Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres

Imagem de capa: Paola Fabres.

Ideias de Revista

Talitha Motter Bom agora uma parte um pouco mais exploratória, que é mais sobre a ideia de revista. A gente falou um pouco disso, mas tu podia complementar. Quais seriam os objetivos, a linha editorial da Arte ConTexto? 

Paola Fabres A crítica de arte é um pouco preponderante desse mote inicial. Essa revista surge com a vontade de ter um canal de pensamento de reflexão de arte contemporânea, muito brasileira, mas não apenas. E ao mesmo tempo essa crítica atual ela tá tangenciando, ela está se avizinhando às produções dos artistas. Então existe também esse foco de pincelar conteúdos relevantes e trazer para dentro desse espaço para que a crítica de arte esteja ocorrendo junto a essas produções que a gente está sinalizando em termos de tamanho artístico mesmo. E claro, como a gente já comentou, esse lugar de experimentação ele vai surgindo ao longo da vida dela.

Eu acho que ela não surge como uma revista para experimentação artística junto com o texto, mas isso se dá e a gente abraça e nos interessa.

Então isso está coexistindo no mesmo ambiente. Nós estamos afastados daquele lugar de agenda cultural de programação. Então eu acho que muitas das revistas digitais aqui no Brasil, estão pensando justamente os projetos, as exposições, os programas, programações que estão surgindo ali naquele dado momento. O nosso trabalho eu acho que ele está acompanhando esse circuito, sem dúvida, mas ele está fazendo um pouco menos de uma agenda e um pouco mais de um breve mergulho sobre pesquisa, sobre análises, sobre processamentos, muitas vezes negados aos produtores de arte no Brasil dessas outras regiões. 

Talitha Motter Isso também é um diferencial da revista não se conectar com o perfil agenda. 

Paola Fabres E talvez até vale a pena comentar que nas primeiras edições a gente se esforçava para fazer não necessariamente uma agenda de acompanhamento do circuito, mas um momento de destaques da agenda. Isso começou a se tornar uma tarefa quase que… um pouco complicada no sentido da gente ter que está acompanhando, mas como essa revista já nasce como digital e sem querer se focar no circuito do Sul, mas também olhar para outras regiões, como é que a gente ia estar acompanhando tantas programações a ponto de fazer uma seleção de destaques. A gente viu que isso era artificial, no momento em que se está se querendo copiar e colar o que está acontecendo. Então, nos interessou se distanciar mais dessa agenda e focar nesses debates que a gente está propondo como mote principal. 

Talitha Motter Se a gente pensar a revista como uma espécie de território, de lugar, até onde tu acha que vai a Arte ConTexto? A Arte ConTexto seria o site? Qual é o espaço da Arte ConTexto? Tu acha que as redes sociais fazem parte dela, os colaboradores fazem parte dela, os eventos? Até onde vai a revista? 

Paola Fabres A gente chama muito de plataforma por esse aspecto. A gente sabe que a revista é essa publicação que vai surgindo no ambiente digital, mas ela tem esses braços, essas atuações que nos interessam em absoluto que estejam relacionadas a essa plataforma da Arte ConTexto.

Então, para além da publicação, existe empreendimentos nossos de exposições que estiveram muito colados com os textos das primeiras edições, porque nós estávamos juntas na mesma cidade.

A gente conseguia pensar projetos para espacializar, projetos para colocar trabalhos na cidade, trazer isso para o texto. Esses intercâmbios nos interessam muito, assim como cursos que a gente foi também oferecendo e também sempre associando à própria Arte ConTexto, que estimula esse pensamento crítico. As nossas redes sociais são muito importantes para a revista acontecer. Agora talvez eu vá sair da tua pergunta e pensar esse território da revista de uma forma mais ampla e pensar onde é que não chega. Então eu acho que isso não é uma resposta da Arte ConTexto, mas é as revistas de arte, a crítica de arte. Onde é que não chega, porque não chega a muita gente, mas mais do que nós já sabemos os que estão fora do campo. Mas eu acho que essas revistas, esses espaços eles ainda estão se dando para quem participa dela, para quem lê ela e para quem vai usar ela para suas aulas. E esse público ele é restrito. Esse lugar da crítica de quem é que bebe desses textos que estão nos circulando, que estão nos catálogos, que estão nesse universo, ele ainda tem esse lugar restrito. Enfim, mas eu acho que o aspecto que se destaca um pouco nessa questão é o fato de que a Arte ConTexto ela não está ligada à academia, nem a uma equipe contratada de uma revista que produza esses materiais, é propor, ou quase que, oferecer a possibilidade a quem quer testar análise e pesquisa como autoria, de ter essa disponibilidade ali. Eu acho que esse território de formação de quem participa, ele é mais presente na Arte ConTexto do que em outras revistas, porque nas científicas eles já estão formados muitas vezes, quando já estão lá dentro do seu pós-graduação, do seu universo de pesquisa. E no caso dessas comerciais e profissionais são equipes contratadas, então ninguém está ali para testar.

Eu acho que nesse sentido talvez o território de alcance da Arte ConTexto seja muito significativo para quem está colaborando com ela.

E também importante para quem está lendo, para quem estão vendo. Mas eu acho que esse papel de estímulo da escrita, o fato de ela ser mais aberta e desformatada do que é científico e não exigir que tu tenha publicado em x, y e z para estar aqui dentro. Enfim, isso faz com que ela se torne mais essa prática de formação. 

Talitha Motter É interessante isso porque parece que o nosso perfil de público é o próprio colaborador da revista. 

Paola Fabres É isso que eu quis dizer, que não só apenas, mas isso é muito interessante de pensar, o quanto que ele está sendo afetado por esse formato. 

Talitha Motter E agora como uma ideia bem ampla. Tu tem bastante experiência com isso também, tu estudou publicações de artistas, publicações em geral, o que significa para ti ser uma revista de arte?

Paola Fabres Eu acho difícil pensar a ideia de revista como uma coisa só. É claro que aí a gente pode então pensar: a gente tira para o lado o que é essa revista acadêmica, específica, científica, porque ela é uma coisa. Ela é a apresentação de pesquisas que estão consolidadas nesse campo universitário, que estão sendo estimuladas pelas redes de contatos de pesquisadores que aquele grupo tem. Ela é um lugar de centralização e de rebatimento de análises, que aqueles pesquisadores têm, mas que eles querem conversar em diálogo com outro pesquisador que está não sei aonde e que vai participar daqui porque foi convidado para que essas pesquisas se aproximem. Isso está restrito a esse campo acadêmico. Ela tem o perfil muito específico. E as revistas que eu estou chamando de comerciais, mas eu digo essas que têm esse papel editorial mais tradicional de ter anúncio, de sair mensalmente ou semanalmente, a gente tem aí na seLecT como exemplo e algumas outras, elas têm um outro papel. Elas têm o papel que é da agenda, que é da divulgação, que é de tentar historicizar alguma coisa que está acontecendo por aí, mas de um modo muito superficial em geral que faz parte, porque é uma extensão de análise que também tem a respeito, que tem um papel dessas galerias que estão sendo colaboradoras, anunciar e publicizar exposições específicas que são parceiras. Existe um mercado aí, que a gente também tem que parar de vê-lo como tudo que é mercado é negativo. Existe um mercado que precisa também desses espaços e para ter o público específico que vai estar lendo isso. Porque ele precisa se divulgar num lugar em que eles cheguem no seu alcance de interessados que não vai mais ser a Zero Hora, que não vai mais ser a Folha de São Paulo, que não vai mais ser a Ilustríssima. A especialização do campo é essa, a profissionalização está pedindo dessas revistas um papel também. E claro que algumas vão permitir que a crítica de arte entra aí junto. Outras menos, vai depender muito dessa linha editorial, de quem é que vai estar encabeçando isso. A parceria institucional com os nossos museus e com nossos centros culturais, ela também é muito presente nessas nossas revistas, que é muito diferente do que a própria Arte ConTexto, ou do que uma Hipocampo ou do que uma Forum Permanente. Elas estão tão distante dessas parcerias institucionais, a gente não tem nenhum compromisso em olhar para uma exposição específica, para uma galeria específica.

A gente tem uma liberdade muito maior, ao mesmo tempo, a gente tem restrições, alcances muitas vezes menores pelo fato de a gente não estar trabalhando com verbas, impulsionamentos, com circulação, com banca, com isso, com aquilo. Então, qual que é o preço dessa liberdade, que tem características muito distintas.

Eu ia comentar dos catálogos de arte, que não é da tua pergunta. Esse é outro universo editorial, que eu acho que faz parte junto desse campo de publicações, que tem um outro perfil que não é o perfil dessa continuidade, de permanência, periodicidade, mas que ele também vai estar olhando para a produção do campo e, em geral, salvo os catálogos que estão sendo aí publicados por editoras independentes, que os próprios artistas estão fazendo, mas ele, em geral, sai de dentro das instituições. Então o compromisso da crítica também fica muito limitado no momento em que tu não pode sair malhando. Não é questão de malhar, mas de precisar incoerências, apontar as potências, pensar porque que um, porque que outro. Esse caráter de ponderação da linguagem, da análise, ele muitas vezes vai se distanciar de espaços que isso deveria estar ocorrendo por conta dessas contratações, desse universo. A Isabelle, uma crítica jovem que pensa muito crítica de arte, Isabelle Graw o nome dela, ela tem um livrinho que acho ótimo, que ela fala sobre a noção de juízo, de quanto que todo mundo diz que a crítica não faz mais juízo, mas o quanto que ela acha que é um problema ter deixado de fazer. E ela fala que essa grande especialização, ela se afastou do nosso compromisso de pensar o campo na sua complexidade, nas ruas riquezas e nos seus empobrecimentos. Então, nesse sentido, essas nossas revistas independentes, elas ainda carregam esse peso de o que que eu consigo fazer aqui já que eu ainda tenho essa liberdade polida. Eu acho que o campo das revistas universitárias tem esse papel da crítica bastante forte, e isso é muito interessante, apesar de eles estarem se rebatendo entre si na maior parte dos casos. Isso pouco respinga na práxis do mercado, das coleções, do que está sendo comprado, do que que está sendo vendido. Num sentido imediato, porque sim rebate, mas nesse sentido mais imediato e também não sei se a gente não está também medindo essas… A gente não está conseguindo afetar e contaminar esses contextos de modo imediato. Mas eu acho que se a gente forma o raciocínio de um artista que está pensando a sua própria obra. De que maneira a sua obra está encaixotada num debate mais amplo. Quem são os pares que podem estar ali conversando com ele. Eu acho que isso é enriquecimento do campo com seus agentes, com certeza. Mas dei rodeios para pensar esse papel da revista. Eu acho que é difícil responder de uma única maneira porque elas vão ter esses perfis distintos assim. 

Talitha Motter E como é que tu vê o papel da revista de arte digital. Tu vê diferenças em relação à revista de arte impressa? Ou mesmo, como é que tu vê a revista de arte digital no contexto do Brasil, se tu tem algum pensamento em relação a isso. 

Paola Fabres Existe uma conjuntura dada de que o digital é inevitável e que hoje em dia a gente está lendo pra caramba no digital. Então quem é que está comprando uma ARTE!Brasileiros na banca? Quem é que está comprando? É muita pouca gente dentro do circuito já restrito do qual a gente está falando.

Então, é claro que mesmo essas que têm a sua edição impressa, porque ainda é importante ter esse material para ter essas distribuições, para isso estar visível nas instituições, nas livrarias, nos acervos, elas precisam estar no digital porque senão muita gente não vai estar lendo, não vai estar acompanhando.

Então a questão do acesso, da facilidade, ela é imprescindível. Agora, no nosso caso existe uma questão de nós só estamos dialogando com o Brasil inteiro, porque ela é digital e porque ela tem esse formato, porque se não seria muito difícil. A gente não ia estar conseguindo fazer o Rio Grande do Norte ler a Arte ConTexto se não fosse digital. Então não só esse acesso do costume ou desse comodismo de estar lendo na tela, de estar lendo no celular, de estar lendo no computador, mas também no fato de isso chegar em outras regiões eu acho que são dois tipos de acessos distintos que o digital está permitindo. 

Talitha Motter E tu vê uma especificidade dessa importância do digital no Brasil? 

Paola Fabres Olha, o Brasil é um país muito conectado, parece que ele está logo atrás da Índia, ele é um dos países mais conectados. Então eu acho que nesse sentido, é importante falar que esse circuito está bebendo muito disso. A gente sabe que isso é no mundo inteiro, mas os nossos debates eles estão muito no ambiente digital.

A gente só vê as pessoas realmente falando de exposição e falando com aquela espontaneidade pouco filtrada no ambiente digital, porque fora disso já não tem mais.

Talvez a gente ainda explore pouco a possibilidade desse digital estar casado com esse lugar do impulso frenético de pensamentos pouco ponderado e muitas vezes disparador de discussões necessárias. Se a gente vai pegar casos, também vou dar uma saída do tema, mas não muito… Se a gente pegar casos de debates polêmicos, como o fechamento da exposição do Queermuseu em Porto Alegre. Sim, temos textos publicados a respeito desse aspecto, mas sei lá seis, talvez oito, mas quanto debate a gente teve no ambiente no digital! Assim, é massas de parágrafos, de respostas e de comentários. Eu digo alguns textos no ambiente especializado da arte, porque o jornal foi também soltando muitas matérias. Mas assim o digital ele está ali borbulhando. Claro que as revistas e esses lugares das redes ainda não está necessariamente compactuando. Eu acho que isso assinala que esse digital não tem como desaparecer muito antes pelo contrário. Eu acho que ele vai engordar. 

Talitha Motter Eu acho que é bem isso. Pelo que eu tenho visto em comparação ao Québec, a gente, no Brasil, publica muito mais on-line sobre arte. Aqui me parece que o financiamento é bem mais dirigido para o impresso. Então realmente parece ter um caráter on-line no Brasil, não sei se é muito por causa dos investimentos ou da falta de investimentos, mas foi uma forma que a gente encontrou me parece para falar de arte. 

Paola Fabres Não, eu concordo em absoluto. Eu só vou fazer um acréscimo, porque essa falta de investimentos ela é mais geral do que específica se a gente vai pensar mundo. Eu não vou pensar mundo, mas se a gente for pensar América Latina. Agora o Brasil tá entrando nesse período de trevas, mas pensando nesse período de atuação de Arte ConTexto que de certa maneira a gente rebate aí esses anos para trás. O Brasil estava na cota do maior financiamento de verbas para projetos artísticos em relação à América Latina. A gente podia pegar México, Brasil e Colômbia como esses grandes países que tinham mais um destino de verba, com os editais, com a verba destinada pelas políticas públicas, do que qualquer outro, argentinos às vezes também, mas logo já não. Então, a gente claro percebe uma vulnerabilidade explícita porque ela é muito característica do universo. Mas eu não acho que o Brasil sempre foi empobrecido em relação aos seus vizinhos nesses investimentos em relação a projeto de arte. Agora vai ser, a gente está perdendo quase todos nossos editais, todas as nossas convocatórias. Agora vai ter que se repensar um pouco a coisa. Mas São Paulo é uma cidade que está abrindo instituição cultural pra mais de metro porque tem verba de mercado. Então sim a gente tem pouca verba em termos de cultura, mas mais ou menos nesse sentido.Então eu sempre acho importante a gente pensar porque se tu vai falar com o pessoal da Venezuela, tu vai falar do pessoal do Paraguai, do Peru eles estão também lidando. Eu não sei como é esse universo digital. O nosso “milagre econômico”, ele tentava se organizar de uma maneira muito estranha, que tem várias questões em relação a como é que essa verba está sendo destinada. Isso é um outro assunto longo. Mas nisso a gente pode repensar tem pouca verba tem, mas também tem. Então, onde é que está indo? Por exemplo, se paga bem pro pessoal escrever para essas revistas, quer dizer não é que se paga bem, mas tem um Sesc que às vezes paga R$ 1500 para mandar um texto para uma revista do Sesc. Isso é uma coisa muito bem paga, que isso a gente pouco encontra em outros lugares. Mas claro que é São Paulo, mas para lembrar que tem Brasis e Brasis nesse contexto.

Deixa eu fazer um apêndice, eu também estou trabalhando para a e-flux via Sesc. Talvez seja um caso diferente porque ela é um canal internacional, mas que tem, nas sessões, instituições do mundo inteiro então tu vai entrar numa instituição brasileira e tu vai cair num setor da e-flux que está sendo produzido no Brasil em termos de conteúdo. É super porque, imagina, chega no mundo inteiro. A e-flux é super bom para pensar público específico, todo mundo leu, já leu ou lê, acompanha. E começou a ter essas especializações que: “Bom, hoje eu vou entrar na e-flux que está falando sobre a exposição do Cildo Meirelles aqui em São Paulo.” Então essa particularidade e que chega numa abrangência, acho que a e-flux é um caso digital que chega numa abrangência. Mas esse é um caso digamos de êxito que irradia do campo, claro que não para além desse campo. 

São Paulo — Montréal, 10 sept. 2019.


Um comentário em “Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.