou a ver, já no primeiro ano, pessoas citando textos do Icônica nas suas dissertações de mestrado, em outros artigos. Eu falei, “então, pera aí! Então, tem que citar fontes. A gente tem que tornar mais transparente as nossas fontes.” A gente foi parando um pouco com as gracinhas e os textos começaram a virar pequenos artigos. Isso aconteceu nesse espaço de um ano. A gente começou a conversar mais, criar uma espécie de pauta. Assim, “quem escreve essa semana? Você tem alguma ideia?” Quando não tinha, a gente ficava caçando temas para não perder muito o pique. E a coisa engrenou. Foi uma experiência muito prazerosa.

O Rubens era um cara já muito consolidado no circuito cultural da fotografia, no campo da pesquisa também. Para mim, eu sou um pouco mais jovem que ele, o Icônica foi muito importante, porque muita gente começou a me acessar, gente que não me conhecia. Acabou sendo um canal de muitas conexões. Dali surgiram outros trabalhos e surgiram também amizades muito, muito intensas.

Eu sempre botei muita fé na internet. Eu nunca tive preconceito e eu sempre… sempre acreditei que essas relações mediadas pela tecnologia, elas podem ser muito produtivas.

É, bom, graças ao Icônica, que eu resgatei o contato com uma figura que também havia sido um professor meu, que é o Mauricio Lissovsky. A gente se encontrou em eventos nos anos 80, no final dos anos 80, quando tinha a Semana Nacional de Fotografia. Não tinha internet ainda na época. E a gente teve uma boa interlocução. Eu era muito jovem e ele um pouquinho mais velho que eu, mas fiz um workshop com ele. Fiquei muito, muito tocado pelo pensamento dele e por conta do blog, ele começou a mandar alguns recados. A gente começou a interagir um pouco novamente. A gente começou a se encontrar em eventos e a se encontrar em botecos também. A gente redescobriu ali uma afinidade muito grande. Nessa ocasião eu conheci a Cláudia Linhares, que havia sido orientada pelo Mauricio. A gente foi formando ali um grupinho. Tem uma figura muito importante nessa história que é a Lívia Aquino, que é uma pesquisadora daqui de São Paulo, que também tinha um blog chamado Dobras Visuais. Eu só não a convidei para entrar no nosso blog, porque ela já tinha o dela e também já tinha o seu público. Enfim, eu acho que o blog dela é anterior ao nosso, inclusive. Então, isso virou um grupo muito produtivo de conversas. O Mauricio é um cara que tem um acadêmico muito, muito consistente, mas aquela coisa meio carioca. Ele tem um jeito muito provocativo e muito engraçado. Você conhece o Mauricio pessoalmente? Ou já ouviu ele falando alguma vez?

Talitha Motter Não, não cheguei a conhecer. 

Ronaldo Entler Muito divertido. Inclusive, quando ele está em eventos, evento acadêmicos, ele performa de um jeito muito interessante. Teve um dado momento em que eu fiz, comecei a fazer um esforço muito grande de levar o Mauricio pra conversar nos eventos destinados a artistas, a fotógrafos, não nos eventos acadêmicos, nos quais ele já estava bastante inserido. E, assim, quando essa circulação se estabeleceu, eu fiz o convite, eu falei: “Mauricio, pô, você, o seu texto já tem uma certa leveza, a sua fala acadêmica já tem uma certa leveza, o que você acha de começar a publicar algumas coisas no Icônica?” Porque, de vez em quando, ele mandava uns textinhos, assim umas coisas, umas ideias de artigos que nunca viravam artigo. Aí, eu convidei, a gente chamou o Mauricio e a Cláudia Linhares juntos, assim, eles eram muito parceiros na época. A gente achou interessante a ideia de não estar só concentrado em São Paulo. Então, a Cláudia hoje ela mora em Brasília ela é professora da UnB, mas ela morava no Rio. E a gente tinha aí o Icônica com o polo Rio e São Paulo. Depois ela foi para Brasília. E, nesse grupo de conversas quotidianas, estava o Pio Figueiroa. E o Figueiroa, ele criou, tinha criado um coletivo que foi uma experiência muito marcante aqui no Brasil, que era a Cia de Foto. Eles acabaram colocando muitas questões a respeito do que é criar a fotografia coletivamente. Isso virou muitas pesquisas de outros personagens no ambiente acadêmico. Eles acabaram, a Cia de Foto, agitando muito o ambiente cultural da fotografia também. E o Pio foi se tornando um grande amigo. Ele é um cara da imagem, ele tinha vontade de escrever, mas fazia isso com muito esforço e começou, assim, a testar essa escrita até que em um momento eu falei: “Pio, entra pro Icônica também.” Ele foi o último a chegar e tem poucos textos. A Cláudia também, assim, quando ela foi para Brasília, ela acabou não conseguindo arrumar muito tempo para publicar os artigos. E, assim, a gente juntou essa equipe, que funcionou muito bem durante alguns poucos anos. Mas é isso, eu acho que acabei contando outras histórias. Eu vou te deixar fazer outras perguntas. Mas o Icônica nasceu dessa provocação que eu fiz num evento do Fórum Latino-Americano de 2008. Ele saiu pra valer em 2009, e acho que foi em 2011 que o Mauricio e a Cláudia entraram, talvez em 2014 foi quando o Pio Figueiroa entrou.

Detalhe da home page atual do Icônica.

Site Web & Meios de Financiamento

Talitha Motter Mas foi bom, porque esse depoimento já cobre várias perguntas que eu tinha pensado. Uma delas era justamente sobre esse período de passagem em 2011, que eu acho que é quando o site se renova, muda o seu formato. Ele sai desse formato mais blog para o formato atual do site. E foi exatamente com esse objetivo que teve essa mudança? Para tentar se afastar um pouco dessa linguagem de blog?

Ronaldo Entler Essa foi uma preocupação minha. Eu acho que os meus colegas não estavam muito preocupados assim com o que era o Icônica. Aliás, eu com muito prazer, eu trabalhava muito para que a parte técnica funcionasse. Eu é que publicava todos os textos, eles me mandavam o texto no Word. Eu fazia a revisão e ficava ali montando aquelas páginas. Então, assim, quem entendia um pouco tecnicamente o que era aquilo, era eu. E eu cumpri um pouco esse papel. A gente nunca falou, assim, “eu sou editor, fulano é o editor”. Todos nós éramos colaboradores, mas sim eu cumpria um pouco esse papel de ficar dizendo, provocando: “Olha, não temos nenhuma ideia. Mauricio você tem alguma coisa? Li um treco que você postou nas redes, não quer escrever um pouco mais sobre isso?” Então, eu ficava tentando articular esses textos. De fato, em 2011, quer dizer desde antes, muito rápido, já no primeiro ano, bateu essa coisa de… Era pra ser conversa de boteco, a gente achou que não, os textos começaram a ficar grandes, tem textos enormes. Inclusive, as pessoas reclamavam, falando: “Pô, que textão! Isso não é artigo.” As pessoas diziam: “Isso não é artigo acadêmico.” Mas, de fato, 2010 para 2011, eu cansei da cara que ele tinha eu achei que… Porque o blog ele tinha uma estratégia, que é essa coisa de uma espécie de linha do tempo, em que os assuntos vão se perdendo, tipo o Facebook, o que vai ficando pra trás, vai ficando para trás. E a gente percebeu que alguns textos, eles sobreviviam. A gente via a galera recuperando esses textos, citando os textos, convidando a gente para falar em eventos em função desses textos que tinham sido lidos. E, essa foi a primeira, a primeira questão, quer dizer a primeira não, mas aquela gota d’água que exigiu que o blog passasse por essa reformulação. Aquela ideia assim de ter temas, eixos que permitissem que quem chegasse no Icônica, num dado momento, pudesse navegar por vários textos de vários autores a partir de certos temas. Eu queria deixar esses textos mais visíveis na tela. Então, eu comecei a pesquisar, foi um longo processo para encontrar aí o que a gente chama de tema, o layout do WordPress que funcionasse bem. Isso dá muito trabalho. Você redesenhar o layout de um blog, pelo menos deu, da maneira como eu queria. Eu comprei esse layout, ele é pago. Você tem muito layouts que são gratuitos. Eu optei por um que fosse pago, eu reprogramei bastante esse layout para que ele funcionasse como eu queria. De fato, em 2011, a gente mudou a cara dele. E as pessoas… Engraçado, né?

A partir dali a gente percebeu que as pessoas… algumas chamavam de revista. A gente começou, por exemplo, a receber release de imprensa. Toda exposição que acontecia, me mandava o material como se eu fosse o editor de uma revista. E eu pensava, assim, o Icônica é uma revista?

Assim, não sei. Muita gente chamava o Icônica de Portal. Tem uma coisa que a gente nunca fez e nunca quis fazer que é fazer divulgação de eventos. Essas coisas, “ah, vou fazer uma exposição”, “estou lançando o livro”. A gente era muito lento, ninguém tinha agilidade pra receber um release na mesma semana e ficar ali escrevendo uma crítica sobre uma coisa que a gente acabou de receber. Então, eu sempre disse pra todo mundo: “Olha, não manda livro para divulgar, a gente não consegue divulgar. Não é esse o espírito.” Então, é assim, o Icônica é uma revista, ou é um portal dedicado à publicação de artigos. É isso, de artigos, que têm uma certa missão que ainda é acadêmica, mas o Icônica nunca perdeu esse esforço de usar uma linguagem que fosse acessível ao grande público. Então, em 2011, teve essa mudança bem importante.

Eu acho que 2015 teve uma outra coisa. É que, em 2015, o que aconteceu é que ninguém aguentava mais ficar trabalhando nisso. Eu já não tinha o tempo que eu tinha no início. A gente começou a deixar a peteca cair e eu decidi tomar um fôlego. Eu inscrevi o Icônica num edital de publicações culturais que é o Proac, que é um edital do Governo do Estado de São Paulo. E eu consegui um financiamento por um ano para revitalizar. Então, nesse momento, eu fiz algumas alterações no layout de novo, não tão significativas, mas teve algumas mudanças. Acrescentei algumas funcionalidades de pesquisa, enfim, e criei algumas seções que não existiam. Eu fiz dentro do Icônica como se fosse um pequeno edital, em que eu convidava jovens artistas para dialogar comigo. E, aí, eu publicava pequenas críticas, assim, publicava os ensaios que era uma coisa que a gente não costumava fazer, publicar ensaios de artistas. Mas esse foi o compromisso que eu assumi com o edital, de dar espaço pra artistas em formação. Não necessariamente jovens de idade, mas artistas que não estivessem consolidados. Então, 2015 também foi um momento importante, em que a gente teve esse fôlego, porque tinha grana. E isso permitiu a gente se remunerar pelos artigos, inclusive. E, assim, depois disso foi um pouco ladeira abaixo, porque a vida é implacável, cada um tomou seu rumo. A gente vai ficando mais velho e ficando com mais responsabilidades. E hoje se você entrar no Icônica ele é um espaço relativamente abandonado. Eu não tiro os artigos. Eu já pensei muitas vezes em tirar o Icônica do ar, porque começa a dar pau. Porque se você não entra lá, de repente você entra um dia e o site saiu do ar. Você não fez uma atualização que tinha que ter sido feita, as imagens vão saindo do ar. Os vídeos que estão no YouTube, o YouTube acha lá uma questão de direito autoral, você entra tem uma janela vazia ali. Então, as coisas começam a ficar meio em estado de ruína. Teve um momento, assim, que eu conversei com os meus parceiros, eu falei: “Galera, eu vou fazer um backup de tudo isso, deixar na mão de vocês, mas vou tirar o Icônica do ar.” E a notícia se espalhou e a galera, amigos, falou: “Não tira do ar, deixa ele lá, porque as pessoas continuam acessando.” De fato, a gente tem muito feedback. Os textos, tem alguns que são circunstanciais outros são atemporais. Muitos textos continuam sendo citados. Eu, volta e meia, encontro esses textos circulando impressos, professores distribuindo para alunos. Eu sei que o Icônica, ele está na bibliografia de muitas disciplinas pelas universidades do Brasil. Ele continua sendo citado. Durante um tempo, eu tentei colecionar essas citações que o Icônica tinha, mas eu desencanei, assim, isso também aumenta o meu trabalho. Mas é isso, ele está meio parado, não tem sido alimentado. De vez em quando, muito raramente, algum texto fica ali meio parado, a gente pode sem cerimônia lançar lá na Icônica. Mas ele não tem… Assim, periodicidade zero. E a gente tem, sei lá, cada um de nós está escrevendo para outros espaços. Eu, atualmente, sou colunista do site do Instituto Moreira Salles, o que canaliza muita energia. Mas é isso, 2011 foi um momento importante, 2015 também por causa do Proac que a gente ganhou.

Conteúdo & Participações Externas

Talitha Motter E, sobre essa questão do Proac, essa seção que vocês criaram, o Paragem, né, que foi selecionando os artistas, como é que foi essa seleção? Vocês fizeram uma chamada e receberam muitos portfólios provavelmente… Como é que foi o processo de seleção desses artistas, contato com eles para dar o ok e a escrita mesmo das críticas?

Ronaldo Entler É, assim, foi uma surpresa. Eu lancei uma pequena convocatória. O espaço não era muito grande, porque o edital durava um ano e eu tinha o compromisso de publicar acho que dez portfólios, algo assim. E foi uma enxurrada de coisas, coisas que, por um lado, tinha gente que estava um pouco fora do perfil que eu tinha definido e que eu definia como artistas em formação. Tinha gente que era da velha guarda, já com o trabalho consolidado, que mandava, assim: “Olha, eu estou com uma série nova. Você não quer publicar?” Eu falei: “Não, não é esse o espaço.” Mas eu devo ter recebido… Sim, eu tinha, dentre os portfólios, as séries que eram publicáveis, eu cheguei a uns 150 trabalhos. Num dado momento, eu avisei que estavam encerradas as inscrições, porque eu não ia dar conta de olhar tudo isso. Mas foi um processo muito legal, porque teve duas situações. Trabalhos que chegaram bem prontos, que o que eu fazia era estabelecer um processo de interlocução. Uma coisa que eu sempre gostei muito de fazer é trabalhar com artistas escrevendo textos para catálogos de exposições, livros, e geralmente eu escrevo para artistas com quem eu convivo, já são amigos, eu já frequento atelier, acompanho o trabalho desde muito tempo. Uma coisa que sempre aconteceu e continua acontecendo, assim, aparece um convite do nada de alguém me pedindo um texto: “Ah, você não quer escrever sobre o meu trabalho?” E, eu geralmente respondo que não, porque para mim é um processo muito lento de entrar no trabalho desses caras, estabelecer um diálogo para conseguir chegar no texto. E o Paragem, ele foi desenhado um pouco com essa perspectiva. Na verdade, todos os textos ali são meus. Os meus colegas, assim, não se animaram muito com a ideia, também já estavam sem tempo. Mas o que eu fiz foi isso, na medida em que eu selecionava uma figura, eu estabelecia uma conversa que podia durar dois meses. Teve uma menina em particular que, eu esqueci o nome dela, ela é de Londrina eu acho, eu gostei do trabalho dela, mas achei que o trabalho não estava pronto. A gente ficou ali uns seis, sete meses conversando, ela me mandando, refazendo as imagens. Foi assim, em alguns casos, ali no Paragem, o que a gente estabeleceu foi um processo de orientação. É uma coisa que eu gosto muito de fazer, trabalhar com alunos, ajudando o cara chegar num trabalho. Então, às vezes foi só um bate-papo para eu entender a pesquisa desse artista, para eu poder escrever o texto. Em outros casos, nesse processo de diálogo, o trabalho ia se transformando.

E tem uma coisa, assim, que era meio moeda… Eu não pagava nada pra esses artistas, mas eu descobri que o texto é uma moeda, porque muita gente me pedia: “Ah, você escreve um texto para mim? Eu te pago.”

Não sei o quê… troca texto por trabalho. “Você me escreve um texto e eu te dou um trabalho meu.” E eu achei que o que eu teria para oferecer era o texto. “Olha, me deixa eu publicar seu portfólio, eu faço um texto para o seu trabalho.” E, foi muito legal, porque em vários casos esses artistas acabaram usando meu texto em outros espaços, em exposições que eles fizeram. E, eu tinha isso em perspectiva mesmo, em mente, a ideia de que o teu texto que eu escreveria era algo que eu estava oferecendo a esses artistas. Então, foi isso, foi uma convocatória, tinha um processo de inscrição. Todo mundo subia lá um PDF com esse portfólio e foi uma loucura, porque eu achei que eu receberia uns 20, 30 trabalhos, recebi uns 250, selecionei 150 trabalhos possíveis, mas publiquei dez. Eu jurava pra mim que eu iria continuar publicando esses portfólios, mas ele morreu ali. Na hora que encerrou o edital, eu encerrei essas publicações. Fora do edital, eu publiquei um trabalho de uma menina, que achei que… Assim, eu quis escrever sobre o trabalho dela. Ela tinha esse perfil de artista em formação, então eu reabri o Paragem um ano ou dois depois, não sei, para colocar mais um trabalho e foi só.

Texto sobre a produção da artista Claudia Tavares na seção Paragem.

Talitha Motter Para voltar um pouco nessa questão da história da revista, do blog, enfim, do site, como foi decidido o nome do Icônica? Por que Icônica?

Ronaldo Entler É… Icônica, se eu fosse traduzir, bom, Ícone é uma palavra grega que, se você for traduzir, a tradução é imagem. Então, Icônica seria uma coisa como imagética. É uma palavra um pouco infeliz porque… icônico está muito associado a coisas que se tornam emblemáticas. Assim, uma figura icônica do cinema, uma figura cuja imagem se difunde em larga escala. Aí, tem uma coisa da minha história de pesquisador. Além de fotografia, uma coisa que eu estudo muito seriamente é a produção de imagens e textos sobre imagens no contexto da Idade Média Cristã. Eu estudo muitos ícones cristãos medievais. Isso é uma pesquisa um pouco estranha, assim, eu tenho poucas oportunidades de falar sobre isso, mas eu dou muita aula sobre isso. Eu dou aula numa pós-graduação em História da Arte onde eu falo desse período, Idade Média. Gosto muito da literatura que foi produzida nesse período e tinha muito em mente essa coisa dos ícones medievais. A palavra icônica, ela também circula muito no vocabulário semiótico, da semiótica persiana enfim. Mas não era muito essa a minha pegada. Na prática, o que definiu o nome do blog foi aquela coisa, teve um momento que a gente teve que registrar um domínio, o nome, o endereço do site, e a gente ficou testando lá. Tinha uma meia dúzia de opções e essas opções não estavam mais disponíveis como nome, e icônica estava. A palavra icônica estava disponível. Mas, assim, a gente ficou feliz com o nome também, porque a ideia era falar de imagem inclusive numa perspectiva mais abrangente do que a própria fotografia, a gente fala às vezes de pintura, instalação, cinema. Nessa perspectiva de falar de uma cultura visual, a gente achou que a palavra icônica cabia bem. Mas, a gente nunca fez disso um grande drama. As explicações, elas estão muito diluídas e em muitas pequenas histórias. Não teve uma reunião em que a gente decidiu o nome da empresa, do empreendimento. Isso não existiu. Quer dizer, hoje eu tenho uma empresa, eu tive que criar uma empresa por conta de trabalhos que eu faço e o nome fantasia dessa empresa é Icônica, já que eu tenho o site eu decidi que a empresa ia se chamar Icônica. Mas a empresa surgiu muito depois. Então, talvez não tenha uma grande explicação, mas acho que é uma palavra forte, porque remete a uma longa tradição da produção de imagens, da produção histórica de imagens.

Talitha Motter E tu comentou um pouco que no início vocês tinham uma ideia de publicar textos como… “Ah, fui ali e tive uma ideia, fiz uma viagem e a partir disso escrevi algo.” E eu notei que existe alguns textos que realmente parecem o resultado de viagens ou de percursos. E depois tem essa parte do site que se chama Rotas, que cria rotas dentro do site com uma abordagem de arte e educação. E eu fiquei me perguntando se essa ideia de viagem, de rotas, fazia parte da metodologia do Icônica.

Seção Rotas Entre Imagem e Educação do Icônica.

Ronaldo Entler Assim, desde o começo, uma ideia chave que ocorreu para a gente era a coisa do diário de bordo. O blog funciona como uma espécie, quer dizer, dentro do imaginário em torno dos blogs que a gente conhecia na época, o blog tem e sempre teve esse perfil de diário. Assim, de você contar as suas histórias de viagem no sentido metafórico. É… Bom, a gente nunca pensou muito que o espaço existia para que a gente contasse histórias das nossas viagens, porque essas viagens elas eram circunstanciais. Saía de férias, saía para um evento, enfim, não dava para garantir que a gente ia ter sempre a oportunidade de viajar. Mas sim, quando a gente viajava e via uma exposição ou encontrava um artista, ou encontrava pela rua alguma coisa que merecia virar história, a gente publicava lá. Quando eu ganhei o Proac, aí a Cláudia Linhares, que era uma figura que publicou poucos textos, ela estava ali fazendo uma série de pesquisas, a área dela lá na UnB é educação, a relação entre imagem e educação. E eu pedi para que ela participasse um pouco mais desse processo, inclusive eu tive uma espécie de assistente que me ajudou durante esse período financiado pelo Proac, que era uma aluna dela da área de educação. E ali a gente fez alguns planejamentos, porque o site já tinha muita informação. Em parte ok essa grana, é esse financiamento serviu para gente se animar e não perder o pique. Mas, nesse momento, a gente achou que valia a pena reler todos os textos e criar esses percursos que a gente chamou de Rotas e ali, sim, a gente começou a ter uma série de reuniões. Eu a Cláudia e essa menina, que era nossa assistente. E, nesse momento, a metáfora da viagem ela surgiu com bastante força. Então, essa seção Rotas, que tem esse pretexto, esse compromisso de colocar o site a serviço de uma pesquisa na área de educação, e a ideia de paragem também. A palavra Paragem, que é uma palavra que eu achei muito poética. Paragem, assim, é… sei lá, o viajante quando ele se cansa, quando por alguma razão estratégica ele tem que interromper a viagem, seja por uma noite, seja por um período mais longo, ele procura um lugar que funcione bem para ele fazer essa parada. Pode ser que seja um hotel, mas às vezes não é um hotel, assim, é só um espaço que ele acha razoável. Então, esse lugar, ele se chama paragem.

Paragem é uma palavra muito antiga que tem um pouco a ver com o imaginário dos viajantes. Um lugar em que tradicionalmente os viajantes param para descansar, para reabastecer o seu navio de mercadorias, para recarregar suas próprias energias.

Esses lugares são, eram chamados de paragem. E paragem tem um pouco essa ideia de um espaço, de um atravessamento provisório, né, qual que é a ideia de paragem? O site era nós cinco, teve muita gente que pediu para entrar. Assim, “ah posso te mandar um texto, ou posso colaborar com o Icônica?” E a gente achou, achava que não, não porque era um grupo muito hermético. Estava cada um num canto, a gente não se via com tanta frequência, a não ser eu e o Rubens, mas a questão é assim… Aquilo era uma ação entre amigos, quando as pessoas pediam para entrar e colaborar, aquilo parecia que… ia acabar virando cobrança para a gente. A gente ia ter que estabelecer ali uma agenda que a gente nunca teve muito claramente. Então a gente nunca deixou ninguém entrar, participar, colaborar, mas o Paragem é justamente esse espaço, que a gente criou, para que algumas pessoas pudessem atravessar o Icônica de passagem. Nesse momento sim, a ideia da viagem ela surgiu muito claramente como uma metáfora que ajudou a gente a organizar e a refletir sobre o site. Uma coisa que aconteceu muitas vezes curiosamente, quer dizer, curiosamente, porque eu não imaginava em princípio que isso renderia, eu fui muitas vezes chamado para eventos pra contar a história do Icônica para falar como é que ele funcionava, de onde nasceu, mais ou menos essa história que eu estou te contando. Quer dizer, para mim o Icônica rendeu muitos convites, foi muito legal por isso, me colocou em uma circulação interessante. Então, de alguma maneira também o Icônica me fez viajar um bocadinho. Não era a missão que ele tinha no início, mas acabou servindo.

Talitha Motter E sobre isso que tu comentou agora, que o Paragem possibilitou essa entrada de outras pessoas dentro do Icônica, teve um texto que tu publicou que era tipo “artistas que gostariam de adotar uma crítica de arte”, para o qual tu fez uma chamada aberta de imagens e que, de uma certa maneira, foi também uma forma de convidar pessoas para participar do Icônica. Tem alguma outra iniciativa que tu percebe dessa maneira? Ou, se não, toda essa contribuição que as pessoas fazem no blog com comentários ou mesmo na página do Icônica de Bolso, que é no Facebook, como é que essas pessoas participam? Se tem alguma coisa que te marcou mais nessa relação público e Icônica.

Ronaldo Entler É tem uma história curiosa, muito curiosa, que é a seguinte: em um texto já bem antigo que eu publiquei, eu conto a história de um álbum de fotografias da minha infância, que é uma história engraçada porque um fotógrafo… Bom, eu estou falando aí dos anos, começo dos anos 70, quando eu era criança. Um fotógrafo que ia de porta em porta bateu na casa em que eu morava e contou uma lorota ali, inventou uma história, pra conseguir fazer fotos minhas e da minha irmã, dizendo que essas imagens iam ser usadas num evento e tal. E minha avó que tomava conta da gente engoliu essa história. E, na verdade, essa era uma estratégia de venda, porque daí no dia seguinte… Era assim uma malandragem sem muita maldade, quase romântica, né. Então o cara te contava uma história para os pais e avós para convencer a fotografar as crianças. Aí, sei lá, uma semana depois ele aparecia com um álbum, dizendo: “Olha, infelizmente, seu filho, seu neto, não foi selecionado para o evento. Mas as imagens estão lindas, e eu achei que valia a pena mostrar.” Daí o cara nessa, ele vendia o álbum dele e isso era uma estratégia de venda. E a minha mãe, quando o cara foi fazer as fotos, minha mãe não estava em casa, estava só a minha avó, que é mais ingênua. Quando ele voltou com o álbum, contando essa história querendo vender o álbum, minha mãe enxotou o cara de lá e ficou com o álbum sem pagar o cara. E eu decidi contar essa história, também conversa de boteco. E eu publiquei ali, o nome da empresa. Eu abri o álbum, eu tenho esse álbum até hoje, tá lá “Companhia Lins de Fotografia” e contei essa história. Bom, eu não sabia que essa Companhia Lins tinha sido muito grande, importante, ela tinha lá uma centena de fotógrafos batendo de porta em porta principalmente no Estado de São Paulo. E um dia aparece um comentário, assim: “Olha, que legal, eu trabalhei, eu fui fotógrafo dessa empresa. E é verdade a gente tinha essas estratégias meio picaretas, né, para poder entrar na casa das pessoas.” E, aí, começa a aparecer gente falando entre si: “Ah, eu também trabalhei.” “Eu também trabalhei, em que ano você trabalhou?” E aquela página de comentários, se você entrar lá, deve estar até hoje, virou uma espécie de fórum que reagrupou algumas dezenas de pessoas que trabalharam nessa empresa nos anos 60 e 70. E, a partir do Icônica, eles acabaram montando uma página no Facebook. Sei lá, hoje deve ser um grupo de WhatsApp, eu não sei. Mas esse texto, ele acabou articulando um universo de pessoas que participaram de uma experiência que estava absolutamente perdida e cada um desses caras estavam num canto, ninguém fotografa mais profissionalmente. Era um emprego que eles tiveram em um dado momento da vida.

Parte dos comentários deixados no texto A retórica de um fotógrafo, as retóricas da imagem de Ronaldo Entler.

Então, assim, a gente viveu histórias muito curiosas de bastidores. Teve gente, pessoas ofendidas, com texto que a gente publicava. Porque nessa coisa de ser informal, sei lá, tem um texto em que eu faço uma provocação, falo um pouquinho mal do Sebastião Salgado. E, aí, amigos me bombardearam: “Como assim? Falar mal do cara? O cara é gente boa e tal.” Mas voltando ao exemplo que você deu, era muito comum, quando a gente tinha uma ideia, jogar uma questão aí no Facebook por exemplo. E falar, “olha, será que alguém tem uma imagem de tal coisa para ilustrar um texto”. E a gente recebia duas, três, dez coisas. Eu já fiz isso com artigos acadêmicos também. Recentemente, eu publiquei um texto numa revista da Unicamp, eu precisava de uma imagem de fios emaranhados na cidade de São Paulo, fios elétricos. Aí eu botei lá no Facebook, a galera manda. É um jeito de conseguir imagens. Então, isso aconteceu de tempos em tempos. Nesse texto que você está falando, que eu publiquei, eu publiquei todas as fotografias. É uma história interessante que é a seguinte a Cia de Foto, da onde veio o Pio Figueiroa, era um coletivo que foi muito importante. Eu trabalhei muito com eles, escrevendo textos para eles e eles tinham, iam lançar um livro, e me pediram um texto. Eu fiz esse texto, que é justamente esse texto que eu publiquei no Icônica. E eu não conto essa história por inteiro. O que aconteceu é que a Cia de Foto acabou. Assim, eles brigaram, era um coletivo de quatro artistas. Eles brigaram e foi um divórcio litigioso, não se falam, não se falaram nunca mais. E esse livro, que estava prontinho, ia sair pela Cosac & Naify, que é uma editora importante. Eles estavam tão bravos uns com os outros, que eles cancelaram o projeto do livro. Então, esse texto que eu publiquei, era um texto em que eu comentava uma imagem da Cia de Foto, uma imagem que era escura. Então, fala o tempo todo do escuro e eu ali contei um pedaço da história. Assim, hoje falar em Cia de Foto é uma coisa muito constrangedora porque os caras se odeiam, o Pio Figueiroa que veio da Cia de Fotos é muito amigo e eu preferi não resgatar essa história toda. Então, é verdade que eu escrevi esse texto em cima de uma imagem que eu não sabia mais qual era, porque o projeto se perdeu, mas eu não conto que eu sabia que essa imagem era da Cia de Foto. E o texto, eu tenho aqui uma pasta cheia de textos pela metade e que eu nunca concluí, principalmente para o Icônica. Do Icônica, sim, eu tenho 100 textos que eu comecei e não terminei, mas mesmo artigos acadêmicos enfim. Um dia eu estava ali revirando esses textos e “pô, esse texto está prontinho”. Eu gostava muito do texto e eu falei: “Bom, vou foi publicar no Icônica.” E, aí, eu lancei essa provocação. No texto, eu falo de uma imagem escura que eu não sabia qual era e também não ia atrás da Cia de Foto, porque os caras não querem mais saber de publicar nada que tem o nome Cia de Foto. Então eu lancei essa provocação na internet e vieram, sei lá, 40 imagens. E eu decidi publicar todas. E a provocação, a galera gostou muito. Essa ideia de uma crítica órfã de uma obra. E esse texto, é um texto que circula bastante. Recentemente, eu encontrei alguém que estava com o texto impresso. O professor dele tinha dado, pedido para ele ler, enfim. Tem lá uns dois, três textos, assim, que eles acabaram tendo uma vida fora do Icônica bastante intensa.

Religações: o escuro da fotografia contemporânea de Ronaldo Entler, uma crítica órfã.

Talitha Motter E além desse, quais seriam esses outros dois textos?

Ronaldo Entler Tem um outro texto que eu falo… ele é muito complementar a esse. Eu não lembro do título, eu posso resgatar e te passar, em que eu falo, se chama Realegorizações da caverna, em que eu falo do escuro também. O texto circula bastante. Bom, os textos do Rubens circulam muito. Sabe, os textos do Rubens, eles acabam sendo muito citados também. O Mauricio escreveu menos do que o Rubens, mas também. Eu estou falando dos meus, porque os meus eu fico mais atento. Eu fico caçando citações. E tem mais um que eu preciso pesquisar, eu te falo depois, porque eu não tenho aqui de cabeça agora.

Sabe uma história que eu gostaria de contar, que é meio burocrática, tecnicamente o Icônica sempre continuou sendo um blog. Ele é um espaço informal, não tem… ele próprio não tem um CNPJ, uma sede. E nunca teve formalmente um editor. Mas alguns amigos que enxergavam o Icônica como revista e pediam o ISSN, sabe esse número que as revistas têm, falavam assim: “Olha eu queria citar o Icônica, mas o meu orientador falou assim: “O que que é o Icônica? Como assim? Você vai citar um blog?” Então às vezes orientadores não permitiam, porque achavam que um blog não seria digno de citação. E esses caras falavam assim: “Não, não é só um blog, é uma publicação de cinco pesquisadores. É legal, é importante, blábláblá.” E eles falavam assim: “Você tem o ISSN?” Eu falei: “Não, eu não tenho ISSN.” Eu na minha cabeça, essa coisa nasceu como um blog e assim continuaria sendo. Mas de tanto que me perguntavam se eu tinha o ISSN, eu falei: “Vamos ver como é que funciona esse treco”. Aí, quem aqui no Brasil representa esse Internacional Standard, é um órgão chamado ibict, enfim, um treco ligado acho que à Biblioteca Nacional, não sei. Eu escrevi para os caras. Assim, dei uma pesquisada e eu descobri que, na Austrália, blogs já podiam ter ISSN. Eu escrevi uma longa argumentação, mandei para os caras e eles mandaram uma resposta muito protocolar dizendo que não era possível um blog ter o ISSN, porque era obrigado ter tal coisa, tal coisa, tal coisa. Isso foi em 2011, eu acho. 2011. Então, a resposta foi não, não dá para ter ISSN. Morreu esse assunto. Mas num momento… Assim, de tempos em tempos, alguém me cobrava o ISSN, eu falei: “Deixa eu ver como é que está essa história.” Tentei de novo aqui pelo Brasil, a resposta continuava sendo não. Mas eu descobri, isso acho que era 2014, 2015, eu descobri que quem define o padrão internacional de quem merece, não merece, o ISSN já considerava a ideia de que publicações eletrônicas incluindo blogs poderiam ter o ISSN. Isso estava no site internacional, mas o site brasileiro não dizia nada. Aí, eu comprei uma pequena briga aqui com o ibict, com esse órgão que distribui esse número, e falei: “Olha, vocês representam um padrão internacional e vocês estão descolados desse padrão internacional.” Então, como que os caras definem que sim e vocês acham que não.

Eu comprei essa briga e eu forcei os caras a me aceitarem como publicação periódica, porque ISSN é isso, né? Eles não falam necessariamente em revista, mas falam em publicação periódica e, assim, eles nunca me deram essa informação, mas por esse histórico eu suponho que a gente tenha sido o primeiro blog a conseguir no Brasil o ISSN.

E eu acabei orientando muita gente que me perguntou “mas como você conseguiu? Como assim? É possível!” E depois eu acabei… Hoje deve ter um monte, eu mesmo ajudei muita gente a conseguir o ISSN. Eu acho que essa é uma história interessante, porque o ISSN acaba formalizando um pouco essa ideia de que a gente tem ali uma revista e a partir disso acho que as pessoas ficaram mais à vontade para poder citar o Icônica e dizer: “Olha, uma revista eletrônica publicada por cinco pesquisadores.”

Talitha Motter Quando eu escrevi meu texto da qualificação, eu justamente comentei essa questão de como estava presente o ISSN nessa vontade de ser revista. Porque o ISSN mostra uma vontade de trabalhar com uma periodicidade, com uma oficialização também.

Ronaldo Entler Você sai de uma informalidade de uma maneira.

Talitha Motter Pensando um pouco mais sobre a questão do conteúdo do Icônica, eu estava querendo te perguntar como é que tu enxerga a participação do Icônica na discussão da fotografia, da fotografia atual. Por exemplo, eu vi que tem alguns textos que foram publicados naquela série Manual de primeiros socorros para conceitos mutilados, que é bem interessante por tentar reabilitar certas noções. Enfim, isso já mostra um interesse em repensar e se posicionar em relação à fotografia e em como a gente trabalha com isso. E não sei se tu poderia comentar outras coisas, outras contribuições que o Icônica fez para essa discussão.

Ronaldo Entler Assim, eu, e o Rubens de certa maneira também, a gente sempre militou muito num processo de abertura da fotografia, que aqui no Brasil gerou muita resistência, a ideia de que a fotografia poderia se colocar em diálogo com outras linguagens. A gente viveu muito um período em que as pessoas da nossa geração, o Rubens é um pouco mais velho que eu, enfim, foi meu professor, mas a gente viveu esse momento juntos, já trabalhando juntos, a gente encontrava muito essa pergunta: “Pô, mas isso é fotografia? Não, isso não é fotografia.” Porque as imagens em diálogo com o ambiente mais amplo da arte contemporânea, elas vão se tornando muito híbridas. E o Rubens que também é curador, crítico, como eu… quer dizer, ele está nessa há muito mais tempo do que eu, mas de alguma maneira eu segui os passos dele nessa história, ele sempre acolheu muitos trabalhos experimentais de jovens artistas que geravam esse tipo de desconfiança.

E essa acabou sendo uma bandeira minha também, de tentar criar um espaço de interlocução que ajudasse as pessoas a pensar e a aceitar essas experiências mais amplas e expandidas como algo que merece ser discutido e pensado pelo campo da fotografia.

Então, aquilo que a gente chama de fotografia contemporânea sempre foi uma bandeira nossa. A gente abriu esse espaço tanto como uma forma de comentários sobre textos de artistas… Aliás, a Cia de Foto, tanto eu quanto o Rubens, a gente se aproximou muito deles porque eles levavam bordoada de todos os lados, porque eram um grupo que decidiu não assinar fotografia com o nome próprio, eles assinavam como coletivo. E os fotógrafos que vêm da tradição de fotojornalismo caíram matando, assim, eu falei: “Opa, vamos ver quem é essa molecada, o que é que eles estão fazendo.” A gente começou a olhar… Aliás, eu acho que foi num texto do Icônica, e é esse o texto que ficou faltando, que eu falei que foi muito citado, que teve grande circulação, um texto em que eu falo da questão dos coletivos, em que eu faço uma defesa desse movimento. No Brasil, isso teve um certo ar de movimento. Eu faço uma defesa desse movimento dos coletivos. Acho que a reação aos coletivos é muito conservadora. E foi nessa que eu me aproximei da Cia de Foto e depois pontualmente do Pio Figueiroa, que acabou vindo para o Icônica. Então, assim, pensando a fotografia contemporânea, a gente acolhia isso tanto do ponto de vista de falar de trabalhos de artistas, mas também numa perspectiva teórica, que é um pouco a vocação que a gente tinha por estar inserido nesse mundo acadêmico. Acho que faz parte desse projeto de dar uma certa atenção a fotografia contemporânea, de testar de tempos em tempos os vocabulários por exemplo. Então, essa série do manual de primeiros socorros é um espaço em que eu faço isso, eu fico testando o vocabulário de uma certa tradição para ver como ele tem sido usado pelo campo de pesquisa da fotografia. Tem uma outra série, que eu não sei se vou lembrar o nome com precisão, mas então Histórias de Fantasmas e Assombrações, uma coisa assim, em que eu também vou discutir um pouco como que certas ideias assombram o campo da fotografia. São textos muito provocativos. É curioso, acho que esse é um bom exemplo. Essas séries eu gosto muito e por isso elas viraram séries também. Ali, eu estou enfrentando uma discussão que é acadêmica, mas com uma irreverência que jamais seria permitida num artigo. Eu tenho certeza que eu não conseguiria publicar um texto assim numa revista, na forma de um glossário, de um manual. Então, esses são exemplos de textos que estão com um pé na academia e, de fato, eles foram lidos por pessoas que estão no campo acadêmico, mas a linguagem é outra. A linguagem é uma linguagem provocativa, além de uma linguagem, assim, que flerta com o ambiente da conversa de boteco.

Detalhe da seção Séries do Icônica.

Talitha Motter É que às vezes esse tipo de linguagem pode ter uma inserção muito maior, produzir outras respostas.

Ronaldo Entler Aliás, uma justificativa do Icônica, eu te contei uma longa história, mas uma maneira simples de justificar o Icônica é a seguinte: me doía muito ver textos… Às vezes, eu passava um ano escrevendo um texto, eu conseguia publicar esse texto numa revista importante de uma universidade X e, assim, cadê o texto? Essa revista, ela desaparecia por completo. Alguém me pedia, eu não tinha, eu não tinha um exemplar. Aonde consegue essa revista? Bom, assim, principalmente num momento em que as revistas eram só impressas, era isso, os textos desapareciam. Mas, mesmo assim, em termos de publicação acadêmica on-line, que acho que democratiza muito o acesso às publicações que morriam na prateleira de uma biblioteca, ainda assim os textos têm uma circulação muito baixa.

Então, o Icônica tem a ver com o desejo de circulação.

Acho que dá para dizer dessa forma. Coisas que tomaram muita energia e muito tempo da minha parte morreram na prateleira de alguma biblioteca. Inclusive, coisas recentes. Eu tenho um livro, um artigo que eu gosto muito que foi publicado em um livro da Universidade Federal da Bahia. Bom eu não sei quantos livros eles imprimiram, mas eu recebi dois exemplares. Esse livro desapareceu, ninguém tem esse livro. E eu estou agora brigando com eles para ver se eles me liberam para publicar esse artigo. É um artigo grande, assim, não caberia no Icônica. Mas eu estou tentando publicar num outro livro, porque eu gosto muito do artigo. E esse livro ninguém acha, ninguém conhece e não circulou. Então, é isso, o Icônica, ele nasce de um desejo de circulação, porque os artigos acadêmicos daquela época não permitiam.

Talitha Motter E para voltar um pouco de novo nessa questão do conteúdo, a gente falou da fotografia, da relação do Icônica com a fotografia, e um outro eixo seria perguntar como é que os textos publicados pelo Icônica se relacionam com a atualidade do Brasil. Por exemplo, teve um dos textos que foi o Porque as imagens ardem e os museus queimam, que está muito vinculado com os acontecimentos políticos e sociais do país.

Ronaldo Entler Olha para ser sincero, acho que nunca, raramente, a gente conseguia ter agilidade para fazer com que os textos respondessem aos acontecimentos. A gente era mais lento do que isso. Inclusive, por isso, a gente não se comprometia com a coisa de fazer crítica de exposição, porque quando o texto estava pronto a exposição já tinha acabado. Mas, de vez em quando, a coisa batia. Eu sei, assim, se você contar, eu sou aquele que mais escrevi para o Icônica. E tem momentos que eu estava inspirado e eu consegui escrever com uma certa agilidade. Às vezes, assim, você é atropelado pela questão. Teve um outro texto que foi mais ou menos assim. Não sei se virou série ou não, mas em que eu falo de representações da morte. Eu fiquei muito tocado, muito assustado, com imagens do linchamento do Kadhafi. Kadhafi era um ditador da Líbia. Enfim, ele foi empalado por uma multidão, ele foi linchado publicamente diante de câmeras. E, ali, também foi um texto que eu… Quer dizer, a partir disso, eu revisitei outras imagens que representam mortes de figuras públicas. Então, tem alguns momentos que a gente tenta, a gente, eu principalmente, que consegui escrever com um pouco mais de agilidade. O Rubens também fez isso muitas vezes. A gente tentava dar conta dessa atualidade. De fato, esse texto dos museus, foi uma coisa que me fez parar durante um, dois dias, e quando você para e fica ali com uma ideia fixa entorno de um tema, para mim é muito natural que isso vire textos. Mas isso nunca foi um compromisso, porque a gente nunca conseguiu ter essa agilidade. Acho que eu e o Rubens, a gente conseguia um pouco mais. O Mauricio de jeito nenhum. Assim, né, o Mauricio, ele brinca que ele é assim… ele fala que se a gente tocasse jazz eu seria aquele cara do improviso e ele seria o cara que precisa escrever a partitura antes de poder tocar a música. Eventualmente, o Mauricio lidava com coisas que ele encontrava pelo caminho, mas não notícias, não coisas assim que interessavam para um público muito abrangente. Às vezes, uma imagem que ele encontrou na coleção de alguém, em um baú que ele abriu, enfim, mas assim não era isso que pautava o Icônica.

Quando eu convidei o Mauricio e a Cláudia, e depois o Pio, acho que mesmo quando eu propus para o Rubens essa era uma promessa: “Olha, assim, a gente não vai se sentir muito obrigado a ter que publicar um texto essa semana, porque não pode ficar um buraco.” Então, ficava, ficava dois meses sem texto, depois a gente retomava. Mas é inevitável, enfim, a gente está circulando pelo mundo atento aí as coisas que acontecem, quando rola uma conjunção dos astros, quer dizer, o acontecimento é forte, a gente se sente tocado por ele e tem tempo para sentar ali e passar um dia. Porque é isso, né. Também quando é que a gente se deu conta de que o Icônica não era só um blog, quando você se pegava assim há quatro dias esquecendo de comer, quase sem dormir, encanado com a finalização de um texto. Aí você fala: “Bom, um blog não era pra ser assim.” A coisa começou a ficar séria. Mas não é, não era uma regra não. Eu diria que não era pelo princípio de, assim, pelo compromisso com os acontecimentos do país, do mundo, era muito mais porque a gente era atropelado por alguns acontecimentos em particular.

Talitha Motter E até porque essas questões da atualidade podem vir de maneira direta, como um texto que comenta realmente um fato atual, como também de maneira indireta, se tu comenta uma produção de um artista que trata disso também, ou uma fotografia, ou uma imagem.

Ronaldo Entler Todos nós no Icônica somos leitores de Walter Benjamin e tem um princípio, assim, uma coisa que a gente já citou em muitos textos, a ideia de que a história não é uma coisa morta.

Um fato do passado, ele mantém uma energia e ele pode ser convocado para lutar ao nosso lado no presente.

E isso, para o Mauricio principalmente, que é um grande benjaminiano, é metodologia de trabalho. Então, uma coisa que ele faz talvez melhor, muito melhor do que eu, mas eu tento fazer também, é pegar um fato do passado e é quase como se você perguntasse a esse evento do passado o que ele tem a dizer sobre o presente, né? Então, essa ideia do anacronismo, a ideia de que os tempos se comunicam. Isso sempre foi um princípio para a gente. Então, sei lá, o Rubens é muito ligado às fotografias históricas, o Mauricio é historiador. Mas, de vez em quando, a gente consegue sacar ali uma questão do passado que diz muito sobre o presente, sobre a atualidade. Isso acaba acontecendo um pouco naturalmente também.

Ideias de Revista

Talitha Motter E a gente comentou agora há pouco dessa questão dos formatos de revista impressa e da questão de como é que isso se repercute, que a gente acaba tendo menos acesso a essas publicações. E não sei se tu teria como comentar sobre outras diferenças que tu vê entre publicações impressas e publicações de arte que são digitais. Quais seriam as vantagens e as desvantagens a partir da experiência do Icônica?

Ronaldo Entler É, assim, a gente pode pensar em revista impressa e pode pensar em revista impressa acadêmica, que é uma outra coisa. As revistas acadêmicas, mesmo no digital, as revistas acadêmicas às vezes elas… elas padecem de uma certa lentidão, de um certo conservadorismo. Tem uma coisa, assim, eu não sei se isso já aconteceu pra você, mas em algum momento vai acontecer, que é você virar parecerista de coisas várias no mundo acadêmico. E, assim, para uma revista, toda a revista acadêmica ela é pontuada pelo sistema Qualis, aqui no Brasil. Você deve conhecer essa estrutura. Para você ter uma boa pontuação no Qualis, você tem que ter um corpo de pareceristas e nenhuma revista tem grana. Então esses pareceristas, eles são colaboradores voluntários, geralmente uma troca entre amigos: “Olha, você participa da banca de um orientando meu e eu faço um parecer para sua revista, para a revista que você edita.” É um saco. Eu, toda a semana, eu recebo dois pedidos de parecer e eu tenho dificuldade de responder, dizer, assim: “Olha, infelizmente não vai ser possível.” Porque é tanto pedido de parecer que eu não dou conta, né. E a gente sabe que essa revistas ficam meio travadas, às vezes por conta de um sistema de avaliação, que no final das contas não ajuda em nada. Esses pareceres às vezes, não é que eles não sejam sérios, mas a gente não consegue achar o tempo. É tipo banca, tem uma hora que a gente não aguenta mais participar de banca. É muita pesquisa para pouca gente que está disposta a participar de banca. Então, você começa a ter um modelo que começa a ruir. As revistas acadêmicas, elas estão presas a um sistema de pontuação que eu acho bastante arcaico, mesmo quando elas migram pro digital. Tem essa coisa que você precisa ter uma revista que pontua, porque isso depois gera bolsas de estudo, o resultado disso é que as revistas não conseguem sair às vezes, porque… sei lá, eu tenho um prazo de 30 dias, quando eu consigo fazer um parecer eu levo três meses, né. Então, essas revistas ficam emperrando. O bom de uma publicação mais informal é que, se você tem uma ideia e a ideia é boa, você põe no ar e testa. Agora ok, né, o mundo acadêmico, ele ainda tem um compromisso de seguir certos protocolos que vêm da ciência. Eu, pessoalmente, em época de coronavírus, em época de muita suscetibilidade a fakenews, a gente descobre que os protocolos científicos, eles são muito importantes.

Mas tem uma coisa que eu também acho que é, no campo das humanidades e das artes, esse desejo de ser ciência, ele emperra muita coisa. Eu acho importante esse movimento dos críticos, artistas, colocarem o pé dentro da academia, mas eu acho tão importante quanto o movimento contrário.

Assim, eu gosto muito de ver como que hoje as pesquisas no campo das artes, elas vão se abrindo a formatos que são bastante experimentais por pressão do ambiente artístico. Assim, eu respeito e prezo muito pelos protocolos da ciência, mas eu acho que para as humanidades e, principalmente, para as artes “querer ser ciência” é uma coisa que burocratiza o pensamento e a produção artística. Então, eu tenho um grande embate, porque minha vida, ela é muito dividida nesses dois territórios, a vida acadêmica e a vida no circuito cultural da arte e da fotografia. E, eu faço um esforço muito grande para estabelecer essas pontes e para provocar um lado com argumentos que vêm do outro. Assim como eu fico enchendo o saco dos meus amigos professores e pesquisadores a relaxar um pouco com relação a esses protocolos. Eu fico cobrando dos artistas que eles, de vez em quando, citem as suas fontes, que eles parem de ficar achando demais as coisas. Essa contaminação, eu acho muito positiva.

Agora na comparação entre o impresso e o digital. Olha, eu cedi, assim, eu me empolguei muito rápido com o digital. A internet, ela chegou comercialmente no Brasil, se não me engano por volta de 1995. Em 1995, eu estava começando meu doutorado. E eu fui para a França fazer uma parte do meu doutorado, eu tinha uma bolsa da FAPESP, o que me deixou, pelo fato de eu estar ali sozinho, longe dos meus amigos. A gente não tinha Skype, não existia rede social. Então, foi um período de isolamento bem importante para a minha pesquisa, mas eu fui, por exemplo, estudar um pouco de programação, porque eu decidi ter como produto da minha pesquisa, formalmente como produto, um software e um site. E, nessas coisas que eu tento mapear aqui no Brasil, e isso quem me disse foi a FAPESP, foi uma coisa que eu nem imaginava, eu fui o primeiro pesquisador no país a ter um site como produto da pesquisa. Não um site, assim, você faz a sua tese e depois publica no espaço virtual. Não, eu criei um site chamado Arte Acaso. Olha, se bobear esse treco está no ar completamente em ruínas, porque as coisas vão parando de funcionar. Não sei se está ou não está, mas se não tiver eu tenho registros, porque eu documentei bastante todo esse processo. Em 95, quando a internet se abriu comercialmente, quer dizer, ela era uma coisa muito restrita a alguns núcleos de pesquisa em universidades. Quando ela se abriu, que eu tive um acesso efetivo, assim, liberdade de começar a fazer coisas, eu fui estudar como é que se produz conteúdo para a internet e criei um site. Ele era ao mesmo tempo, assim, não deixava de ser um espaço de difusão dos meus resultados de pesquisa, mas era mais do que isso. Quer dizer, o site ele tinha algumas aplicações que me permitiam testar hipóteses e as conclusões eu levava para a minha pesquisa. Então, esse site ele era ao mesmo tempo instrumento, era ao mesmo tempo meio de difusão, mas ele era também resultado da minha pesquisa. Essa questão dos acessos, ali, muito rapidamente, eu descobri que quando você solta uma coisa no mundo você coloca sua pesquisa em contato com coisas que você não imagina. Você começa a formar parcerias, algumas acadêmicas, outras totalmente fora desse território.

Então, durante muito tempo, publicar em revistas impressas era uma coisa que dava muito status. Até hoje talvez ainda tenha um certo resquício, um fetiche do papel. Se um livro, se alguém te convida para publicar um capítulo de um livro eletrônico, bate uma decepçãozinha. Assim, você queria que fosse em papel, para você ter na estante, para você ir numa livraria e ver o seu título ali. Eu também tenho esse fetiche, eu acabei de publicar um livro de contos. Aliás, essa é outra história que eu te falo já, já. Um livro de contos que para mim é um livro de teoria da fotografia, mas são ficções, e tem muito a ver com esse princípio de tentar achar uma linguagem que possa levar a teoria para um público mais amplo. Mas, enfim, a gente às vezes não escapa do fetiche do papel, mas muito rapidamente me bateu essa coisa, né… que o papel por um lado, ele se preserva mais do que, sei lá, esse site Arte Acaso. Se você não ficar ali atualizando o treco, ele vai se esfacelando e uma hora ele sai do ar sozinho, se você não o tirar do ar. O Icônica, ainda tenho que ficar ali prestando atenção. Então, assim, ele é mais volátil, mas eu acho que compensa o esforço. De fato uma grande questão, isso vale para os textos e vale por exemplo para a fotografia digital, o que vai ser dessa memória daqui há cem anos? Os jornais, eles estão aí meio amarelados, microfilmados, mas eles estão aí. Por exemplo, a minha dissertação de mestrado, que eu digitei em uma versão Word para DOS (DOS era um sistema operacional que existia na época), eu tenho em um disquete, um treco, um disquetão, bolachão. Primeiro, não tem mais onde colocar esse disquete. Mas quando eu consegui achar um computador para poder tirar esse arquivo e passar para o pen drive, o arquivo não abre mais. Então, eu tenho um arquivo que nenhum programa consegue ler. Então a gente corre esses riscos, né. Mas a questão do acesso para mim ele é muito impactante. Então, eu desde sempre… Eu já fiz muito, já participei, já encabecei muitas publicações virtuais, CD-ROM. Tinha uma época que estava na moda a coisa do CD-ROM. Projetos, assim, baseados em meios digitais, isso sempre me empolgou bastante, mas nenhum preconceito em relação ao papel. Nenhum preconceito. Gosto de ler em papel, leio bem na tela, mas gosto de me sentar com o livro na mão. Gosto de ler jornal impresso se for o caso, mas é isso.

Talitha Motter Sobre essa questão da “volatilidade” dos sites, justamente um dos focos do projeto é criar um corpus de textos, traduzindo-os para uma linguagem que seria mais perene. É uma linguagem de marcação de texto que se chama TEI (Text Enconding Initiative), que é uma maneira comumente utilizada para transcrever documentos históricos para o computador. Daí tu consegue fazer todas as marcações como se fosse uma página HTML, mas ela tem uma flexibilidade que depois se pode adaptar para qualquer programa de computador. Então, seria também uma forma de “traduzir” textos da internet e preservar eles. Estou trabalhando nesse corpus, principalmente com as críticas de arte das revistas.

Ronaldo Entler Assim, de tempos em tempos, eu gero o PDF de tudo isso. Houve um momento em que eu achei que o Icônica estava perdendo o fôlego, foi um pouco depois do Proac, que eu gerei um PDF de todos os artigos, imprimi tudo e mandei para cada um dos colaboradores. E falei assim: “Olha, guardem isso, porque eu não sei por quanto tempo eu vou conseguir manter isso no ar.” E, os artigos, eu acho que têm importância. Isso, de fato, me preocupa. A gente estudando fotografia, a gente se depara muito com essa questão. As imagens que se perdem… Sei lá, o meu álbum de fotografia da minha infância está aí há quase 50 anos e todo mundo já perdeu um HD, assim, com um monte de coisa que foi para o espaço. Eu perdi, por exemplo, de uma maneira absolutamente inexplicável, três anos de e-mail do meu Gmail. Assim, o Google nunca conseguiu me explicar o que aconteceu. Desapareceu uma fatia de três anos. Tinha uma história ali contada. Enfim, eu nem pensei muito nisso depois, porque senão eu ia sofrer demais. Mas se está sujeito a isso.

Continuidade

Talitha Motter Ronaldo eu não sei se tu gostaria de complementar alguma coisa sobre a história do Icônica. Se tem algo que a gente não falou, que tu acha que é importante de colocar na entrevista.

Ronaldo Entler Eu tenho um projeto, isso me ocorreu há quase um ano, e eu estou esperando um edital que viabilize isso, porque eu precisaria de grana. É um projeto que se chamaria Doce O Icônica. Porque eu sinto muito, assim, me dói bastante ver o espaço desabitado. Assim, não tanto de público, de tempos em tempos, eu fico vendo, as pessoas continuam lendo os textos, principalmente aqueles que não são tão corriqueiros, mas desabitado de produção. E, como eu trabalho muito ajudando a formar jovens artistas, eu fiz um esforço muito grande na minha trajetória para me formar como crítico, quer dizer, como alguém que pensa a produção artística, seja no sentido acadêmico ou não.

E é muito difícil entender como é que se forma um crítico, como é que se forma alguém que escreve sobre produção artística.

Assim, como eu fiz lá o Paragem que era um processo de orientação de artistas relativamente jovens, já me ocorreu a possibilidade de fazer isso com jovens pesquisadores que têm o gosto pela escrita e que tem o interesse em manter um pé dentro e um outro pé fora da academia. E eu conheço pessoas que têm esse perfil de gerações várias. É muito difícil você encontrar um espaço mais constante para dar vazão para esses textos. Como eu sei que eu não vou dar conta, eu não tenho mais tempo, eu tenho outros projetos, que me tomam todo tempo e meus colegas idem, eu pensei na possibilidade de levantar uma grana e passar um ano assim fazendo uma convocatória, convidando jovens pesquisadores a mandar textos e tentar estabelecer uma produção um pouco mais rotineira, como foi a nossa no começo, e formar esses críticos que têm um pé dentro e outro pé fora da academia para ver se a partir disso o Icônica passa a ser deles. E, aí, a gente entraria para uma história, assim, teria nosso retrato na sala do cerimonial do Icônica. Mas eu ficaria muito feliz se eu pudesse reunir uma galera mais jovem que tivesse mais fôlego do que eu e mais tempo para que o Icônica seguisse adiante. Esse projeto ele está praticamente escrito já, o que aconteceu é que não tem mais editais. A área de cultura ruiu nesses anos. E vai ser muito difícil, nesse período, de conseguir viabilizar esse projeto. E uma coisa que eu faço questão, assim, a minha preocupação não é tanto em me remunerar, mas se eu vou ficar convidando molecada para produzir textos, eu acharia legal nessa fase de testes poder pagar por esses textos para que eu me sinta à vontade de inclusive dizer: “Olha, muito obrigado, você não tem perfil para aquilo que eu quero.” Então, eu faço questão de ter grana para isso. Sem dinheiro eu acho que eu não conseguiria. Mas esse é um sonho que eu tenho, assim, de passar o Icônica para uma outra geração que consiga levar adiante esse projeto.

Talitha Motter Eu acho que esse é um grande dilema das publicações que a gente poderia chamar de independentes, de fazer essa passagem, porque sempre vai ter um momento que tu não consegue mais sustentar aquele ritmo. A gente, por exemplo, tem uma publicação também, mas acabou que diminuiu a periodicidade, porque todo mundo está envolvido com outras coisas. E tu quer continuar, porque não quer deixar o projeto morrer, também, porque já se construiu uma história. E fazer essa transição eu acho que é uma ideia genial, porque pelo menos tu passa para pessoas que tu vai ter um contato, que já vão fazer parte desse projeto de formação e que vão continuar com a ideia que tu tinha para o Icônica.

Ronaldo Entler Quando você fala que você tem uma publicação, a gente quem?

Talitha Motter Eu e a Paola Fabres, a gente fez graduação juntas em Artes Visuais lá no Sul, em Porto Alegre. E daí, em 2013, a gente criou uma publicação que se chama Arte ConTexto com várias outras pessoas, com um web designer, com um revisor, que é meu marido, e com outras pessoas da área acadêmica. Então, desde lá, a gente vem publicando. No início, eram publicações quadrimestrais, agora tá tipo semestral, ou mesmo anual. Mas teve algumas experiências que tu comentou, por exemplo, essa questão de começar a ter uma inserção e de começar também a praticar a escrita, que a gente também teve com a revista. Além dessa questão de tu construir uma rede, de tu ver que as pessoas começam a se interessar pela revista e que tem coisas que acontecem além de ti mesmo, o que é uma coisa bem legal da Arte ConTexto. Mas é isso, acho que a gente sempre tem que tentar dar um novo fôlego para essas publicações, porque senão elas acabam naquele limite do “até onde podemos levá-las”.

São Paulo — Montréal, 6 avril 2020.

Entrevista com o cofundador da Performatus Tales Frey

Imagem de capa: Tales Frey, foto de Paulo Aureliano da Mata.

Temas

***

Présentation en français

Neste momento em que a Internet se torna ainda mais parte da rotina daqueles que possuem esse recurso em suas casas, tornando-se essencial para termos acesso à informação e à cultura, o entendimento do ecossistema de plataformas digitais é fundamental. Assim, dentro do blog de pesquisa Réseaux Sensibles, continuo com o interesse de apresentar revistas de arte digitais que têm contribuído para a construção dos discursos sobre a arte atual brasileira no universo on-line. Uma das primeiras pessoas com que falei sobre a minha vontade de realizar esse estudo, antes mesmo de iniciar meu doutorado em História da Arte na Université de Montréal, foi o artista e cofundador da eRevista Performatus (performatus.net, ISSN 2316-8102, novembro 2012, Inhumas/Goiás) Tales Frey. Na época, em 2016, já acompanhava essa revista e encaminhei algumas perguntas ao artista sobre o seu funcionamento, que me ajudaram a começar a delinear um panorama dessas publicações. Agora com o projeto já em desenvolvimento, Tales Frey participa do processo respondendo ao questionário da pesquisa. Suas questões foram pensadas com o objetivo de discutir elementos centrais da edição de uma revista digital, além de propiciar a reflexão sobre as especificidades desse formato e seus papéis em relação à arte atual.

Desde 2012, a Performatus, editada também por Paulo Aureliano da Mata, vem preenchendo uma lacuna na documentação e na reflexão crítica da performance desenvolvida em países lusófonos, principalmente nos casos do Brasil e de Portugal. Assim, segundo Tales Frey, a revista assume um compromisso político e decolonial. Nesse sentido, a publicação que ela realiza de traduções em português de textos clássicos da historiografia da performance permite ampliar o acesso a essa literatura, mas também a sua ressignificação em outros contextos. A escolha do digital, no caso da Performatus, também permite a disponibilidade gratuita de suas edições e a criação de uma “rede ampla de relações” entre diferentes atores da arte, incluindo a inserção de novos artistas da performance.

***

Entrevue avec le cofondateur de la revue Performatus Tales Frey

À l’heure où Internet fait partie de la routine quotidienne de ceux qui ont cette ressource chez eux, il est devenu un accès incontournable à l’information et à la culture. Bref, la compréhension de l’écosystème des plateformes numériques est fondamentale de nos jours. Ainsi, au sein du blogue de recherche Réseaux Sensibles, je poursuis mon intérêt de présenter les revues d’art numériques qui contribuent à la production de discours sur l’art brésilien actuel dans l’univers en ligne. L’une des premières personnes avec lesquelles j’ai parlé de ma volonté de réaliser cette étude, avant même de débuter mon doctorat en histoire de l’art à l’Université de Montréal, a été l’artiste et le cofondateur de l’eRevista Performatus (performatus.net, ISSN 2316-8102, depuis novembre 2012, Inhumas/Goiás) Tales Frey. À l’époque, en 2016, j’accompagnais déjà les livraisons de cette revue et j’ai pris la décision d’envoyer quelques questions à l’artiste sur son fonctionnement, ce qui m’a permis de commencer à tracer un panorama de ces publications. Maintenant que le projet est déjà en cours de développement, Tales Frey participe au processus en répondant au questionnaire créé dans le cadre de cette recherche. Ses questions ont été pensées dans le but de discuter des éléments essentiels de l’édition d’une revue numérique, en plus de permettre une réflexion sur les spécificités de ce format et ses rôles par rapport à l’art actuel.

Depuis 2012, Performatus, éditée aussi par Paulo Aureliano da Mata, est en train de combler une lacune dans la documentation et dans la réflexion critique sur les performances développées dans les pays lusophones, notamment dans les cas du Brésil et du Portugal. Ainsi, selon Tales Frey, la revue présente un engagement politique et décolonial. En ce sens, la publication qu’elle réalise de traductions en portugais de textes reconnus dans le cadre de l’historiographie de la performance permet d’élargir l’accès à cette littérature, et aussi de l’envisager autrement. Le choix du numérique, dans le cas de Performatus, permet également l’accès gratuit à ses livraisons et la création d’un « réseau très vaste de relations » entre de différents acteurs de l’art, y compris l’insertion de nouveaux artistes de la performance.

***

História & Organização

Você poderia me contar como foi o processo de criação da eRevista Performatus?

Tales Frey Em 2012, juntamente com o Paulo Aureliano da Mata, pensei em concretizar a revista por uma série de questões e, então, no mesmo ano, fundamos a Performatus. A primeira motivação foi a de desfazer a lacuna existente de revistas especializadas em performance em língua portuguesa.  A outra motivação foi a de criar uma revista mais inclusiva, mais democrática, e que exigisse um conteúdo mais direto, mais objetivo, e que não necessariamente fosse um conteúdo aprisionado às normas de textos acadêmicos com formatações rígidas. Apostamos nas escritas feitas por artistas também e, assim, aceitamos textos mais poéticos ou que sejam relatos de processos de criação também e não apenas artigos elaborados por pessoas do campo da teoria. Inclusive, publicamos ensaios visuais. 

No início, tínhamos muitas(os) artistas e teóricas(os) que colaboravam na Revista, dentre eles, Vanja Poty, Raphael Fonseca, Nathália Mello, Renan Marcondes, Priscilla Davanzo, entre outras(os). 

Como se deu o seu interesse em criar uma revista?

Tales Frey Como artista, tenho a performance como principal meio de expressão artística e, ainda que eu crie obras amparadas por outras expressões, a performatividade está sempre presente em todas (ou quase todas) as minhas criações. No caso do Paulo, a performatividade também é um assunto central nas suas criações. Nós sempre relacionamos toda e qualquer expressão artística nossa com teorias que estudamos, com políticas com as quais nos identificamos, com nossos contextos, com os artistas e teóricos nos quais nos reconhecemos completamente ou em alguma parte, etc. Assim, a revista acabou por ser uma forma de reunirmos os nossos interesses para partilharmos com outras pessoas, o que acaba por estabelecer uma plataforma com uma rede ampla de relações, onde artistas de áreas afins acabam por se encontrar.

Você poderia me contar um pouco de quem participa atualmente da equipe da revista? O grupo de colaboradores se modificou durante a história da revista? Se sim, como os novos colaboradores ingressaram na equipe?

Tales Frey Hoje, a revista é gerida por mim e pelo Paulo. Outras pessoas colaboram, mas não de modo forçoso, fixo. A revista começou sendo bimestral, depois passou a ser trimestral, depois semestral e, finalmente, anual. Isso aconteceu porque vivemos do nosso trabalho artístico e, felizmente, fomos gradativamente tendo mais aceitações em instituições e, com isso, gradativamente tivemos que acelerar e ampliar a produção prática e reduzirmos a teórica. Essa diminuição da produção teórica foi justamente para mantermos a mesma qualidade da revista, pois percebemos que precisaríamos de mais tempo para a elaboração de cada edição já que tínhamos muitos textos para conferir sempre e outros para produzirmos. 

Página Quem Somos, que apresenta os criadores e colaboradores da Performatus. Na foto, o também cofundador da revista Paulo Aureliano da Mata.

O que o nome da revista Performatus quer dizer para você?

Tales Frey Vem da raiz etimológica da palavra “performance”. Do latim, temos o termo “formare”, que quer dizer “dar forma” e “performatus” que quer dizer “acabado de formar” e, assim, percebemos uma origem comum nesses termos, mas “performatus” foi o que julgamos mais abrangente e que acaba por abordar as ideias frescas, novas, formadas no instante em que acessamos.

Como é organizado o trabalho de edição da Performatus, quais são as atividades de cada membro da equipe e que atividades você realiza na revista?

Tales Frey Recebemos propostas diversas e também convidamos pessoas, pedimos autorizações para traduções, para cederem imagens, etc. Somos sempre éticos com as(os) autoras(es). Contratamos tradutores(as) e pessoas para revisarem textos. 

Vocês possuem um lugar onde possam trabalhar juntos? Ou o trabalho de edição é realizado a distância? Se sim, como é para você trabalhar a distância?

Tales Frey Eu e o Paulo trabalhamos no mesmo lugar. Vivemos juntos e a nossa própria casa é nosso ateliê e sede da revista. As colaborações vêm de diversas partes do mundo e nós lidamos muito bem com os dispositivos tecnológicos que permitem a nossa comunicação com todas as pessoas envolvidas. 

Quais são as dificuldades normalmente encontradas no cotidiano de edição da revista Performatus?

Tales Frey Conseguir financiamento é sem dúvida a maior dificuldade.

Site Web, Conteúdo & Autores

Como foi pensado o projeto gráfico da revista?

Tales Frey Toda a criação da identidade visual foi feita em diálogo com o designer Rubens Rangel, com quem sempre trabalhamos. 

Edições publicadas pela revista Performatus.

Qual é o sistema utilizado para publicação do site da revista (ex. WordPress)? Comentar por exemplo as vantagens e desvantagens observadas.

Tales Frey Utilizamos o wordpress. A vantagem é a simplicidade e autonomia que podemos ter para atualizações. A desvantagem talvez seja a falta de possibilidade de criarmos um layout mais elaborado, embora o nosso gosto estético esteja completamente relacionado à desafetação mesmo. 

O site da revista foi alguma vez modificado? Por quais motivos?

Tales Frey Algumas vezes precisamos inserir novos sublinks. Quando criamos eventos relacionados à revista (mostras de performance, curadorias de exposições, residências artísticas, etc.).

Vocês também disponibilizam a publicação dos textos em .PDF. Você teria como me contar os motivos que levaram a publicar também esse segundo formato?

Tales Frey Muita gente escrevia para a revista pedindo tal formato. Talvez porque quisessem armazenar os textos em seus computadores. Nós aderimos atendendo aos pedidos que recebemos.

Você poderia me contar um pouco sobre quais são os tipos de conteúdo publicados pela revista? Por exemplo, comentar os objetivos principais de cada seção da revista: Perfil de ArtistaEstudosCríticasEntrevistasTraduções, Dos cadernos e Documentações.

Tales Frey No perfil de artista, priorizamos artistas emergentes. Não são artistas já consagradas(os), mas são aquelas(es) que têm se destacado no circuito artístico. Inclusive, há artistas que, posteriormente à publicação, passaram a ter ainda mais inserção no meio e isso prova que a revista pode impulsionar muito as suas carreiras profissionais. Em “entrevistas”, priorizamos artistas ou pesquisadoras(es) que, de modo geral, abordem a performance/performatividade nas suas práticas e pesquisas. Documentações são ensaios visuais que não precisam vir acompanhados de textos. Dos cadernos são anotações, relatórios e visões mais específicas sobre os processos e métodos de cada artista. Isso é uma ideia também apresentada em estudos, embora neste último item, reunimos analises mais conceituais de pesquisas em arte. Em críticas, há inclusive textos sobre espetáculos de teatro, de dança, de exposições, portanto é bem abrangente. Traduções é um item importantíssimo, pois procuramos sempre inserir textos fundamentais para a especificidade da performance (ou de assuntos relacionados ao gênero) e que ainda não exista em língua portuguesa. 

Pour être plus belle et efficiente (setembro de 2005) de Priscilla Davanzo publicada na seção Documentações da revista Performatus n.16.

Você poderia explicar mais em detalhes como é realizada a seleção do conteúdo de cada edição? Vocês recebem submissões espontâneas para avaliação ou também são realizados convites a autores? Quais são os critérios de avaliação dos textos, para a escolha de autores convidados e mesmo de temas?

Tales Frey Os temas coincidem sempre com o que estamos estudando para as nossas criações, mas também podem acontecer a partir de proposições externas enviadas para nós. Não há uma maneira fixa de criar cada edição. Para a próxima edição, por exemplo, eu e o Paulo escolhemos um tema e convidamos pessoas e, também, inserimos alguns textos que se aproximavam do tema e que já estavam conosco para análise. 

Quais seriam para você os papéis que a Perfomatus assume ao escolher discutir a performance em países que tem como idioma o português? Você percebe uma importância particular em trabalhar a questão da performance nesses países?

Tales Frey Os territórios onde o português é língua oficial não são países com uma tradição histórica de performance. O compromisso da revista é político, é decolonial. Hoje, no Brasil, por exemplo, há muitas pessoas praticando performance e é importante que elas sejam documentadas e, por isso, criamos uma publicação impressa e online chamada Evocações da Arte Performática, onde incorporamos todas as inscrições. 

Catálogo on-line do projeto Evocações da Arte Performática.

Como você percebe o diálogo entre as ações da revista Performatus e da Cia. Excessos? Por exemplo, penso que existe um importante papel de documentação crítica das performances realizadas pela Cia. Excessos a partir dos textos que são publicados na revista.

Tales Frey Naturalmente a Cia. Excessos e a Performatus estão interligadas, porque ambas são iniciativas minhas e do Paulo. Como respondi acima, a revista surgiu também como um modo de reunirmos as nossas pesquisas e interesses. Poderia dizer que a Cia. Excessos é uma plataforma para congregarmos a nossa prática e a Performatus para juntarmos as teorias e conceitos que nos atravessam. 

Você percebe uma relação entre os conteúdos publicados pela revista e os acontecimentos atuais no Brasil?

Tales Frey Completamente. Nós estamos sempre com atenção na atualidade de modo global e não acreditamos na existência da estética separada da política e, conforme o que o autor Bernard Stiegler diz, “o abandono do pensamento político pelo mundo da arte é uma catástrofe”. 
O Brasil está passando por um momento tenebroso que relaciona o fascismo e o neoliberalismo de um modo totalmente desumano em prol do capital. A necropolítica do Brasil atual é escancarada e, então, qualquer artista que esteja com atenção ao que se passa ao seu redor acaba por responder diretamente ao que assimila. E nós nos identificamos com tais artistas, logo a revista vira o reduto de oposição ao sistema opressor.  

Você poderia mencionar e comentar um texto publicado pela revista que teve um maior impacto/reverberação nas discussões?

Tales Frey Vou citar mais de um. A carta da Sara Wookey denunciando como a Marina Abramović explorava os seus colaboradores teve um impacto enorme nas redes sociais. O perfil de artista do Wagner Schwartz também reverberou nas redes sociais e acabou sendo muito acessado, pois o artista estava sendo perseguido de forma violenta pelos adeptos da extrema-direita do Brasil. Traduções de textos de algumas/alguns artistas e autoras(es) são muito citados em pesquisas e, nas estatísticas, estão entre os mais acessados. Dentre os artigos, ressalto os que foram escritos por Carolee Schneemann, Orlan, Jerzy Grotowski, Paul Beatriz Preciado, Adrian Heathfield, Vito Acconci, André Lepecki e o clássico “A Performatividade da Documentação de Performance” do Philip Auslander.

Você poderia falar um pouco do perfil dos autores que publicam na revista? Por exemplo, seriam eles novos autores, historiadores da arte, estudantes, curadores, críticos de arte, artistas, etc.? De onde falam esses autores, de quais regiões do mundo?

Tales Frey Realmente posso dizer que não há um perfil específico. Tem artistas e pesquisadoras(es) de campos diversos do conhecimento humano e as suas origens são múltiplas. Tem gente da América Central, do Sul e Norte, da Europa, Ásia, África e Oceania. O elo entre todas essas pessoas é o assunto em torno da arte.  

Meios de Financiamento, Público & Divulgação

Como a revista é financiada?

Tales Frey Ela é autofinanciada. 

Como você definiria o público da revista Performatus?

Tales Frey Creio que é o público interessado em arte e cultura contemporânea, bem como filosofia, antropologia, ciências sociais, enfim, gente de diversas áreas. Embora o maior público seja formado por praticantes e teóricos da performance especificamente.

Como a revista divulga o seu conteúdo? Explicar as estratégias (Redes sociais, E-mail marketing, Tipos de posts, etc.).

Tales Frey Sempre divulgamos através das redes sociais e e-mail. Inicialmente promovíamos postagens, mas hoje já existe um público que acessa e ele próprio acaba por colaborar espontaneamente na partilha de cada edição lançada. 

Post publicado na fanpage da Performatus divulgando a publicação da revista n.20, com capa de Élle de Bernardini.

Ideias de Revista

Para você quais são os papéis de uma revista de arte de maneira geral? 

Tales Frey Não gostaria de ser generalista e nem muito raso na resposta, mas acho que uma revista de arte deve reunir informações que formem um conteúdo coerente com o tempo em que a publicação acontece. Ainda que existam diálogos com o passado, tais diálogos ocorrem para pensar o presente.

Você percebe uma conexão entre o formato de publicação “revista de arte” e a crítica de arte?

Tales Frey Sim. 

Você percebe relações de diferença e/ou de proximidade entre uma revista de arte impressa e uma revista de arte digital?

Tales Frey Sim. Há diferenças e proximidades. A diferença que me desagrada, é que adoro ler coisas impressas em papel. A que me agrada é a de dar a possibilidade para qualquer pessoa acessar o conteúdo sem ter que pagar nada por isso. 

Por que criar uma revista em formato digital sobre performance? Você nota relações entre a performance e o on-line?

Tales Frey Porque queríamos disponibilizar o acesso gratuito e irrestrito a quem tiver interesse no conteúdo da Performatus. 

A performance está totalmente relacionada à identidade/subjetividade da(o) artista, porque não há interpretação na performance. E tal artista está totalmente inserida(o) nesta era em que a internet é parte das nossas vidas, logo isso está fatalmente presente nas suas criações e reflexões. 

Texto Manifesto das performances em espaços virtuais: Facebook, WhatsApp e novas possibilidades de afetos online de Davi Giordano publicado na Performatus n.19.

Como você percebe a participação da Performatus na discussão da produção artística atual?

Tales Frey Pelo menos em língua portuguesa, a revista ganhou certa importância como veículo de comunicação do que as(os) artistas e pesquisadoras(es) da performance andam criando e, como ela é acessada por muita gente desta área, as publicações acabam por influenciar artistas e pesquisadoras(es) em suas concepções. Tudo está tangenciado. 

Outras Atividades

Além da publicação da revista, vocês organizam outras ações, como exposições, publicações de livros, etc.  Como você vê a relação entre essas diversas atividades e a publicação da revista? Como elas colaboram entre si?

Tales Frey Eu e o Paulo somos proativos ao extremo. Temos interesse por muitos campos da arte. Desde a criação até a organização de eventos e curadoria. As materializações artísticas (nossas próprias obras, nossas curadorias e programações de obras de outras pessoas, bem como outros eventos) são solidificações de assuntos que estamos pensando e o que publicamos na revista é isso também. O mesmo acontece com o que inserimos na nossa coleção de arte. Compramos obras de diferentes momentos da história e de estilos dessemelhantes, desde Tarsila do Amaral até Lenora de Barros, de Caribé a Marina Abramović. 

Você poderia me contar um pouco mais em detalhe sobre como funciona a coleção de obras da Performatus, quais são os seus objetivos? Como ela começou a ser formada, como se dão as doações, como é pensada a circulação e conservação dessas obras?

Tales Frey O acervo começou espontaneamente quando o Paulo se interessou por algumas pinturas naïfs. Depois, começamos a comprar fotografias que podiam ser circunscritas no gênero artístico da fotoperformance, aí começamos a comprar objetos, esculturas, até que um dia um galerista de quem estávamos comprando muitas obras nos convidou para realizarmos uma exposição na Central Galeria de Arte de São Paulo. Foi assim que nasceu a Mostra Performatus, onde expusemos parte da coleção e convidamos várias(os) artistas para ações ao vivo, palestrantes, fizemos parcerias para residências artísticas, etc. E, com o dossiê da primeira edição, eu ofereci ao SESC SP a Mostra Performatus #2 com outras obras, outras ações, outras palestras. O SESC comprou o projeto e o mesmo ocorreu no SESC Santos. 

Hoje, temos mais de trezentas obras e elas ficam no acervo da família. Sobre as doações, estamos sempre abertos para incorporarmos obras de arte ao nosso acervo. Temos adoração pelas obras que temos, assim como pelos livros, filmes e discos. Somos verdadeiros acumuladores de arte e cultura.

Porto — Montréal, 30 mars 2020.

Entrevista com os diretores da Revista Desvio Gabriela Lúcio de Sousa e João Paulo Ovidio

Imagem de capa: Condor.

Temas

***

Présentation en français

Para esta segunda publicação do blog de pesquisa Réseaux Sensibles, conversei com Gabriela Lúcio de Sousa e João Paulo Ovidio, diretores da Revista Desvio (revistadesvio.com, ISSN 2526-0405, novembro 2016, Rio de Janeiro/RJ). A Revista Desvio, nas suas escolhas editoriais, reafirma o papel dos atores da cultura de estar em um movimento de constante desvio, em uma postura revolucionária e de resistência. Esse posicionamento se apresenta, talvez de maneira mais proeminente, no caso de iniciativas independentes, visto que elas criam outras redes de circulação da arte, diferentes das habituais. Podemos notar esse exercício no processo de seleção de conteúdos para a Desvio e para os diversos eventos que ela realiza. Prioriza-se a diversidade de vozes e de histórias para a seleção de seus colaboradores/participantes. Jovens pesquisadores de diferentes regiões do país assim podem encontrar nessa revista um lugar para iniciar suas trajetórias profissionais. 

Na entrevista, falamos também sobre o caso dos periódicos universitários que têm atualmente a necessidade de serem publicados on-line para obterem uma melhor classificação no processo de avalição Qualis, realizado pela CAPES. Nesse contexto, as revistas independentes afirmam sua importância pela possibilidade de publicação de tipos de textos que são menos priorizados por periódicos vinculados a programas de pós-graduação. Além disso, discutimos a presença da crítica de arte no ambiente on-line, cada vez mais marcante.

A entrevista foi baseada nas respostas de um questionário que havia anteriormente sido preenchido pela entrevistada Gabriela Lúcio de Sousa. Assim, algumas das perguntas fazem referência a essa entrevista introdutória, que havia sido realizada no dia 27 de outubro de 2019.

***

Entrevue avec les directeurs de la Revista Desvio Gabriela Lúcio de Sousa et João Paulo Ovidio

Pour cette deuxième publication du carnet de recherche Réseaux Sensibles, j’ai interviewé Gabriela Lúcio de Sousa et João Paulo Ovidio, les directeurs de la Revista Desvio (revistadesvio.com, ISSN 2526-0405, depuis novembre 2016, Rio de Janeiro/RJ). L’approche éditoriale de la Revista Desvio réaffirme le rôle des acteurs de la culture de vouloir être constamment dans un mouvement de détour, qui porte une attitude révolutionnaire et de résistance. Ce positionnement se manifeste peut-être plus spécialement dans le cas des projets indépendants, car ils peuvent créer d’autres réseaux de circulation, différents de ceux que l’on retrouve habituellement. On pourrait remarquer cette activité dans le processus de sélection des contenus qui sont publiés par Desvio et qui font partie des événements que cette revue organise. La diversité des voix et des parcours de ses collaborateurs/participants est priorisée dans ses sélections. Ainsi, les jeunes chercheurs provenant de régions différentes du pays peuvent trouver un espace où débuter leur cheminement professionnel. 

Lors de l’entretien, nous avons aussi évoqué le cas des périodiques universitaires qui doivent actuellement être publiés en ligne afin d’obtenir une meilleure classification dans le processus d’évaluation Qualis, qui est effectué par la Coordenação de Aperfeiçoameçto de Pessoal de Nível Superior (Coordination de perfectionnement de personnel de niveau supérieur – CAPES). Dans ce contexte, les revues autonomes affirment leur importance quant à la possibilité de publier des genres textuels qui sont moins privilégiés par les périodiques liés aux programmes de cycles supérieurs. En outre, nous avons discuté de la place de la critique d’art dans l’environnement numérique de plus en plus prédominante.

L’entrevue s’est basée sur les réponses à un questionnaire précédemment rempli par l’interviewée Gabriela Lúcio de Sousa. Ainsi, certaines des questions ici présentes font référence à cet entretien préliminaire, tenu le 27 octobre 2019.

***

História & Organização

Talitha Motter Eu tinha falado antes com a Gabriela sobre como é que foi o nascimento da Revista Desvio, mas eu gostaria que vocês comentassem novamente um pouco como é que foi o contexto de criação da revista e quais foram os objetivos que vocês pensaram ao criar a revista. E também, como a Gabriela tinha comentado que a revista tinha sido idealizada um pouco antes do lançamento, como é que se deu esse processo entre a idealização e a criação da revista.

João Paulo Ovidio Se eu não me engano no final de 2014, meados de 2015, uma pessoa publicou no Facebook do curso de História da Arte o interesse em criar uma revista, um periódico para o curso. A partir de então, essa pessoa fez um grupo separado para que todos os interessados pudessem entrar e debater o formato, e tudo mais. Esse grupo teve uma longa duração e poucos encontros. Ele não gerou frutos. O grupo começou com muitas pessoas interessadas, quase cem, mas acabou ficando umas cinco ou seis pessoas. Eu fazia parte desse grupo pequeno, que tentou, debateu, dar o início à revista. Então, se teve muito tempo de interesse, mas até que isso se concretizasse foi bastante trabalhoso, digamos assim. A gente sempre ficava naquela incerteza: “Ah, será que já é a hora certa de começar? Será que a gente já tem tudo e tudo mais?” Até que em determinado momento resolvemos lançar uma chamada e ver no que ia dar. A primeira edição, ela também levou bastante tempo para ficar pronta. Eu acho que a Gabi lembra com mais exatidão.

Gabriela Lúcio de Sousa A primeira edição levou uns sete meses para ficar pronta. 

João Paulo Ovidio Foi bastante tempo. E, enfim, quando a gente foi criar a revista, a gente levou em consideração que antes já outros alunos tiveram uma iniciativa. Só que essa iniciativa foi em colaboração com os professores e essa revista chegou a ter duas edições. Só que essa revista estava bem distante da proposta que gostaríamos que fosse feita, porque parecia mais uma revista como se tem esses jornais de DCE e tudo mais, seguia mais para esse perfil. E a função dos alunos era uma espécie de gerenciar esse conteúdo que vinha dos docentes, dos professores. Então, era uma revista que eles participavam, mas eles não estavam tão à frente assim. Era como se fosse uma abertura para que os alunos de História da Arte pudessem ter um contato com essa questão de periódicos e tudo mais, sem ser com a Arte & Ensaios, que é a revista da Pós-Graduação. Então, tinha essa questão presente. 

Gabriela Lúcio de Sousa No meu caso, foi bem diferente, porque quando eu entrei na verdade foi no final de 2015, daí o que aconteceu: eu conversei com uma colega nossa que era a Cíntia, falei que eu queria muito viabilizar uma revista acadêmica que desse espaço para o graduando publicar. E ela falou: “Ah, mas tem uma pessoa que já tem uma ideia.” Na época, ela me falou que era uma pessoa só, que é a Dani, que era uma das diretoras gerais da revista. E ela apresentou a gente numa reunião no IFCS. E a gente começou a tocar para frente algumas coisas. Nesse processo, eu já conhecia o João, mas a gente se aproximou mais nesse processo. Aí, acabou que ficou (no final das contas, a Cíntia também não quis continuar) na primeira edição: eu, o João, a Priscila, o Thiago e a Dani. E saiu a primeira edição da revista. Eu acho que é interessante comentar que a primeira edição da revista… A gente sempre tem um texto editorial, e o nosso texto editorial foi da Rogéria de Ipanema, que é uma professora da EBA. Depois disso, a gente mesmo começou a fazer nosso próprio texto editorial, porque a gente achava importante que os alunos realmente fizessem sabe. A gente começou a focar um pouco mais nisso. 

Talitha Motter Vocês disseram que tiveram esse tempo de gestação da revista. Vocês consideram que esse tempo foi muito para tentar se apropriar dos processos de edição de uma revista ou foi mais por organização de equipe? 

João Paulo Ovidio Eu acho que no início a gente estava bem incerto sobre as seções e o que poderia ter na revista. Uma coisa que a gente debatia muito era sobre a agenda, sobre como essa agenda ia funcionar. E era um debate que a gente tem até hoje, de ter disponível no site um espaço que as pessoas possam consultar, que seja alimentado constantemente, que apresente essa programação de arte, música e teatro como um todo, né? Essa programação cultural, contemplando principalmente as ações que não são divulgadas. O interesse da agenda era bastante isso, de conseguir divulgar essa programação que não chegava até as pessoas. Então, a agenda foi também uma das questões que deu conta para o debate até mesmo porque… Ah se a gente vai lançar uma revista de seis em seis meses, vai ser semestral, qual é a função de uma agenda ali dentro se ela vai estar completamente datada. 

Conteúdos publicados na categoria Agenda – Rio de Janeiro (exposições) da Revista Desvio.

Gabriela Lúcio de Sousa Essa foi uma função bem complicada que a gente teve até porque hoje em dia a agenda no site ela funciona bem até. Tem gente que manda coisa para publicação. Artistas menores, empresas menores, enfim. Ela precisa ser um pouco melhor ainda, mas hoje em dia ela tem uma função bem interessante até. 

Talitha Motter Com a publicação no site, fica mais fácil essa questão de poder seguir os eventos mais rapidamente, se comparado com a publicação semestral. 

João Paulo Ovidio Sim, e foi algo que a gente discutiu principalmente depois da terceira edição da revista, que foi a edição especial do primeiro PEGA, que era relacionado à necessidade de ter publicações constantes. Então, tivemos a ideia de fazer a crítica de coluna semanal, o que permite ter essa publicação mais constante e tudo mais. E se a gente não consegue divulgar o que está acontecendo através da agenda essa coluna de crítica acaba cumprindo esse papel também, porque é alguém que viu uma exposição e que vai chamar a atenção para isso que está acontecendo. Então, ao mesmo tempo, que essa pessoa está produzindo, pensando sobre aquilo, ela está divulgando também. Isso é bem interessante. 

Talitha Motter Então, acho que cumpre muito bem esse papel. E essa possibilidade do on-line de publicar constantemente, acho que agrega. 

João Paulo Ovidio E relação à questão do on-line, eu trabalho na Arte & Ensaios, lá do PPGAV. E o que foi discutido lá é que a revista física não… não sei se não pontua mais, ou não tem mais força, alguma coisa assim. A revista para pontuar, a revista acadêmica para pontuar ela precisa ser on-line. Então, é um movimento dessas revistas que já estavam estabelecidas como física, que já possuíam um público fixo, direcionado, e tudo mais, de cada vez mais buscar esse espaço virtual para se reinventar e para atender essas demandas de pontuação. 

Talitha Motter E eu acho que, no caso das revistas vinculadas aos programas, isso está muito relacionado com a questão da indexação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Acho que a ciência da informação deu uma bobinada nesses setores e acaba que é uma prática hoje em dia fazer isso. Até para você consegue selecionar melhor os conteúdos. 

João Paulo Ovidio Eu também acredito que essas revistas on-line independentes serão importantes porque as revistas acadêmicas cada vez mais vão deixar de publicar entrevistas porque não pontua. Então, não gera interesse, e tradução também não pontua. Todas essas seções que não geram pontuação aos poucos serão excluídas dessas revistas e caberá às outras abraçar esse conteúdo que é tão importante para quem é de arte, das ciências humanas como um todo. Porque a entrevista te dá um acesso à fala de alguém, permite saber um pouco mais sobre aquilo, sobre aquele assunto, sobre aquele estudo e a tradução, porque… Enfim, nem sempre a gente consegue… 

Gabriela Lúcio de Sousa A tradução democratiza o processo. 

João Paulo Ovidio Seja por uma questão de você não conhecer aquele idioma, ou seja por uma questão de ser um texto de difícil acesso, sabe? Então, permite essa circulação que é muito importante. 

Talitha Motter E a gente fica dependendo dessa valorização pela pontuação para poder publicar ou não dentro desse gênero de revista. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que vale a pena ressaltar uma questão, a Desvio ela não consegue entrar em uma dessas classificações da CAPES, porque para ser da CAPES a gente tem que estar aí com as pós-graduações. O que vai contra justamente com o nosso objetivo, porque a intenção da Desvio é publicar graduando. A revista acadêmica da pós-graduação não pública graduando. A gente tentou várias vezes entrar na CAPES, buscar de alguma forma, conseguir ter acesso. Mas até agora nada. 

Talitha Motter É eu acho que não chega a abarcar as revistas independentes diretamente, e que isso talvez seja uma dificuldade do próprio sistema de entender o nosso campo, que é um campo diferente, o campo da cultura, das artes. E, voltando para a questão do início da revista, a gente comentou um pouco na entrevista escrita sobre o nome da Revista Desvio… E eu já tinha lido algumas coisas e eu achei bem interessante essa ideia de uma via de outra mão, que a Gabriela comentou, enquanto um Desvio mesmo para a esquerda, como visão política. E eu fiquei pensando como isso pode estar relacionado, essa via de outra mão, com a área de pesquisa em cultura. Vocês veem alguma associação entre essa ideia de desvio e cultura?

Gabriela Lúcio de Sousa Olha eu acho meio complicado isso, porque assim… O lance do Desvio à esquerda, quando eu entrei já tinha esse nome. Não foi uma criação da minha gestão, digamos assim. Tinha nome, tinha logo, tinha tudo. E, eu sempre achei interessante esta proposta: Desvio mais à esquerda. Eu acho que o campo da cultura, ele é um campo que é totalmente revolucionário. Ele está o tempo todo tentando lutar para se manter. Não sei como é no seu caso, mas aqui no Brasil pelo menos é assim. Acho que o campo da cultura é um constante desvio, é uma constante manobra do sistema que a gente vive. Pelo menos eu vejo assim trabalhando… Eu não trabalho no campo da cultura propriamente dito. Eu trabalho com cultura. Eu trabalho no órgão legislativo. Então, assim… essas vantagens e desvantagens. Enfim, eu vejo que para a gente se manter no órgão legislativo é muito difícil. Eu vejo que o campo da cultura como um todo passa por isso. Eu acho que nesse ponto a Desvio ela trabalha com a cultura e vive a cultura. 

João Paulo Ovidio Essa constante necessidade de ter, criar as coisas, porque elas não estão ali dadas. E, só para complementar, um dos projetos da Desvio no ano passado foi uma exposição que se chamou “Junho de 2013: 5 anos depois”. E, o fato, hã… digamos de receber uma atenção, um incentivo permitiu realizar essa exposição no Centro Municipal de Arte. Então, assim que a administração… dessa prefeitura do Crivella, que é cristão, conservador e tudo mais, e fazer uma exposição dentro de uma instituição pública, que é de responsabilidade dele, que vai contra tudo o que ele presa. 

Talitha Motter A exposição foi uma iniciativa da Desvio? 

Gabriela Lúcio de Sousa Foi uma iniciativa da Desvio. A nossa sorte também de conseguir realizar esse tipo de evento nesses órgãos, era porque na época a Daniele trabalhava no HO, que é esse centro municipal. Ela era curadora lá. A gente tinha esse acesso facilitado muito por isso. A gente sabe que é super difícil ter acesso, mesmo aos órgãos públicos como um todo de cultura é difícil ter acesso. E isso ajudava muito a gente. E o fato de o órgão ser um órgão quase esquecido para o grande gestor, pelo Crivella, ajudava também a fazer umas coisas bem diferenciadas, sabe? Porque não estava muito no foco dele. Então, a gente teve essas duas sortes. Mas, assim, a gente estreou a exposição com medo. Não sei se o João lembra, mas a gente estava com medo. Será que a gente está fazendo certo, sabe? Será que vai dar um problema, isso? A gente estava com medo, mas deu tudo certo no fim das contas. Não teve nenhum problema.

Talitha Motter Vocês chegaram a publicar várias textos sobre essa exposição na revista, na crítica semanal.

João Paulo Ovidio Sim. A Daniele, que fez a curadoria da exposição, chegou a publicar acho que três textos durante três semanas. A Camila Vieira também, que na época trabalhava lá no HO, chegou a fazer alguns textos sobre a exposição. Eu não lembro se outros fizeram o mesmo. Eu acho que… de domingo, que é a Carolina Lopes, acho que ela chegou a fazer um texto, ou foi um texto de outra exposição relacionando com essa. Mas teve bastante publicação.

Detalhe de um dos textos de Camila Vieira publicados sobre a exposição “Junho de 2013: 5 anos depois”.

Talitha Motter Voltando à questão da revista como estrutura, eu queria saber um pouco do interesse pessoal de vocês de participar de uma revista e de continuar participando até hoje. Porque a revista teve várias formações de equipe e vocês continuam lá. Como é que se deu isso?

João Paulo Ovidio No meu caso porque… Enfim, eu venho de uma iniciação científica que trabalhava muito com uma questão de periódicos de pesquisa e tudo mais. Eu tinha, eu tenho, um interesse na área acadêmica por essas partes que envolvem, em certa medida, a produção, seja a produção de livros, de uma publicação, como é o caso de uma revista, ou seja a produção de uma exposição, como aconteceu no ano passado, como é o próprio PEGA. Durante a graduação, quando… o trabalho dos meus colegas e tudo mais, eu percebia que existia uma demanda por um espaço, porque não se tinha garantia em outros lugares. Então, o meu interesse vem um pouco daí, de ter uma plataforma que recebesse essas pessoas que têm interesse, mas que não têm oportunidade. Eu acho que mais do que a revista, o que mais me motiva é o PEGA, esse encontro dos alunos das artes do Rio de Janeiro todo, alunos de arte que nunca tiveram a chance de expor seus trabalhos. É uma plataforma de incentivo, de divulgação importante. Então, o que que isso gradualmente tem mudado, né? Por exemplo, agora que eu estou no mestrado, quando tem eventos da própria pós, eu sou um desses que incentiva a abertura para que os alunos da graduação tenham uma participação mais ativa, não só como ouvinte, mas tem muito trabalho bom ali.

Gabriela Lúcio de Sousa No meu caso, eu entrei na revista, porque, como eu falei, eu tinha interesse em viabilizar espaço para graduandos publicarem. Assim como o João, eu sinto que falta esses espaços. E as revistas acadêmicas, até por uma questão de dinheiro enfim, não publicam graduando porque elas precisam desse investimento que a CAPES faz nelas. A gente entende, mas é absurdo. Então, eu tinha esse interesse de publicar graduandos. Eu gosto também, assim como o João, da área acadêmica. Eu pretendo dar aula, enfim. E iniciei minha jornada na Desvio por isso. Hoje em dia assim… Vale ressaltar que eu não moro mais no Rio de Janeiro. Eu moro em Brasília atualmente. Eu me mudei para cá no começo do ano e, é claro, assim a distância física pega muito, porque, a Desvio, ela está alocada no Rio, as atividades são no Rio. E constantemente eu me pergunto: “Putz, será que eu deveria continuar?” Só que minha mãe me ensinou que eu não posso largar as coisas no meio, sabe? Que é uma falta de respeito com os outros isso. E, além de acreditar muito no projeto, eu acho que é questão quase de honra. Ele foi construído com muito esforço, com muita dificuldade e de vontade, sabe? De vontade de pessoas que se uniram para construir esse projeto. Eu acho que é isso, que ele é muito potente para ser deixado, sabe? 

João Paulo Ovidio Eu já comentei com a Gabriela, em alguns momentos, que, se for o caso, seria de conhecer pessoas que estejam interessadas em dar continuidade, sabe? Bola para frente para que o projeto não acabe. Ah, porque por mais que daqui, não sei, tipo… ah, acabe hoje. Quem tem interesse de fazer uma revista, seria algo que ia começar do zero. Eu acredito na importância da continuidade de um trabalho, entende? Você faz uma ou duas edições, ok, e vai fazer mais, e aí quando outra pessoa que tenha interesse naquele assunto, até começar, até você conquistar um público, conquistar pessoas que comprem a sua ideia e tudo mais, leva um tempo. É um desgaste muito grande. Eu acredito que as pessoas, como um todo, que estão lá na universidade também tem interesse em trabalhar numa revista. Tanto é que nesse ano, esse ano completa dez anos de criação do curso de História da Arte, eles criaram um grupo de pesquisa e tudo mais. Realizaram um seminário agora, em outubro, há pouco tempo. Então, assim, essas pessoas que se articularam, eu vejo nelas também um interesse, talvez de ter um projeto como esse, de ter um projeto com uma revista. E não só de dentro da UFRJ, porque a revista desde sempre teve colaboradores de outras universidades. 

Gabriela Lúcio de Sousa E, assim, uma outra questão é que, além de eu estar em Brasília, eu trabalho na Câmera dos Deputados e trabalho 40 horas semanais. Então, assim, acaba que fica um pouco pesado para mim. E eu acabei fazendo um mestrado em Ciência da Informação aqui na UnB. A minha vida está criando alguns acúmulos que me fazem pensar o quanto eu vou ser útil nesse espaço da revista, mas como o João falou o trabalho tem que ser contínuo, ele tem que continuar. A gente está tentando viabilizar um pouco a entrada de pessoas para assumir esses papéis. Só que é muito trabalhoso. Às vezes, a pessoa entra, um pouco até na empolgação, e quando vê como é o processo… Porque, assim, basicamente com a revista a gente teve, nós pessoalmente, a gente teve coisas muito boas, só que a gente investiu nosso próprio dinheiro, nosso próprio tempo. Quantas vezes a gente já se reuniu, sei lá, fins de semana, férias, feriados, natal a gente fez uma reunião também. Então, a gente tem uma dedicação muito grande a esse projeto. E demanda isso mesmo, sabe? É difícil falar a pessoa assim: “Olha, você vai perder seu fim de semana. Você tem que fazer isso e fazer aquilo.” É complicado, eu entendo isso. 

Talitha Motter Mas eu acho interessante que você têm conseguido, pelo o que eu posso observar assim de fora, fazer essas chamadas e essas seleções para novas pessoas participarem. 

Chamada para novos críticos realizada entre junho e julho de 2019.

João Paulo Ovidio É e até mesmo na última vez que a gente vez seleção para críticos semanais teve um número expressivo de inscrições. O PEGA sempre tem um número muito bom. No ano passado, a gente teve, eu acho que cem, ou quase cem, noventa e oito inscritos. Neste ano, teve um pouco menos, teve sessenta e oito, por aí, sessenta e oito, setenta, mas também foi um tempo reduzido de divulgação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Foram duas semanas de inscrição. 

João Paulo Ovidio Duas semanas para inscrições. Teve sessenta e oito, número bom, número expressivo. Então, como estou nos dois lugares eu consigo também ter uma ideia do interesse, de pessoas que vão chegando e tudo mais, para fazer essas inscrições. Mas também a gente tem que levar em consideração que neste ano a gente não ofereceu nenhum tipo de suporte para os artistas. Quando eu digo suporte, é… TV, não temos totem, não temos nenhum tipo de equipamento. Eu acredito que foi um dos fatores que levaram a ter um número menor de inscrição em relação ao ano passado. Eu acho que se tivesse aberto para vídeo, para projeção, eu acho que teria um número até maior do que já teve, que já foi um número muito bem expressivo. E aí que acabou… que no início eu tinha conversado com a Gabriela, eu falei: “Ai, não, a gente está sem espaço. Eu consegui um lugar para fazer, mas é bem pequeno, bem distante e tudo mais. Vamos selecionar poucos artistas. Vamos selecionar, sei lá, doze artistas.” No final das contas, a gente tinha conversado de doze, no máximo dezesseis artistas, mas selecionamos trinta e oito de sessenta e oito.

Talitha Motter É um número bem expressivo para organizar tudo no espaço da exposição. Vocês que fazem a expografia? 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente faz tudo na verdade, expografia, curadoria, organização, levanta o espaço também, que agora a gente tem o Centro Cultural Phábrika na Pavuna. Mas, assim, é sempre a gente que faz todo esse processo. Posso comentar uma coisa que aconteceu durante isso que eu achei muito engraçada? A gente, normalmente, que que a gente faz: o espaço, escolhe as coisas, escolhe os artistas, enfim e tudo por conta própria. Como eu falei, a gente investe o nosso próprio dinheiro. E aí uma colega nossa indicou uma pessoa para ajudar na montagem. Aí, a pessoa, eh… Eu fui conversar com essa pessoa, e a pessoa falou para mim assim: “Ah, mas vocês dão transporte? Porque Pavuna é muito longe.” Aí, eu fiquei olhando assim, pensando, gente, a pessoa não tem dimensão que a gente é independente, que a gente não tem dinheiro. Então, é isso que eu faço, às vezes, as pessoas não entendem que assim, que é isso, que a revista ela é feita também por estudantes, ou ex-estudantes, gente que também não… que está aí na pista também. 

João Paulo Ovidio Desempregados a maioria. 

Talitha Motter A gente também, os projetos que a gente fazia em Porto Alegre era tudo tirado do nosso bolso. E a gente sempre tentando conseguir o mais voluntário possível, todo tempo. 

João Paulo Ovidio Sim, e as fotografias dos catálogos só foram possíveis por conta de uma colega minha. A gente não aguenta mais explorar o trabalho dela, mas ela é parceira. E, é isso, ou se não, na última edição do PEGA, uma das artistas que expôs também se comprometeu em fazer outras fotos para o catálogo. Então, vai sendo assim, né?

Talitha Motter Sim, cada um contribui com uma parte que sabe para no final acontecer o evento, acontecer a revista. E como é que vocês dividem as atividades no site, para a edição de cada revista? 

Gabriela Lúcio de Sousa Hoje em dia a gente está com um esquema novo com a saída da Dani. Porque a Dani fazia a direção geral, então o que que ela fazia, digamos assim que ela dava uma chefiada no processo todo, dava uma opinião mais geralzona. Ela fazia o texto editorial, todo esse processo mais da direção mesmo. Com a saída dela, eu e o João a gente assumiu um pouco esse cargo. Então, a gente faz a organização da revista. Tipo assim o conteúdo chega para revista, a gente organiza esse conteúdo, tabela o conteúdo, faz os pré-textuais, texto editorial, sumário, todas essas etapas, assim. Reúne o conteúdo e encaminha para a diretora de arte que é Ana Elisa. Ela manda para a equipe dela para fazer a diagramação. Aí, é por conta dela, essa parte ela coordena. Ela manda para gente uma semana antes de publicar. A gente vê se tem um coisa para corrigir, normalmente tem. A gente reenvia para ela, é natural né porque é muita coisa.

Página Quem somos da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio A gente tem que levar em consideração que o arquivo é enviado em A4, com uma formatação e tudo mais. Então, vai diagramar e ela passa isso para o programa, às vezes, a foto fica numa posição errada. A foto fica no topo da página o resto da página em branco e o texto começa só na outra. Fica esses desvios, esses buracos e tudo mais. Às vezes, até na hora de copiar alguma coisa e colar para outro lugar, o texto fica… junta uma palavra com a outra. E, às vezes, em termos mais assim que a gente não tem como controlar: o artista, o autor, e tudo mais mandou o arquivo com algum coisa, com o título errado. E a gente não tinha percebido pela revisão e a gente só vai perceber quando já está diagramado. Porque o que aconteceu muito na edição passada foi de no sumário estar o nome do autor com o título do trabalho do outro. 

Gabriela Lúcio de Sousa Na edição passada, foi bem esse período de transição de quando a Daniele saiu e a gente estava fazendo… Porque, assim, a gente publicou neste ano agora quatro edições já, que eram três edições especiais que estavam meio paradas, que a gente conseguiu soltar este ano. E a gente fez tudo isso ao mesmo tempo, tanto a sexta edição, quanto as edições especiais foi tudo junto. A gente acabou pegando algumas coisas no meio do caminho. Isso acontece porque estava só eu e o João fazendo praticamente tudo. E a Ana Elisa fazendo a parte de direção de arte, mas também é muita coisa. Então, aconteceu esses probleminhas, mas superáveis. Sabe, a edição está no ar, está bem feita. É isso que importa. A Ana também, enquanto direção de arte, ela faz a parte do site. Por exemplo, a parte do design do site é ela que ajusta, os posts da agenda é ela que coloca. Os posts da crítica é a Emanuelle, que é uma colaboradora voluntária. E a postagem de Desvio Indica, essas mais diferentes é a Clarisse. O restante da equipe é basicamente a equipe que ajuda a produzir o conteúdo. Por exemplo, a Marcela fala espanhol, faz tradução. O Vitor, ele faz revisão. A Luiza faz revisão. A galera fica mais por conta das atividades de produção da revista, no sentido de fazer revisão, avaliar conteúdo. Essas etapas, sabe? 

Edições da Revista Desvio na plataforma Issuu.

Talitha Motter Sim, depois tem toda a recepção de texto dos autores, resposta aos autores. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, isso é a gente que faz, eu e o João.

João Paulo Ovidio Sim, nós que administramos o e-mail. 

Gabriela Lúcio de Sousa E a gente controla as pessoas também. Uma das minhas funções prioritárias é controlar as pessoas, assim tipo falar: “Fulaninho, não esquece de fazer isso.” Eu sou a agenda um pouco da edição. “Fulaninho faz isso, fulaninho faz aquilo, fulaninho está perto do prazo, fulaninho não esquece do prazo tal.” Enfim, é isso. 

Talitha Motter Ainda mais que vocês têm uma equipe bem grande para fazer toda a gestão de prazos. E uma outra pergunta sobre a coluna que vocês têm para críticas semanais e as chamadas para novos críticos. Eu fiquei interessada em saber como vocês veem o papel desse novo crítico na Revista Desvio ou o papel dessa coluna na revista. 

João Paulo Ovidio A ideia inicial dessa coluna era por conta desse espaço que a gente ficava de quase seis meses sem lançar uma nova edição. Mas também era por conta que eu estudo arte na década de 50, 60 e a Daniele também tem um interesse por esse recorte, a Daniele que fazia parte da revista. Em um dado momento a gente conversou como a presença da crítica era forte, diária, constante nos jornais e como isso… Enfim, a gente… cada vez menos teremos jornais e tudo mais. Esse espaço vai se extinguindo, se antes tinha a possibilidade de crítica todos os dias, o jornal vai adotando um novo perfil, passa a ser uma vez na semana, aos poucos nenhum dia. Isso acaba passando para a área virtual da Internet. E como a Desvio tinha muito uma questão com os autores de publicação de artigo e com os artistas, a gente também pensou sobre essas pessoas que talvez não estejam interessadas em mandar um artigo sobre a sua pesquisa, mas tem muito o que falar e gostariam de ter um espaço. Porque de uns anos para cá, o Facebook permitiu isso. As pessoas visitam uma exposição ou assistem algum filme, algum show, ou até presenciam algum tipo de manifestação, manifestação de rua, que tem muita potência; e essas pessoas sentem muito interesse em verbalizar isso, em colocar isso para fora. Então, surgiu esse interesse de chamar essas pessoas que não são conhecidas pelo grande público, até mesmo para que elas pudessem ter essa abertura e aos poucos construindo um perfil, que pudessem gerar interesse aos leitores. Essa questão mesmo de formação, que é um dos propósitos da revista. A revista tem uma grande preocupação com formação seja contribuindo para autores que nunca publicaram antes; seja a formação do artista de não só expor o trabalho, mas ter um retorno; seja a formação dos críticos, de ter aquele espaço e poder ter um retorno bacana com alguém e conversar e tudo mais. A nossa preocupação também foi… Agora já falando um pouco sobre a seleção dos críticos, de ter uma diversidade, sabe? A gente tinha a Ludimilla, na quinta-feira, que com frequência publicava textos relacionadas à questão queer, LGBTQI+, às vezes alguma coisa relacionada a cinema. Noutro dia, tinha alguém que estava mais interessado em questões étnico-raciais. A gente se preocupava em ter essa diversidade de assuntos e que isso também fosse presente no perfil das pessoas. Então, tinha tanto pessoas que estavam na graduação de arte, uma pessoa que, não sei, está no mestrado, na área de direito, que não fosse também algo restrito. Assim, só quem faz arte pode escrever sobre arte, só quem tem determinada formação pode falar sobre isso. Então, sempre teve essa preocupação para ter essa abertura. 

Críticas semanais publicadas pela Revista Desvio.

Talitha Motter Acho bem interessante o que tu falou da questão da passagem da crítica do jornal para o on-line. Justamente, um dos principais interesses da minha pesquisa é ver como essa crítica on-line participa da construção de discursos sobre a arte atual. Então, eu acho que isso é verdadeiramente um indício para essa questão, de encontrar esses espaços dentro de publicações independentes on-line. 

João Paulo Ovidio Até um assunto que foi levantado durante esta semana, numa das disciplinas que eu faço, foi a questão que por mais que ainda exista uma ou outra coluna no jornal impresso, essa escrita vai estar muito restrita a uma pauta que vem desse jornal. Então, o jornal vai pegar essa pessoa que escreve e vai comentar assim: “Ah… vai ter abertura da ArtRio, você precisa escrever sobre isso e com essas limitações. Você não pode falar sobre tal coisa, você não pode falar sobre a outra e tudo mais.” Essa preocupação em manter uma imagem, que não era uma preocupação tão forte dos críticos da década de 50. Se não gostaram de uma exposição, se não gostaram de um trabalho, dava a cara a tapa. 

Talitha Motter Tinha uma liberdade maior. Só uma pergunta que eu fiquei curiosa, porque eu vi que vocês têm toda uma padronização, tanto de regulamentação da revista, de certos contratos com os participantes que fazem parte do corpo editorial. E eu fiquei me perguntando como é que começou tudo isso. Desde o início vocês se preocuparam em regulamentar, em deixar tudo bem claro, ou foi uma necessidade que foi surgindo com o tempo? 

Gabriela Lúcio de Sousa Olha, eu amo regras. Eu sou uma ultra burocrata. Sei que é um horror falar isso. As pessoas ficam chocadas, mas assim primeiro que eu sou formada em restauração, não sou formada em arte. Eu sou formada restauradora. Eu sou um burocrata, eu adoro regra, coisas organizadas, adoro contrato. 

Detalhe da primeira página do Regimento Interno da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio É algo que faz parte da sua formação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Faz parte da minha formação, a minha mãe também é uma ultra burocrata. 

João Paulo Ovidio E, eu digo, até mais da sua formação profissional, nos lugares por onde você passou, de arquivo, onde isso é muito presente. 

Gabriela Lúcio de Sousa Sim. Com o tempo, eu falava com a equipe que para mim era muito importante ter essas coisas. Então, para mim, era importante ter contrato, era importante ter esse nível de organização, ter papel para chamar as pessoas. Até porque, assim, eu acho que a revista ela lida com um espaço independente e um público muito complicado às vezes. A gente precisa ter os nossos cuidados para a manutenção da revista, questões éticas, questões legais. Então, isso foi sempre uma preocupação minha. Claro que, assim, o João ele dá risada, mas ele também é bem organizado. Não é um burocrata, mas ele é super organizado, encaminha bem as coisas. Mas eu acho que, sinceramente, essa questão dos contratos, essa questão de normas saiu um pouco do meu interesse mesmo pela burocracia. 

Site Web, Conteúdo & Autores

Talitha Motter Mas que funcionou e que faz com que as coisas funcionem. E uma outra pergunta, mais em relação ao site da revista. Vocês comentaram que a Ana Elisa é a diretora de arte. Foi ela que foi selecionada pela chamada de equipe de direção de arte? 

Gabriela Lúcio de Sousa Na verdade, assim, eu até expliquei no que eu te mandei lá, primeiro era o Thiago. Aí, o Thiago saiu, entrou a Carine. 

João Paulo Ovidio É o Thiago ficou até a terceira edição, que foi a edição do primeiro PEGA. Aí, o Thiago saiu. Atualmente, o Thiago tem o próprio blog dele de crítica de arte, Arte Nuvem, alguma coisa assim.

Gabriela Lúcio de Sousa Acabou que a Carine entrou depois. Essa nova remodelação do site foi muito da Carine, ela tem formação em escultura, só que ela gosta muito dessa parte de design, enfim. Ela está na graduação ainda. Então, ela tinha interesse bem forte nisso. 

Página inicial do site da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio O contato com a Carine se deu a partir da necessidade de fazer a cartilha do grupo de pesquisa “DE/SOBRE/FEITAS POR MULHERES”. Foi ela que fez a diagramação. Esse foi o primeiro contato da gente com ela. Depois que ela fez esse trabalho da cartilha, todo mundo gostou, resolvemos chamá-la para trabalhar com a gente para fazer a diagramação das edições. A Carine participou também do primeiro PEGA, acho que foi aí que a conhecemos. Depois alguém indicou ela para fazer a diagramação da cartilha. Aí, passamos a conhecer esse outro lado dela, pois conhecíamos o trabalho dela enquanto artista, artista visual. 

Talitha Motter E a Ana Elisa entrou quando? 

João Paulo Ovidio Na verdade, quando a Ana Elisa entrou, a Carine ainda estava. A Ana Elisa tinha uma outra função. A Ana Elisa entrou na metade do ano passado.

Gabriela Lúcio de Sousa Foi. Ela é uma pessoa que evoluiu bastante com a gente na revista. Ela conseguiu assumir bem essas funções. E a gente foi conversando com ela para ver se ela tinha interesse em ficar na direção. Ela se interessou e continuou. A parte de diagramação em si, ela entende pouco, mas ela faz a coordenação da diagramação, que é uma coisa que a gente precisa muito. 

Talitha Motter E uma outra pergunta, tu tinha comentado, Gabriela, sobre o projeto gráfico que tem esse aspecto mais urbano. Eu fiquei pensando um pouco também se vocês veem alguma relação entre essa proposta de urbano e a própria ideia da Revista Desvio como um desvio. Se essa foi a ideia quando se pensou o site. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, aquelas placas de desvio que ficam na rua foram uma grande inspiração para a gente. Grande parte do projeto também vem dessas noções urbanas, de observar a rua.

João Paulo Ovidio Foi isso mesmo. Quando se deu início a revista, isso ficou bem marcado. Assim, de pensar a própria diagramação, esses elementos visuais. Essas imagens que estão no sumário, que estão entre um texto e outro. 

Talitha Motter E depois se criou a necessidade de fazer a revista, além dos .PDFs e da plataforma Issuu, também com a possibilidade de publicar continuamente. De certo, teve alguma adaptação gráfica aí também. Agora, mais sobre a questão do conteúdo da revista. Eu sei que vocês têm dois formatos de conteúdo, que é o da própria edição e o das publicações que se dão dentro do site continuamente. E daí vocês têm várias seções como crítica semanal, a agenda. Dentro da revista, tem os artigos, os ensaios, as críticas… Vocês teriam como comentar um pouco como vocês veem a diferença entre cada tipo de conteúdo, ou algum exemplo que vocês acham importante destacar. 

João Paulo Ovidio Acho que a crítica semanal é algo que que a gente não consegue ter controle, porque a gente faz a seleção dos críticos a partir de um texto e depois disso ele tem esse acesso para publicar semanalmente um conteúdo e tudo mais. As edições semestrais a gente consegue ter esse controle, porque enfim nós lemos tudo que é enviado. Tem uma seleção, a gente pensando como isso vai ser organizado. Então, acho que a principal diferença é em relação a isso. Nós frisamos no contrato com os críticos semanais é que a gente repudia qualquer pensamento que seja lgbtfóbico, racista. Assim, se a pessoa enviar um texto que tenha esse conteúdo, é complicado. A pessoa será desligada da coluna. 

Talitha Motter Sim, de alguma maneira, ela ainda tem que estar ligada ao que a revista acredita. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente não faz seleção assim ah… se é de esquerda, se é de acordo com meu partido. Não necessariamente, a gente não faz isso. Para mim, isso também seria importante que acontecesse, eh… Eu acho até que seria interessante, porque a revista tem um ideal, tal, nesse mundo. Eu até acharia interessante, mas ao mesmo tempo eu entendo que, assim, aí é uma questão pessoal. A cultura, ela… Claro, ela é bem assim vanguardista, pioneira nos ideais… e, às vezes, liberais até. Então, eu não acho que tem como a gente exigir isso, porque às vezes parece que o pessoal não tem esse domínio político tão apurado. Agora é imprescindível ser uma pessoa ética respeitosa com as diferenças. Sei lá, não apoiar fascista por exemplo, umas coisas básicas. Eu realmente espero que uma pessoa da cultura não faça isso. Acho que é quase óbvio. Até porque assim nenhum fascista apoia a gente nunca. Então, não faz sentido para mim alguma pessoa apoiar isso. 

Talitha Motter E, João, tu estava falando um pouco da questão da seleção dos textos para as edições fechadas. Tu podia, ou tu e a Gabriela, comentar um pouco quais são os critérios para a análise dos textos?

João Paulo Ovidio A gente abre uma chamada para o caderno especial e uma chamada livre. A gente separa esse conteúdo em pastas e encaminhamos para pareceristas. Nas edições passadas, foram pessoas convidadas. Enfim, nossos conhecidos que também têm interesse por essa área acadêmica, mais que não são necessariamente dessa área, que são de outras instituições. Nessa edição específica, que vai sair agora em dezembro, que é a sétima edição, os pareceristas foram os próprios membros da revista por uma questão de tempo. Mas a seleção funciona a partir de uma ficha, que esse parecerista recebe, e ele preenche com os dados dizendo se esse conteúdo deve ser publicado, se esse conteúdo precisa de uma revisão, ou se esse conteúdo não deve ser publicado por uma questão de desencadeamento de ideias, ou por um outro motivo. Gabriela e eu analisamos essa ficha, esse parecer, porque a gente já leu também o texto. Então, a gente tem domínio desse parecer. Aí, a gente avalia se é realmente aquilo. A partir desse momento, a gente faz a separação dos que foram 100% aprovados e depois voltamos para olhar os aprovados com ressalva para formar esse conteúdo da edição. 

Chamada para a 7a edição da Revista Desvio.

Gabriela Lúcio de Sousa E um detalhe importante é que são duas chamadas por ano, como eu tinha colocado no arquivo e, normalmente, tem caderno especial. Não é sempre que tem, mas normalmente a gente faz um caderno especial. O caderno especial ele surge de maneiras muito aleatórias, às vezes, da gente conversando: “Ah, nossa, ia ser legal abordar a temática tal.” Então, da sétima agora, vai ser culturas populares, sociedades à margem. Isso surge muito dos nossos interesses, do que a gente está vivendo nesse momento também. 

João Paulo Ovidio Da segunda edição, foi sobre o incêndio da EBA. A gente teve edição sobre Arte-Educação, sobre o Queermuseu, Africanidades. 

Gabriela Lúcio de Sousa Maternidades. 

Talitha Motter A Gabriela tinha comentado que esse caderno especial do Queermuseu tinha dado bastante repercussão, de certa maneira, de visibilidade para a revista. Vocês chegaram a receber alguns comentários? Como é que foi isso? 

Gabriela Lúcio de Sousa É, grande parte da repercussão veio até porque o caderno foi feito por graduandos de uma disciplina de um professor. A gente conversou com um professor, que é o Cezar Bartholomeu, e ele falou que estava fazendo alguns artigos sobre o Queermuseu e que ele queria também publicar esses conteúdos. Então, foi muito interessante, porque foi uma união realmente de professor com o aluno. Porque assim não era uma coisa meio de submissão, sabe? A gente falava com ele, não de igual para igual, mas com interesses semelhantes. Isso foi muito interessante, os alunos gostaram bastante. O público gostou muito, divulgou para a família. A gente ia lançar até a edição impressa e a grande maioria de quem queria edição impressa, era quem fez o caderno do Queermuseu. Essa repercussão nos próprios graduandos foi muito bacana para gente. 

João Paulo Ovidio Muito bacana também, agora que Gabriela falou disso de apresentar o texto, porque nas primeiras edições, a gente fazia eventos de lançamento. Então, a gente convidava os autores para comentar um pouco sobre o que escreveu e tudo mais. Como tem muita gente da graduação no início, meados, metade da graduação, as pessoas vão apresentar o trabalho, levam os pais, levam os amigos. Isso é muito bacana, sabe? Isso acontece também no PEGA. Ah, é a primeira vez que fulano está expondo um trabalho. 

Talitha Motter E dessacraliza um pouco essa áurea de apresentação de trabalho, porque tem diversos públicos nesse momento, no lançamento da edição, no PEGA. E eu não sei se tu também tem um outro exemplo, João, a Gabriela tinha citado esse do caderno especial, mas tu lembra algum outro texto, que tu acha que marcou bastante a história da revista ou que teve algum impacto maior? 

João Paulo Ovidio Eu acho que talvez o caderno de… Acho que foi da quarta edição, o caderno de Africanidades, que saiu junto com o caderno de Arte-Educação, que eram duas grandes demandas. E foi um lançamento muito bonito, poder ver essas pessoas compartilhando, porque são temáticas, são questões que atravessam diretamente a vida dessas pessoas. Você falar de arte-educação por mais que você esteja trazendo ali alguns teóricos educadores para esse debate do seu texto, é algo que está muito relacionado com a sua vivência. E no caderno de africanidades também. Algo relacionado à sua religiosidade, à sua crença de um modo geral, à sua relação com o mundo. Eu tenho um carinho muito especial pela quarta edição.

Talitha Motter E na quarta edição ainda teve então esse lançamento em formato de evento. 

João Paulo Ovidio Eu não lembro se teve alguma edição que não teve lançamento. 

Gabriela Lúcio de Sousa As especiais não tiveram, João, porque já foram evento. 

João Paulo Ovidio As especiais são desdobramentos de evento. Então, tem edição especial do primeiro e do segundo PEGA, que é o encontro da graduação. Então, não tem um lançamento, porque já teve evento antes. Metodologias, a mesma coisa. E “Junho de 2013”. Porque aí é o oposto, é o desdobramento do evento. E, essa sexta edição, que foi a edição sobre Maternidades, teve uma exposição. Acho que seria interessante de ser comentado, que o formato de lançamento contemplou uma exposição feita com ilustrações de um coletivo de mães ilustradoras, mas também trabalhos de outras mulheres artistas. 

Gabriela Lúcio de Sousa Prioritariamente, as que estavam na edição também. 

João Paulo Ovidio A maior parte, mas teve outras que não estavam na edição, mas que foram convidadas também a fazer parte da exposição. 

Talitha Motter E uma pergunta, duas perguntas na verdade que são voltadas mais para a questão de quem publica na revista. Eu queria que vocês comentassem um pouco sobre qual é o perfil desse autores. A Gabriela tinha falado a questão do jovem pesquisador, que muitos são do Rio de Janeiro, por causa desse foco mesmo da Revista Desvio. Vocês enxergam que existe já uma presença na Revista Desvio em outros públicos, de outros autores, de interessados em publicar? E mesmo quais são essas áreas? Acho que não é só a área das artes, como é que funciona isso? 

João Paulo Ovidio O que eu percebi nas últimas edições, pensando talvez esse último ano, foi a presença de pessoas… enviando texto, pessoas que são da Bahia. Tivemos um número significativo de inscrições, de submissão de conteúdo. Do Ceará também, então pensando assim nessa parte do Nordeste, mais esses dois estados. Na edição passada, teve também artigo de algumas pessoas do Rio Grande do Sul. Nessa próxima, também vai ter. Acho que a revista, de certo modo, está conseguindo alcançar bastante gente da UFRGS. E dessa parte daqui do Sul, Sudeste, São Paulo e Minas ainda… tem uma participação bem tímida. Acaba que é uma participação mais forte do Rio e do Rio Grande do Sul aos poucos. A Gabi agora ela está em Brasília, acho que aos poucos a tendência vai ser receber artigos de pessoas que são de lá também. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, por uma coincidência até, a gente recebeu um convite dos graduandos daqui das Artes Visuais de Brasília, da UnB, para fazer, para participar de uma palestra, a Jornada de Iniciação Científica deles. E assim foi uma grande coincidência, porque a sorte eu estar aqui, que daí a gente pode comparecer. Vai ser dia seis agora. 

Talitha Motter E a maioria desses autores são da graduação ou são autores independentes que não tem nenhum relação com a academia? 

Gabriela Lúcio de Sousa A maioria é da graduação eu acho. 

João Paulo Ovidio A maioria, acho que são poucos o que podemos chamar de autores independentes. Quando são independentes, são pessoas que já passaram pela graduação. Aos poucos está tendo também uma presença de pessoas da área de Letras interessadas em publicar.. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente tem bastante mestrando também. 

João Paulo Ovidio Sim, mas quando é mestrando a gente dá preferência para o graduando, ou esses mestrandos que são de universidades menores, digamos assim. Se for, por exemplo, um mestrado de algum curso da universidade no Amazonas ou um de São Paulo a gente vai dar prioridade para quem é de Amazonas. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que é interessante também ressaltar que, por exemplo, uma coisa que a gente faz muito é verificar um pouco a origem dessa pessoa. Então, por exemplo, nos eventos que a gente faz, a gente faz uma tabelinha assim: fulaninha é da Baixada, é mulher, é negro. Assim a gente quer realmente viabilizar o acesso à essa galera que não consegue ter acesso.

Talitha Motter Isso faz parte digamos assim da posicionamento editorial da Desvio. Como é que vocês enxergam o tipo de texto que vocês publicam normalmente, se ele é um texto mais acadêmico, por exemplo tendo em vista o formato de artigo, ou se ele é mais ensaístico, mais informativo? Quais são as gradações desses textos dos autores que vocês publicam?

Gabriela Lúcio de Sousa A gente recebe bastante relatos de experiência, que também é um texto acadêmico. A gente tem aberto a opção para textos um pouco mais de artista. A gente vai até talvez fazer isso na oitava edição, de ter textos de artista. Mas no site da revista tem uma lista de normas do tipo de publicação que a gente aceita, então no geral é isso que a gente publica: alguns ensaios, resenhas, artigos, mas tem muito relato de experiência. 

João Paulo Ovidio Acho que pensando artigo dentro de um sentido rígido, boa parte é quando alguém manda o desdobramento do seu TCC, ou parte de uma pesquisa de iniciação científica, mas tem muita gente que envia algo que é o desdobramento de uma disciplina. Então, acaba se aproximando mais dessa questão ensaística. Por exemplo, agora nessa próxima edição a gente tem um texto de uma pesquisadora que vai ser sobre aquela pichação que aconteceu na abertura da ArtRio. É um texto que traz essas discussões de um modo mais ensaístico, que é baseado em algo que aconteceu um dia desses e tudo mais. 

Ideias de Revista

Talitha Motter E agora pensando um pouco essa questão da revista de maneira mais ampla. Eu tinha perguntado antes para a Gabriela o que ela considerava como uma revista de arte e eu queria saber um pouco também de ti João. Como é que tu pensa o que é uma revista que trata de arte, de cultura? Eu li o texto que vocês escreveram sobre a Desvio da questão de uma revista estar sempre em obras, em construção. E eu achei interessante essa relação de revista com construção, com obra. Não sei se vocês querem comentar isso ou como é que vocês enxergam a ideia de revista em si. 

João Paulo Ovidio Eu acho que por mais que a revista tenha um objetivo inicial. O fato dela ser on-line demanda frequentes adaptações no sentido em que…. o que a gente pensava ou planejava em 2015-16 talvez já não funcione tão bem hoje. Então, a própria estrutura sofre essas alterações, que fazem parte do fluxo da sociedade, do pensamento como um todo. A revista como uma plataforma de divulgação, mas também um espaço de acesso e memória. No sentido que ela vai estar ali e vai ser consultada pelas pessoas depois de sei lá quanto tempo. Então, como os textos lidam muito com a questão da atualidade, tem uma abertura muito grande para crítica, até mesmo nas edições semestrais, acho que a função da revista é ser espaço também de memória e consulta. Mas não consulta passiva, mas de uma consulta crítica. De você poder voltar o seu olhar para aquilo que foi dito naquele momento e enfim gerar reflexões a partir do seu agora. Acho que tem essa função, sabe? 

Gabriela Lúcio de Sousa É eu concordo plenamente com o João nesse negócio da memória. 

João Paulo Ovidio Ela fala muito da sua época. 

Talitha Motter É bem assim que eu vejo a relação da revista e do seu tempo. E a importância também de se ver a revista como um registro de exposições de artistas, de tudo o que se está produzindo. É uma forma também de a gente saber que aquela pessoa naquele momento foi um artista, ou que produziu alguma coisa. Se a gente não tem um texto sobre isso, como daqui uns anos a gente vai identificar aquele ator da arte? 

Gabriela Lúcio de Sousa Ou até um registro histórico mesmo, por exemplo, a questão do incêndio do prédio da EBA. A gente tem um estudo muito completo desse incêndio. Então, para uma pessoa que vai fazer um dia um TCC sobre isso, é mais uma fonte de busca para ela. Porque a gente lançou na flor do momento, sabe? Tem essa coisa da relevância da gente ter lançado na hora, assim um pouco com aquela dor, com aquele desespero que a gente estava sentindo. Eu acho que isso é importante também nesse aspecto. 

Talitha Motter E tu tinha comentado sobre a ideia de ver a Revista Desvio como um sinônimo de resistência. Tu comentou também essa questão de posicionamento político, da questão da cultura. Achei interessante essa relação entre revista, resistência e autonomia. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que esse momento político me deixa ainda mais arregada com esses conceitos. Na verdade, a gente estar aqui, o João, um historiador da arte, e eu restauradora, também é resistir nesse espaço que não é dado para a gente. Eu acho que a Desvio ocupa muito isso, sabe? De realmente ela… Primeiro que assim, o seu nascimento de propor um espaço para essa galera tão à margem, para esse graduando que não tem esse espaço, mas que se exige que ele seja. Aquela coisa clássica, para você trabalhar você tem que ter experiência. Para o graduando ir para o mestrado, ele tem que ter pontos em revista. Como é que ele vai ter pontos, se ele não publica? 

João Paulo Ovidio Como você participa de um processo de seleção de mestrado que vai levar em consideração a sua produção, se você não tem produção?

Gabriela Lúcio de Sousa É, então. E assim muita gente, às vezes, acaba nem indo para academia, porque fica com medo. Sabe, ah o espaço não é aberto, ah esse espaço é ruim. A ideia é realmente parte de democratizar esse espaço, sendo um espaço que não é muito usual, que é bastante diferente. E resistir também nessa situação, nesse momento também. Então, a revista surge muito com isso e, cada dia a mais, ela assume isso para si. Que não tem como… na situação que a gente vive, não tem como. Ela tem que realmente servir como um local de resistência. Eh… de todas as formas. 

João Paulo Ovidio E, por mais que eu me sinta muitas vezes saturado, Gabriela também, acho que aquilo que a gente comentou antes de ter esse compromisso de manter a revista em pé, porque sei lá daqui há dez anos as pessoas não olhem para a publicação e achem que paramos de produzir por conta de uma censura, ou de uma opressão. Como se tivéssemos desistido por não ter aguentado, sabe? Então, por mais que às vezes dá um desânimo, desânimo por outras questões, questões pessoais, de constantes tentativas de ter uma estabilidade, de dar continuidade à produção acadêmica, questões familiares como um tudo, por mais que isso nos canse frequentemente, é preciso continuar para que não seja mais um projeto, uma produção que vai ter seu fim nesse momento por conta de questões x e y. Eu quero que, não sei, se um dia tiver que encerrar, seja porque chegamos à conclusão de que atingimos o objetivo e que todos os graduandos, todos os artistas terão oportunidade de expor seu trabalho, de compartilhar suas ideias, porque… Enfim, terá diversas aberturas para isso. 

Gabriela Lúcio de Sousa Sim. E também assim, claro o que o João falou é muito importante, a gente está cansado, mas pela vida sabe. Porque cara, é isso sabe, o João está tentando. Ele também trabalha, né. Eu trabalho. A gente vai cansando pela vida mesmo, não é tanto pela revista, mas porque a vida cansa. E a gente tá tentando resistir nesse cenário também cada vez mais difícil, cada vez menos promissor, sabe, que você olha para o lado e você não tem mais Ministério da Cultura, você olha para o lado e você perde o museu. O museu queima, sabe? É desesperador, mas mais um motivo pelo qual a revista, ela tem que resistir. 

Talitha Motter E, nesse sentido, como é que vocês veem o papel do on-line para que a revista possa existir? 

Gabriela Lúcio de Sousa O on-line primeiro que ele, tudo que a gente paga o domínio da revista, a gente paga mesmo, mas ele é democrático. Claro que tem gente que não tem computador, enfim, mas no geral o acesso é mais simples do que uma revista que fosse impressa, que gera muito mais custo financeiro para a gente, para os outros também, que é nada ecológico, no momento que a gente vive não é muito adequado. E também, querendo ou não, o cara que vem lá da Universidade do Amazonas ele vai ter um computador disponível na universidade para dar uma olhada. Então, eu acho que, por mais que tenha muita gente que não tem acesso à Internet, ainda é um pouco melhor. 

Talitha Motter E até para distribuição. 

João Paulo Ovidio A distribuição é algo muito complicado, pensar a questão do deslocamento, frete, e tudo mais da edição física. E eu penso muito a partir da minha pesquisa, às vezes, eu estou lendo algum artigo e vejo um livro que é interessante. Aí, eu penso: ah, eu tenho que ir atrás desse livro, que vai me demandar um tempo, porque eu vou ter que ir talvez numa livraria, numa biblioteca para conseguir esse exemplar. Com o digital, se eu vejo uma referência aqui, eu já digito na busca, eu já encontro. Já vejo se é aquilo mesmo o que eu quero, ou se não é nada daquilo que eu quero.

Talitha Motter Além disso, além dessa questão da possibilidade de acesso, a questão de democratização para mesmo facilitar a publicação da edição, vocês veem mais alguma diferença em relação às revistas impressas e a revista em formato digital? 

João Paulo Ovidio O que a gente já conversou antes foi em relação a essa questão de referências, né? Então, a revista on-line permite a presença de links, de aberturas para outros lugares, outros modos de interação. Então, eu acho que essa é uma vantagem significativa. Também é a vantagem da busca. Então, se você aperta um “Ctrl + F” você pesquisa por uma palavra, você já é direcionado para um artigo, para um texto que vai te gerar interesse. Tem toda uma série de facilitadores de pesquisa mesmo. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, eu acho que nesse ponto, por exemplo, a Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, ela é algo igualmente revolucionário, porque o que eles fizeram com o investimento que eles tinham foi incrível. Assim, essa coisa do digital para gente que tem que pensar cada vez mais rápido, tem que render cada vez mais rápido, é muito importante. 

João Paulo Ovidio A maior parte do levantamento de textos que eu fiz para escrever o meu TCC e que eu faço até hoje, é através da Hemeroteca. 

Gabriela Lúcio de Sousa Sim, eu também usei muito. 

Outras Atividades

Talitha Motter Então, eu acho que a gente passou por todos os tópicos que eu tinha proposto. E eu não sei se vocês gostariam de complementar alguma coisa ou fazer alguma finalização. 

João Paulo Ovidio Em relação a isso de complementar, acho que seria talvez a questão do PEGA, que entre os nossos projetos, no ano passado nós tivemos bastante projetos de exposição, de seminários e tudo mais, mas eu acho que o PEGA é esse espaço que permite que a revista saia, faça esse movimento inverso, que ela saia do on-line para o físico, no sentido do físico das pessoas e dessas relações. Porque é aonde se tem a oportunidade de conhecer esses novos artistas pessoalmente, conversar sobre seus trabalhos, fazer um acompanhamento, conversar para entender melhor essa poética. Até mesmo porque, depois que esses artistas passam pela exposição, a gente continua de olho, no sentido de chamar para um novo projeto, ou de divulgar na agenda uma outra exposição que ele fez parte. E das comunicações também. Acho que se fosse necessário, é importante manter um dos muitos projetos, que a gente tem alguns outros em andamento, para 2020, acho que o PEGA, eu tenho um carinho especial. 

Talitha Motter É como se vocês construíssem com o PEGA uma espécie de rede de jovens artistas, que vocês começam a conhecer e a participar da formação deles de uma certa maneira, porque eles têm uma oportunidade de expor.

João Paulo Ovidio E até mesmo porque até os que não são selecionados a gente dá um retorno. Todos os artistas recebem um retorno, porque esse ano em específico teve essa questão que a gente não pôde contar com trabalhos de vídeo por uma questão de equipamento, também teve uma questão de espaço. Então, assim, teve trabalhos que não puderam ser mencionados, porque tinha dois por três metros e a gente já tem outros trabalhos com grande dimensão mais amadurecidos, no sentido de uma ideia mais consistente. 

Talitha Motter Para nós, acho que também funcionou um pouco assim quando a gente fez algumas exposições, a gente sempre estava de olho nos artistas que publicaram. E é como se o nosso repertório se construísse em cima dessa rede mesmo, das pessoas que entram em contato com a gente. E depois a gente continua acompanhando. É como se nós pudéssemos observar como se forma o nosso sistema, participando dele. 

João Paulo Ovidio Sim, isso é algo que me interessa muito. 

Talitha Motter E como foi o projeto da Galeria Desvio?

Gabriela Lúcio de Sousa Bom no final do ano passado, a gente sentou e conversou e decidiu criar um espaço, muito porque a gente tinha perdido o espaço do HO. A gente não ia conseguir mais expor nele, com a saída da Daniele de lá. Então, a gente pensou em viabilizar um espaço novo para expor o que a gente quisesse expor mesmo. E também assim, aquilo que a gente considerava interessante. Enfim, realmente uma galeria. Além de fazer venda também de obras, que é prioritariamente o que a galeria deveria fazer. Aconteceu que… a gente que pagava o aluguel. E começou a ficar muito difícil para a gente manter esse espaço financeiramente. Porque eram muitos gastos. A gente não estava conseguindo dar uma dedicação adequada. Então, a gente achou melhor realmente encerrar o serviço naquele momento. 

Página que apresenta parte das atividades que foram realizadas pela Galeria Desvio.

João Paulo Ovidio Porque o que acontece a galeria existia dentro de um espaço de um atelier, que é o Orgânico Atelier. Então, a gente ocupava um espaço, uma quantidade ali dentro. E, nos outros cantos, tinham o atelier de outros artistas que também alugavam um pedaço. Só que na hora de fazer a exposição a gente conseguiu ocupar todas as paredes, porque havia uma negociação. Quando fomos para lá em janeiro deste ano. O objetivo era passar todo o mês de janeiro fazendo um planejamento, em fevereiro fazer uma abertura. Março em diante começar o calendário de exposições e tudo mais. Exposições com artistas em sua maioria que participaram do PEGA, ou que em algum momento de algum outro projeto. Enfim, mandaram algum conteúdo para a revista. E, em abril, eu comecei a trabalhar praticamente todos os dias. Eu só tinha folga na segunda e a Gabi não estava mais no Rio então toda essa responsabilidade acabou ficando com a Daniele, que na época estava no processo de finalizar a dissertação dela do mestrado. Teve um gasto de tempo muito grande na galeria de inatividade. Até a primeira exposição acontecer, até a outra acontecer. Então, era algo que acabava não sendo viável para gente. No sentido que se ocupava um mês inteiro para enfim discutir fazer reuniões e a exposição mesmo não acontecia. Então, a gente começou a se questionar sobre a verdadeira utilidade do espaço. 

Talitha Motter Eu vi várias imagens do projeto “Artes Aquáticas – Verão em Queimados”. Como é que se desenrolou o dia das performances na piscina? 

Gabriela Lúcio de Sousa Nessa época, eu já não estava mais, então vai ser um relato só do João mesmo. Eu estava em Brasília já.

João Paulo Ovidio No ano passado, a Daniele chegou a escrever um projeto, não lembro se foi para a Funarte, ou se foi para algum outro edital para fazer uma exposição em Queimados na piscina e tudo mais. Acabou que, enfim, o projeto não foi contemplado, mas se manteve a ideia de realizar a exposição lá. Uma das pessoas responsáveis pela piscina é a Gisele Castro, que também fez História da Arte lá com a gente na EBA. Então, uma pessoa que a gente já conhecia. O esposo dela é o, digamos, responsável geral pela piscina. E, enfim, como a ideia de realizar o evento no ano passado foi muito próximo das eleições a gente resolveu adiar, por uma série de razões. Assim, Queimados é um município que fica aqui na Baixada Fluminense, que é conhecido por um alto índice de violência, em que praticamente a maior parte da população votou no dezessete. E, a gente sabe, a galera da arte tem uma postura, tem um enfrentamento que poderia gerar algum tipo de confronto ali e colocar talvez em risco a vida dessas pessoas. Porque a ideia era que a gente pudesse ter toda essa liberdade de corpos e tudo mais na piscina, se vestir como quisesse.

Talitha Motter Mas poderia ser interpretada de outra maneira. 

João Paulo Ovidio Poderia ser interpretado de uma outra maneira. 

Talitha Motter E daí acabou acontecendo neste ano. 

João Paulo Ovidio Foi no início deste ano, em março. E também tem aquilo, na metade do ano passado, aconteceu o assassinato da Matheusa. Então, em outubro, com as eleições e como as pessoas estavam tendo atitudes muito radicais, muito violentas. Enfim de atropelar travestis na rua, de esfaquear e tudo mais. A gente pensou: não, é melhor não realizar agora por uma questão de segurança das pessoas. No início do ano, decidimos fazer. Foi dia 24 de março. Convidamos algumas pessoas que tinham participado do PEGA também, alguns outros artistas que já conhecemos há um tempo. E foi isso, foi um evento bem legal. Tem reportagem na mídia, saiu naquele Programão Carioca, que é um dos quadros desse jornal de meio-dia da Globo. E teve atividades da própria piscina. Então, teve capoeira, Hip Hop. A gente abriu o microfone, em um momento, para que as pessoas pudessem falar, declamar poesias e coisas do tipo. E, no verão em Queimados, teve essa questão de ter um bar, de ter um local para poder vender bebida, comida e tudo mais. E foi a primeira, acho que podemos ter o “Artes Aquáticas” como uma tentativa anterior à galeria, porque ali já se pensou como vender alguns trabalhos. 

Talitha Motter Sim, que eu lembro que tinha uma proposta meio de feira. 

João Paulo Ovidio Chegamos a ter outras ideias, mas a ideia era fazer uma por estação. A do outono ia ser uma numa fábrica que tem lá em Bangu. Acho que se chama alguma coisa Viegas, eu não lembro o nome, mas que é uma fábrica muito conhecida da Zona Oeste, que de vez em quando rola alguma proposta lá de Hip Hop, de grafite, etc. E as outras edições iam ser em espaços sempre contemplando essa periferia do Rio de Janeiro. A gente estava pensando em fazer a do inverno em Olaria, a da primavera em Caxias, etc. E acabou que foi um projeto que não teve continuidade por uma questão de outras demandas, de outros trabalhos. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente tem muitos projetos e a gente tem muitas vontades, mas a gente não tem braço suficiente. E agora eu estou fora também. Então, isso atrapalha algumas coisas enfim. Se a gente pudesse, nossa! A gente faria muita coisa. 

Talitha Motter Mas são ideias que podem ficar guardadas, incubadas, por enquanto, e no futuro elas vão encontrar o caminho para serem realizadas.

João Paulo Ovidio Sim. Por mais que eu goste bastante de exposição, não é um trabalho que eu sou o primeiro a tomar um passo, sabe? De pegar e vamos fazer. Porque eu sou muito mais dessa outra produção, que é de organizar as coisas, de acompanhar e tudo mais. Gosto muito de exposição, mas quando eu penso que eu preciso me responsabilizar por toda uma demanda, toda uma gestão de montagem e ver questões de equipamento, e pensar como distribuir isso no espaço, me causa um pouco de cansaço mental. 

Talitha Motter É um outro tipo de produção.

João Paulo Ovidio Minha atuação como um todo, ela sempre esteve relacionada a essa questão mais de uma organização de evento, parte mais acadêmica e de arte e educação, que foi com o que eu trabalhei durante o período da graduação.

Talitha Motter Sim, e a revista tem bastante esse papel, como tu tinha dito, de formação. Então, une esses dois interesses.

Brasília e Rio de Janeiro — Montréal, 31 oct. 2019.

Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres

Imagem de capa: Paola Fabres.

Temas

***

Présentation en français

Esta é a primeira entrevista da série de conversas com colaborares de revistas de arte digitais atuantes no Brasil. Essa série tem por objetivo abrir o debate sobre esse novo formato de publicação, que modifica a nossa compreensão do que é uma “revista de arte”. Além disso, procura entender a participação desses periódicos na construção da nossa produção artística atual.

A primeira entrevistada, Paola Fabres, é coeditora da revista Arte ConTexto (artcontexto.com.br, ISSN 2318-5538, julho 2013, Porto Alegre/RS), publicação da qual também faço parte. Ela nos conta a origem da revista, ligada à nossa vontade de criar um espaço que permitisse a publicação de pesquisas desenvolvidas por novos atores da arte. Também falamos dos processos de seleção de temas da revista, sempre voltados para uma pauta urgente, da atualidade, e como o território de impacto da revista foi se ampliando com a ajuda da divulgação via redes sociais. Paola Fabres ressalta ainda a importância que a Arte ConTexto assumiu no campo da experimentação textual, sendo hoje, com os chamados “textos-obra”, um local para o exercício da escrita sobre arte.

***

Entrevue avec la corédactrice en chef de la revue Arte Contexto Paola Fabres

Ceci est la première entrevue d’une série d’entretiens auprès de collaborateurs de revues d’art numériques brésiliennes. Ces entretiens ont pour objectifs d’ouvrir le débat sur ce nouveau format de publication, qui change notre compréhension de ce qu’est une « revue d’art », et d’essayer de comprendre la participation de ces périodiques à la constitution du domaine de l’art actuel au Brésil.

La première personne interrogée, Paola Fabres, est corédactrice en chef de la revue Arte ConTexto (artcontexto.com.br, ISSN 2318-5538, depuis juillet 2013, Porto Alegre/RS), publication à laquelle je participe également. Elle nous raconte comment la revue a été créée, en discutant de notre volonté d’établir un espace qui permettrait la publication de recherches développées par de nouveaux acteurs de l’art. Lors de cette entrevue, nous avons également traité de la sélection des thèmes pour chaque appel à publication de la revue, toujours liés à un sujet d’actualité, et de la manière dont le territoire d’impact de l’Arte ConTexto a été élargi grâce à la diffusion de leurs contenus via ses réseaux sociaux. Paola Fabres souligne aussi l’importance de l’Arte ConTexto dans le domaine de l’expérimentation textuelle. Cette revue est devenue, avec ce qu’on appelle de « textes-œuvres », un lieu pour l’exercice d’écriture sur l’art.

***

História & Organização

Talitha Motter Então, Paola Fabres, as primeiras questões são muito em função da história da revista. Eu queria que tu pudesse nos apresentar um pouco da revista: como ela foi criada, onde ela foi criada, quem fazia parte, quais foram as primeiras ações realizadas para a criação da revista. Enfim, todo esse começo da Arte ConTexto.

Paola Fabres Bom, vamos até pensar juntas. Eu acho que em termos biográficos isso surge por parte das duas editoras que tinham um certo impulso em comum. Tanto eu como tu, a gente estava querendo testar esse universo da crítica de arte, sabendo também que a gente ainda era muito jovem, estudante de graduação. Então como fazer isso num contexto em que não exatamente se tem plataformas disponíveis para os alunos de graduação e bacharel estarem ali experimentando, publicando e testando? Claro que a internet já estava servindo um pouco como esse espaço para quem quisesse, mas enfim parecia existir uma certa ausência. Acho que parecia ter um pouco de uma lacuna de onde colocar raciocínios possíveis. E a ideia foi de fazer uma plataforma nossa que seria digital por questões de custo. A gente não tinha um financiamento para tornar isso um editorial impresso e ali a gente vai exercitar como pensar a crítica de arte se a gente está recém começando a pensar isso. É claro que não era apenas uma vontade de nós ficarmos publicando e testando esses conhecimentos, mas também de estar conversando com outras pessoas e abrindo esse espaço, porque se a gente notava essa lacuna de dispositivos de exercício da publicação da crítica de arte possivelmente outros alunos também estavam na mesma questão. Então acho que a gente vem com essa ideia de uma forma muito juvenil e muito corajosa e ao mesmo tempo essa vontade de testar. E uma coisa que nós sempre comentamos é o fato de que já existiam revistas ligadas ao universo acadêmico, mas a maioria delas estão ligadas à pós-graduação. Então o aluno de graduação teria que ter o orientador acoplado assinando para participar desses conteúdos. Então eu acho que a Arte ConTexto surgiu como um lugar para o texto poder existir para estudantes da graduação, sabendo que isso ia extravasar para além da universidade. Nossa vontade não era unicamente estar pensando dentro da academia, mas a gente estava na academia e abria essa porta para quem estivesse mais distante. E não sei se tu quer datas, mas então me ajuda a pensar. Acho que a gente tem essa ideia em 2013.

Talitha Motter A gente conversou no final de 2012 no café do Mário Quintana. 

Paola Fabres Fomos elaborando para que em 2013 o bichinho começasse a se desenhar. 

Talitha Motter E a gente publicou a primeira edição em julho de 2013.

Paola Fabres Isso, a primeira foi no inverno, dos espaços independentes.

Talitha Motter Eu lembro que eu já estava no Rio de Janeiro e tu estava discutindo muito o site com o Marcius.

Paola Fabres Mas só para lembrar, era eu e tu criando toda a ideia, como vai ser todo formato, essa periodicidade, esses conteúdos, como a gente podia divulgar esses conteúdos. E aí é aqueles impasses técnicos, como é que se programa isso. Então nós chamamos o Márcio de Andrade que era a terceira figura que nos ajudou a conceber tudo isso. Mas eu acho que o importante é saber também que esse núcleo de três ele ficou centralizado durante quase toda a sobrevivência da revista. Nós duas sempre nessa coisa de conteúdo de texto e tal, o Marcius sempre ajudando nessa programação, tu começou a pegar muito junto com ele essa programação também. Mas acho que esse trio, é o trio centralizador da revista. 

Talitha Motter E, para ti Paola, eu tenho uma percepção, mas seria bom saber também de ti: como é que tu vê o nome da revista Arte ConTexto?

Paola Fabres Eu acho que a gente não pensou quanto que isso poderia se tornar, quanto que nós poderíamos portar outros sentidos para esse nome lá atrás. Porque é claro que a gente pensava na ideia de aproximar arte e texto, o campo da arte e o pensamento textual e também essa ideia de contexto, porque nós sabíamos que estava falando de uma produção contemporânea, mesmo que volta e meia surgiam artigos que olhavam para questões históricas. Então a ideia de textualidade, a de campo artístico e a ideia de contexto eram os dois universos que se aproximaram. Só que é muito curioso pensar que ao longo da vida da revista esse lugar do texto enquanto experimentação artística e da experimentação artística que nem se sabe para onde vai, mas quando viu que tem um canal ali, digital, aberto e disponível, começa a se exercitar, a se conceber. Isso eu acho que foi se tornando um ponto chave, muito legal da nossa revista e que a gente quase não esperava muito. Quer dizer, não que não esperávamos, mas a gente não contava com isso que o fato de a gente disponibilizar esse espaço que não é científico, mas que pode estar dentro da academia, que não é para os jovens, mas que pode estar disponível para os jovens, que está tentando atingir grupos para além do campo da crítica universitária cerrada.

Ele se tornou um pouco esse espaço de experimentação. Isso diz tudo realmente da Arte ConTexto. Então, não é só o texto falando no campo da arte, mas é também a arte se fazendo junto com o texto.

É gostoso pensar o quanto que isso vai aparecendo para nós como uma demanda cada vez com mais latência e nos exigindo também uma estratégia técnica. Como é que eu vou publicar esse negócio que tem uma diagramação maluca e como a gente se organiza nessas imagens e textos, respiros e gráficos, tudo junto, porque cada texto explorava da sua forma ou fazia de uma maneira diferente. Então a gente a cada texto tinha que resolver isso. Então acho que esse título já surgiu olhando para sentidos diferentes em convergência, mas ele agregou esse terceiro aí. Principalmente nesses últimos anos da revista em que isso ficou mais perceptível. A gente ia vendo a porcentagem de textos-obra realmente aumentando e os artistas se empolgaram a participar não de só de uma, mais de duas, mais de três, porque já estavam gostando daquele formato. Então, quase que fidelizando um tipo de metodologia para eles já que eles sabiam que iam ter um espaço onde isso pudesse ser abarcado. Então acho que nesse sentido esse nome foi ganhando essa conotação.

Texto-obra “A enguia texto-imagem: confluências entre ver e ler” de Leonardo Tavares, publicado na Arte ConTexto n.13, 2017.

Talitha Motter É verdade que “Arte feita com texto” ganha um terceiro eixo de interpretação. Eu vou falar um pouco mais agora da questão da organização da revista. Eu queria saber o que te levou a trabalhar com uma revista, a ser editora de uma revista e se tu podia contar com o que tu trabalhas normalmente. 

Paola Fabres Olha eu enquanto jovem, mais jovem, eu tinha muita vontade de ser editora de uma revista ou trabalhar dentro de uma revista. Eu lembro que eu lia muito a Bravo!, lia essas revistas que a gente assinava que tinham alguma pincelada cultural e tinha vontade de estar dentro desse universo até porque eu vinha do designer gráfico e gostava muito do ambiente editorial. Isso sempre despertava o meu interesse. Só que eu entro com essa grande vontade de ver como é essa atuação de editora e eu acho que eu me descubro mais uma crítica de arte que propriamente editora, claro que essas coisas caminham juntas muitas vezes.

Mas eu acho que a revista me abriu um lugar de me apaixonar pelo conteúdo, pelo texto. Pensar o exercício que a gente teve que se colocar, de aprender a analisar, a organizar pareceres, naqueles momentos de dúvida.

É um estudo que a Arte ConTexto nos deu mais do que a própria universidade, nesse sentido específico de como lidar tanto com a minúcia do conteúdo, da precisão até com esse macro de organização de materiais. Mas então, claro, a gente divide esse trabalho de edição. Eu tenho bem claro para mim que tem algumas coisas que tu acabou assumindo, porque tu tem uma facilidade e essa cautela de ir no detalhe, de avaliar todos esses aspectos. Esse olho fino que o editor tem que ter, que é tão importante. Então a gente já vai pegando essas habilidades, isso acabou centralizando muito em ti. Eu sempre tive uma parada de gostar dessas visualidades. Essa combinação mais de diagramação, estética, o impacto de uma capa, de outra, o que vai ser o elemento de destaque. Eu acho que eu fiquei um pouco exercendo mais isso que é um trabalho que também hoje o Marcius está pegando bastante. Claro esses processos vão se adequando ao longo de todo esse tempo. Mas o que eu acho muito gostoso nessa produção é essa parceria de como nós temos essa edição dupla, desse conteúdo estar sempre sendo ajustado por um segundo olho, desenvolvido por uma, melhorado, desenvolvido por aquela e ainda mais aprimorado mais adiante. Então essa duplicidade do pensar, que é esse pensar dos debates propostos, esses textos finais, o que vai estar compondo a revista, o que não, eu acho muito gostoso essa reciprocidade de olhares. 

Talitha Motter Acho que é uma divisão de tarefas que agrega, às vezes, tu vê revistas que tem um editor único. Mas tu ter essa responsabilidade só para ti, acho que é muito pesado. Então, acho que quando a gente tem dois olhares, a gente se sente mais segura nessa avaliação, nessa proposição. Eu queria falar também, durante a história da revista, como a equipe foi agregando outras pessoas, como isso mudou, nosso grupo de colaboradores.

Paola Fabres Então, uma questão que é importante de destacar é como que essas práticas sobrevivem, como que essa vontade de desenvolver esse projeto sobrevive e a verdade é que ele vai sobrevivendo enquanto consegue. A gente não chegou exatamente a ter em nenhum momento financiamento que pagasse a equipe e as próprias despesas que tem essa plataforma. A gente consegue apoios e colaborações que são muito menores do que o que isso de fato custaria, mas que ao mesmo tempo já dava um pouco daquele ânimo de continuar fazendo já que agora nós não temos que pagar mais isso nem aquilo. A gente já conseguiu fazer um pequeno caixa. A gente está a fim de continuar esse exercício de ampliação de um debate local, que agora não é nem mesmo mais local, já estamos falando de uma questão que já não é mais geográfica. Nós brincávamos com aqueles conteúdos que vinham de lugares diferentes. Hoje tem um Brasil sendo acionado, mas também um pedaço da América do Sul sendo acionado. Muitas vezes ponte com Portugal, com Canadá. Então, essa regionalidade já não é mais uma marca que foi sendo quebrada pelo próprio universo digital que propicia isso.

Mas o fato dessa revista precisar desses apoios financeiros, que em nenhum momento a gente organizou a vida econômica enquanto um projeto profissionalizado, fez com que a gente encontrasse outras alternativas para ela continuar existindo.

Essas alternativas seriam: aumentar a equipe participante para que muitos nos ajudassem, mas que muitos nos ajudassem com pouco, porque a gente também não pode pedir para uma equipe que está trabalhando sem receber suas remunerações que são necessárias. Então ter muitos colaborando com pouco, e pouco eu digo no sentido de demanda de trabalho, claro que todas essas contribuições são imprescindíveis para a gente, no sentido de nenhum parecerista nosso revisa mais que do que duas ou vamos dizer que talvez algum tenha revisado três em algum momento, mas nenhum revisa mais do que três textos em uma edição, que agora já está semestral. Então é realmente uma carga que eles conseguem dar conta. E quando eles não estão indisponíveis a gente vai acionar um outro grupo porque a gente já tem uma rede maior. Isso é uma questão, a questão de poder dar conta de todas essas análises, de sempre ter dois olhares olhando para um texto só, porque a gente nunca vai ter uma única avaliação. Então essa pluralidade pediu esse aumento da equipe, mas um outro fator é o fato de nós recebermos textos também não apenas do campo das artes visuais, mas de outras esferas da cultura como às vezes do teatro, dos estudos visuais, do cinema, enfim. Então, essa vontade de ter participantes mais especialistas dessas outras esferas do conhecimento, que pudessem estar contribuindo na precisão de cada conteúdo. Então chegou um momento que a gente começou a conversar, a gente tem que ter alguém que está pensando música, que está pensando no cinema. E nós também tínhamos, temos, mas já faz algum tempo que a gente não mexe nesse grupo, a gente também pensava muito em acionar pessoas de locais diferentes. Muitas vezes de estados diferentes para que ali pudesse ter um irradiador, alguém que apresentasse essa revista na sua universidade ou nos seus cursos livres ou para seus colegas de circuito para que esse canal fosse transitando, não apenas ficando como uma marca de debate do Rio Grande do Sul ou do Rio de Janeiro.

Talitha Motter E como tu vê essa questão do trabalho a distância, porque nós temos essa grande rede de colaboradores, mas como é que tu vê isso, quais são os prós e contras. Como é que se desenvolve o trabalho a distância na revista. 

Paola Fabres Olha eu acho que é mais prós do que contras. Assim eu acho que esse formato que a gente desenhou ele já foi pensado para poder existir a distância, porque se nós necessitássemos estar juntas, ou juntos todos, isso nunca poderia ser possível. Então a gente até brinca que a gente bolou a revista juntos, mas logo depois as editoras se separaram e se juntavam para dar oi, matar a saudade, fazer reuniões. Mas a gente sempre esteve muito mais à distância do que juntas nesse tempo da Arte ConTexto, tanto na época que tu estava no Rio e eu em Porto Alegre, como agora que estou em São Paulo e tu está no Canadá. Então eu acho que isso já foi mais ou menos articulado prevendo isso para que não dependêssemos dessa aproximação. Claro que, muitas vezes, dá vontade de estar próximo para fazer aquela conversa principalmente dos debates sobre o que a gente quer lançar nas próximas edições. Quais que são as reflexões que estão nos parecendo mais caras, mais necessárias, porque o trabalho mais processual de análise de texto, de rebatimento, de checagem coletiva. Eu acho que essa ponte, ela acaba sendo muito mais efetiva a distância, já que estamos trabalhando nas nossas casas, nos nossos escritórios, nas nossas bibliotecas, do que se a gente precisasse estar junto. Mas esse momento de pensar a revista de modo mais amplo: “E, agora, o que a gente vai propor?”, o que nós estamos a fim de encarar, o que está precisando ser repensado. Esses momentos sempre são muito gostosos de fazer em parceria, porque somos amigas, além de colegas. Mas eu acho que os colaboradores em geral precisam de que isso funciona via internet. Se precisasse estar fazendo reunião de pauta, esse formato com colabores voluntários, eles não iam estar podendo dedicar esse tempo para encontros, para reuniões. Então eu acho que é muito importante saber qual é o formato que funciona nesse sentido. E por último, saber que o formato a distância chega nos nossos leitores e nos nossos colaboradores de texto e não só nos colaboradores de equipe. Esses colaboradores de conteúdo a cada edição, eu acho que o fato dessa chamada aberta estar circulando pela meio digital, de todas as inscrições serem digitais, de estar sempre encaixado nesse lugar dessa plataforma virtual viabiliza que gente de tudo quanto é lado possa estar participando.

Enfim, as revistas impressas elas vão ter também circulação mais restrita de acordo com seu alcance. Então essa digital ele possibilita a rede, esse diálogo de uma maneira um pouco mais barata e acessível. 

Conteúdo & Autores

Talitha Motter Fazendo uma pergunta rápida, resposta rápida. Tu podia dizer quantos números já foram publicados da revista e também quais são os formatos de publicação que a gente aceita. Além dos tipos de arquivos, tipo de imagem, som, vídeo, etc. 

Paola Fabres Já publicamos 15 edições, estamos indo para a 16a. A gente trabalha com os formatos: tradicional de um artigo, de um artigo científico que tem uma extensão um pouco mais breve do que alguns artigos que estão trabalhando com 15, 16, 17 laudas. A gente trabalha com cerca de 10 laudas, mas ela vai seguir esse formato. O texto curto que seria esse ensaio crítico e de curta duração, quase que uma análise mais breve sobre um determinado aspecto e esse caráter ensaístico. A ideia desse texto-obra que vai ter esse formato mais experimental, mais ligado ao próprio trabalho daquele artista senão o trabalho em si mesmo. E as resenhas críticas que analisam uma publicação, uma exposição, um evento. Então, nesse sentido, o texto está sempre acompanhado de imagens. Esses formatos visuais eles vão ser recebidos em formato JPEG, para funcionar no digital. Temos também entrevistas publicadas, apesar de não ser uma coluna fixa, de sempre ter um diálogo colocado, mas muitas vezes dependendo do debate que a edição está se propondo, as entrevistas vêm somando também com o conteúdo. A galeria e também o texto de Aposta. Então vamos lá: tem também esse formato visual, que seria essa ideia de galeria, que então é o conteúdo pensado visualmente por algum tipo de produção, de trabalho, de projeto, que está em consonância com esse debate e a gente também está sempre lançando um texto pra pensar um artista em destaque. Eu acho que uma parte interessante também é o quanto que a gente está sempre apontando para uma produção que já pode estar mais visível por aí, muitas vezes, não está muito visível ainda, mas que está pensando de modo interessante aquelas reflexões que o número está se propondo. E esse acaba sendo também o momento de reconhecer algum artista, desse artista ganhar alguma visibilidade.

Talitha Motter Eu queria ver contigo um pouco como é que tu vê o processo de seleção dos textos, quais seriam nossos critérios que poderiam indicar chaves para essa seleção. E também como é que tu vê a seleção dos temas de cada edição, porque cada edição tem um tema normalmente. 

Paola Fabres Vou começar pela edição dos temas. Isso é pensado pela nossa equipe de edição, por nós duas em especial, a gente está sempre aberta a receber considerações. Muitas vezes, a gente pede opiniões para os próprios colaboradores das equipes, para eles votarem em algum tema que pareça interessante. Outros momentos é nós duas que fazemos um pouco desse trabalho de termômetro, de qual que é o debate que está muito em voga, que ainda tem coisa a ser pensada, ou, pelo contrário, conteúdos que nos pareçam que não estão tão em voga e que estão avisando uma certa demanda.

Então a gente está sempre ligada um pouco com uma pauta urgente. Eu acho que é um pouco esse exercício de fazer essa análise do que está sendo demandado pelo nosso contexto, pelos nossos dias atuais, pelo nosso circuito.

Então eu diria que é um pouco esse termômetro, ou temas que estão sendo muito debatidos, mas que nos interessa olhar para uma outra perspectiva que talvez eles não tenham sido abordados assim na totalidade mais complexa. Então a gente está sempre um pouco avaliando aí essas brechas, esses pontos chaves que nos parecem interessantes para o próprio campo da arte. A questão da seleção dos textos, a gente tem esse formulário. Digamos, esse manual que nos ajuda a observar o que que nos interessa e o que não. Mas essas noções de uma relevância daquele debate, o quanto que aquele debate estruturalmente está sendo bem apresentado, bem justificado. Caracteres de formatação que nos interessam que sejam respeitados. Nesse sentido de fazer aquele resumo sendo bem consistente, apresentando sua questão para determinados tipos de matéria apresentar aquele raciocínio que, muitas vezes, tenha o ponto de vista desse autor. Essa visão da sua própria perspectiva para que não seja textos meramente de colagens informativas. Então, um pouco dessa participação crítica mesmo, que é um pouco da proposta da revista. Bom, e é claro, nos interessa também que essas relações entre a teoria e a prática estejam consolidadas que isso não seja feito de modo tão arbitrário, ou tão desconectado. 

Formulário eletrônico de avaliação dos textos.

Talitha Motter Eu acho que é isso. Essa questão dos temas, sempre tem essa proposta meio urgente, tentando se conectar com questões atuais ou mesmo com uma outra perspectiva que nós queríamos dar, tu tem algum desses temas que tu podia levantar essa relação? Algum exemplo onde tu vê isso. 

Paola Fabres Claro, por exemplo, a atual revista que está para ser lançada e que nós estamos ainda em processo de análise dos conteúdos. A gente vai olhar um pouco para a importância de pensar esses pontos de contato entre o universo do campo da arte e esse universo da educação, da formação de conhecimento, da formação de pensamento, desse pensar junto com a arte. Porque está se tornando importante, e que talvez sempre tenha sido, repensar esses aspectos. Mas hoje em termos conjunturais a gente está vivendo um momento de muito desdém para esses apoios não só para as artes visuais, mas da cultura geral em termos das nossas políticas públicas e da nossa governança no Brasil nos dias de hoje.

Então, mais do que nunca, está sendo importante comentar e quase que defender esse campo de atuação, enquanto um campo de relevância para a formação do sujeito, porque isso não está sendo percebido dessa forma.

Em relação a esse fazer da cultura, esse Estado está se tornando alguém de costas para a toda essa produção. Então, o quanto essa arte pode ajudar no universo dos campos didáticos, pedagógicos, dos campos analíticos, filosóficos, reflexivos. Porque esse lugar da formação de pensamento, ele pode ser desde o jardim de infância até um campo acadêmico muito específico e especializado, são lugares de formações de vários sentidos ou de um público visitante de uma instituição. Então como é que a arte pode se relacionar com esse aspecto. Esse é um exemplo. Por exemplo, quando a revista nasceu, fazendo um arco entre a última e a primeira edição, quando a revista nasceu, que ela ainda estava tentando se compreender enquanto uma publicação continua.

A gente estava vivendo um período de muita efervescência no cenário de Porto Alegre especificamente com o surgimento de novos espaços, novos projetos independentes. Então a gente quis olhar para isso. Afinal de contas, a revista também era um projeto nascendo, em ebulição.

A gente quis não só olhar para essa nossa iniciativa, mas para todas as outras que estavam ali ao redor. Assim talvez tenha sido uma pauta muito mais no seu universo micro. Não que isso seja uma necessidade pontual ou mais abrangente. Mas, nesse sentido, temos aí dois exemplos. 

Detalhe da página de capa da Arte ConTexto n.1 de julho de 2013.

Talitha Motter Tu chegou a comentar de alguns autores que publicaram de novo na revista. Mas tu vê alguns temas propostos por colaboradores ou artistas que foram tratados mais de uma vez? Tu vê alguns assuntos que se repetem ou que te marcaram?

Paola Fabres Isso é muito interessante de perceber, porque a gente começa a ver nomes que vão surgindo como proponentes de conteúdo e que são nomes reincidentes a cada edição. É claro que a gente gosta muito de perceber isso porque a gente vê o quanto que esse pessoal está contente em participar desses processos de pensamento coletivo. Acho que um dos casos, o primeiro que me vem em mente, eu lembro que foi um autor que na primeira vez que tentou colaborar, eu lembro que o texto dele nem tinha sido selecionado e logo depois em uma próxima edição ele mandou de novo material e, em seguida, já entrou na revista. E era uma figura de um artista que fazia parceria com uma outra artista do Rio Grande do Sul e que estava propondo cartas a artistas, a outros artistas, mas era interessante que essa carta entrava no lugar afetivo, ficcional. Essas cartas eram escritas para artistas de um maior reconhecimento que nem sabiam, provavelmente nem sabiam, da existência desses escritores. E essas cartas eram destinadas para esses artistas como se fosse uma comunicação muito íntima, muito próxima, muito de um amigo carinhoso que está ali ou está morrendo de saudade. E que ele está produzindo seus trabalhos para mim ou para seus próximos eu estou comentando com ele a minha impressão sobre esses trabalhos. Essas cartas são um conteúdo muito interessante da revista. Até me ajuda a pensar, mas eu acho que a gente já deve ter publicado mais de 5, 6 dessas cartas. Então elas quase que se tornaram um conteúdo fixo dessa publicação. É claro que isso também é um exercício poético dessa dupla. Isso também faz parte do trabalho deles, pensar esse texto, pensar essa ficcionalidade, pensar o quanto que eles estão, mas eles não estão ali presentes, porque eles vão ter esse heterônimo aí para assinar.

Então, tudo isso eu acho que é exemplo de colaboradores externos que vão propondo conteúdos e quando vê aquele conteúdo se torna uma práxis, um modus operandi, apesar de isso não ter sido concebida a priori. 

Talitha Motter Sim, é bem interessante a abertura da revista para sugestões. Acho que a gente conseguiu criar um diálogo com os nossos colaboradores. Eu não saberia a resposta, mas vou te perguntar, tu acha que teve algum texto que a gente publicou que teve algum impacto de discussão.

Paola Fabres Não me veio nenhum em mente, mas o que mais me vem em mente é o impacto dos textos de aposta serem um lugar de: “Ah, que legal, você virou aposta. Nossa que massa.” Quase que se esse lugar já ter alcançado um reconhecimento. Ele virou um pouco um status já colocado nesse circuito de quem é leitor da Arte ConTexto. Isso foi uma das primeiras questões que eu pensei, mas se eu pensar em algum outro texto de destaque ou de polêmica, eu já vou trazer. 

Talitha Motter Como é que tu enxerga os estilos desses textos, se eles são mais acadêmicos, mais didáticos. Como é que tudo vê a leitura do texto na revista Arte ConTexto?

Paola Fabres Eu acho que eu caracterizaria esses conteúdos como dois elementos correlatos. Eu não acho que a participação com esse olhar, com essa perspectiva acadêmica, está de fora. Ela está presente principalmente por conta desses alunos que estão na transição entre a saída do lugar do estudante ainda jovem e a entrada no campo especializado. Nesse arco de quando começou a se profissionalizar enquanto pesquisa, a gente está servindo muito de canal para essas pesquisas. Eu vejo muitos colegas, ou alunos, ou pessoas que eu conheci e que estão aí no circuito que os primeiros momentos que eles estão mostrando a pesquisa deles, o início daquela pesquisa está sendo na Arte ConTexto.

Eu acho que ela serve um pouco como esse receptáculo de novas ideias, de novas hipóteses que ainda não estão na sua elaboração máxima, mas que estão sustentando esse aluno, ou esse estudante, esse início de pesquisador a testar de modo responsável, comprometido essas ideias.

Esse seria um universo mais acadêmico acho que tem um pouco essa característica, sabendo que tem o cara do pós-doc, com uma pesquisa já super avançada. A gente chegou a publicar um texto de alunos do colégio que fizeram o projeto de extensão, e cujos raciocínios vieram para a revista. Então tem esses extremos que eu acho uma coisa muito bacana, mas eu centralizaria um pouco esse trânsito de passagem para o universo especializado. Enfim, mais profissionalizado. E um outro elemento eu acho que é esse ensaio livre crítico com a experimentação do texto-obra. Esse momento que é quase de um fluxo de raciocínios que muitas vezes são tiros mais breves mas que estão ali apontando questões que são importantes. Isso é uma coisa que eu gostaria de destacar que eu também acho que nós nunca falamos a respeito. Eu acho que a gente está começando a assumir um lugar de bastante rigor com a aceitação desses textos, um lugar importante. Eu vejo muitas revistas que são acadêmicas, especializadas, que estão trazendo análises que ainda faltam algum tipo de esclarecimento do porque que aquilo está sendo colocado, ou que ideia que está ali, ou será que essa ideia não é só… enfim coisas que a gente já tá escutando, o que que tem ali de novo? Eu acho que a gente está começando a ter um pouco desse rigor preciso que é necessário para o campo da crítica de arte. Mas tem esse lugar que são essas elucubrações mais breves e críticas e também mais experimentais que poucas revistas têm esse formato. A gente vê por exemplo outras revistas digitais com um perfil mais comercial como uma DASartes, como uma ARTE!Brasileiros, uma seLecT, que todos os textos mais breves vão ter esse caráter de resenha crítica. E é mais difícil de tu ter esse ensaio um pouco mais livre sem deixar a reflexão crítica de lado. 

Talitha Motter E referente ao perfil desses autores, a gente falou muito dessa coisa do jovem pesquisador. Tu identifica outros perfis? Quem é que publica na revista? E se tu identifica também regiões do país que são mais visadas, que tem mais colaboradores, menos colaboradores.

Paola Fabres Então em relação ao perfil desses autores continuo frisando esse estudante indo para essa carreira de pesquisa, que eu acho que seria talvez esse ponto central, mas um aumento considerável de professores, doutores e pós-doutores na participação desses textos. Eu acho que, na medida que a revista começou a crescer, ela trouxe junto dela esses colaboradores já atuantes no meio acadêmico, que já estão participando de outros canais de publicação, que não é o público que precisava desse espaço, mas que já está fazendo uso desse espaço porque esse dispositivo, mais ou menos, se instalou nesse trânsito de publicações. Então, esse perfil se soma, esse perfil especializado e… e artistas porque isso é muito interessante. Os artistas que estão mais ligados ao universo das poéticas sem tanto estar direcionados ao lugar da pesquisa, da investigação da escrita. Esses caras normalmente não estão acompanhando as publicações ou propondo, porque eles não têm aquele lugar, eles não estão exercendo esses textos de formato tradicional, mas eles estão exercendo esses textos mais livres e colocando seus trabalhos.

Eu acho que talvez seja uma revista que está se aproximando muito do artista, do cara que está produzindo mais distante do texto e começa a pensar ou via imagem ou via texto o seu próprio trabalho.

E aí tu perguntou das regiões. Claro a gente sempre teve uma maior atuação no Sul, no Rio Grande do Sul, que foi onde a coisa se instaurou. É interessante pensar que a revista começou na capital e hoje o nosso público do interior é quase tão grande quanto, ou maior, mas tem muita gente do interior desse Rio Grande do Sul. Aquela parte da Argentina começou volta e meia se tornar mais participativa apesar de ainda não ser o que mais se destaca. Então esse Rio Grande do Sul sempre muito ativo, eixos do Rio de Janeiro e também de São Paulo sempre presentes. E aí é claro essas capitais que vão começar a surgir como colaboradoras quase que fixas. A gente tem muita gente de Juiz de Fora publicando com a gente. Vamos pensar nas universidades, a Unb já veio publicar com a gente. O pessoal de Santa Catarina, Nordeste, teve BH. Essas capitais tão bem variadas, a cada revista vai ter um núcleo mais forte, mas eu acho que talvez o Norte do Brasil é onde a gente menos tenha chegado também muito pela questão da distância e da própria distância dos circuitos. Mas a gente já teve gente do Belém do Pará publicando na revista. Então acho que um pouco por aí. E agora claro esse trânsito internacional também chegando. A partir do momento que a revista se torna bilíngue, trilíngue e aí começou a ter essas entradas. 

Ideias de Revista

Talitha Motter Bom agora uma parte um pouco mais exploratória, que é mais sobre a ideia de revista. A gente falou um pouco disso, mas tu podia complementar. Quais seriam os objetivos, a linha editorial da Arte ConTexto? 

Paola Fabres A crítica de arte é um pouco preponderante desse mote inicial. Essa revista surge com a vontade de ter um canal de pensamento de reflexão de arte contemporânea, muito brasileira, mas não apenas. E ao mesmo tempo essa crítica atual ela tá tangenciando, ela está se avizinhando às produções dos artistas. Então existe também esse foco de pincelar conteúdos relevantes e trazer para dentro desse espaço para que a crítica de arte esteja ocorrendo junto a essas produções que a gente está sinalizando em termos de tamanho artístico mesmo. E claro, como a gente já comentou, esse lugar de experimentação ele vai surgindo ao longo da vida dela.

Eu acho que ela não surge como uma revista para experimentação artística junto com o texto, mas isso se dá e a gente abraça e nos interessa.

Então isso está coexistindo no mesmo ambiente. Nós estamos afastados daquele lugar de agenda cultural de programação. Então eu acho que muitas das revistas digitais aqui no Brasil, estão pensando justamente os projetos, as exposições, os programas, programações que estão surgindo ali naquele dado momento. O nosso trabalho eu acho que ele está acompanhando esse circuito, sem dúvida, mas ele está fazendo um pouco menos de uma agenda e um pouco mais de um breve mergulho sobre pesquisa, sobre análises, sobre processamentos, muitas vezes negados aos produtores de arte no Brasil dessas outras regiões. 

Talitha Motter Isso também é um diferencial da revista não se conectar com o perfil agenda. 

Paola Fabres E talvez até vale a pena comentar que nas primeiras edições a gente se esforçava para fazer não necessariamente uma agenda de acompanhamento do circuito, mas um momento de destaques da agenda. Isso começou a se tornar uma tarefa quase que… um pouco complicada no sentido da gente ter que está acompanhando, mas como essa revista já nasce como digital e sem querer se focar no circuito do Sul, mas também olhar para outras regiões, como é que a gente ia estar acompanhando tantas programações a ponto de fazer uma seleção de destaques. A gente viu que isso era artificial, no momento em que se está se querendo copiar e colar o que está acontecendo. Então, nos interessou se distanciar mais dessa agenda e focar nesses debates que a gente está propondo como mote principal. 

Talitha Motter Se a gente pensar a revista como uma espécie de território, de lugar, até onde tu acha que vai a Arte ConTexto? A Arte ConTexto seria o site? Qual é o espaço da Arte ConTexto? Tu acha que as redes sociais fazem parte dela, os colaboradores fazem parte dela, os eventos? Até onde vai a revista? 

Paola Fabres A gente chama muito de plataforma por esse aspecto. A gente sabe que a revista é essa publicação que vai surgindo no ambiente digital, mas ela tem esses braços, essas atuações que nos interessam em absoluto que estejam relacionadas a essa plataforma da Arte ConTexto.

Então, para além da publicação, existe empreendimentos nossos de exposições que estiveram muito colados com os textos das primeiras edições, porque nós estávamos juntas na mesma cidade.

A gente conseguia pensar projetos para espacializar, projetos para colocar trabalhos na cidade, trazer isso para o texto. Esses intercâmbios nos interessam muito, assim como cursos que a gente foi também oferecendo e também sempre associando à própria Arte ConTexto, que estimula esse pensamento crítico. As nossas redes sociais são muito importantes para a revista acontecer. Agora talvez eu vá sair da tua pergunta e pensar esse território da revista de uma forma mais ampla e pensar onde é que não chega. Então eu acho que isso não é uma resposta da Arte ConTexto, mas é as revistas de arte, a crítica de arte. Onde é que não chega, porque não chega a muita gente, mas mais do que nós já sabemos os que estão fora do campo. Mas eu acho que essas revistas, esses espaços eles ainda estão se dando para quem participa dela, para quem lê ela e para quem vai usar ela para suas aulas. E esse público ele é restrito. Esse lugar da crítica de quem é que bebe desses textos que estão nos circulando, que estão nos catálogos, que estão nesse universo, ele ainda tem esse lugar restrito. Enfim, mas eu acho que o aspecto que se destaca um pouco nessa questão é o fato de que a Arte ConTexto ela não está ligada à academia, nem a uma equipe contratada de uma revista que produza esses materiais, é propor, ou quase que, oferecer a possibilidade a quem quer testar análise e pesquisa como autoria, de ter essa disponibilidade ali. Eu acho que esse território de formação de quem participa, ele é mais presente na Arte ConTexto do que em outras revistas, porque nas científicas eles já estão formados muitas vezes, quando já estão lá dentro do seu pós-graduação, do seu universo de pesquisa. E no caso dessas comerciais e profissionais são equipes contratadas, então ninguém está ali para testar.

Eu acho que nesse sentido talvez o território de alcance da Arte ConTexto seja muito significativo para quem está colaborando com ela.

E também importante para quem está lendo, para quem estão vendo. Mas eu acho que esse papel de estímulo da escrita, o fato de ela ser mais aberta e desformatada do que é científico e não exigir que tu tenha publicado em x, y e z para estar aqui dentro. Enfim, isso faz com que ela se torne mais essa prática de formação. 

Talitha Motter É interessante isso porque parece que o nosso perfil de público é o próprio colaborador da revista. 

Paola Fabres É isso que eu quis dizer, que não só apenas, mas isso é muito interessante de pensar, o quanto que ele está sendo afetado por esse formato. 

Talitha Motter E agora como uma ideia bem ampla. Tu tem bastante experiência com isso também, tu estudou publicações de artistas, publicações em geral, o que significa para ti ser uma revista de arte?

Paola Fabres Eu acho difícil pensar a ideia de revista como uma coisa só. É claro que aí a gente pode então pensar: a gente tira para o lado o que é essa revista acadêmica, específica, científica, porque ela é uma coisa. Ela é a apresentação de pesquisas que estão consolidadas nesse campo universitário, que estão sendo estimuladas pelas redes de contatos de pesquisadores que aquele grupo tem. Ela é um lugar de centralização e de rebatimento de análises, que aqueles pesquisadores têm, mas que eles querem conversar em diálogo com outro pesquisador que está não sei aonde e que vai participar daqui porque foi convidado para que essas pesquisas se aproximem. Isso está restrito a esse campo acadêmico. Ela tem o perfil muito específico. E as revistas que eu estou chamando de comerciais, mas eu digo essas que têm esse papel editorial mais tradicional de ter anúncio, de sair mensalmente ou semanalmente, a gente tem aí na seLecT como exemplo e algumas outras, elas têm um outro papel. Elas têm o papel que é da agenda, que é da divulgação, que é de tentar historicizar alguma coisa que está acontecendo por aí, mas de um modo muito superficial em geral que faz parte, porque é uma extensão de análise que também tem a respeito, que tem um papel dessas galerias que estão sendo colaboradoras, anunciar e publicizar exposições específicas que são parceiras. Existe um mercado aí, que a gente também tem que parar de vê-lo como tudo que é mercado é negativo. Existe um mercado que precisa também desses espaços e para ter o público específico que vai estar lendo isso. Porque ele precisa se divulgar num lugar em que eles cheguem no seu alcance de interessados que não vai mais ser a Zero Hora, que não vai mais ser a Folha de São Paulo, que não vai mais ser a Ilustríssima. A especialização do campo é essa, a profissionalização está pedindo dessas revistas um papel também. E claro que algumas vão permitir que a crítica de arte entra aí junto. Outras menos, vai depender muito dessa linha editorial, de quem é que vai estar encabeçando isso. A parceria institucional com os nossos museus e com nossos centros culturais, ela também é muito presente nessas nossas revistas, que é muito diferente do que a própria Arte ConTexto, ou do que uma Hipocampo ou do que uma Forum Permanente. Elas estão tão distante dessas parcerias institucionais, a gente não tem nenhum compromisso em olhar para uma exposição específica, para uma galeria específica.

A gente tem uma liberdade muito maior, ao mesmo tempo, a gente tem restrições, alcances muitas vezes menores pelo fato de a gente não estar trabalhando com verbas, impulsionamentos, com circulação, com banca, com isso, com aquilo. Então, qual que é o preço dessa liberdade, que tem características muito distintas.

Eu ia comentar dos catálogos de arte, que não é da tua pergunta. Esse é outro universo editorial, que eu acho que faz parte junto desse campo de publicações, que tem um outro perfil que não é o perfil dessa continuidade, de permanência, periodicidade, mas que ele também vai estar olhando para a produção do campo e, em geral, salvo os catálogos que estão sendo aí publicados por editoras independentes, que os próprios artistas estão fazendo, mas ele, em geral, sai de dentro das instituições. Então o compromisso da crítica também fica muito limitado no momento em que tu não pode sair malhando. Não é questão de malhar, mas de precisar incoerências, apontar as potências, pensar porque que um, porque que outro. Esse caráter de ponderação da linguagem, da análise, ele muitas vezes vai se distanciar de espaços que isso deveria estar ocorrendo por conta dessas contratações, desse universo. A Isabelle, uma crítica jovem que pensa muito crítica de arte, Isabelle Graw o nome dela, ela tem um livrinho que acho ótimo, que ela fala sobre a noção de juízo, de quanto que todo mundo diz que a crítica não faz mais juízo, mas o quanto que ela acha que é um problema ter deixado de fazer. E ela fala que essa grande especialização, ela se afastou do nosso compromisso de pensar o campo na sua complexidade, nas ruas riquezas e nos seus empobrecimentos. Então, nesse sentido, essas nossas revistas independentes, elas ainda carregam esse peso de o que que eu consigo fazer aqui já que eu ainda tenho essa liberdade polida. Eu acho que o campo das revistas universitárias tem esse papel da crítica bastante forte, e isso é muito interessante, apesar de eles estarem se rebatendo entre si na maior parte dos casos. Isso pouco respinga na práxis do mercado, das coleções, do que está sendo comprado, do que que está sendo vendido. Num sentido imediato, porque sim rebate, mas nesse sentido mais imediato e também não sei se a gente não está também medindo essas… A gente não está conseguindo afetar e contaminar esses contextos de modo imediato. Mas eu acho que se a gente forma o raciocínio de um artista que está pensando a sua própria obra. De que maneira a sua obra está encaixotada num debate mais amplo. Quem são os pares que podem estar ali conversando com ele. Eu acho que isso é enriquecimento do campo com seus agentes, com certeza. Mas dei rodeios para pensar esse papel da revista. Eu acho que é difícil responder de uma única maneira porque elas vão ter esses perfis distintos assim. 

Talitha Motter E como é que tu vê o papel da revista de arte digital. Tu vê diferenças em relação à revista de arte impressa? Ou mesmo, como é que tu vê a revista de arte digital no contexto do Brasil, se tu tem algum pensamento em relação a isso. 

Paola Fabres Existe uma conjuntura dada de que o digital é inevitável e que hoje em dia a gente está lendo pra caramba no digital. Então quem é que está comprando uma ARTE!Brasileiros na banca? Quem é que está comprando? É muita pouca gente dentro do circuito já restrito do qual a gente está falando.

Então, é claro que mesmo essas que têm a sua edição impressa, porque ainda é importante ter esse material para ter essas distribuições, para isso estar visível nas instituições, nas livrarias, nos acervos, elas precisam estar no digital porque senão muita gente não vai estar lendo, não vai estar acompanhando.

Então a questão do acesso, da facilidade, ela é imprescindível. Agora, no nosso caso existe uma questão de nós só estamos dialogando com o Brasil inteiro, porque ela é digital e porque ela tem esse formato, porque se não seria muito difícil. A gente não ia estar conseguindo fazer o Rio Grande do Norte ler a Arte ConTexto se não fosse digital. Então não só esse acesso do costume ou desse comodismo de estar lendo na tela, de estar lendo no celular, de estar lendo no computador, mas também no fato de isso chegar em outras regiões eu acho que são dois tipos de acessos distintos que o digital está permitindo. 

Talitha Motter E tu vê uma especificidade dessa importância do digital no Brasil? 

Paola Fabres Olha, o Brasil é um país muito conectado, parece que ele está logo atrás da Índia, ele é um dos países mais conectados. Então eu acho que nesse sentido, é importante falar que esse circuito está bebendo muito disso. A gente sabe que isso é no mundo inteiro, mas os nossos debates eles estão muito no ambiente digital.

A gente só vê as pessoas realmente falando de exposição e falando com aquela espontaneidade pouco filtrada no ambiente digital, porque fora disso já não tem mais.

Talvez a gente ainda explore pouco a possibilidade desse digital estar casado com esse lugar do impulso frenético de pensamentos pouco ponderado e muitas vezes disparador de discussões necessárias. Se a gente vai pegar casos, também vou dar uma saída do tema, mas não muito… Se a gente pegar casos de debates polêmicos, como o fechamento da exposição do Queermuseu em Porto Alegre. Sim, temos textos publicados a respeito desse aspecto, mas sei lá seis, talvez oito, mas quanto debate a gente teve no ambiente no digital! Assim, é massas de parágrafos, de respostas e de comentários. Eu digo alguns textos no ambiente especializado da arte, porque o jornal foi também soltando muitas matérias. Mas assim o digital ele está ali borbulhando. Claro que as revistas e esses lugares das redes ainda não está necessariamente compactuando. Eu acho que isso assinala que esse digital não tem como desaparecer muito antes pelo contrário. Eu acho que ele vai engordar. 

Talitha Motter Eu acho que é bem isso. Pelo que eu tenho visto em comparação ao Québec, a gente, no Brasil, publica muito mais on-line sobre arte. Aqui me parece que o financiamento é bem mais dirigido para o impresso. Então realmente parece ter um caráter on-line no Brasil, não sei se é muito por causa dos investimentos ou da falta de investimentos, mas foi uma forma que a gente encontrou me parece para falar de arte. 

Paola Fabres Não, eu concordo em absoluto. Eu só vou fazer um acréscimo, porque essa falta de investimentos ela é mais geral do que específica se a gente vai pensar mundo. Eu não vou pensar mundo, mas se a gente for pensar América Latina. Agora o Brasil tá entrando nesse período de trevas, mas pensando nesse período de atuação de Arte ConTexto que de certa maneira a gente rebate aí esses anos para trás. O Brasil estava na cota do maior financiamento de verbas para projetos artísticos em relação à América Latina. A gente podia pegar México, Brasil e Colômbia como esses grandes países que tinham mais um destino de verba, com os editais, com a verba destinada pelas políticas públicas, do que qualquer outro, argentinos às vezes também, mas logo já não. Então, a gente claro percebe uma vulnerabilidade explícita porque ela é muito característica do universo. Mas eu não acho que o Brasil sempre foi empobrecido em relação aos seus vizinhos nesses investimentos em relação a projeto de arte. Agora vai ser, a gente está perdendo quase todos nossos editais, todas as nossas convocatórias. Agora vai ter que se repensar um pouco a coisa. Mas São Paulo é uma cidade que está abrindo instituição cultural pra mais de metro porque tem verba de mercado. Então sim a gente tem pouca verba em termos de cultura, mas mais ou menos nesse sentido.Então eu sempre acho importante a gente pensar porque se tu vai falar com o pessoal da Venezuela, tu vai falar do pessoal do Paraguai, do Peru eles estão também lidando. Eu não sei como é esse universo digital. O nosso “milagre econômico”, ele tentava se organizar de uma maneira muito estranha, que tem várias questões em relação a como é que essa verba está sendo destinada. Isso é um outro assunto longo. Mas nisso a gente pode repensar tem pouca verba tem, mas também tem. Então, onde é que está indo? Por exemplo, se paga bem pro pessoal escrever para essas revistas, quer dizer não é que se paga bem, mas tem um Sesc que às vezes paga R$ 1500 para mandar um texto para uma revista do Sesc. Isso é uma coisa muito bem paga, que isso a gente pouco encontra em outros lugares. Mas claro que é São Paulo, mas para lembrar que tem Brasis e Brasis nesse contexto.

Deixa eu fazer um apêndice, eu também estou trabalhando para a e-flux via Sesc. Talvez seja um caso diferente porque ela é um canal internacional, mas que tem, nas sessões, instituições do mundo inteiro então tu vai entrar numa instituição brasileira e tu vai cair num setor da e-flux que está sendo produzido no Brasil em termos de conteúdo. É super porque, imagina, chega no mundo inteiro. A e-flux é super bom para pensar público específico, todo mundo leu, já leu ou lê, acompanha. E começou a ter essas especializações que: “Bom, hoje eu vou entrar na e-flux que está falando sobre a exposição do Cildo Meirelles aqui em São Paulo.” Então essa particularidade e que chega numa abrangência, acho que a e-flux é um caso digital que chega numa abrangência. Mas esse é um caso digamos de êxito que irradia do campo, claro que não para além desse campo. 

Divulgação & Site Web

Talitha Motter Agora a gente vai entrar nas últimas questões, que são bem as questões “bônus”. Tu podia contar um pouco de como é que a revista divulga seus conteúdos, quais são as suas estratégias. E como é que tu vê isso. 

Paola Fabres A gente usa o recurso das redes principalmente. A gente também usa os mailings como um canal de acesso para divulgar quando abre uma nova chamada para receber materiais, a gente vai encaminhar esses mailings para informar que a revista foi lançada. Para comentar que conteúdos são esses, é tudo feito na equipe por nós mesmos e também uma terceira participante que a gente não chegou a mencionar que é Sarah Motter, que também colabora com toda essa parte de divulgação, de comunicação e de geração de conteúdo. Mas eu acho que o Facebook ele tem uma função ainda preponderante. Claro que hoje o Facebook, ele está se recriando em vários aspectos. Mas quando começou a existir para valer, o Facebook foi “o canal”. A nossa página lá, ela está sempre com os leitores acompanhando. É por onde a maioria dos autores, é claro a gente vai informado eles a respeito de todos os aceites, mas eles percebem que a coisa foi lançada muitas vezes via o canal do Facebook. Isso é o principal canal de levar para a nossa página. A gente também usa muito do Instagram, mas eu acho que o Instagram agora que ele está começando a ser uma rede de apoio com mais força nossa. Enfim, o Facebook foi por mais tempo. As redes sociais é o principal canal, mas é claro que nós duas temos uma circulação que irradia também enquanto pessoa. O fato de a gente ter entrado na graduação, no mestrado, no doutorado. As turmas, nossos colegas, nossos parceiros saberem que a gente está organizando tudo isso. Eu canso de encontrar gente na rua: “Ah, tu é a Paola da Arte ConTexto”. É muito engraçado porque a gente não conhece os colaboradores, nossos autores de rosto. Então, o quanto que a gente vai conhecendo amigos aí Brasil afora, sem querer querendo, porque descobrem pelo amigo do amigo do amigo meu. Então, redes sociais e contatos. 

Fanpage da Arte ConTexto.
Instagram da Arte ConTexto.

Talitha Motter E também a ajuda que temos. Agora acho que faz dois anos, que a Laura Klein nos ajuda com os posts do Facebook. 

Paola Fabres Exato, importante destacar.

Talitha Motter Sobre o site da revista, a gente teve duas versões: a inicial e a segunda. Tu percebe diferenças, ganhos? Como é que tu percebe essas duas versões como designer. 

Paola Fabres Modéstia à parte, eu acho que esteticamente a nossa revista é sempre maravilhosa. Acho que ela se apresenta visualmente para além do seu conteúdo. Estamos todos muitos satisfeitos com ela. Sobre câmbio de um formato para outro, é importante destacar que ele é um câmbio muito em relação a uma demanda de processo de trabalho, então o quanto que alimentar esses dados se torna mais fácil a partir desse formato WordPress.

Então isso foi mais uma necessidade para otimização de tempo do que necessariamente uma vontade de alteração de diagramação ou de layout, mas isso acaba implicando também em alguns detalhes de layout.

Então, tenho certeza que essa mudança, ela afeta muito mais a ti e ao Marcius, no sentido de vocês encabeçarem esse trampo da programação, da revisão fina, de localizar e alterar tudo que é necessário em termos de revisão final de conteúdo. Mas a gente tem hoje uma facilidade de acesso às versões anteriores. Navegar ali dentro. E então eu acho que a gente também está pensando um pouco a revista como esse armazenamento de conteúdos. Tem muita revista que eu leio que tu chega muito fácil na última edição, mas aí tu quer encontrar a que estava lá atrás, a tal matéria. Então, às vezes, isso vai se perdendo dentro daquela nuvem de conteúdos. Claro, a gente ainda não chegou nesse ideal, nesse sistema de buscas por palavras-chaves, de indexação. Isso são desafios para daqui para a frente, mas a gente já tem esse grande conteúdo documentado, apresentado e disponível para todos os autores que participaram poderem acessar o seu conteúdo. Então, em relação a esse acesso a gente está bem contente. 

Detalhe da página de capa da Arte ConTexto n.15 de março de 2019.

Talitha Motter As primeiras edições que a gente fez, a gente tinha aquela plataforma cinza. Daí depois com um ano da revista foi quando nós fizemos o novo site. 

Paola Fabres Ah, sim, teve a primeira ainda. Como tudo, vai aprimorando. 

Outras Atividades

Talitha Motter Só pra finalizar, se tu gostaria de destacar alguns dos eventos que a gente organizou, comentar alguma relação com a revista, o impacto que isso teve. 

Paola Fabres Eu quero destacar dois eventos que eu acho que foram muito emblemáticos pra Arte ConTexto e também para nós duas. O primeiro deles eu acho que a gente pode considerar o primeiro evento expositivo ligado à Arte ConTexto, que foi o Reabito, que foi uma grande audácia. Eu me lembro de uma palestra que eu comentei sobre o Reabito e eu me dei conta que a gente foi tão enlouquecida, porque a gente inventou um projeto que não tinha verba, que não tinha cachê nem para as curadoras, nem para os artistas, nem para produção nem para nada. A gente inventa de trabalhar com dez artistas concebendo projetos do zero. Era uma coisa assim megalomaníaca e aí na palestra foi muito engraçado porque eu estava falando: “Gente, percebam só alguém de graduação faria isso”. A gente não tinha verba nenhuma, não tinha cachê nem para artista, nem para curador, mas a gente pagou uma assessoria de imprensa. Quem é que paga assessoria de imprensa sem pagar cachê para lugar nenhum. Mas não é que esse negócio funcionou muito bem porque a partir do momento que a gente pagou uma assessoria de imprensa e que nós estávamos gerando conteúdo…

Marcius de Andrade, Fuga, 2014, Projeto #Reabito.

Bom, o projeto era um projeto para trazer artistas que fossem conceber trabalhos com a relação com a cidade, com o ambiente urbano e isso ia se espacializar em termos de performances pela cidade, depois a gente traria tudo para uma exposição final. O fato da gente ter um mês de performances pela cidade de Porto Alegre e tudo isso virar uma exposição final, e a gente começou a conseguir na negociação e na lábia apoio de cerveja, apoio de cachaça, apoio de espelho, apoio de papel, tinha um mar de gente associada a gente que todo mundo estava achando que nós éramos o Prêmio Funarte, Fumproarte, Rumos, que recebeu em Porto Alegre. Então, o negócio criou uma dimensão que não fazia o menor sentido ninguém ter ganhado nada e a assessoria de imprensa de fato foi aquela a única verba que viabilizou de certa maneira uma ressonância. E Porto Alegre não estava muito acostumada a eventos desse porte, porque um mês de performances na cidade, exposição itinerante, dez artistas, vinculada à revista. Então, é muito engraçado porque além do fato desse projeto ter sido um lindo projeto com trabalhos que a gente se orgulha para caramba, com uma exposição que ficou super interessante. A gente conseguiu irradiar essa ação de tal forma que um trabalho foi premiado, lembro que a fotografia do Márcio foi premiada e entrou depois aí uma verba que sei lá que que ele fez com a verba, um pedaço foi para a Arte ConTexto, um pedaço ficou com o artista.

A gente ganhou também um super reconhecimento depois pra fazer a exposição do Livro Interferido, que é o segundo projeto que eu queria comentar. A gente sempre teve um pouco dessa vontade de experimentar também espacialmente também em termos curatoriais, porque era aquela mescla de sebo, vamos pensar o livro de artista, onde é que ele vai se inserir. Vamos trazer o livro de verdade, vamos pedir para os próprios artistas trabalharem com esses livros e faz parceria com uma universidade. Eu não sei dá onde a gente tira essas energias de trazer todo o depósito de um sebo para um lugar para uma noite. E tem DJ, e tem bate-papo e tem bar…. a gente bem louca. E a gente foi premiado por esse projeto, que foi um projeto tão bonito. Acho que o Reabito a gente chegou a ser indicado e depois com o Livro Interferido a gente foi premiado.

Então, ter a revista como esse espaço pra deixar esses registros em algum lugar. Porque claro que esses projetos independentes, eles não têm o seu acervo, o seu museu, a sua instituição, ou grana para pensar o seu catálogo. Esse espaço digital, ele possibilitou também esse registro, necessário, e esse espaço de pensar esses trabalhos.

Então, vou destacar esses dois aí, que foram os mais ensandecidos. Posso fazer um adendo? Então como nós duas somos pesquisadoras muito interessadas em pensar esse campo da crítica de arte e o que é que está acontecendo com ela hoje, que é esses grandes impasses: mas afinal onde é que está a crítica de arte, onde é que ela não está? Ela não está só nas revistas de arte com certeza, mas ela também está lá. Então eu acho que esse teu projeto é muito interessante para gente observar aonde que estão esses fluxos, esses incentivos de reflexão contínuos. Acho que é muito importante esse teu projeto nesse sentido, pensar como que esses incentivos podem continuar existindo, de que formato, de que modo. Eu acho que o lugar do independente ele também tem que ter que ter claro que essa independência ela é muito limitada. Eu acho que os espaços institucionais eles também precisam começar a comprar algumas brigas porque só esses corredores que têm essa autonomia editorial eles não vão dar conta de gerar debate e pensamento sobre todo esse circuito. Eu acho que esse canais, eles têm que começar a encarar juntos esses compromissos. Mas eu acho que estar falando sobre esse lugar do debate e da reflexão das revistas de arte no ambiente da academia, nesse ambiente universitário e acadêmico de pesquisa, vai ser importante também para a gente repensar os conteúdos e o quanto que esses formatos de pensamento são múltiplos e eles tem que seguir sendo incentivados.

São Paulo — Montréal, 10 sept. 2019.

Sobre * À propos

O blog de pesquisa Réseaux Sensibles faz parte do projeto de tese “As redes sensíveis: um estudo das revistas de arte digitais no Brasil”, que estuda a revista de arte na era digital, destacando a sua ligação sensível com o momento presente a partir da crítica de arte. Esta pesquisa, financiada pela Bolsa de Doutorado do Fundo de Pesquisa do Quebec da área de Sociedade e Cultura (FRQSC), conta com a orientação do professor Emmanuel Château-Dutier e a coorientação da professora Christine Bernier do Departamento de História da Arte e de Estudos Cinematográficos da Universidade de Montreal (UdeM, Canadá, 2017-).

Este blog publica entrevistas realizadas com colaboradores de revistas digitais que possuem um papel considerável no domínio das artes visuais do Brasil. Assim, o blog convida os entrevistados a refletir sobre as diferentes práticas de edição de uma revista digital (equipe, site, modos de financiamento, conteúdos, autores, públicos, etc.). Além disso, o blog se destina a estabelecer um local de encontro e de troca entre seus leitores e os diferentes atores dessas publicações a partir de comentários que podem ser deixados em cada post.

***

Le carnet de recherche « Réseaux Sensibles » fait partie du projet de thèse « Les réseaux sensibles : une étude des revues d’art numériques au Brésil », qui a pour objectif de comprendre ce qu’il advient des revues d’art au régime numérique, en soulignant le rapport sensible de ces revues au moment présent à partir de l’analyse de critiques d’art. Cette recherche doctorale, soutenue par la bourse de doctorat du Fonds de recherche du Québec – Société et culture (FRQSC), est dirigée par le professeur Emmanuel Château-Dutier et codirigée par la professeure Christine Bernier au Département d’histoire de l’art et d’études cinématographiques de l’Université de Montréal (UdeM, 2017-). 

Ce carnet de recherche publie des entrevues réalisées auprès de collaborateurs de revues numériques qui jouent un rôle considérable dans le domaine des arts visuels au Brésil. Ainsi, il invite les interviewés à réfléchir à propos des différentes pratiques d’édition des revues d’art numériques au Brésil (équipe, site web, financement, contenus, auteurs, publics, etc.). De plus, la publication de ces entrevues établit un lieu de rencontre et d’échange destiné à ses lecteurs et aux acteurs de ces publications numériques à partir de la possibilité de laisser des commentaires sur chaque billet du blogue.