Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono

Imagem de capa: Marina Fraga no Encontros Carbônicos de 2014. Fonte: Facebook da Revista Carbono.

Outras Atividades, Meios de Financiamento & Ideias de Revista

Talitha Motter Só para voltar à questão dos Encontros Carbônicos, para o primeiro vocês também conseguiram um financiamento, né?

Marina Fraga O primeiro foi um edital da Funarte. A gente já tinha acabado o edital da revista, já tinha cumprido, e aí tinha esse edital da Funarte, não me lembro exatamente como é que era. Foi um dos editais da Funarte e a gente fez em parceria com o Largo das Artes, que é um espaço de arte no centro do Rio. E a proposta era essa: uma exposição e, nesse primeiro, foi bem assim uma exposição e o encontro aconteceu dentro da exposição. Então, tinha esse espaço no Largo, que é um sobrado, tinha esse grande vão dentro do sobrado onde a gente fez a exposição. Tinha uma salinha para um vídeo e o resto era a exposição nesse espaço. No dia dos debates, dessas conversas entre artistas e cientistas, a gente tinha umas cadeiras de papelão de uma empresa que fazia os móveis de papelão, e aí montava essa arena dentro da exposição. Então, tinha essa vontade de ocupar a exposição com conversa e de manter as obras conversando ali também, as obras que estavam na exposição. E aí convidamos as pessoas para irem falar, o Tunga chegou a mostrar um filme dele também. A gente montou uma tela no meio da exposição para ver o filme no dia que o Tunga foi. Nesse primeiro Encontros Carbônicos, aconteceu muito como a gente tinha imaginado mesmo.

Divulgação do primeiro Encontros Carbônicos.

No segundo, que foi o do Oi Futuro, já foi um pouco mais adaptado. Acho que a gente conseguiu experimentar várias coisas novas também, mas foi um pouco mais adaptado em termos de espaço, porque a gente ficou com as galerias do Oi Futuro Ipanema. Tinha uma parte embaixo que tinha uma galeria com os trabalhos e um trabalho sonoro que ocupava a escada. Então, a gente subia com o trabalho sonoro do Daniel Steegmann para chegar na segunda galeria. E aí, no segundo andar, tem uma espécie de saguão, galeria, que é de frente para o teatro, onde a gente ocupou e tinha um telão também. E a gente convidou uma artista sueca que eu conheci quando eu estava lá fazendo um sanduíche, Andrea Hvistendahl. O trabalho dela é uma espécie de jogo, um jogo de consenso. Então, a gente montou na exposição. Ela trouxe esses jogos, é um jogo de tabuleiro com as peças que ela fez o design, e a gente fez umas sessões de jogos acontecendo com o trabalho artístico dela, que se chama “Our Move“. Então, é um tema, tem algumas pessoas que jogam e todas as peças são colocadas a partir das conversas dos jogadores que precisam chegar num consenso. Um jogo que não tem ganhador ou perdedor, é um jogo de consenso, de diálogo, e de percepção onde existe o conflito. A gente fez uma sessão de abertura que as pessoas podiam jogar, e a gente também gravou esse jogo acontecendo na minha casa, só o tabuleiro e as mãos dos jogadores, e apresentou numa grande tela do Oi Futuro que ficava no saguão do segundo andar. E a gente marcou algumas sessões também para os jogos acontecerem dentro da exposição. Tinha bastante trabalhos na exposição, mas o debate não cabia dentro da galeria por conta do espaço. Então, o debate não foi tão integrado assim quanto foi no primeiro. Ele aconteceu no teatro que era em frente, mas acabou que aconteceu nesse formato do palco. O de 2014 foi muito dentro do pensado; e o de 2015 foi adaptado, mas teve várias boas surpresas como essa do jogo, como a forma como a gente ocupou o espaço, a temática também “O Futuro em Disputa”. Então, tinha muito a ver com as nossas discussões sobre a época de 2015, pós-golpe, e todas essas discussões em termos de projetos de futuro no Brasil, o desmonte das políticas sociais, e sempre a questão ecológica-climática por trás, ela sempre por trás da minha pesquisa. Acabou que foi assim: o primeiro não teve um tema, foi sobre a experiência da revista acontecer ali presencialmente, e o segundo já tinha um tema que a gente estava querendo discutir.

Talitha Motter É interessante, porque os Encontros Carbônicos de 2015 meio que fecha com a primeira edição, que era o “Início do Mundo”.

Marina Fraga Mas é curioso, porque na primeira edição “Início do Mundo”, a gente estava nesse momento muito fértil da cultura no Brasil, até em termos de oportunidade. Todo aquele futuro pela frente. E eu acho que, em 2015, a gente já tinha tomado um tombo e ainda nem sabia qual ia ser o tamanho, mas já tinha uma perspectiva mais distópica e de que esse futuro estava em disputa. Em 2012, a gente não tinha tanto essa perspectiva. A gente estava pensando só sobre a criação dos mundos, sobre todo aquele momento de fertilidade que estava acontecendo. E aí, em 2015, teve essa concepção de que o futuro estava em disputa e de que era preciso discutir e imaginar outros futuros, lutar por eles. As questões climáticas ficam mais evidentes, já eram questões para mim desde o início, mas elas ficam cada vez mais explícitas para o público. E eu acho que, mesmo assim, a gente ainda não tinha nem dimensão do quanto que isso ia ficar mais dramático.

Talitha Motter E a gente ainda não tem.

Marina Fraga É, a gente não tem em termos de efeitos ecológicos-climáticos, mas em termos de cultura e política, a gente viveu uma transformação muito grande no Brasil de 2015 para cá. Então, nesse sentido, a gente estava com o futuro em disputa e, num curto prazo, a gente perdeu a disputa, mas como diz a música “os dados ainda estão rolando”. A bola ainda está rolando em campo, ainda não acabou. Mas eu acho que, nesse sentido, foram reflexos das nossas apreensões da realidade naqueles momentos.

Talitha Motter Com certeza. A partir dessa experiência que tu teve com a Revista Carbono, como é que tu enxerga os papeis de uma revista de arte? Sabendo que no teu caso era uma revista de arte e ciência.

Marina Fraga É curioso, assim, eu sempre chamei a Revista Carbono de revista, mas ela foge um pouco das relações que uma revista se coloca normalmente, ela não tem nenhuma perspectiva de mercado. Ela não tem nenhum anunciante. Ela teve um patrocínio, mas ela poderia ter também anunciantes, algo que eu nunca quis. Sempre tive essa vontade de manter a limpeza visual da plataforma para não ter uma publicidade influenciando no conteúdo. E aí vai uma questão muito pessoal minha, porque eu sou anticapitalista e tenho um monte de críticas à forma como o sistema financeiro se aproveita da cultura. Então, eu acho que a revista já começa fugindo aí, ela não se insere no mercado. Os artistas e os cientistas que estão na revista, eles podem estar no mercado, mas a revista em si nunca quis se inserir no mercado, ter anunciante, ter uma agenda que poderia funcionar como uma espécie de mobilização do mercado. Então, sempre fugi disso. Um outro ponto é que ela também não tem essa questão tão forte da atualidade como você falou, tem coisas que se relacionam com a atualidade, mas ela não se pauta em termos de jornalismo, de atualidade, de quais exposições estão sendo lançadas, de quais artistas estão sendo lançados, ou descobertas científicas. Não tem essa questão. Nesse sentido, acho que ela é uma revista muito fora do padrão, porque o que a gente entende como revista não passa por aí. Ela fica no meio campo entre uma publicação acadêmica, uma publicação artística e uma revista. Apesar de que eu também nunca quis enquadrá-la dentro de uma publicação acadêmica, que tem uma série de restrições, de condições e nivelamentos, formas de avaliação da Capes. Então, a Carbono, eu sempre chamei de Revista Carbono, mas ela é essa revista meio que fora das revistas. Não sei, de certa forma, eu acho que até manter a coisa de ser revista é uma forma de trazer que isso também pode ser revista. A revista não precisa estar dentro de um mercado para existir. A revista pode ser uma outra coisa.

Talitha Motter É legal que, em um dos editoriais, tu disse que “editar uma revista é costurar com linhas de pensamento”. E depois tem toda essa coisa da rede, na edição NÚMERO 02, que seria tecer pontos de contato. E eu acho que é um pouco o que a Carbono acaba manifestando como papel de revista.

Marina Fraga É muito mais de criação de uma rede, de colocar pesquisas em contato, dar visibilidade, não em termos de circuito, mas de produções que me pareciam interessantes e que dialogavam de artistas de áreas diversas, ou mesmo de cientistas com os artistas. Então, era muito mais uma vontade de ver a minha pesquisa de arte e ciência acontecendo através dos outros, sabe? Porque eu acho que a revista nasce também dessa minha percepção de que o que eu estava me propondo a investigar era muito maior do que eu teria capacidade, o que me fez querer sair um pouco da autoria. Claro, tem o meu trabalho artístico, tem a minha dissertação, depois vai ter meu doutorado e tudo, mas quando eu propus esse projeto de mestrado, eu estava me propondo a investigar a relação entre arte e ciência. E aí, logo, eu vi que as relações de arte e ciência que eu ia investigar teriam de ser aquelas que tinham a ver com o meu trabalho diretamente, mas o meu interesse era maior. Então, ela partiu também de uma ideia de me tirar desse lugar de protagonismo e de centralização e de autoria, e de pensar que essas relações arte e ciência deveriam acontecer entre outras pessoas, trazendo outras pessoas, e que eu estaria ali só para tecer mesmo essas relações dentro de um recorte possível, dentro de uma edição, mas que as relações entre arte e ciência não dependem de mim. Mais uma forma de pensar que eu sou muito pequena diante desses autores todos, que tem muita coisa interessante aí que não tem a ver comigo, mas que é interessante colocar para o mundo. Então, ela surge meio nesse movimento de sair um pouco do lugar de autora. A autoria eu continuei a trabalhar nos meus textos, no meu doutorado e nos trabalhos artísticos, e a revista ganhou uma certa autonomia. Claro que eu estou ali como editora, centralizo uma parte do trabalho, mas os conteúdos não são conteúdos que vêm de mim, são conteúdos que vêm dos outros e sempre têm potencialmente muitas descobertas dessas pessoas. Eu sempre tive muito essa noção de que eu poderia fazer edições infinitas e sempre ia ter cientistas e artistas com trabalhos interessantes em qualquer tema, tudo dependeria do meu trabalho de pesquisa, desse trabalho de fazer contato, ir até as pessoas. A gente foi até umas pessoas, como um cientista de redes russo, tem umas pessoas muito distantes que a gente entrou em contato e que toparam. Tem, às vezes, umas visitações de outros países, ainda que a revista seja só em português. Então, é esse pensamento de que as relações já existem, o que precisaria era tecer essa rede, dar visibilidade para esses pequenos nós, que são meio que um pontinho dentro de um universo. Cada um dos artigos é um recorte dentro de um universo de muitos autores, de muitas pesquisas. Não tem essa ideia de que um artigo, ou um autor, é único dentro daquele campo, de que ele é o cânone. Não! É uma voz dentro de um contexto, de uma rede de vozes que vai se relacionar com outra rede. Dentro da arte mesma coisa, cada temática poderia ter um monte de artistas. A gente traz sabendo que é uma coisinha que emerge dentro de um subsolo imenso de pessoas que estão pensando coisas semelhantes. Acho que parte um pouco também da minha visão sobre arte, sobre produção de conhecimento, de uma vontade de me distanciar dessa ideia do gênio, pensando que na verdade tem muitas pessoas geniais em contexto. É claro que temos os grandes gênios, mas sem querer fazer uma exaltação a essas personalidades, pensando mais as ideias em relação do que exatamente as biografias. A importância de cada pessoa dentro do seu campo.

Talitha Motter Uma articulação de ideias.

Marina Fraga É mais uma articulação de ideias e é claro que, por exemplo, esses artistas mais consagrados são superinteressantes e importantes, mas principalmente porque eles dão aula para a gente sobre os assuntos. Então, nessas entrevistas, para mim tinha esse sentimento de que mais importante do que ter aquele nome na revista era ter tudo o que ele ia trazer de conteúdo interessante dentro daquela entrevista. Por isso que as entrevistas geralmente, às vezes algumas são mais recortadas, mas geralmente elas perpassam os trabalhos das pessoas, elas não são focadas em biografia.

Talitha Motter Eu não sei se tu queria trazer mais algum detalhe sobre a revista.

Marina Fraga Acho que eu só queria acrescentar que eu tenho essa vontade de dar continuidade. Então, não foi um projeto que parou propositalmente, que tinha uma temporalidade definida. Tinha oito edições programadas, mas tem essa vontade de dar continuidade. A questão que se coloca, eu acho, é exatamente como que um projeto que surge de uma visão muito particular minha pode ganhar autonomia para além da minha pessoa? Porque, por mais que eu fale que quero expandir a coisa da autoria, tem um projeto editorial muito bem definido dentro da diversidade, mas assim definido, e aí num momento em que eu levei isso para pensar em dar continuidade, eu percebi que eu tinha uma vontade de manter esse projeto muito bem definido e o meu rigor das pesquisas para chegar aos conteúdos. Então, eu acho que tem uma questão que você coloca que tem a ver com o financiamento, que também é sobre a viabilidade de continuidade desse tipo de proposta que não tem objetivos financeiros. Porque, para mim, também não faz sentido eu abrir publicidade e tentar viabilizar a revista dessa forma, porque vai desvirtuar o projeto. Mas sem o financiamento fica difícil ter uma equipe voltada e que seja qualificada para poder dar continuidade ao projeto. Acho que isso é uma crise que se coloca de uma vontade de manter a coisa viva e até de ver que ela, como ela ainda está viva nos outros, é muito maior do que eu. Por outro lado, como que faz isso continuar sem depender da minha pessoa? Ainda mais porque agora eu sou professora da UFRJ, tem muita demanda de trabalho e a revista começou a não caber mais no meu tempo. Assim, pensar como que algo que não tem motivo para acabar, porque ainda tem a sua atualidade, tem o seu interesse e tem o meu desejo, pode ter esses meios para acontecer sem depender da idealizadora.

Talitha Motter Como encontrar alguém que talvez abraçasse o projeto?

Marina Fraga Pois é, mas aí para alguém abraçar o projeto tem que ter uma iniciativa minha de buscar essas pessoas e de conseguir dar conta de passar toda a ideia para poder ter uma autonomia. Também entra a questão de financiamento, porque sem dinheiro fica mais difícil as pessoas se envolverem a ponto de levar o projeto à frente. Então, tem essa dúvida do que acontece, por enquanto, o meu desejo é manter ela no ar, e manter esse acervo todo aí. Mas para mim não é um projeto finalizado, é um projeto que está numa pausa longa, mas que potencialmente pode retomar uma atividade. Quem sabe mudando o futuro em disputa, esse jogo vira, e as coisas mudam.

Talitha Motter Esse é um dos problemas que eu tenho escutado, essa questão de financiamento dos projetos de revista que nascem de maneira quase que independente, de uma vontade mesmo de criação das editoras e editores, de pessoas que vão aprender a editar uma revista, porque normalmente são projetos assim. E como depois manter ele?

Marina Fraga Eu acho que todos esses projetos de longo prazo, se eles não têm uma instituição por trás, é sempre muito difícil de manter. Normalmente, os projetos mais longos têm uma instituição que dá essa estabilidade para o projeto, por outro lado, a instituição também amarra muitas vezes os projetos dentro dos seus interesses próprios, existem os interesses institucionais. Então, os projetos independentes sejam revistas, sejam coletivos, por exemplo, de artistas, eles geralmente têm essa crise da durabilidade do projeto, porque quer se manter, mas também para o projeto se manter, precisa de um frescor de independência. Então, é uma certa crise mesmo. Os editais funcionam de uma forma outra, porque os editais eles tendem a dar uma autonomia para o autor. Então, eles permitem que projetos independentes e experimentais aconteçam, que provavelmente seriam diferentes se tivessem alguma instituição financiando, ou alguma editora no sentido mais estrito, uma rede de comunicação, alguma corporação por trás. As publicações independentes tendem a vivenciar essa dificuldade de manutenção a longo prazo, é o desafio de como manter um projeto mais radical, fora do mercado ao longo do tempo.

Rio de Janeiro — Montréal, 9 sept. 2021.



Citar este post
Talitha Motter (2022, 11 Janeiro). Entrevista com Marina Fraga, editora-chefe da Revista Carbono. Réseaux Sensibles. Recuperado em 16 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/tnsj

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search