Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres

Imagem de capa: Paola Fabres.

Conteúdo & Autores

Talitha Motter Fazendo uma pergunta rápida, resposta rápida. Tu podia dizer quantos números já foram publicados da revista e também quais são os formatos de publicação que a gente aceita. Além dos tipos de arquivos, tipo de imagem, som, vídeo, etc. 

Paola Fabres Já publicamos 15 edições, estamos indo para a 16a. A gente trabalha com os formatos: tradicional de um artigo, de um artigo científico que tem uma extensão um pouco mais breve do que alguns artigos que estão trabalhando com 15, 16, 17 laudas. A gente trabalha com cerca de 10 laudas, mas ela vai seguir esse formato. O texto curto que seria esse ensaio crítico e de curta duração, quase que uma análise mais breve sobre um determinado aspecto e esse caráter ensaístico. A ideia desse texto-obra que vai ter esse formato mais experimental, mais ligado ao próprio trabalho daquele artista senão o trabalho em si mesmo. E as resenhas críticas que analisam uma publicação, uma exposição, um evento. Então, nesse sentido, o texto está sempre acompanhado de imagens. Esses formatos visuais eles vão ser recebidos em formato JPEG, para funcionar no digital. Temos também entrevistas publicadas, apesar de não ser uma coluna fixa, de sempre ter um diálogo colocado, mas muitas vezes dependendo do debate que a edição está se propondo, as entrevistas vêm somando também com o conteúdo. A galeria e também o texto de Aposta. Então vamos lá: tem também esse formato visual, que seria essa ideia de galeria, que então é o conteúdo pensado visualmente por algum tipo de produção, de trabalho, de projeto, que está em consonância com esse debate e a gente também está sempre lançando um texto pra pensar um artista em destaque. Eu acho que uma parte interessante também é o quanto que a gente está sempre apontando para uma produção que já pode estar mais visível por aí, muitas vezes, não está muito visível ainda, mas que está pensando de modo interessante aquelas reflexões que o número está se propondo. E esse acaba sendo também o momento de reconhecer algum artista, desse artista ganhar alguma visibilidade.

Talitha Motter Eu queria ver contigo um pouco como é que tu vê o processo de seleção dos textos, quais seriam nossos critérios que poderiam indicar chaves para essa seleção. E também como é que tu vê a seleção dos temas de cada edição, porque cada edição tem um tema normalmente. 

Paola Fabres Vou começar pela edição dos temas. Isso é pensado pela nossa equipe de edição, por nós duas em especial, a gente está sempre aberta a receber considerações. Muitas vezes, a gente pede opiniões para os próprios colaboradores das equipes, para eles votarem em algum tema que pareça interessante. Outros momentos é nós duas que fazemos um pouco desse trabalho de termômetro, de qual que é o debate que está muito em voga, que ainda tem coisa a ser pensada, ou, pelo contrário, conteúdos que nos pareçam que não estão tão em voga e que estão avisando uma certa demanda.

Então a gente está sempre ligada um pouco com uma pauta urgente. Eu acho que é um pouco esse exercício de fazer essa análise do que está sendo demandado pelo nosso contexto, pelos nossos dias atuais, pelo nosso circuito.

Então eu diria que é um pouco esse termômetro, ou temas que estão sendo muito debatidos, mas que nos interessa olhar para uma outra perspectiva que talvez eles não tenham sido abordados assim na totalidade mais complexa. Então a gente está sempre um pouco avaliando aí essas brechas, esses pontos chaves que nos parecem interessantes para o próprio campo da arte. A questão da seleção dos textos, a gente tem esse formulário. Digamos, esse manual que nos ajuda a observar o que que nos interessa e o que não. Mas essas noções de uma relevância daquele debate, o quanto que aquele debate estruturalmente está sendo bem apresentado, bem justificado. Caracteres de formatação que nos interessam que sejam respeitados. Nesse sentido de fazer aquele resumo sendo bem consistente, apresentando sua questão para determinados tipos de matéria apresentar aquele raciocínio que, muitas vezes, tenha o ponto de vista desse autor. Essa visão da sua própria perspectiva para que não seja textos meramente de colagens informativas. Então, um pouco dessa participação crítica mesmo, que é um pouco da proposta da revista. Bom, e é claro, nos interessa também que essas relações entre a teoria e a prática estejam consolidadas que isso não seja feito de modo tão arbitrário, ou tão desconectado. 

Formulário eletrônico de avaliação dos textos.

Talitha Motter Eu acho que é isso. Essa questão dos temas, sempre tem essa proposta meio urgente, tentando se conectar com questões atuais ou mesmo com uma outra perspectiva que nós queríamos dar, tu tem algum desses temas que tu podia levantar essa relação? Algum exemplo onde tu vê isso. 

Paola Fabres Claro, por exemplo, a atual revista que está para ser lançada e que nós estamos ainda em processo de análise dos conteúdos. A gente vai olhar um pouco para a importância de pensar esses pontos de contato entre o universo do campo da arte e esse universo da educação, da formação de conhecimento, da formação de pensamento, desse pensar junto com a arte. Porque está se tornando importante, e que talvez sempre tenha sido, repensar esses aspectos. Mas hoje em termos conjunturais a gente está vivendo um momento de muito desdém para esses apoios não só para as artes visuais, mas da cultura geral em termos das nossas políticas públicas e da nossa governança no Brasil nos dias de hoje.

Então, mais do que nunca, está sendo importante comentar e quase que defender esse campo de atuação, enquanto um campo de relevância para a formação do sujeito, porque isso não está sendo percebido dessa forma.

Em relação a esse fazer da cultura, esse Estado está se tornando alguém de costas para a toda essa produção. Então, o quanto essa arte pode ajudar no universo dos campos didáticos, pedagógicos, dos campos analíticos, filosóficos, reflexivos. Porque esse lugar da formação de pensamento, ele pode ser desde o jardim de infância até um campo acadêmico muito específico e especializado, são lugares de formações de vários sentidos ou de um público visitante de uma instituição. Então como é que a arte pode se relacionar com esse aspecto. Esse é um exemplo. Por exemplo, quando a revista nasceu, fazendo um arco entre a última e a primeira edição, quando a revista nasceu, que ela ainda estava tentando se compreender enquanto uma publicação continua.

A gente estava vivendo um período de muita efervescência no cenário de Porto Alegre especificamente com o surgimento de novos espaços, novos projetos independentes. Então a gente quis olhar para isso. Afinal de contas, a revista também era um projeto nascendo, em ebulição.

A gente quis não só olhar para essa nossa iniciativa, mas para todas as outras que estavam ali ao redor. Assim talvez tenha sido uma pauta muito mais no seu universo micro. Não que isso seja uma necessidade pontual ou mais abrangente. Mas, nesse sentido, temos aí dois exemplos. 

Detalhe da página de capa da Arte ConTexto n.1 de julho de 2013.

Talitha Motter Tu chegou a comentar de alguns autores que publicaram de novo na revista. Mas tu vê alguns temas propostos por colaboradores ou artistas que foram tratados mais de uma vez? Tu vê alguns assuntos que se repetem ou que te marcaram?

Paola Fabres Isso é muito interessante de perceber, porque a gente começa a ver nomes que vão surgindo como proponentes de conteúdo e que são nomes reincidentes a cada edição. É claro que a gente gosta muito de perceber isso porque a gente vê o quanto que esse pessoal está contente em participar desses processos de pensamento coletivo. Acho que um dos casos, o primeiro que me vem em mente, eu lembro que foi um autor que na primeira vez que tentou colaborar, eu lembro que o texto dele nem tinha sido selecionado e logo depois em uma próxima edição ele mandou de novo material e, em seguida, já entrou na revista. E era uma figura de um artista que fazia parceria com uma outra artista do Rio Grande do Sul e que estava propondo cartas a artistas, a outros artistas, mas era interessante que essa carta entrava no lugar afetivo, ficcional. Essas cartas eram escritas para artistas de um maior reconhecimento que nem sabiam, provavelmente nem sabiam, da existência desses escritores. E essas cartas eram destinadas para esses artistas como se fosse uma comunicação muito íntima, muito próxima, muito de um amigo carinhoso que está ali ou está morrendo de saudade. E que ele está produzindo seus trabalhos para mim ou para seus próximos eu estou comentando com ele a minha impressão sobre esses trabalhos. Essas cartas são um conteúdo muito interessante da revista. Até me ajuda a pensar, mas eu acho que a gente já deve ter publicado mais de 5, 6 dessas cartas. Então elas quase que se tornaram um conteúdo fixo dessa publicação. É claro que isso também é um exercício poético dessa dupla. Isso também faz parte do trabalho deles, pensar esse texto, pensar essa ficcionalidade, pensar o quanto que eles estão, mas eles não estão ali presentes, porque eles vão ter esse heterônimo aí para assinar.

Então, tudo isso eu acho que é exemplo de colaboradores externos que vão propondo conteúdos e quando vê aquele conteúdo se torna uma práxis, um modus operandi, apesar de isso não ter sido concebida a priori. 

Talitha Motter Sim, é bem interessante a abertura da revista para sugestões. Acho que a gente conseguiu criar um diálogo com os nossos colaboradores. Eu não saberia a resposta, mas vou te perguntar, tu acha que teve algum texto que a gente publicou que teve algum impacto de discussão.

Paola Fabres Não me veio nenhum em mente, mas o que mais me vem em mente é o impacto dos textos de aposta serem um lugar de: “Ah, que legal, você virou aposta. Nossa que massa.” Quase que se esse lugar já ter alcançado um reconhecimento. Ele virou um pouco um status já colocado nesse circuito de quem é leitor da Arte ConTexto. Isso foi uma das primeiras questões que eu pensei, mas se eu pensar em algum outro texto de destaque ou de polêmica, eu já vou trazer. 

Talitha Motter Como é que tu enxerga os estilos desses textos, se eles são mais acadêmicos, mais didáticos. Como é que tudo vê a leitura do texto na revista Arte ConTexto?

Paola Fabres Eu acho que eu caracterizaria esses conteúdos como dois elementos correlatos. Eu não acho que a participação com esse olhar, com essa perspectiva acadêmica, está de fora. Ela está presente principalmente por conta desses alunos que estão na transição entre a saída do lugar do estudante ainda jovem e a entrada no campo especializado. Nesse arco de quando começou a se profissionalizar enquanto pesquisa, a gente está servindo muito de canal para essas pesquisas. Eu vejo muitos colegas, ou alunos, ou pessoas que eu conheci e que estão aí no circuito que os primeiros momentos que eles estão mostrando a pesquisa deles, o início daquela pesquisa está sendo na Arte ConTexto.

Eu acho que ela serve um pouco como esse receptáculo de novas ideias, de novas hipóteses que ainda não estão na sua elaboração máxima, mas que estão sustentando esse aluno, ou esse estudante, esse início de pesquisador a testar de modo responsável, comprometido essas ideias.

Esse seria um universo mais acadêmico acho que tem um pouco essa característica, sabendo que tem o cara do pós-doc, com uma pesquisa já super avançada. A gente chegou a publicar um texto de alunos do colégio que fizeram o projeto de extensão, e cujos raciocínios vieram para a revista. Então tem esses extremos que eu acho uma coisa muito bacana, mas eu centralizaria um pouco esse trânsito de passagem para o universo especializado. Enfim, mais profissionalizado. E um outro elemento eu acho que é esse ensaio livre crítico com a experimentação do texto-obra. Esse momento que é quase de um fluxo de raciocínios que muitas vezes são tiros mais breves mas que estão ali apontando questões que são importantes. Isso é uma coisa que eu gostaria de destacar que eu também acho que nós nunca falamos a respeito. Eu acho que a gente está começando a assumir um lugar de bastante rigor com a aceitação desses textos, um lugar importante. Eu vejo muitas revistas que são acadêmicas, especializadas, que estão trazendo análises que ainda faltam algum tipo de esclarecimento do porque que aquilo está sendo colocado, ou que ideia que está ali, ou será que essa ideia não é só… enfim coisas que a gente já tá escutando, o que que tem ali de novo? Eu acho que a gente está começando a ter um pouco desse rigor preciso que é necessário para o campo da crítica de arte. Mas tem esse lugar que são essas elucubrações mais breves e críticas e também mais experimentais que poucas revistas têm esse formato. A gente vê por exemplo outras revistas digitais com um perfil mais comercial como uma DASartes, como uma ARTE!Brasileiros, uma seLecT, que todos os textos mais breves vão ter esse caráter de resenha crítica. E é mais difícil de tu ter esse ensaio um pouco mais livre sem deixar a reflexão crítica de lado. 

Talitha Motter E referente ao perfil desses autores, a gente falou muito dessa coisa do jovem pesquisador. Tu identifica outros perfis? Quem é que publica na revista? E se tu identifica também regiões do país que são mais visadas, que tem mais colaboradores, menos colaboradores.

Paola Fabres Então em relação ao perfil desses autores continuo frisando esse estudante indo para essa carreira de pesquisa, que eu acho que seria talvez esse ponto central, mas um aumento considerável de professores, doutores e pós-doutores na participação desses textos. Eu acho que, na medida que a revista começou a crescer, ela trouxe junto dela esses colaboradores já atuantes no meio acadêmico, que já estão participando de outros canais de publicação, que não é o público que precisava desse espaço, mas que já está fazendo uso desse espaço porque esse dispositivo, mais ou menos, se instalou nesse trânsito de publicações. Então, esse perfil se soma, esse perfil especializado e… e artistas porque isso é muito interessante. Os artistas que estão mais ligados ao universo das poéticas sem tanto estar direcionados ao lugar da pesquisa, da investigação da escrita. Esses caras normalmente não estão acompanhando as publicações ou propondo, porque eles não têm aquele lugar, eles não estão exercendo esses textos de formato tradicional, mas eles estão exercendo esses textos mais livres e colocando seus trabalhos.

Eu acho que talvez seja uma revista que está se aproximando muito do artista, do cara que está produzindo mais distante do texto e começa a pensar ou via imagem ou via texto o seu próprio trabalho.

E aí tu perguntou das regiões. Claro a gente sempre teve uma maior atuação no Sul, no Rio Grande do Sul, que foi onde a coisa se instaurou. É interessante pensar que a revista começou na capital e hoje o nosso público do interior é quase tão grande quanto, ou maior, mas tem muita gente do interior desse Rio Grande do Sul. Aquela parte da Argentina começou volta e meia se tornar mais participativa apesar de ainda não ser o que mais se destaca. Então esse Rio Grande do Sul sempre muito ativo, eixos do Rio de Janeiro e também de São Paulo sempre presentes. E aí é claro essas capitais que vão começar a surgir como colaboradoras quase que fixas. A gente tem muita gente de Juiz de Fora publicando com a gente. Vamos pensar nas universidades, a Unb já veio publicar com a gente. O pessoal de Santa Catarina, Nordeste, teve BH. Essas capitais tão bem variadas, a cada revista vai ter um núcleo mais forte, mas eu acho que talvez o Norte do Brasil é onde a gente menos tenha chegado também muito pela questão da distância e da própria distância dos circuitos. Mas a gente já teve gente do Belém do Pará publicando na revista. Então acho que um pouco por aí. E agora claro esse trânsito internacional também chegando. A partir do momento que a revista se torna bilíngue, trilíngue e aí começou a ter essas entradas. 

São Paulo — Montréal, 10 sept. 2019.


Um comentário em “Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.