Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres

Imagem de capa: Paola Fabres.

Outras Atividades

Talitha Motter Só pra finalizar, se tu gostaria de destacar alguns dos eventos que a gente organizou, comentar alguma relação com a revista, o impacto que isso teve. 

Paola Fabres Eu quero destacar dois eventos que eu acho que foram muito emblemáticos pra Arte ConTexto e também para nós duas. O primeiro deles eu acho que a gente pode considerar o primeiro evento expositivo ligado à Arte ConTexto, que foi o Reabito, que foi uma grande audácia. Eu me lembro de uma palestra que eu comentei sobre o Reabito e eu me dei conta que a gente foi tão enlouquecida, porque a gente inventou um projeto que não tinha verba, que não tinha cachê nem para as curadoras, nem para os artistas, nem para produção nem para nada. A gente inventa de trabalhar com dez artistas concebendo projetos do zero. Era uma coisa assim megalomaníaca e aí na palestra foi muito engraçado porque eu estava falando: “Gente, percebam só alguém de graduação faria isso”. A gente não tinha verba nenhuma, não tinha cachê nem para artista, nem para curador, mas a gente pagou uma assessoria de imprensa. Quem é que paga assessoria de imprensa sem pagar cachê para lugar nenhum. Mas não é que esse negócio funcionou muito bem porque a partir do momento que a gente pagou uma assessoria de imprensa e que nós estávamos gerando conteúdo…

Marcius de Andrade, Fuga, 2014, Projeto #Reabito.

Bom, o projeto era um projeto para trazer artistas que fossem conceber trabalhos com a relação com a cidade, com o ambiente urbano e isso ia se espacializar em termos de performances pela cidade, depois a gente traria tudo para uma exposição final. O fato da gente ter um mês de performances pela cidade de Porto Alegre e tudo isso virar uma exposição final, e a gente começou a conseguir na negociação e na lábia apoio de cerveja, apoio de cachaça, apoio de espelho, apoio de papel, tinha um mar de gente associada a gente que todo mundo estava achando que nós éramos o Prêmio Funarte, Fumproarte, Rumos, que recebeu em Porto Alegre. Então, o negócio criou uma dimensão que não fazia o menor sentido ninguém ter ganhado nada e a assessoria de imprensa de fato foi aquela a única verba que viabilizou de certa maneira uma ressonância. E Porto Alegre não estava muito acostumada a eventos desse porte, porque um mês de performances na cidade, exposição itinerante, dez artistas, vinculada à revista. Então, é muito engraçado porque além do fato desse projeto ter sido um lindo projeto com trabalhos que a gente se orgulha para caramba, com uma exposição que ficou super interessante. A gente conseguiu irradiar essa ação de tal forma que um trabalho foi premiado, lembro que a fotografia do Márcio foi premiada e entrou depois aí uma verba que sei lá que que ele fez com a verba, um pedaço foi para a Arte ConTexto, um pedaço ficou com o artista.

A gente ganhou também um super reconhecimento depois pra fazer a exposição do Livro Interferido, que é o segundo projeto que eu queria comentar. A gente sempre teve um pouco dessa vontade de experimentar também espacialmente também em termos curatoriais, porque era aquela mescla de sebo, vamos pensar o livro de artista, onde é que ele vai se inserir. Vamos trazer o livro de verdade, vamos pedir para os próprios artistas trabalharem com esses livros e faz parceria com uma universidade. Eu não sei dá onde a gente tira essas energias de trazer todo o depósito de um sebo para um lugar para uma noite. E tem DJ, e tem bate-papo e tem bar…. a gente bem louca. E a gente foi premiado por esse projeto, que foi um projeto tão bonito. Acho que o Reabito a gente chegou a ser indicado e depois com o Livro Interferido a gente foi premiado.

Então, ter a revista como esse espaço pra deixar esses registros em algum lugar. Porque claro que esses projetos independentes, eles não têm o seu acervo, o seu museu, a sua instituição, ou grana para pensar o seu catálogo. Esse espaço digital, ele possibilitou também esse registro, necessário, e esse espaço de pensar esses trabalhos.

Então, vou destacar esses dois aí, que foram os mais ensandecidos. Posso fazer um adendo? Então como nós duas somos pesquisadoras muito interessadas em pensar esse campo da crítica de arte e o que é que está acontecendo com ela hoje, que é esses grandes impasses: mas afinal onde é que está a crítica de arte, onde é que ela não está? Ela não está só nas revistas de arte com certeza, mas ela também está lá. Então eu acho que esse teu projeto é muito interessante para gente observar aonde que estão esses fluxos, esses incentivos de reflexão contínuos. Acho que é muito importante esse teu projeto nesse sentido, pensar como que esses incentivos podem continuar existindo, de que formato, de que modo. Eu acho que o lugar do independente ele também tem que ter que ter claro que essa independência ela é muito limitada. Eu acho que os espaços institucionais eles também precisam começar a comprar algumas brigas porque só esses corredores que têm essa autonomia editorial eles não vão dar conta de gerar debate e pensamento sobre todo esse circuito. Eu acho que esse canais, eles têm que começar a encarar juntos esses compromissos. Mas eu acho que estar falando sobre esse lugar do debate e da reflexão das revistas de arte no ambiente da academia, nesse ambiente universitário e acadêmico de pesquisa, vai ser importante também para a gente repensar os conteúdos e o quanto que esses formatos de pensamento são múltiplos e eles tem que seguir sendo incentivados.

São Paulo — Montréal, 10 sept. 2019.


Um comentário em “Entrevista com a coeditora da Arte ConTexto Paola Fabres”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.