Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres

Imagem de capa: Paola Fabres.

História & Organização

Talitha Motter Então, Paola Fabres, as primeiras questões são muito em função da história da revista. Eu queria que tu pudesse nos apresentar um pouco da revista: como ela foi criada, onde ela foi criada, quem fazia parte, quais foram as primeiras ações realizadas para a criação da revista. Enfim, todo esse começo da Arte ConTexto.

Paola Fabres Bom, vamos até pensar juntas. Eu acho que em termos biográficos isso surge por parte das duas editoras que tinham um certo impulso em comum. Tanto eu como tu, a gente estava querendo testar esse universo da crítica de arte, sabendo também que a gente ainda era muito jovem, estudante de graduação. Então como fazer isso num contexto em que não exatamente se tem plataformas disponíveis para os alunos de graduação e bacharel estarem ali experimentando, publicando e testando? Claro que a internet já estava servindo um pouco como esse espaço para quem quisesse, mas enfim parecia existir uma certa ausência. Acho que parecia ter um pouco de uma lacuna de onde colocar raciocínios possíveis. E a ideia foi de fazer uma plataforma nossa que seria digital por questões de custo. A gente não tinha um financiamento para tornar isso um editorial impresso e ali a gente vai exercitar como pensar a crítica de arte se a gente está recém começando a pensar isso. É claro que não era apenas uma vontade de nós ficarmos publicando e testando esses conhecimentos, mas também de estar conversando com outras pessoas e abrindo esse espaço, porque se a gente notava essa lacuna de dispositivos de exercício da publicação da crítica de arte possivelmente outros alunos também estavam na mesma questão. Então acho que a gente vem com essa ideia de uma forma muito juvenil e muito corajosa e ao mesmo tempo essa vontade de testar. E uma coisa que nós sempre comentamos é o fato de que já existiam revistas ligadas ao universo acadêmico, mas a maioria delas estão ligadas à pós-graduação. Então o aluno de graduação teria que ter o orientador acoplado assinando para participar desses conteúdos. Então eu acho que a Arte ConTexto surgiu como um lugar para o texto poder existir para estudantes da graduação, sabendo que isso ia extravasar para além da universidade. Nossa vontade não era unicamente estar pensando dentro da academia, mas a gente estava na academia e abria essa porta para quem estivesse mais distante. E não sei se tu quer datas, mas então me ajuda a pensar. Acho que a gente tem essa ideia em 2013.

Talitha Motter A gente conversou no final de 2012 no café do Mário Quintana. 

Paola Fabres Fomos elaborando para que em 2013 o bichinho começasse a se desenhar. 

Talitha Motter E a gente publicou a primeira edição em julho de 2013.

Paola Fabres Isso, a primeira foi no inverno, dos espaços independentes.

Talitha Motter Eu lembro que eu já estava no Rio de Janeiro e tu estava discutindo muito o site com o Marcius.

Paola Fabres Mas só para lembrar, era eu e tu criando toda a ideia, como vai ser todo formato, essa periodicidade, esses conteúdos, como a gente podia divulgar esses conteúdos. E aí é aqueles impasses técnicos, como é que se programa isso. Então nós chamamos o Márcio de Andrade que era a terceira figura que nos ajudou a conceber tudo isso. Mas eu acho que o importante é saber também que esse núcleo de três ele ficou centralizado durante quase toda a sobrevivência da revista. Nós duas sempre nessa coisa de conteúdo de texto e tal, o Marcius sempre ajudando nessa programação, tu começou a pegar muito junto com ele essa programação também. Mas acho que esse trio, é o trio centralizador da revista. 

Talitha Motter E, para ti Paola, eu tenho uma percepção, mas seria bom saber também de ti: como é que tu vê o nome da revista Arte ConTexto?

Paola Fabres Eu acho que a gente não pensou quanto que isso poderia se tornar, quanto que nós poderíamos portar outros sentidos para esse nome lá atrás. Porque é claro que a gente pensava na ideia de aproximar arte e texto, o campo da arte e o pensamento textual e também essa ideia de contexto, porque nós sabíamos que estava falando de uma produção contemporânea, mesmo que volta e meia surgiam artigos que olhavam para questões históricas. Então a ideia de textualidade, a de campo artístico e a ideia de contexto eram os dois universos que se aproximaram. Só que é muito curioso pensar que ao longo da vida da revista esse lugar do texto enquanto experimentação artística e da experimentação artística que nem se sabe para onde vai, mas quando viu que tem um canal ali, digital, aberto e disponível, começa a se exercitar, a se conceber. Isso eu acho que foi se tornando um ponto chave, muito legal da nossa revista e que a gente quase não esperava muito. Quer dizer, não que não esperávamos, mas a gente não contava com isso que o fato de a gente disponibilizar esse espaço que não é científico, mas que pode estar dentro da academia, que não é para os jovens, mas que pode estar disponível para os jovens, que está tentando atingir grupos para além do campo da crítica universitária cerrada.

Ele se tornou um pouco esse espaço de experimentação. Isso diz tudo realmente da Arte ConTexto. Então, não é só o texto falando no campo da arte, mas é também a arte se fazendo junto com o texto.

É gostoso pensar o quanto que isso vai aparecendo para nós como uma demanda cada vez com mais latência e nos exigindo também uma estratégia técnica. Como é que eu vou publicar esse negócio que tem uma diagramação maluca e como a gente se organiza nessas imagens e textos, respiros e gráficos, tudo junto, porque cada texto explorava da sua forma ou fazia de uma maneira diferente. Então a gente a cada texto tinha que resolver isso. Então acho que esse título já surgiu olhando para sentidos diferentes em convergência, mas ele agregou esse terceiro aí. Principalmente nesses últimos anos da revista em que isso ficou mais perceptível. A gente ia vendo a porcentagem de textos-obra realmente aumentando e os artistas se empolgaram a participar não de só de uma, mais de duas, mais de três, porque já estavam gostando daquele formato. Então, quase que fidelizando um tipo de metodologia para eles já que eles sabiam que iam ter um espaço onde isso pudesse ser abarcado. Então acho que nesse sentido esse nome foi ganhando essa conotação.

Texto-obra “A enguia texto-imagem: confluências entre ver e ler” de Leonardo Tavares, publicado na Arte ConTexto n.13, 2017.

Talitha Motter É verdade que “Arte feita com texto” ganha um terceiro eixo de interpretação. Eu vou falar um pouco mais agora da questão da organização da revista. Eu queria saber o que te levou a trabalhar com uma revista, a ser editora de uma revista e se tu podia contar com o que tu trabalhas normalmente. 

Paola Fabres Olha eu enquanto jovem, mais jovem, eu tinha muita vontade de ser editora de uma revista ou trabalhar dentro de uma revista. Eu lembro que eu lia muito a Bravo!, lia essas revistas que a gente assinava que tinham alguma pincelada cultural e tinha vontade de estar dentro desse universo até porque eu vinha do designer gráfico e gostava muito do ambiente editorial. Isso sempre despertava o meu interesse. Só que eu entro com essa grande vontade de ver como é essa atuação de editora e eu acho que eu me descubro mais uma crítica de arte que propriamente editora, claro que essas coisas caminham juntas muitas vezes.

Mas eu acho que a revista me abriu um lugar de me apaixonar pelo conteúdo, pelo texto. Pensar o exercício que a gente teve que se colocar, de aprender a analisar, a organizar pareceres, naqueles momentos de dúvida.

É um estudo que a Arte ConTexto nos deu mais do que a própria universidade, nesse sentido específico de como lidar tanto com a minúcia do conteúdo, da precisão até com esse macro de organização de materiais. Mas então, claro, a gente divide esse trabalho de edição. Eu tenho bem claro para mim que tem algumas coisas que tu acabou assumindo, porque tu tem uma facilidade e essa cautela de ir no detalhe, de avaliar todos esses aspectos. Esse olho fino que o editor tem que ter, que é tão importante. Então a gente já vai pegando essas habilidades, isso acabou centralizando muito em ti. Eu sempre tive uma parada de gostar dessas visualidades. Essa combinação mais de diagramação, estética, o impacto de uma capa, de outra, o que vai ser o elemento de destaque. Eu acho que eu fiquei um pouco exercendo mais isso que é um trabalho que também hoje o Marcius está pegando bastante. Claro esses processos vão se adequando ao longo de todo esse tempo. Mas o que eu acho muito gostoso nessa produção é essa parceria de como nós temos essa edição dupla, desse conteúdo estar sempre sendo ajustado por um segundo olho, desenvolvido por uma, melhorado, desenvolvido por aquela e ainda mais aprimorado mais adiante. Então essa duplicidade do pensar, que é esse pensar dos debates propostos, esses textos finais, o que vai estar compondo a revista, o que não, eu acho muito gostoso essa reciprocidade de olhares. 

Talitha Motter Acho que é uma divisão de tarefas que agrega, às vezes, tu vê revistas que tem um editor único. Mas tu ter essa responsabilidade só para ti, acho que é muito pesado. Então, acho que quando a gente tem dois olhares, a gente se sente mais segura nessa avaliação, nessa proposição. Eu queria falar também, durante a história da revista, como a equipe foi agregando outras pessoas, como isso mudou, nosso grupo de colaboradores.

Paola Fabres Então, uma questão que é importante de destacar é como que essas práticas sobrevivem, como que essa vontade de desenvolver esse projeto sobrevive e a verdade é que ele vai sobrevivendo enquanto consegue. A gente não chegou exatamente a ter em nenhum momento financiamento que pagasse a equipe e as próprias despesas que tem essa plataforma. A gente consegue apoios e colaborações que são muito menores do que o que isso de fato custaria, mas que ao mesmo tempo já dava um pouco daquele ânimo de continuar fazendo já que agora nós não temos que pagar mais isso nem aquilo. A gente já conseguiu fazer um pequeno caixa. A gente está a fim de continuar esse exercício de ampliação de um debate local, que agora não é nem mesmo mais local, já estamos falando de uma questão que já não é mais geográfica. Nós brincávamos com aqueles conteúdos que vinham de lugares diferentes. Hoje tem um Brasil sendo acionado, mas também um pedaço da América do Sul sendo acionado. Muitas vezes ponte com Portugal, com Canadá. Então, essa regionalidade já não é mais uma marca que foi sendo quebrada pelo próprio universo digital que propicia isso.

Mas o fato dessa revista precisar desses apoios financeiros, que em nenhum momento a gente organizou a vida econômica enquanto um projeto profissionalizado, fez com que a gente encontrasse outras alternativas para ela continuar existindo.

Essas alternativas seriam: aumentar a equipe participante para que muitos nos ajudassem, mas que muitos nos ajudassem com pouco, porque a gente também não pode pedir para uma equipe que está trabalhando sem receber suas remunerações que são necessárias. Então ter muitos colaborando com pouco, e pouco eu digo no sentido de demanda de trabalho, claro que todas essas contribuições são imprescindíveis para a gente, no sentido de nenhum parecerista nosso revisa mais que do que duas ou vamos dizer que talvez algum tenha revisado três em algum momento, mas nenhum revisa mais do que três textos em uma edição, que agora já está semestral. Então é realmente uma carga que eles conseguem dar conta. E quando eles não estão indisponíveis a gente vai acionar um outro grupo porque a gente já tem uma rede maior. Isso é uma questão, a questão de poder dar conta de todas essas análises, de sempre ter dois olhares olhando para um texto só, porque a gente nunca vai ter uma única avaliação. Então essa pluralidade pediu esse aumento da equipe, mas um outro fator é o fato de nós recebermos textos também não apenas do campo das artes visuais, mas de outras esferas da cultura como às vezes do teatro, dos estudos visuais, do cinema, enfim. Então, essa vontade de ter participantes mais especialistas dessas outras esferas do conhecimento, que pudessem estar contribuindo na precisão de cada conteúdo. Então chegou um momento que a gente começou a conversar, a gente tem que ter alguém que está pensando música, que está pensando no cinema. E nós também tínhamos, temos, mas já faz algum tempo que a gente não mexe nesse grupo, a gente também pensava muito em acionar pessoas de locais diferentes. Muitas vezes de estados diferentes para que ali pudesse ter um irradiador, alguém que apresentasse essa revista na sua universidade ou nos seus cursos livres ou para seus colegas de circuito para que esse canal fosse transitando, não apenas ficando como uma marca de debate do Rio Grande do Sul ou do Rio de Janeiro.

Talitha Motter E como tu vê essa questão do trabalho a distância, porque nós temos essa grande rede de colaboradores, mas como é que tu vê isso, quais são os prós e contras. Como é que se desenvolve o trabalho a distância na revista. 

Paola Fabres Olha eu acho que é mais prós do que contras. Assim eu acho que esse formato que a gente desenhou ele já foi pensado para poder existir a distância, porque se nós necessitássemos estar juntas, ou juntos todos, isso nunca poderia ser possível. Então a gente até brinca que a gente bolou a revista juntos, mas logo depois as editoras se separaram e se juntavam para dar oi, matar a saudade, fazer reuniões. Mas a gente sempre esteve muito mais à distância do que juntas nesse tempo da Arte ConTexto, tanto na época que tu estava no Rio e eu em Porto Alegre, como agora que estou em São Paulo e tu está no Canadá. Então eu acho que isso já foi mais ou menos articulado prevendo isso para que não dependêssemos dessa aproximação. Claro que, muitas vezes, dá vontade de estar próximo para fazer aquela conversa principalmente dos debates sobre o que a gente quer lançar nas próximas edições. Quais que são as reflexões que estão nos parecendo mais caras, mais necessárias, porque o trabalho mais processual de análise de texto, de rebatimento, de checagem coletiva. Eu acho que essa ponte, ela acaba sendo muito mais efetiva a distância, já que estamos trabalhando nas nossas casas, nos nossos escritórios, nas nossas bibliotecas, do que se a gente precisasse estar junto. Mas esse momento de pensar a revista de modo mais amplo: “E, agora, o que a gente vai propor?”, o que nós estamos a fim de encarar, o que está precisando ser repensado. Esses momentos sempre são muito gostosos de fazer em parceria, porque somos amigas, além de colegas. Mas eu acho que os colaboradores em geral precisam de que isso funciona via internet. Se precisasse estar fazendo reunião de pauta, esse formato com colabores voluntários, eles não iam estar podendo dedicar esse tempo para encontros, para reuniões. Então eu acho que é muito importante saber qual é o formato que funciona nesse sentido. E por último, saber que o formato a distância chega nos nossos leitores e nos nossos colaboradores de texto e não só nos colaboradores de equipe. Esses colaboradores de conteúdo a cada edição, eu acho que o fato dessa chamada aberta estar circulando pela meio digital, de todas as inscrições serem digitais, de estar sempre encaixado nesse lugar dessa plataforma virtual viabiliza que gente de tudo quanto é lado possa estar participando.

Enfim, as revistas impressas elas vão ter também circulação mais restrita de acordo com seu alcance. Então essa digital ele possibilita a rede, esse diálogo de uma maneira um pouco mais barata e acessível. 

São Paulo — Montréal, 10 sept. 2019.


Um comentário em “Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.