Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono

Imagem de capa: Marina Fraga no Encontros Carbônicos de 2014. Fonte: Facebook da Revista Carbono.

Ideias de Revista & Divulgação

Talitha Motter Quando tu montou o projeto, acho que tu montou pensando no edital de publicações. O edital era para revistas digitais?

Marina Fraga Tinha impressa e tinha digital também.

Talitha Motter Mas tu optou pela digital?

Marina Fraga Eu optei pela digital na época, até pelo tamanho da empreitada. No final, eu acho que foi acertado, porque deu mais flexibilidade para a revista, não mantendo ela tão presa às edições, e esse conteúdo também continua. Acabou que foi um acerto nesse sentido, mas naquele momento eu escolhi pela dimensão do desafio. Como eu não tinha nenhuma experiência editorial, fazer oito publicações, ou menos que seja, uma série de publicações impressas, seria um projeto muito mais caro, ia ter que ter uma equipe muito maior, e aí talvez fugisse do meu escopo, da minha capacidade naquele momento. Eu adoro coisa impressa, sou superfã dos impressos, e já pensei em fazer edições especiais da Carbono impressas, já tentei os editais, mas é sempre muito difícil conseguir. Queria fazer um livro da Carbono, queria materializar a o projeto também em papel. Mas no projeto original foi muito essa percepção de que já estava me arriscando num projeto editorial como amadora, principiante, porque eu não tinha experiência. Então, achei que o digital iria simplificar a coisa, ia ser mais fácil de trabalhar, até o tamanho do orçamento que eu ia ter que administrar, tudo isso, né? Porque o impresso tem muitas outras etapas. Pulava essa etapa final de diagramação, revisão, impressão e distribuição, essa parte final, que precisa de todo um know-how profissional, meio que eu abri mão. No digital, a parte de diagramação e de programação é inicial no projeto, e depois ela se mantém, ela não precisa de grandes equipes, nem de grandes esforços para publicar uma edição. A princípio eu posso publicar uma edição a qualquer momento, não dependo de uma equipe para isso. Mesmo assim eu ainda não consegui, mas enfim isso é outro papo.

Talitha Motter Existe essa aparente facilidade do digital.

Marina Fraga Tem essa facilidade de que a plataforma em si, se ela é funcional, ela é simples de alimentar. É muito mais o trabalho anterior, do que o trabalho de colocar no ar. Então, foi meio isso. O digital seria uma forma mais viável para o projeto naquele momento, diante das minhas condições. Acabou que foi bom, porque se tivesse sido uma edição impressa, ela tende a ficar mais datada nesse sentido, ela precisa de novas edições para continuar viva. E o site continua lá, continua o conteúdo.

Talitha Motter Eu acho que a questão dessa facilidade de criar uma revista digital também tem conexão com a possibilidade de diminuir essas hierarquias de autores. Eu acho que existe uma facilidade de trazer outras pessoas no digital. Mas ao mesmo tempo que tem essa coisa de permanência, que o site pode continuar, tu precisa manter algumas coisas para ele continuar funcionando. Existe todo um trabalho depois de divulgação disso, para que aquele site seja conhecido. Tu poderia comentar um pouco das estratégias de divulgação da Carbono?

Marina Fraga Assim, na verdade, não teve estratégia de divulgação, nunca teve assessor de imprensa, nunca teve nenhum movimento nesse sentido. Saíram algumas notas em jornal, algumas coisas assim, mas mais pela minha mobilização e por pessoas que acabavam chegando até mim sabendo do projeto. E acabou que os eventos que a gente fez, eles serviram também um pouco como esses mobilizadores para a revista, principalmente o primeiro, no qual a gente lançou uma edição junto. Então, a revista estava bem ali no meio do momento, meio que o evento viraria esse… O evento tinha exposição junto com debates com artistas e cientistas. Ele aconteceu num espaço-tempo ali, diante de uma proposta editorial que virou proposta curatorial de evento. Então, os eventos foram disparadores de divulgação. A gente, nesses momentos, tinha uma assessoria que acabava divulgando também a revista, mas foram esses eventos pontuais. Além disso, a divulgação era muito natural, orgânica, de uma pessoa que ia indicando para outra, ou de uma busca no Google que trazia a temática de algumas entrevistas, ou artigos que eram muito lidos, que acabavam aparecendo no Google e levando a pessoa até a revista. Então, acho que a divulgação acabou indo por esses eventos. A gente fez acho que um evento de lançamento também, mas era só um momento, eu não lembro exatamente, mas depois teve esses dois Encontros Carbônicos, um em 2014 e um em 2015. Em 2015, já nem tinha mais nova edição, mas ainda tinha o projeto muito vivo. E aí o restante era essa espécie de boca a boca digital, de uma pessoa que publicava e a coisa se desenrolava, ou um professor que indicava um artigo e as visitações desenrolaram dali. Mas, desde então, não tem mais nenhuma divulgação, desde esse último evento em 2015. E, mesmo assim, a visitação é bastante alta. Então, eu acho que tem uma questão dos conteúdos que acabam aparecendo no Google, nas buscas pela relevância do tema, tipo algumas entrevistas, a do Tunga, a entrevista com o Cildo Meireles, algumas entrevistas que foram muito lidas. E aí a coisa vira uma certa divulgação para o restante do conteúdo da revista.

Talitha Motter E vocês fizeram uso também de redes sociais?

Marina Fraga A gente tinha um Facebook na época. A gente nunca fez muito uso das redes sociais, até porque eu não sou muito das redes sociais. Tenho uma certa dificuldade. A gente chegou a fazer algumas divulgações das chamadas por e-mail, tinha uma mala direta que vinha da página da revista, mas também já faz muito tempo que não é utilizada, e principalmente Facebook. Mas aí depois eu saí do Facebook. Enfim, mesmo assim, a revista continua, sabe? Não sei explicar muito como, mas acho que o que está ali mobiliza de alguma forma as pessoas.

Detalhe da página Facebook da Revista Carbono.

Talitha Motter E é legal que, no final das páginas, tem como ver o número de curtidas dos textos. Tu pode ver quantas pessoas curtiram o texto. A coisa do público conversando com o texto.

Marina Fraga Eu nunca fiquei muito atenta à rede social, mas é sempre interessante quando a gente vê os números e vê que a coisa teve um alcance. O Google Analytics te diz mais ou menos também quanto tempo as pessoas ficam em cada página e você tem meio que uma dimensão do quanto que as pessoas de fato leram tudo ou não, o quanto que as pessoas entraram e saíram, tem algumas informações. Mas eu sempre fui muito por curiosidade, esse retorno não direcionou o projeto da revista, sabe?

Rio de Janeiro — Montréal, 9 sept. 2021.



Citar este post
Talitha Motter (2022, 11 Janeiro). Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono. Réseaux Sensibles. Recuperado em 26 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/tnsj

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search