Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono

Imagem de capa: Marina Fraga no Encontros Carbônicos de 2014. Fonte: Facebook da Revista Carbono.

Site Web, Conteúdo & Autores

Talitha Motter Eu queria te perguntar também sobre essa questão do site. Tu disse que teve uma equipe que colocou o site no ar. Que plataforma vocês usavam? Era o WorldPress?

Marina Fraga Era WordPress. Faz tempo que eu não crio edição, mas continua sendo WordPress. A Amapola Rios criou a visualidade da revista e idealizou a funcionalidade de como deveria ser o design de interface. A equipe de design de programação, que era a Agência Rastro, fez a construção do site. Depois, o Erik Dana que trabalhou com a gente até saiu da Rastro. Mas hoje em dia eu continuo em contato com ele, quando eu preciso, para manter alguma coisa no ar, para ver algum detalhe mais técnico. O Erik se tornou uma figura fundamental para a revista se manter no ar até hoje.

Seção “Entrecorte” da edição da Revista Carbono sobre sono, sonho e memória.

Talitha Motter Às vezes, tem um plug-in que está desatualizado e que tem que atualizar.

Marina Fraga É. Às vezes, a revista sai do ar por algum motivo. Esses momentos sempre me deixaram muito em desespero. Mas ele tem um carinho, apesar de não estar mais no projeto, não estar mais na agência. E eu faço esses contatos com ele pontuais. Contrato ele para resolver coisas para manter a revista no ar.

Talitha Motter Eu gostaria de explorar um pouquinho mais essa questão das relações entre arte e ciência. Uma coisa que me vem à cabeça, bem senso comum, é a questão de que existe um pouco de receio das pessoas que trabalham com arte com a parte das ciências exatas. Como é que tu via esse encontro? Como é que se deu esse encontro entre textos de áreas diferentes dentro da revista? Contradições, proximidades?

Marina Fraga Eu acho que esse campo arte e ciência, que não é exatamente um campo, mas poderia ser pensado como, ele é muito vinculado também à arte, ciência e tecnologia, o que nunca me interessou muito trazer, porque, além de já ter muita gente pesquisando isso, não era o meu foco de interesse, meu interesse era mais nos conteúdos, nas imagens, nos vocabulários, nas relações filosóficas que se podem desdobrar do pensamento científico. Então, eu fugi um pouco dessa questão tecnológica. Sempre pensei que haveria contradições e que haveria abordagens muito diferentes, mas que isso seria rico, de certa forma, para quem tivesse contato com aquele conteúdo. Um conteúdo que não é coeso propositalmente, ele é diverso, e as relações entre as temáticas, às vezes, são muito tangenciais.

A pesquisa de alguma área não é necessariamente sobre aquele assunto, mas se relaciona de alguma forma com aquele assunto nem que seja através de um trabalho artístico que tem a ver. Então, são temas que são muito amplos, às vezes, palavras que significam muitas coisas. Você fala rede, você pode pensar muitas coisas a partir de rede, desde uma coisa das redes de tecnologia da informação, até pensamentos sobre ativismo e coisas assim. Os temas também eram essa palavra meio incógnita para ver o que acontecia – às vezes não era só uma palavra –, o que vinha a partir dali. Sempre tinha essa curiosidade do que poderia se relacionar com isso que fosse bastante diverso. Mas, claro, tinha um filtro das coisas que eu achava que eram mais interessantes para provocar a reflexão e o que criava mais relação entre os artigos. Alguns têm relações mais definidas, outras nem tanto, mas elas ficam ali permeadas pelo todo. Então, tinha essa visão de que arte e ciência não é exatamente a arte sobre a ciência, muito menos a ciência sobre a arte. Tem trabalhos artísticos que não têm nada de científicos, não são o que a gente imaginaria a princípio como arte e ciência, mas que a arte e ciência acontece ali no encontro, acontece quando a gente põe em relação aquelas pesquisas, ainda que a priori elas não tenham essa vocação. É uma construção mesmo feita pela revista. E aí eu acho que amplia o que a gente pode compreender sobre arte e ciência. Não a arte como ferramenta para divulgação científica, como é usada às vezes, nem a arte que só trata de temas científicos. Às vezes, tinha alguns trabalhos, mas não era o foco da pesquisa editorial. E a parte das ciências humanas também não precisaria ser sobre arte. Então, mais uma forma de fazer relações sem estabelecer categorias e sem depender de relações prévias. Não precisava ter relações prévias, as relações iam se formar na revista. Às vezes, as pesquisas são muito específicas. Sejam do artista, sejam de um cientista, elas se relacionam com o tema de alguma forma, mas não precisam se relacionar com a arte ou com a ciência. E aí eu acho que amplia a compreensão do que seria arte e ciência, não se restringe a uma relação direta, mas pode ser uma relação mais filosófica, mais metafórica. Foi assim que eu pensei, porque é a forma como eu trabalho e pesquiso em geral. Eu sempre pesquisei muito sobre temas científicos, e algumas coisas entram no meu trabalho, outras não, outras são só curiosidade e vontade de entender.

Talitha Motter Mas vai alimentando de alguma maneira.

Marina Fraga É. Tem essa percepção de que o processo artístico pode se alimentar de tudo, e um conteúdo que a princípio não é relacionado diretamente com o que você está fazendo lá na frente pode ressurgir. E essa percepção de que você está sempre lendo as coisas em camadas. Então, o meu contato com o conteúdo científico tem muitas camadas, tem uma camada superficial, depois, num certo momento, ele pode ser reinformado por um outro conteúdo, e aí eu tenho outra compreensão. Eu quis deixar tudo muito solto mesmo. Até por isso, eu acho que a revista ela é meio fora de padrão, porque ela não é acadêmica, também não é artística em termos do circuito da arte. Ela fica meio à deriva, ali meio que circundando.

Talitha Motter De certo é por isso que ela permanece atual, porque ela tem algo a dizer.

Marina Fraga As pesquisas têm muito a dizer, né? O trabalho é mais de fazer essa constelação, porque sempre teve muita liberdade para os autores. As trocas sempre foram no sentido de dar muita liberdade para os autores tentarem manter as relações. Por exemplo, às vezes, a gente convidava alguém para fazer, acabava que o artigo que a pessoa fazia não estava mais tão direcionado para o tema como a gente tinha imaginado, mas ao mesmo tempo era o que ela estava pesquisando na hora. E aí a gente mantinha, para também manter essa coisa viva, sem tantas amarras.

Talitha Motter Sobre essa questão dos autores, tu comentou que no início eram convidados, depois teve indicações e algumas pessoas que chegaram por chamada. Pelo o que dá para perceber o perfil de autores era muito variado, com cientistas, com novos autores. Tu poderia falar um pouco sobre isso?

Marina Fraga Do campo da ciência, é claro que a gente sempre acabava buscando mais os professores, mas também tinha indicações dos professores mais próximos de outros pesquisadores mais jovens. Acabava que era mais um exercício de… às vezes, um artigo mais denso, às vezes, um artigo que era o professor, ou pesquisador, escrevendo para um público leigo. Do campo da arte, tem uma variedade imensa de artistas de várias gerações, de várias etapas da carreira, e de trabalhos que eram mais finalizados, ou trabalhos que eram mais processuais, ou ensaios sem grandes expectativas, no sentido de serem trabalhos artísticos. Também existiam artistas que eram mais teóricos nesse sentido, não teóricos, mas que tinham um conteúdo mais denso escrito. Às vezes, o texto era do próprio artista, às vezes, o texto era de alguém que eles convidavam, ou a gente convidava, sabendo que a pessoa já tinha escrito sobre o trabalho dele. Então, às vezes, os conteúdos artísticos tinham uma parte teórica mais densa, ou uma discussão não necessariamente teórica, mas mais aprofundada. Mas também existiam artistas que não tinham essa prática de escrita e não fazia muito sentido forçar a escrita de artigos a partir do que era simplesmente ensaios visuais, que não tinham texto, ou tinham apenas um texto pequenininho. E artistas de várias idades e épocas, então, existia essa vontade de colocar as gerações em contato. Acaba que as entrevistas foram com artistas mais consagrados. Mas mesmo o conteúdo, tem uma edição que tem desde texto com o trabalho do Ernesto Neto até de um jovem artista que não tem muito reconhecimento pelo circuito, pelo mercado, mas que tinha um trabalho interessante a ver com o tema. Eu acho que parte dessa ideia de que são todos autores. Essa ideia de que o leitor é potencialmente um autor e de que não tinha essa necessidade de legitimação pelo circuito para o artista poder integrar. Era mais o que eu encontrava de pessoas e coisas que estavam dialogando e ter essa percepção de que todos os estágios de desenvolvimento da pesquisa seriam interessantes, desde os mais iniciais, até as pesquisas mais aprofundadas, porque tem alguns autores internacionais e nacionais sênior, pessoas com superpós-docs. Então, tinha uma vontade de dar uma horizontalizada nessas hierarquias acadêmicas e artísticas e de colocar tudo num espaço de igualdade ali naquela página, onde estava todo mundo junto. Não tinha uma categorização de importância.

Rio de Janeiro — Montréal, 9 sept. 2021.



Citar este post
Talitha Motter (2022, 11 Janeiro). Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono. Réseaux Sensibles. Recuperado em 16 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/tnsj

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search