Entrevista com Valesca Veiga, idealizadora e editora da revista o fermento

Imagem de capa: Valesca Veiga.

Site Web, Público & Ideias de Revista

Talitha Motter Eu queria te perguntar uma coisa mais técnica agora. Se tu pudesse comentar um pouco sobre como foi a construção do site. Como é que foi pensada a diagramação? Se vocês usam o WordPress.

Valesca Veiga A gente usa o WordPress. Num primeiro momento, a revista teve uma cara, um template, e já está no terceiro, que foi o melhor encontrado até agora. É interessante essa questão que você colocou, para você ver como é tudo feito no amor mesmo, né? Começamos com uma ajuda profissional de uma amiga web designer com quem aprendi muito. Como sempre trabalhei com softwares de edição de imagem, acho que isso pode ter ajudado a me desembaraçar na aventura de construção do site. Faço todos os ajustes necessários e consigo colocar o site no ar sem uma pessoa destinada a essa atividade. Tem sido tranquilo dentro do que oferecemos no site. Com o espaço para outros braços da revista, como a possibilidade de abrir uma seção para exposições virtuais, como o exemplo que dei, precisaremos de outra estrutura, a ser pensada num futuro próximo.

Talitha Motter E como é que foi pensada o logo, a identidade visual da o fermento? Se foi tu que criou ou se tu chamou alguém para fazer.

Valesca Veiga Não, fui eu mesma que criei. O logo é o mesmo desde o começo.

Talitha Motter Voltando um pouco para o que a gente já tinha comentado, quando tu falou que um dos artistas deu um retorno positivo sobre um dos textos. Tu tem algum outro exemplo de conteúdos que tiveram alguma repercussão, que te chamou a atenção?

Valesca Veiga Olha, tiveram alguns. É interessante, porque o site mede a visualização dos textos e, às vezes, os textos mais visualizados não são esses que eu estou te falando que a gente tem um feedback do próprio artista. Eu acho interessante essa discussão quando o artista identifica que o texto está abordando alguma coisa que, às vezes, nem ele mesmo sabe. Ou ele sabe, mas não consegue verbalizar. Então, você capta aquilo do artista e coloca aquela expressão poética em palavras. Mas tiveram alguns textos que nós tivemos uns feedbacks muito legais dos artistas. Teve uma artista que eu fiz um texto e foi bem interessante, porque eu não conhecia muito essa artista. Fui a uma exposição que era uma coletiva, mas tinha um espaço isolado para o trabalho dela que era instalativo. Eu só tinha visto uma foto e me interessei. Entrei na instalação e eu gostei muito do trabalho dessa artista. Já conhecia ela de nome, mas não a conhecia pessoalmente. Fiquei vendo o trabalho, enquanto ela explicava a ideia para o público presente. E foi curioso, porque quando me apresentei para conversarmos, ela falou: “Nossa, eu gosto tanto dessa revista!”. A gente estava lá no início e fiquei surpresa com essa colocação naquele momento. Quando publiquei o texto sobre o trabalho, ela me retornou que de todos que escreveram sobre a obra, a resenha de o fermento tinha sido a que mais a entusiasmou. E nem foi um texto extenso, foi uma resenha pequena. Acho que o importante aqui não é ter agradado a artista, porque esse não é o papel nem o objetivo da crítica, mas sim a possibilidade de discutir o trabalho com os artistas, estabelecendo esse diálogo profícuo e produtivo, de forma a trazer mais proximidade do leitor com a obra.

A construção do texto em si é bem elaborada. Quando eu edito com o colaborador, a gente vai e volta no texto várias vezes. O nosso processo também é mais lento do que essa produção de conteúdo contínuo e diária. Porque o colaborador passa o texto, a gente discute aquele texto, e sempre falo com eles: “Faz um texto livre e coloca o teu pensamento estruturado todo no texto, e depois a gente vê o que precisa mexer.” E isso dá mais liberdade para quem está escrevendo, porque não escreve com limitação de seguir um roteiro pré-determinado.

E eu tenho um cuidado muito grande também em respeitar o texto do colaborador, porque quando a gente escreve tem um encadeamento do texto, você estrutura o texto num encadeamento de pensamento. Quando vem um editor e muda tudo, eu chamo de texto Frankenstein. No final, ele não tem identidade nenhuma, você lê o texto e fala: “Esse texto não fui eu que escrevi. Não é mais meu”. Então, eu jamais faço isso com um colaborador. Respeito muito a estruturação do texto. Às vezes, o texto está, vamos supor, muito longo, e negociamos um corte que faça sentido e respeite o que é mais caro ao autor, inclusive o seu estilo de escrita.

Duas, três, quatro, cinco pessoas, como eu já vi em oficinas e laboratórios, escrevendo sobre a mesma obra ou exposição, cada uma tem a sua maneira de ver, aborda sempre uma coisa diferente dos outros. E todos viram o mesmo objeto de estudo. Então, quando você vai fazer um trabalho de edição, você tem que pensar nisso. Eu, de repente, vejo a Wanda Pimentel de uma forma. Acho que um texto que fale da obra da Wanda Pimentel, conhecendo a obra dela, deveria abordar isso e aquilo, mas a pessoa que está escrevendo pode abordar um ângulo completamente diferente. Ela pega um ponto que eu nunca pensei sobre a obra da artista. O olhar do editor tem que ser sensível a isso. É uma relação de afeto. A gente edita com muito cuidado realmente, debatendo sempre os diferentes pontos de vista. Tem um trabalho editorial que tem que ser muito observador mesmo.

Talitha Motter Valesca, eu queria te perguntar ainda qual seria para ti o papel de uma revista de arte, pensando a partir da experiência da o fermento. Quais seriam as maneiras de atuação de uma revista de arte?

Valesca Veiga Eu acho que hoje o papel de uma revista de arte é aproximar a arte do público. Acho que isso é o papel primordial. Eu acho que a arte ela está muito desconectada do grande público, né? E a gente percebe isso na lida, você percebe que quando faz um projeto como esse nosso, você fica muito dentro do meio de arte. As pessoas que mais interagem com você são as que trabalham com arte, de alguma forma. Então, eu acho que hoje o grande desafio é de se levar a produção recente da arte brasileira e mundial ao grande público, é promover o contato das pessoas com tantos trabalhos e artistas formidáveis que podem estar ao alcance de todos.

Eu acho que essa é uma crítica muito feita à arte contemporânea em geral, porque realmente a arte contemporânea se desconectou desse público maior. Ela ficou muito restrita a um grupo muito pequeno de pessoas que consegue ler a dimensão conceitual dos trabalhos. Essa desconexão com o público é um grande desafio, principalmente para as instituições e publicações sobre artes visuais, é um problema também de comunicação. E eu não sei se as pessoas estão a fim de encarar esse desafio. O que se vê é a busca pela legitimação do meio, e isso daí já basta para a maioria, né? Acho que não podemos nos contentar em habitar apenas a nossa bolha. Isso é pouco e é elitista.

Talitha Motter Para finalizar, eu queria também te perguntar se eu poderia fazer alguns print screens do site. Teria algum problema?

Valesca Veiga Não, não tem não. Mas você vai tirar do computador?

Talitha Motter Vou tirar do computador.

Valesca Veiga Então, tudo bem. Esse template que a gente usa agora tem uma boa visualização no celular. Mas não é a mesma coisa que pelo computador, porque na versão completa você consegue ver o encadeamento das seções. E, no celular, fica mais misturado. Atualmente tem esse desafio de sempre se escolher um template que seja bom no celular. E os web designers nos indicam a escolher o template que funcione bem primeiramente na visualização pelo celular. Depois você vê como é que fica no computador. Só que quando é uma revista e de arte, eu penso que os textos mais longos são melhores de serem lidos pelo computador, assim como a visualização das imagens. Eu particularmente tenho mais dificuldade de ler muito pelo celular. Para o fermento, escolhemos um template que fica funcional das duas formas, além de ter também um impacto visual e boa visualização das imagens.

Rio de Janeiro — Montréal, 7 sept. 2021.



Citar este post
Talitha Motter (2021, 8 Novembro). Entrevista com Valesca Veiga, idealizadora e editora da revista o fermento. Réseaux Sensibles. Recuperado em 26 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/tnsi

Um comentário em “Entrevista com Valesca Veiga, idealizadora e editora da revista o fermento”

  1. Ótima entrevista ! Valesca Veiga falando com propriedade sobre as artes, nos mostra que é possível o público leigo no assunto ter interesse pelas galerias e exposições. Ponto pra ela e para a revista que mostrou não ter pretensões pesadas sobre as artes . Um toque de leveza cai bem. PARABÉNS!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search