Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono

Imagem de capa: Marina Fraga no Encontros Carbônicos de 2014. Fonte: Facebook da Revista Carbono.

Ideias de Revista, História & Organização

Talitha Motter Uma pergunta sobre essa ideia de que a revista continua viva, provavelmente isso se dá por causa que os temas são atemporais, mesmo que eles acabem se materializando em propostas do nosso tempo. Uma das questões que é importante para a minha pesquisa é justamente ver essa relação da revista com a atualidade. O meu olhar é muito voltado para a crítica de arte, porque eu considero que a crítica de arte é uma maneira de trazer a atualidade dentro de uma revista de arte. No teu caso, eu acho que tem muito mais essa questão de pensar relações entre diversas disciplinas, pensamentos e olhares, e eu acho que isso acaba contribuindo para sair dessa ótica de atualidade. Claro que, em alguns momentos, ela acaba abarcando, como a edição da guerra, um tema que pode ser muito conectado com o presente. Como tu enxerga essa relação com a atualidade?

Marina Fraga Ela nunca foi muito pensada para a atualidade, apesar de que, as temáticas vinham para mim vinculadas a um certo pensamento meu da época, mas sempre teve uma ideia, até por trazer conteúdos antigos, textos muito antigos, às vezes, republicados ou trabalhos de artistas de outras épocas, de querer fazer realmente viagens no tempo e de não se prender só ao que estava acontecendo no momento presente. Nunca teve essa necessidade de ser um artigo inédito, não tinha essas obrigações. E os temas eles tinham a ver com o meu momento, com o que eu estava pensando na época, mas são temas que podem ser pensados em qualquer época. Claro que, certamente, daqui a décadas, pode ter um olhar já anacrônico para a coisa, mas partia do pressuposto de que era uma composição meio curatorial de olhares sobre uma certa temática e de que não ia estar necessariamente vinculado a um certo tempo, de que poderia ser visitado em outro tempo. Os trabalhos não deixam de ter importância, porque eles não dependem de ser inéditos, eles dependem mais das relações que se estabelecem ali. Então, foi uma surpresa isso da revista continuar viva depois. Durante um bom tempo, eu fiquei com uma angústia de que eu tinha que fazer novas edições, porque é um projeto tão maneiro que todo mundo gostava e que eu também não queria que acabasse. Mas não acabou, porque as pessoas continuam visitando. Claro que tem um custo meu de manter essa plataforma on-line, mas aquele conteúdo continua vivo e eu uso muito nas minhas aulas também.

Tem outros professores que usam nas suas aulas. Assim, um dos artigos mais visitados é um artigo da biologia. O professor acabou escrevendo um texto que ficou tão claro e didático que ele passou a usar com os estudantes e aí tem uma grande visitação. É um da epigenética, “Epigenética e Memória Celular“. O Marcelo Bozza também, que é um outro professor desses que foi um grande incentivador e virou meu amigo. Ele é casado com a Nena Baltar, amiga e artista, mas eu não o conhecia, conheci através da Carbono. Convidei ele a participar e ele se entusiasmou com o projeto, entrou no conselho editorial e fez contato com vários pesquisadores que pudessem ter pesquisas que se relacionavam, porque é uma dificuldade essa parte da pesquisa para compor uma edição. Ela era muito complexa, porque potencialmente poderia ir para qualquer área do conhecimento e sempre tem muita coisa. E como eu não sou especialista em nenhum dos assuntos, eu sempre ficava um pouco sem saber o que era mais relevante. Então, essas pessoas foram importantes também para nortear o olhar sobre outras áreas. E ele trouxe alguns pesquisadores para contribuir. Nesse caso, foi um colega dele, o Marcelo Fantappié, que era professor da biomedicina, não sei ao certo se é biologia ou biomedicina, e esse pesquisador fez um texto explicando sobre a epigenética. Acabou que o texto ficou tão de fácil compreensão, que ele começou a usar com os alunos. Então, tem uma visitação que continua.

Detalhe da página do texto “Epigenética e Memória Celular” de Marcelo Fantappié, publicado na terceira edição da Revista Carbono.

Eu sempre achei muito interessante que os alunos da biologia teriam necessariamente algum contato com a arte através da revista, e os alunos da arte que entram na revista por minha indicação, ou de outros professores, também iriam encontrar conteúdos da ciência. Nesse sentido, a revista cumpre essa função de abrir outros campos para o leitor, principalmente para a arte. Eu acho que é interessante potencialmente para qualquer pessoa, mas para os artistas, que sempre bebem nesses outros campos do conhecimento, que se interessam por tantos assuntos, todos os assuntos potencialmente podem ser assuntos para a arte. Para os artistas é sempre muito interessante você se deparar com esses conteúdos e poder ver como que essas relações podem acontecer também dentro da arte.

Então, teve essa boa surpresa. Nunca tive muita preocupação com essa questão da atualidade, tanto que a revista não pontua, né, não tem nenhuma parte que fala sobre os eventos que estão acontecendo. Nunca quis entrar nessa área, porque já tinha outras publicações de arte que faziam isso, e eu também não me sentia nessa posição mais jornalística. Era mais um lugar de relações entre pesquisas, porque não necessariamente precisavam ter a ver com a atualidade.

Talitha Motter Voltando um pouco para essa questão de como surgiu a Carbono, como é que foi escolhido o nome da revista? Eu acho que tem um pouco a ver com o teu trabalho poético.

Marina Fraga É, na verdade, o elemento Carbono virou meio que um nó poético dentro do meu trabalho. A minha dissertação de mestrado se chama “Carbono: arte, ciência e as impurezas do tempo”. Isso foi em 2012, alguns meses antes do lançamento da revista. A revista acabou sendo lançada quando eu já estava iniciando o doutorado. Mas o carbono surgiu para mim através da minha pesquisa artística, do meu trabalho. Eu estava em 2006, 2007, pesquisando nanquim e fui fazer uma residência no Japão. Fiquei lá pesquisando o nanquim, esse pigmento ancestral, a feitura dele, as relações com a cultura japonesa. Quando comecei a pesquisar questões que envolviam arte e ciência no mestrado, eu me deparei com a informação de que o nanquim era feito de carbono, que era fruto de um pigmento mais ancestral, que é o “negro de carbono”. E aí eu fui pesquisar, como eu estava imersa na questão do nanquim, eu mergulhei fundo no que seria o carbono. Esse trabalho, ele chama “Sumi”, que é nanquim em japonês, tem até o vídeo no Vimeo. É um filme. Na época, eu estava envolvida também com cinema, então ele foi para uns festivais. Nos experimentos desse trabalho, o pensamento sobre o carbono surgiu através de fotos de gotas de nanquim na água. Depois, eu levei para o contexto do Japão e eu escrevi alguns ideogramas na água e a imagem ia se diluindo. Eu filmei bem de pertinho – antes eu fotografei e depois eu filmei – e a tinta na água, a forma como ela ia se diluindo, parecia seres vivos que iam se transformando.

Eu atentei para a questão do carbono, que é esse elemento fundamental para o desenvolvimento do metabolismo vivo, da vida. O fato dele ter quatro ligações flexíveis gera cadeias complexas e gera essa flexibilidade que o metabolismo do organismo vivo precisa. Depois, eu fui desdobrar essa questão do carbono em muitos trabalhos. No final, no doutorado, eu pesquisei petróleo e carvão mineral, os combustíveis fósseis, que também são feitos de carbono. Experimentei trabalhar em torno do nanquim, grafite, carvão, asfalto, o ciclo do carbono, combustíveis fósseis, mudanças climáticas. Eu fui longe e acabei entrando em questões de geopolítica através dessa trajetória de pesquisa dos materiais.

Então, o nome da revista veio junto com essa pesquisa sobre o carbono. Na época em que eu estava preparando a dissertação de mestrado, eu também estava criando o projeto. Eu dei o nome do projeto da revista de Carbono, pensando que era esse elemento que faz muitas cadeias, que possibilita criar essas relações, criar essas cadeias flexíveis, que possibilitam a vida de existir. Eu acho que essas coisas no meu trabalho se conectam muito. O mesmo nome da revista é o nome do trabalho. Na época do nanquim, o trabalho era “Sumi”, e o meu gato, também preto, dei o nome de “Sumi”. Então, os nomes, às vezes, eles aparecem em vários trabalhos, aparecem na revista, eles vão meio que se desdobrando. A revista acabou ficando com esse nome que veio do meu trabalho artístico, mas que fazia sentido dentro da proposta. E até a visualidade dela tem a ver com isso, a referência da tabela periódica, dos numerozinhos, da forma de organização. A logo é também uma espécie de átomo, uma composição que poderia ser uma molécula, ou uma coisa assim. Ela foi toda inspirada por essa visualidade, a partir desse elemento.

Talitha Motter Tem a ver com a própria ideia da revista, com essas conexões maleáveis.

Marina Fraga Porque o carbono tem essa característica também, porque dentro da nossa temperatura e pressão, as ligações que ele faz são muito flexíveis. A vida precisa da flexibilidade dessas relações entre os elementos químicos para manter um movimento, um fluxo. Tem um outro elemento que é similar, mas que é meio o oposto, o silício. Ele também gera longas cadeias, tem quatro valências, só que elas são cadeias muito rígidas. Então, gera materiais muito duros. E aí, o carbono tem essa flexibilidade característica da vida e é o elemento que retornava nas minhas pesquisas sobre ecologia, sobre arte e natureza. Então, estava no material que eu estava usando, estava nas discussões políticas econômicas sobre créditos de carbono, o ciclo de carbono, monóxido de carbono na atmosfera, captura de carbono pela Amazônia. Ele aparecia em diversos discursos que perpassavam os temas que eu estava pesquisando.

Talitha Motter Me parece que tu centralizava o processo da edição. Como eram divididas as atividades? Por exemplo, quem subia o conteúdo no site, como era a avaliação dos textos que vocês recebiam, ou para convidar um autor. Como é que era todo esse processo?

Marina Fraga Sempre foi muito mini, começou comigo sozinha mesmo. E aí depois de um certo momento eu chamei um estagiário, que me ajudava. Tinha a equipe que montou o site, que me dava um certo apoio quando precisava, de bugs, essas coisas assim. Mas, no início, era basicamente eu e um assistente. Eu geralmente centralizava essa subida de conteúdo e ele me ajudava. Depois de um certo momento, eu comecei a dar autonomia para ele subir esse conteúdo, e eu revisava, a gente via detalhes e tal. O trabalho maior era a pesquisa e o contato com os autores. Quando o Pedro entrou, ele dividiu o trabalho editorial comigo, dos contatos com os autores, de fazer a pesquisa dos temas e dos assuntos dentro das várias áreas para convidar os autores, e fazer as entrevistas. Mas a parte mais funcional da revista continuava comigo e um assistente, que inicialmente foi o Bernardo e depois a Duda – os dois foram muito importantes, me ajudaram muito no trabalho de organização do conteúdo, revisão. Depois, foi formado esse conselho editorial. Eu fazia, de uma forma também fluida, consultas individuais a cada um deles, e se eles se lembravam de assuntos ou autores que se relacionavam com o tema, e eles faziam essas indicações. Além disso, a Mayra Redin participou como editora comigo numa edição. E a Mayana Redin contribuiu também com a revista, depois virou parte do conselho. As duas eram próximas do projeto, artistas muito sensíveis que eu admiro, e temos diversos pontos de interesse em comum. A Mayra fez comigo a edição Guerra (NÚMERO 06). Ela trouxe alguns autores do Sul também, pessoas próximas a ela. A última edição, que foi quando eu já estava fazendo o sanduíche, precisando me dedicar mais ao doutorado, o Pedro fez junto com o Felippe Mussel, também artista e pesquisador com um trabalho muito interessante e nosso amigo, que foi a edição “Turismo” (NÚMERO 08). Um tema que também é muito fora do padrão do que a gente pensaria em arte e ciência. E aí eu meio que saí fora, fiquei só dando uns pitacos e eles que levaram a edição à frente. Mas sempre foi uma equipe muito pequenina, mas que contava com diálogos de pessoas simpatizantes do projeto, que contribuíam dando dicas, indicando pessoas, colocando a gente em contato com autores.

Rio de Janeiro — Montréal, 9 sept. 2021.



Citar este post
Talitha Motter (2022, 11 Janeiro). Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono. Réseaux Sensibles. Recuperado em 16 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/tnsj

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search