Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres

Imagem de capa: Paola Fabres.

Divulgação & Site Web

Talitha Motter Agora a gente vai entrar nas últimas questões, que são bem as questões “bônus”. Tu podia contar um pouco de como é que a revista divulga seus conteúdos, quais são as suas estratégias. E como é que tu vê isso. 

Paola Fabres A gente usa o recurso das redes principalmente. A gente também usa os mailings como um canal de acesso para divulgar quando abre uma nova chamada para receber materiais, a gente vai encaminhar esses mailings para informar que a revista foi lançada. Para comentar que conteúdos são esses, é tudo feito na equipe por nós mesmos e também uma terceira participante que a gente não chegou a mencionar que é Sarah Motter, que também colabora com toda essa parte de divulgação, de comunicação e de geração de conteúdo. Mas eu acho que o Facebook ele tem uma função ainda preponderante. Claro que hoje o Facebook, ele está se recriando em vários aspectos. Mas quando começou a existir para valer, o Facebook foi “o canal”. A nossa página lá, ela está sempre com os leitores acompanhando. É por onde a maioria dos autores, é claro a gente vai informado eles a respeito de todos os aceites, mas eles percebem que a coisa foi lançada muitas vezes via o canal do Facebook. Isso é o principal canal de levar para a nossa página. A gente também usa muito do Instagram, mas eu acho que o Instagram agora que ele está começando a ser uma rede de apoio com mais força nossa. Enfim, o Facebook foi por mais tempo. As redes sociais é o principal canal, mas é claro que nós duas temos uma circulação que irradia também enquanto pessoa. O fato de a gente ter entrado na graduação, no mestrado, no doutorado. As turmas, nossos colegas, nossos parceiros saberem que a gente está organizando tudo isso. Eu canso de encontrar gente na rua: “Ah, tu é a Paola da Arte ConTexto”. É muito engraçado porque a gente não conhece os colaboradores, nossos autores de rosto. Então, o quanto que a gente vai conhecendo amigos aí Brasil afora, sem querer querendo, porque descobrem pelo amigo do amigo do amigo meu. Então, redes sociais e contatos. 

Fanpage da Arte ConTexto.
Instagram da Arte ConTexto.

Talitha Motter E também a ajuda que temos. Agora acho que faz dois anos, que a Laura Klein nos ajuda com os posts do Facebook. 

Paola Fabres Exato, importante destacar.

Talitha Motter Sobre o site da revista, a gente teve duas versões: a inicial e a segunda. Tu percebe diferenças, ganhos? Como é que tu percebe essas duas versões como designer. 

Paola Fabres Modéstia à parte, eu acho que esteticamente a nossa revista é sempre maravilhosa. Acho que ela se apresenta visualmente para além do seu conteúdo. Estamos todos muitos satisfeitos com ela. Sobre câmbio de um formato para outro, é importante destacar que ele é um câmbio muito em relação a uma demanda de processo de trabalho, então o quanto que alimentar esses dados se torna mais fácil a partir desse formato WordPress.

Então isso foi mais uma necessidade para otimização de tempo do que necessariamente uma vontade de alteração de diagramação ou de layout, mas isso acaba implicando também em alguns detalhes de layout.

Então, tenho certeza que essa mudança, ela afeta muito mais a ti e ao Marcius, no sentido de vocês encabeçarem esse trampo da programação, da revisão fina, de localizar e alterar tudo que é necessário em termos de revisão final de conteúdo. Mas a gente tem hoje uma facilidade de acesso às versões anteriores. Navegar ali dentro. E então eu acho que a gente também está pensando um pouco a revista como esse armazenamento de conteúdos. Tem muita revista que eu leio que tu chega muito fácil na última edição, mas aí tu quer encontrar a que estava lá atrás, a tal matéria. Então, às vezes, isso vai se perdendo dentro daquela nuvem de conteúdos. Claro, a gente ainda não chegou nesse ideal, nesse sistema de buscas por palavras-chaves, de indexação. Isso são desafios para daqui para a frente, mas a gente já tem esse grande conteúdo documentado, apresentado e disponível para todos os autores que participaram poderem acessar o seu conteúdo. Então, em relação a esse acesso a gente está bem contente. 

Detalhe da página de capa da Arte ConTexto n.15 de março de 2019.

Talitha Motter As primeiras edições que a gente fez, a gente tinha aquela plataforma cinza. Daí depois com um ano da revista foi quando nós fizemos o novo site. 

Paola Fabres Ah, sim, teve a primeira ainda. Como tudo, vai aprimorando. 

São Paulo — Montréal, 10 sept. 2019.


Um comentário em “Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.