Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono

Imagem de capa: Marina Fraga no Encontros Carbônicos de 2014. Fonte: Facebook da Revista Carbono.

História, Organização & Conteúdo

Talitha Motter Como foi o processo de criação e de idealização da Revista Carbono? Sei que vocês lançaram a primeira revista em 2012 e que ela foi financiada.

Marina Fraga Na realidade, a ideia surgiu do meu projeto de mestrado, que eu fiz no PPGARTES da UERJ. O projeto inicial do meu mestrado era investigar aproximações entre arte e ciência, foi um mestrado em artes, teórico-prático. Quando eu iniciei a pesquisa, percebi que era um tema muito grande e que a quantidade de coisas interessantes não ia necessariamente se relacionar com meu processo artístico. Então, surgiu essa ideia de ampliar a pesquisa para uma espécie de revista que pudesse pensar esses diálogos entre pesquisas artísticas e científicas, de forma que o projeto editorial criasse relações a partir de temas. Foi um desenvolvimento da minha pesquisa artística que eu acabei desdobrando nesse projeto editorial, que meio que me transcendia, querendo ver como esses encontros aconteciam a partir dos outros e não só a partir do meu trabalho e querendo colocar essas ideias científicas e artísticas em relação a partir de um tema que juntava vários autores. Inclusive, uma das propostas era de que não fossem só textos, artigos e trabalhos inéditos, mas que a gente pudesse também revisitar coisas antigas e republicar textos, ou traduzir textos antigos, ou apresentar trabalhos mais antigos, pensando que essa rede de relações perpassa o espaço e o tempo também.

Na época, surgiu um edital da Funarte de publicação em artes, e eu apliquei para a categoria de publicação digital e o projeto foi selecionado. A primeira edição foi em dezembro de 2012, e lançamos oito edições até 2014, que era o que estava previsto no edital da Funarte. Eu fiz também dois eventos relacionados à revista, que chamamos de Encontros Carbônicos. O primeiro foi em 2014 com a parceria do Largo das Artes, também com patrocínio da Funarte, em 2015 fizemos o segundo no Oi Futuro de Ipanema. E então passei um ano em Estocolmo com uma bolsa para o doutorado sanduíche e acabamos não publicando mais edições, não havia mais patrocínio e todos os envolvidos estavam com diversos outros projetos e demandas. Eu precisava finalizar e defender minha tese de doutorado, e em seguida comecei a trabalhar como professora na Escola de Belas Artes, UFRJ.

Eu tive um parceiro muito importante em boa parte do projeto editorial, o Pedro Urano. Mas em geral foi um trabalho com uma equipe mínima, sem estrutura, sem instituição por trás. Quando eu entrei na UFRJ como professora efetiva em 2018, pensei em retomar a revista e tentei envolver alguns estudantes bolsistas na produção de uma edição, mas no meio do processo percebi que eles não tinham ainda o aprofundamento necessário para fazer a pesquisa e pensar conteúdos para a revista, que podem ser densos, de diversas áreas, com vocabulários específicos. E o trabalho de professora na universidade pública é uma demanda intensa e contínua. Sobra pouco tempo para outras atividades. Com o passar do tempo compreendi que precisava priorizar meu trabalho artístico neste pouco tempo em que não estou tomada pelas demandas acadêmicas.

Na verdade, teve todo um pensamento também por trás do projeto visual da revista, feito pela designer Amapola Rios e executado pela Agência Rastro – parceiros importantes na realização da revista online. Tinha a inspiração da tabela periódica e de pensar os artigos como esses quadradinhos em que a gente pudesse também visualizar relações, ter uma forma visual que se relacionasse com a proposta.

Primeira edição da Revista Carbono.

Talitha Motter Quando vocês montaram o projeto era só tu que estava idealizando?

Marina Fraga Eu idealizei o projeto sozinha. Claro que tinha as trocas com pessoas próximas, mas foi uma idealização minha. A partir da primeira edição, pessoas que eu admirava já começaram a se aproximar, e um conselho editorial acabou se formando espontaneamente com pessoas que participaram da produção editorial de certas edições e eram entusiastas da revista. A partir da segunda ou na terceira edição, o Pedro Urano virou editor junto comigo. Depois, ele foi meu parceiro na idealização e curadoria dos eventos também. Ele foi realmente a pessoa que mais me acompanhou nesse projeto, participou de quase todos os momentos. A parceira com ele foi fundamental para a revista de desenvolver e se desdobrar nos Encontros Carbônicos, e, a partir daí, tivemos cada vez mais trocas com outras pessoas, artistas e cientistas. Algumas pessoas que participaram da primeira edição e que se entusiasmaram com o projeto começaram a compor o conselho editorial. Alguns pesquisadores que foram meus professores no mestrado e no doutorado, assim como artistas com quem eu tinha uma boa troca e admiração, deram um apoio importante. O conteúdo das primeiras edições foi todo através de convite, mas depois a gente começou a abrir umas chamadas para artigos para cada edição. E é legal, porque vem coisas diferentes, mas também é mais difícil, porque a Carbono tinha esse pensamento editorial muito coeso de ter uma diversidade, mas de tudo ter muita relação. No momento que a gente abre a chamada, por um lado tinha boas surpresas, mas por outro, em termos de procedimento, era um pouco mais trabalhoso, porque a gente tinha que selecionar e ter esse julgamento do que cabe, do que não cabe. E o trabalho editorial da revista ficou mais complexo, porque a gente estava recebendo contribuições que não eram necessariamente as que a gente buscou.

Talitha Motter Quando vocês tinham que fazer esse tipo de seleção, os critérios eram mais em relação à temática mesmo?

Marina Fraga Tinha a temática e tinha essa visão do todo, do que já tinha, de como que ia compor, porque a ideia era ter essa diversidade de olhares sobre esse tema. Então, era interessante ter áreas diferentes, tanto da ciência, quanto das artes, para a gente ter esse caleidoscópio de visadas sobre uma temática específica. Tinha esse trabalho de discernir o que estava repetindo e o que era diferente. Uma outra questão é qual que é a linguagem, qual é o grau de aprofundamento. Acho que a revista tem uma diversidade. Então, tem alguns artigos que são muito densos, até mais técnicos, mais científicos, mais aprofundados mesmo. E tem outros que são textos mais fluidos, numa linguagem mais acessível. Tem trabalhos de arte que são mais conceitualizados, tem outros ensaios que são menos, ou coisas até mais processuais, que não estavam exatamente finalizadas.

Então, tinha essa vontade de ter uma diversidade de níveis de aprofundamento dentro de uma edição, com essa ideia de que nem todo mundo iria absorver todos os conteúdos, mas potencialmente a pessoa poderia ter contato tanto com um conteúdo científico mais aprofundado, ou artístico mais aprofundado, quanto com conteúdos que seriam mais acessíveis, no sentido de textos de divulgação, ou textos não tão acadêmicos, não tão densos. Eu acho que a unidade da revista é a diversidade, tinha essa preocupação de manter uma publicação que propõe relações, mas não estabelece categorias e formatos tão definidos. Não fechar só num tipo de texto, nem só num tipo de imagem, nem só num grau de aprofundamento. Ter uma coisa que fosse mais anárquica mesmo, no sentido de que a pessoa teria contato com tudo, desde o texto mais simples, ou um ensaio visual – em alguns casos de ensaios que nem têm um texto acompanhando, tem só uma biografia –, até um texto que é denso, que é o aprofundamento de uma temática, pensando que isso não seria um problema, porque a pessoa teria autonomia para circular por esse ambiente virtual da revista e se ater ao que fosse mais interessante para ela. Então, esse leitor da Carbono, ele não é parte de um público-alvo fechadinho. Na verdade, é uma revista que meio que se abre a qualquer público. Tem alguns artigos que são mais didáticos, tem outros que são mais filosóficos. Tem um pouco de tudo ali. A vontade mesmo era de ter essa salada e propor relações, até em linguagens tão diferentes, manter esse diálogo fora das categorias.

Talitha Motter E isso, de certa maneira, se vincula com a proposta editorial de interdisciplinaridade, de trabalhar com arte e ciência?

Marina Fraga Eu sempre pensei também que esse leitor é potencialmente um autor. Não é essa visão de que o leitor vai receber um conteúdo e de que os autores estão só passando seu conhecimento ou apresentando o seu trabalho artístico, que eu também vejo como conhecimento. Acho que meu pensamento editorial se desenvolvia a partir da ideia que esse leitor, mesmo sem saber quem ele é a princípio, é alguém que potencialmente também é autor, também é artista, ou que só está interessado, e que pode ter diversos graus de nível de escolaridade, de nível de pesquisa. Uma revista que estivesse realmente aberta para olhares de pontos de vistas diferentes, que o leitor tivesse essa liberdade, não fosse condicionado a receber um conteúdo dentro de uma certa categoria, mas que tivesse uma liberdade para, diante da constelação daquela edição, circular e mergulhar no que fosse mais afim a ele, sabendo que possivelmente ele ia se deparar com um conteúdo denso demais, ou ia se deparar com um conteúdo que fosse superficial demais para ele, mas deixando isso a cargo do leitor, de ter essa liberdade mesmo e de pensar que o mais importante eram as relações que iriam aparecer, quase invisíveis, dentro da edição. Tem o editorial que tece um pouco essas relações, mas quando você olha a revista, ela não é subdividida. Até tem ali um menu em cima, que é uma subdivisão mais interna, para pensar mais ou menos os tipos de conteúdo que eu queria que tivesse em cada edição, mas na visualidade da edição todos os conteúdos estão ali juntos sem separação. Existia muito mais uma vontade de juntar eles visualmente do que de separar por categorias.

Talitha Motter É muito interessante isso, uma das minhas perguntas era exatamente sobre como foi estruturada a categorização dos textos. Porque a gente vê que existem seções que foram estabelecidas. Além disso, quando a gente clica em um texto, a gente tem acesso a outros textos que podem estar vinculados com aquele assunto. Tem também a opção de clicar nos mais lidos. Como foram estruturadas essas outras maneiras de categorização? Como tu pensava as seções do dossiê, da lupa e do entrecorte?

Marina Fraga É, essa divisão das seções era até um pouco criticada pelo Pedro. Mas eu acho que foi mais uma forma que encontrei de vislumbrar um pouco do que eu estava entendendo com esses diversos tipos de conteúdo que eu queria colocar em relação. A lupa são as entrevistas, que eu queria fazer pelo menos uma por edição. Eu não lembro se eu consegui em todas, acho que sim. O entrecorte seria esses artigos menos densos em termos conceituais e teóricos, um espaço também para um tipo de conteúdo talvez mais visual, ou mais poético, mas fora do padrão de artigo. E o dossiê, conteúdos mais aprofundados, não só acadêmicos, mas mesmo artísticos, mas com textos mais extensos. Só que essas categorias foram meio que para criar o projeto, porque quando a coisa começou a acontecer, elas eram só uma forma de organizar ali dentro da plataforma. E eu não estava mais tão preocupada com as categorias. A minha preocupação era manter essa diversidade, ter essas diferentes formas de conteúdo, para não ficar uma edição só com artigos densos e não ter um outro conteúdo mais leve, ou de ter muitos ensaios visuais e não ter um conteúdo teórico. Então, era mais uma forma de pensar o todo e de organizar ali para ver as quantidades mais ou menos na hora da organização da plataforma. Até porque as edições foram crescendo no número de artigos, então precisava visualizar mais ou menos o quanto que eu tinha de cada tipo. Não era categoria, porque também fugia ali dentro, era mais ou menos o grau de aprofundamento e os tipos de conteúdo.

E aí a própria designer criou essas formas de outros acessos ao conteúdo, porque as edições são meio que esse projeto editorial do jeito que ele foi pensado. Mas, dentro do site, a pessoa também consegue ter outras formas de organização do conteúdo, que talvez fossem mais úteis para ela, tipo esses relacionados, esses de quando você consegue ver tudo ao mesmo tempo. Era mais para dar uma dinâmica de circulação pelo universo da revista sem ficar fechado só nas edições, porque aí, por exemplo, a pessoa tem a possibilidade de ver todos os artigos juntos e não tem que ficar entrando em cada edição para ver o que tem. Era mais isso, para dar uma dinâmica às edições. Elas são temáticas, mas acho que a revista propõe relações entre pesquisas artísticas e científicas como um todo. Alguns temas se relacionam, então, nesses lugares, é possível que a própria plataforma crie outras relações. Então surge a possibilidade de trabalhar com tags, de criar palavras-chaves, e aí outras relações entre as edições aconteciam.

Detalhe da página dos conteúdos +Lidos da Revista Carbono.

Talitha Motter Ainda dentro dessa questão do processo de edição da revista, acho que desde o início tu já tinha bem definido qual ia ser a periodicidade da revista, a questão das estações. Tu poderia comentar um pouco isso? E como é que foi a definição dos temas de cada edição? Se tu já tinha tudo pré-definido ou se foi na discussão com outros membros da equipe.

Marina Fraga A coisa das estações, eu acho que foi… Assim, o meu trabalho artístico é muito relacionado à natureza, e a minha dissertação de mestrado foi pensando arte e natureza, já entrando nas questões ecológicas que eu depois fui desdobrar no doutorado. Então, eu acho que o pensamento das estações era uma forma de pensar esses ciclos, cada edição como uma espécie de ciclo, uma vai levando a outra, mas a gente não tinha essa temática toda pré-definida não, foi surgindo ao longo dos anos. A primeira, “Início do Mundo“, tinha essa ideia de ser uma espécie de edição inaugural, que criava esse mundo dentro daquela revista. E foi uma edição muito especial para mim, porque eu contei com algumas pessoas que foram importantes para eu criar mais confiança de que o projeto era interessante, porque foi inédito, né? Eu não tinha nenhum trabalho relacionado com editoração antes. Então, foi um risco. Eu era só uma jovem artista, entrando no mestrado, com vontade de pensar arte e ciência e de colocar coisas em relação. Por exemplo, eu fiz uma entrevista com o Tunga, que ficou muito interessante e é uma das entrevistas mais visitadas. Depois, o Pedro usou a gravação num episódio que ele fez para a série “Inhotim – Arte Presente“, que está no Netflix. E foi um momento muito especial, porque é isso: eu superjovenzinha ali sozinha entrevistando o Tunga – esse artista imenso. Ele foi muito generoso e o conteúdo que ele trouxe foi uma grande aula para mim. Além disso, teve outros encontros. O Ricardo Kubrusly, que é um matemático, professor da UFRJ, poeta, depois integrou o conselho editorial. Então, um pesquisador mais velho que também achou interessante o projeto. Depois, teve uma mesa nos “Encontros Carbônicos”, está até no YouTube, com o Tunga, o Ricardo Kubrusly e o Luiz Alberto Oliveira, que é cosmólogo do CBPF e depois virou curador do Museu do Amanhã. Também fiz uma entrevista com o meu orientador, Ricardo Basbaum, professor agora da UFF, que é um artista com trabalho bastante estabelecido. O professor Marcelo Bozza, da biologia da UFRJ, que foi um grande incentivador do projeto, me ajudou a tentar outros financiamentos também. Então, teve algumas figuras que foram importantes no sentido de eu ver que realmente o projeto era interessante, ainda que eles soubessem que eu não tinha uma trajetória anterior como editora, eles também apostaram na revista e me deram mais confiança. E aí a coisa foi ganhando corpo aos poucos. As temáticas foram surgindo, uma depois da outra. Chegou um momento em que já existiam alguns temas que a gente sabia que queria tratar, e uma vontade de que as temáticas não ficassem restritas ao que a gente imagina como artes e ciências, por exemplo, tem uma edição sobre “Dinheiro”, que é um tema meio “o que isso tem a ver com arte e ciência?”. Mas, ainda assim, é como se cada edição fosse como um experimento para ver o que a gente encontrava de arte e ciência a partir de um tema que a princípio não tem nada ver, mas tem um monte de gente pesquisando e pensando isso em diversas áreas. E, claro, pensando a ciência não só nas ciências exatas e biológicas, mas também as ciências humanas, outras formas de conhecimento.

E aí a periodicidade, depois, a gente viu que estava bastante difícil fazer quatro edições por ano. Então, no final, a coisa se diluiu um pouco mais. As últimas edições não foram certinhas nas estações. E, quando eu estava pensando em manter a revista posteriormente, eu já estava pensando em diminuir as edições. Mas acabou que eu não consegui dar seguimento, mas é muito curioso, porque a revista continua no ar e ela tem uma enorme visitação mesmo sem nenhuma edição nova desde 2014. Tem muita gente visitando ainda. Essa coisa da periodicidade, as revistas acadêmicas menos, mas em geral essas publicações periódicas têm uma ideia também de que o mais importante é a última edição. Com a Carbono, eu sinto que existe um conteúdo ali que é interessante para as pessoas independente do momento em que a gente está vivendo. Claro que algumas coisas ressoam mais ou menos, mas as pessoas continuam lendo. Continua a ter uma grande visitação, ainda que a gente nunca tenha tido nenhuma divulgação profissional e não tenha nenhuma edição há bastante tempo. Então, é como se a revista permanecesse viva independente de mim.

No Google Analytics, eu fui fazendo uma análise da visitação de tempos em tempos, porque eu tentei emplacar em outros editais, mas foi ficando cada vez com menos oportunidades para publicações digitais em artes. Não tem muito edital para publicação de revista e a gente também está, já há pelo menos uns cinco anos, numa baixa de oportunidades de editais para a cultura em geral.

Rio de Janeiro — Montréal, 9 sept. 2021.



Citar este post
Talitha Motter (2022, 11 Janeiro). Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono. Réseaux Sensibles. Recuperado em 26 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/tnsj

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search