Détour

Entrevista com os diretores da Revista Desvio Gabriela Lúcio de Sousa e João Paulo Ovidio

Imagem de capa: Condor.

Temas

***

Présentation en français

Para esta segunda publicação do blog de pesquisa Réseaux Sensibles, conversei com Gabriela Lúcio de Sousa e João Paulo Ovidio, diretores da Revista Desvio (revistadesvio.com, ISSN 2526-0405, novembro 2016, Rio de Janeiro/RJ). A Revista Desvio, nas suas escolhas editoriais, reafirma o papel dos atores da cultura de estar em um movimento de constante desvio, em uma postura revolucionária e de resistência. Esse posicionamento se apresenta, talvez de maneira mais proeminente, no caso de iniciativas independentes, visto que elas criam outras redes de circulação da arte, diferentes das habituais. Podemos notar esse exercício no processo de seleção de conteúdos para a Desvio e para os diversos eventos que ela realiza. Prioriza-se a diversidade de vozes e de histórias para a seleção de seus colaboradores/participantes. Jovens pesquisadores de diferentes regiões do país assim podem encontrar nessa revista um lugar para iniciar suas trajetórias profissionais. 

Na entrevista, falamos também sobre o caso dos periódicos universitários que têm atualmente a necessidade de serem publicados on-line para obterem uma melhor classificação no processo de avalição Qualis, realizado pela CAPES. Nesse contexto, as revistas independentes afirmam sua importância pela possibilidade de publicação de tipos de textos que são menos priorizados por periódicos vinculados a programas de pós-graduação. Além disso, discutimos a presença da crítica de arte no ambiente on-line, cada vez mais marcante.

A entrevista foi baseada nas respostas de um questionário que havia anteriormente sido preenchido pela entrevistada Gabriela Lúcio de Sousa. Assim, algumas das perguntas fazem referência a essa entrevista introdutória, que havia sido realizada no dia 27 de outubro de 2019.

***

Entrevue avec les directeurs de la Revista Desvio Gabriela Lúcio de Sousa et João Paulo Ovidio

Pour cette deuxième publication du carnet de recherche Réseaux Sensibles, j’ai interviewé Gabriela Lúcio de Sousa et João Paulo Ovidio, les directeurs de la Revista Desvio (revistadesvio.com, ISSN 2526-0405, depuis novembre 2016, Rio de Janeiro/RJ). L’approche éditoriale de la Revista Desvio réaffirme le rôle des acteurs de la culture de vouloir être constamment dans un mouvement de détour, qui porte une attitude révolutionnaire et de résistance. Ce positionnement se manifeste peut-être plus spécialement dans le cas des projets indépendants, car ils peuvent créer d’autres réseaux de circulation, différents de ceux que l’on retrouve habituellement. On pourrait remarquer cette activité dans le processus de sélection des contenus qui sont publiés par Desvio et qui font partie des événements que cette revue organise. La diversité des voix et des parcours de ses collaborateurs/participants est priorisée dans ses sélections. Ainsi, les jeunes chercheurs provenant de régions différentes du pays peuvent trouver un espace où débuter leur cheminement professionnel. 

Lors de l’entretien, nous avons aussi évoqué le cas des périodiques universitaires qui doivent actuellement être publiés en ligne afin d’obtenir une meilleure classification dans le processus d’évaluation Qualis, qui est effectué par la Coordenação de Aperfeiçoameçto de Pessoal de Nível Superior (Coordination de perfectionnement de personnel de niveau supérieur – CAPES). Dans ce contexte, les revues autonomes affirment leur importance quant à la possibilité de publier des genres textuels qui sont moins privilégiés par les périodiques liés aux programmes de cycles supérieurs. En outre, nous avons discuté de la place de la critique d’art dans l’environnement numérique de plus en plus prédominante.

L’entrevue s’est basée sur les réponses à un questionnaire précédemment rempli par l’interviewée Gabriela Lúcio de Sousa. Ainsi, certaines des questions ici présentes font référence à cet entretien préliminaire, tenu le 27 octobre 2019.

***

História & Organização

Talitha Motter Eu tinha falado antes com a Gabriela sobre como é que foi o nascimento da Revista Desvio, mas eu gostaria que vocês comentassem novamente um pouco como é que foi o contexto de criação da revista e quais foram os objetivos que vocês pensaram ao criar a revista. E também, como a Gabriela tinha comentado que a revista tinha sido idealizada um pouco antes do lançamento, como é que se deu esse processo entre a idealização e a criação da revista.

João Paulo Ovidio Se eu não me engano no final de 2014, meados de 2015, uma pessoa publicou no Facebook do curso de História da Arte o interesse em criar uma revista, um periódico para o curso. A partir de então, essa pessoa fez um grupo separado para que todos os interessados pudessem entrar e debater o formato, e tudo mais. Esse grupo teve uma longa duração e poucos encontros. Ele não gerou frutos. O grupo começou com muitas pessoas interessadas, quase cem, mas acabou ficando umas cinco ou seis pessoas. Eu fazia parte desse grupo pequeno, que tentou, debateu, dar o início à revista. Então, se teve muito tempo de interesse, mas até que isso se concretizasse foi bastante trabalhoso, digamos assim. A gente sempre ficava naquela incerteza: “Ah, será que já é a hora certa de começar? Será que a gente já tem tudo e tudo mais?” Até que em determinado momento resolvemos lançar uma chamada e ver no que ia dar. A primeira edição, ela também levou bastante tempo para ficar pronta. Eu acho que a Gabi lembra com mais exatidão.

Gabriela Lúcio de Sousa A primeira edição levou uns sete meses para ficar pronta. 

João Paulo Ovidio Foi bastante tempo. E, enfim, quando a gente foi criar a revista, a gente levou em consideração que antes já outros alunos tiveram uma iniciativa. Só que essa iniciativa foi em colaboração com os professores e essa revista chegou a ter duas edições. Só que essa revista estava bem distante da proposta que gostaríamos que fosse feita, porque parecia mais uma revista como se tem esses jornais de DCE e tudo mais, seguia mais para esse perfil. E a função dos alunos era uma espécie de gerenciar esse conteúdo que vinha dos docentes, dos professores. Então, era uma revista que eles participavam, mas eles não estavam tão à frente assim. Era como se fosse uma abertura para que os alunos de História da Arte pudessem ter um contato com essa questão de periódicos e tudo mais, sem ser com a Arte & Ensaios, que é a revista da Pós-Graduação. Então, tinha essa questão presente. 

Gabriela Lúcio de Sousa No meu caso, foi bem diferente, porque quando eu entrei na verdade foi no final de 2015, daí o que aconteceu: eu conversei com uma colega nossa que era a Cíntia, falei que eu queria muito viabilizar uma revista acadêmica que desse espaço para o graduando publicar. E ela falou: “Ah, mas tem uma pessoa que já tem uma ideia.” Na época, ela me falou que era uma pessoa só, que é a Dani, que era uma das diretoras gerais da revista. E ela apresentou a gente numa reunião no IFCS. E a gente começou a tocar para frente algumas coisas. Nesse processo, eu já conhecia o João, mas a gente se aproximou mais nesse processo. Aí, acabou que ficou (no final das contas, a Cíntia também não quis continuar) na primeira edição: eu, o João, a Priscila, o Thiago e a Dani. E saiu a primeira edição da revista. Eu acho que é interessante comentar que a primeira edição da revista… A gente sempre tem um texto editorial, e o nosso texto editorial foi da Rogéria de Ipanema, que é uma professora da EBA. Depois disso, a gente mesmo começou a fazer nosso próprio texto editorial, porque a gente achava importante que os alunos realmente fizessem sabe. A gente começou a focar um pouco mais nisso. 

Talitha Motter Vocês disseram que tiveram esse tempo de gestação da revista. Vocês consideram que esse tempo foi muito para tentar se apropriar dos processos de edição de uma revista ou foi mais por organização de equipe? 

João Paulo Ovidio Eu acho que no início a gente estava bem incerto sobre as seções e o que poderia ter na revista. Uma coisa que a gente debatia muito era sobre a agenda, sobre como essa agenda ia funcionar. E era um debate que a gente tem até hoje, de ter disponível no site um espaço que as pessoas possam consultar, que seja alimentado constantemente, que apresente essa programação de arte, música e teatro como um todo, né? Essa programação cultural, contemplando principalmente as ações que não são divulgadas. O interesse da agenda era bastante isso, de conseguir divulgar essa programação que não chegava até as pessoas. Então, a agenda foi também uma das questões que deu conta para o debate até mesmo porque… Ah se a gente vai lançar uma revista de seis em seis meses, vai ser semestral, qual é a função de uma agenda ali dentro se ela vai estar completamente datada. 

Conteúdos publicados na categoria Agenda – Rio de Janeiro (exposições) da Revista Desvio.

Gabriela Lúcio de Sousa Essa foi uma função bem complicada que a gente teve até porque hoje em dia a agenda no site ela funciona bem até. Tem gente que manda coisa para publicação. Artistas menores, empresas menores, enfim. Ela precisa ser um pouco melhor ainda, mas hoje em dia ela tem uma função bem interessante até. 

Talitha Motter Com a publicação no site, fica mais fácil essa questão de poder seguir os eventos mais rapidamente, se comparado com a publicação semestral. 

João Paulo Ovidio Sim, e foi algo que a gente discutiu principalmente depois da terceira edição da revista, que foi a edição especial do primeiro PEGA, que era relacionado à necessidade de ter publicações constantes. Então, tivemos a ideia de fazer a crítica de coluna semanal, o que permite ter essa publicação mais constante e tudo mais. E se a gente não consegue divulgar o que está acontecendo através da agenda essa coluna de crítica acaba cumprindo esse papel também, porque é alguém que viu uma exposição e que vai chamar a atenção para isso que está acontecendo. Então, ao mesmo tempo, que essa pessoa está produzindo, pensando sobre aquilo, ela está divulgando também. Isso é bem interessante. 

Talitha Motter Então, acho que cumpre muito bem esse papel. E essa possibilidade do on-line de publicar constantemente, acho que agrega. 

João Paulo Ovidio E relação à questão do on-line, eu trabalho na Arte & Ensaios, lá do PPGAV. E o que foi discutido lá é que a revista física não… não sei se não pontua mais, ou não tem mais força, alguma coisa assim. A revista para pontuar, a revista acadêmica para pontuar ela precisa ser on-line. Então, é um movimento dessas revistas que já estavam estabelecidas como física, que já possuíam um público fixo, direcionado, e tudo mais, de cada vez mais buscar esse espaço virtual para se reinventar e para atender essas demandas de pontuação. 

Talitha Motter E eu acho que, no caso das revistas vinculadas aos programas, isso está muito relacionado com a questão da indexação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Acho que a ciência da informação deu uma bobinada nesses setores e acaba que é uma prática hoje em dia fazer isso. Até para você consegue selecionar melhor os conteúdos. 

João Paulo Ovidio Eu também acredito que essas revistas on-line independentes serão importantes porque as revistas acadêmicas cada vez mais vão deixar de publicar entrevistas porque não pontua. Então, não gera interesse, e tradução também não pontua. Todas essas seções que não geram pontuação aos poucos serão excluídas dessas revistas e caberá às outras abraçar esse conteúdo que é tão importante para quem é de arte, das ciências humanas como um todo. Porque a entrevista te dá um acesso à fala de alguém, permite saber um pouco mais sobre aquilo, sobre aquele assunto, sobre aquele estudo e a tradução, porque… Enfim, nem sempre a gente consegue… 

Gabriela Lúcio de Sousa A tradução democratiza o processo. 

João Paulo Ovidio Seja por uma questão de você não conhecer aquele idioma, ou seja por uma questão de ser um texto de difícil acesso, sabe? Então, permite essa circulação que é muito importante. 

Talitha Motter E a gente fica dependendo dessa valorização pela pontuação para poder publicar ou não dentro desse gênero de revista. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que vale a pena ressaltar uma questão, a Desvio ela não consegue entrar em uma dessas classificações da CAPES, porque para ser da CAPES a gente tem que estar aí com as pós-graduações. O que vai contra justamente com o nosso objetivo, porque a intenção da Desvio é publicar graduando. A revista acadêmica da pós-graduação não pública graduando. A gente tentou várias vezes entrar na CAPES, buscar de alguma forma, conseguir ter acesso. Mas até agora nada. 

Talitha Motter É eu acho que não chega a abarcar as revistas independentes diretamente, e que isso talvez seja uma dificuldade do próprio sistema de entender o nosso campo, que é um campo diferente, o campo da cultura, das artes. E, voltando para a questão do início da revista, a gente comentou um pouco na entrevista escrita sobre o nome da Revista Desvio… E eu já tinha lido algumas coisas e eu achei bem interessante essa ideia de uma via de outra mão, que a Gabriela comentou, enquanto um Desvio mesmo para a esquerda, como visão política. E eu fiquei pensando como isso pode estar relacionado, essa via de outra mão, com a área de pesquisa em cultura. Vocês veem alguma associação entre essa ideia de desvio e cultura?

Gabriela Lúcio de Sousa Olha eu acho meio complicado isso, porque assim… O lance do Desvio à esquerda, quando eu entrei já tinha esse nome. Não foi uma criação da minha gestão, digamos assim. Tinha nome, tinha logo, tinha tudo. E, eu sempre achei interessante esta proposta: Desvio mais à esquerda. Eu acho que o campo da cultura, ele é um campo que é totalmente revolucionário. Ele está o tempo todo tentando lutar para se manter. Não sei como é no seu caso, mas aqui no Brasil pelo menos é assim. Acho que o campo da cultura é um constante desvio, é uma constante manobra do sistema que a gente vive. Pelo menos eu vejo assim trabalhando… Eu não trabalho no campo da cultura propriamente dito. Eu trabalho com cultura. Eu trabalho no órgão legislativo. Então, assim… essas vantagens e desvantagens. Enfim, eu vejo que para a gente se manter no órgão legislativo é muito difícil. Eu vejo que o campo da cultura como um todo passa por isso. Eu acho que nesse ponto a Desvio ela trabalha com a cultura e vive a cultura. 

João Paulo Ovidio Essa constante necessidade de ter, criar as coisas, porque elas não estão ali dadas. E, só para complementar, um dos projetos da Desvio no ano passado foi uma exposição que se chamou “Junho de 2013: 5 anos depois”. E, o fato, hã… digamos de receber uma atenção, um incentivo permitiu realizar essa exposição no Centro Municipal de Arte. Então, assim que a administração… dessa prefeitura do Crivella, que é cristão, conservador e tudo mais, e fazer uma exposição dentro de uma instituição pública, que é de responsabilidade dele, que vai contra tudo o que ele presa. 

Talitha Motter A exposição foi uma iniciativa da Desvio? 

Gabriela Lúcio de Sousa Foi uma iniciativa da Desvio. A nossa sorte também de conseguir realizar esse tipo de evento nesses órgãos, era porque na época a Daniele trabalhava no HO, que é esse centro municipal. Ela era curadora lá. A gente tinha esse acesso facilitado muito por isso. A gente sabe que é super difícil ter acesso, mesmo aos órgãos públicos como um todo de cultura é difícil ter acesso. E isso ajudava muito a gente. E o fato de o órgão ser um órgão quase esquecido para o grande gestor, pelo Crivella, ajudava também a fazer umas coisas bem diferenciadas, sabe? Porque não estava muito no foco dele. Então, a gente teve essas duas sortes. Mas, assim, a gente estreou a exposição com medo. Não sei se o João lembra, mas a gente estava com medo. Será que a gente está fazendo certo, sabe? Será que vai dar um problema, isso? A gente estava com medo, mas deu tudo certo no fim das contas. Não teve nenhum problema.

Talitha Motter Vocês chegaram a publicar várias textos sobre essa exposição na revista, na crítica semanal.

João Paulo Ovidio Sim. A Daniele, que fez a curadoria da exposição, chegou a publicar acho que três textos durante três semanas. A Camila Vieira também, que na época trabalhava lá no HO, chegou a fazer alguns textos sobre a exposição. Eu não lembro se outros fizeram o mesmo. Eu acho que… de domingo, que é a Carolina Lopes, acho que ela chegou a fazer um texto, ou foi um texto de outra exposição relacionando com essa. Mas teve bastante publicação.

Detalhe de um dos textos de Camila Vieira publicados sobre a exposição “Junho de 2013: 5 anos depois”.

Talitha Motter Voltando à questão da revista como estrutura, eu queria saber um pouco do interesse pessoal de vocês de participar de uma revista e de continuar participando até hoje. Porque a revista teve várias formações de equipe e vocês continuam lá. Como é que se deu isso?

João Paulo Ovidio No meu caso porque… Enfim, eu venho de uma iniciação científica que trabalhava muito com uma questão de periódicos de pesquisa e tudo mais. Eu tinha, eu tenho, um interesse na área acadêmica por essas partes que envolvem, em certa medida, a produção, seja a produção de livros, de uma publicação, como é o caso de uma revista, ou seja a produção de uma exposição, como aconteceu no ano passado, como é o próprio PEGA. Durante a graduação, quando… o trabalho dos meus colegas e tudo mais, eu percebia que existia uma demanda por um espaço, porque não se tinha garantia em outros lugares. Então, o meu interesse vem um pouco daí, de ter uma plataforma que recebesse essas pessoas que têm interesse, mas que não têm oportunidade. Eu acho que mais do que a revista, o que mais me motiva é o PEGA, esse encontro dos alunos das artes do Rio de Janeiro todo, alunos de arte que nunca tiveram a chance de expor seus trabalhos. É uma plataforma de incentivo, de divulgação importante. Então, o que que isso gradualmente tem mudado, né? Por exemplo, agora que eu estou no mestrado, quando tem eventos da própria pós, eu sou um desses que incentiva a abertura para que os alunos da graduação tenham uma participação mais ativa, não só como ouvinte, mas tem muito trabalho bom ali.

Gabriela Lúcio de Sousa No meu caso, eu entrei na revista, porque, como eu falei, eu tinha interesse em viabilizar espaço para graduandos publicarem. Assim como o João, eu sinto que falta esses espaços. E as revistas acadêmicas, até por uma questão de dinheiro enfim, não publicam graduando porque elas precisam desse investimento que a CAPES faz nelas. A gente entende, mas é absurdo. Então, eu tinha esse interesse de publicar graduandos. Eu gosto também, assim como o João, da área acadêmica. Eu pretendo dar aula, enfim. E iniciei minha jornada na Desvio por isso. Hoje em dia assim… Vale ressaltar que eu não moro mais no Rio de Janeiro. Eu moro em Brasília atualmente. Eu me mudei para cá no começo do ano e, é claro, assim a distância física pega muito, porque, a Desvio, ela está alocada no Rio, as atividades são no Rio. E constantemente eu me pergunto: “Putz, será que eu deveria continuar?” Só que minha mãe me ensinou que eu não posso largar as coisas no meio, sabe? Que é uma falta de respeito com os outros isso. E, além de acreditar muito no projeto, eu acho que é questão quase de honra. Ele foi construído com muito esforço, com muita dificuldade e de vontade, sabe? De vontade de pessoas que se uniram para construir esse projeto. Eu acho que é isso, que ele é muito potente para ser deixado, sabe? 

João Paulo Ovidio Eu já comentei com a Gabriela, em alguns momentos, que, se for o caso, seria de conhecer pessoas que estejam interessadas em dar continuidade, sabe? Bola para frente para que o projeto não acabe. Ah, porque por mais que daqui, não sei, tipo… ah, acabe hoje. Quem tem interesse de fazer uma revista, seria algo que ia começar do zero. Eu acredito na importância da continuidade de um trabalho, entende? Você faz uma ou duas edições, ok, e vai fazer mais, e aí quando outra pessoa que tenha interesse naquele assunto, até começar, até você conquistar um público, conquistar pessoas que comprem a sua ideia e tudo mais, leva um tempo. É um desgaste muito grande. Eu acredito que as pessoas, como um todo, que estão lá na universidade também tem interesse em trabalhar numa revista. Tanto é que nesse ano, esse ano completa dez anos de criação do curso de História da Arte, eles criaram um grupo de pesquisa e tudo mais. Realizaram um seminário agora, em outubro, há pouco tempo. Então, assim, essas pessoas que se articularam, eu vejo nelas também um interesse, talvez de ter um projeto como esse, de ter um projeto com uma revista. E não só de dentro da UFRJ, porque a revista desde sempre teve colaboradores de outras universidades. 

Gabriela Lúcio de Sousa E, assim, uma outra questão é que, além de eu estar em Brasília, eu trabalho na Câmera dos Deputados e trabalho 40 horas semanais. Então, assim, acaba que fica um pouco pesado para mim. E eu acabei fazendo um mestrado em Ciência da Informação aqui na UnB. A minha vida está criando alguns acúmulos que me fazem pensar o quanto eu vou ser útil nesse espaço da revista, mas como o João falou o trabalho tem que ser contínuo, ele tem que continuar. A gente está tentando viabilizar um pouco a entrada de pessoas para assumir esses papéis. Só que é muito trabalhoso. Às vezes, a pessoa entra, um pouco até na empolgação, e quando vê como é o processo… Porque, assim, basicamente com a revista a gente teve, nós pessoalmente, a gente teve coisas muito boas, só que a gente investiu nosso próprio dinheiro, nosso próprio tempo. Quantas vezes a gente já se reuniu, sei lá, fins de semana, férias, feriados, natal a gente fez uma reunião também. Então, a gente tem uma dedicação muito grande a esse projeto. E demanda isso mesmo, sabe? É difícil falar a pessoa assim: “Olha, você vai perder seu fim de semana. Você tem que fazer isso e fazer aquilo.” É complicado, eu entendo isso. 

Talitha Motter Mas eu acho interessante que você têm conseguido, pelo o que eu posso observar assim de fora, fazer essas chamadas e essas seleções para novas pessoas participarem. 

Chamada para novos críticos realizada entre junho e julho de 2019.

João Paulo Ovidio É e até mesmo na última vez que a gente vez seleção para críticos semanais teve um número expressivo de inscrições. O PEGA sempre tem um número muito bom. No ano passado, a gente teve, eu acho que cem, ou quase cem, noventa e oito inscritos. Neste ano, teve um pouco menos, teve sessenta e oito, por aí, sessenta e oito, setenta, mas também foi um tempo reduzido de divulgação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Foram duas semanas de inscrição. 

João Paulo Ovidio Duas semanas para inscrições. Teve sessenta e oito, número bom, número expressivo. Então, como estou nos dois lugares eu consigo também ter uma ideia do interesse, de pessoas que vão chegando e tudo mais, para fazer essas inscrições. Mas também a gente tem que levar em consideração que neste ano a gente não ofereceu nenhum tipo de suporte para os artistas. Quando eu digo suporte, é… TV, não temos totem, não temos nenhum tipo de equipamento. Eu acredito que foi um dos fatores que levaram a ter um número menor de inscrição em relação ao ano passado. Eu acho que se tivesse aberto para vídeo, para projeção, eu acho que teria um número até maior do que já teve, que já foi um número muito bem expressivo. E aí que acabou… que no início eu tinha conversado com a Gabriela, eu falei: “Ai, não, a gente está sem espaço. Eu consegui um lugar para fazer, mas é bem pequeno, bem distante e tudo mais. Vamos selecionar poucos artistas. Vamos selecionar, sei lá, doze artistas.” No final das contas, a gente tinha conversado de doze, no máximo dezesseis artistas, mas selecionamos trinta e oito de sessenta e oito.

Talitha Motter É um número bem expressivo para organizar tudo no espaço da exposição. Vocês que fazem a expografia? 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente faz tudo na verdade, expografia, curadoria, organização, levanta o espaço também, que agora a gente tem o Centro Cultural Phábrika na Pavuna. Mas, assim, é sempre a gente que faz todo esse processo. Posso comentar uma coisa que aconteceu durante isso que eu achei muito engraçada? A gente, normalmente, que que a gente faz: o espaço, escolhe as coisas, escolhe os artistas, enfim e tudo por conta própria. Como eu falei, a gente investe o nosso próprio dinheiro. E aí uma colega nossa indicou uma pessoa para ajudar na montagem. Aí, a pessoa, eh… Eu fui conversar com essa pessoa, e a pessoa falou para mim assim: “Ah, mas vocês dão transporte? Porque Pavuna é muito longe.” Aí, eu fiquei olhando assim, pensando, gente, a pessoa não tem dimensão que a gente é independente, que a gente não tem dinheiro. Então, é isso que eu faço, às vezes, as pessoas não entendem que assim, que é isso, que a revista ela é feita também por estudantes, ou ex-estudantes, gente que também não… que está aí na pista também. 

João Paulo Ovidio Desempregados a maioria. 

Talitha Motter A gente também, os projetos que a gente fazia em Porto Alegre era tudo tirado do nosso bolso. E a gente sempre tentando conseguir o mais voluntário possível, todo tempo. 

João Paulo Ovidio Sim, e as fotografias dos catálogos só foram possíveis por conta de uma colega minha. A gente não aguenta mais explorar o trabalho dela, mas ela é parceira. E, é isso, ou se não, na última edição do PEGA, uma das artistas que expôs também se comprometeu em fazer outras fotos para o catálogo. Então, vai sendo assim, né?

Talitha Motter Sim, cada um contribui com uma parte que sabe para no final acontecer o evento, acontecer a revista. E como é que vocês dividem as atividades no site, para a edição de cada revista? 

Gabriela Lúcio de Sousa Hoje em dia a gente está com um esquema novo com a saída da Dani. Porque a Dani fazia a direção geral, então o que que ela fazia, digamos assim que ela dava uma chefiada no processo todo, dava uma opinião mais geralzona. Ela fazia o texto editorial, todo esse processo mais da direção mesmo. Com a saída dela, eu e o João a gente assumiu um pouco esse cargo. Então, a gente faz a organização da revista. Tipo assim o conteúdo chega para revista, a gente organiza esse conteúdo, tabela o conteúdo, faz os pré-textuais, texto editorial, sumário, todas essas etapas, assim. Reúne o conteúdo e encaminha para a diretora de arte que é Ana Elisa. Ela manda para a equipe dela para fazer a diagramação. Aí, é por conta dela, essa parte ela coordena. Ela manda para gente uma semana antes de publicar. A gente vê se tem um coisa para corrigir, normalmente tem. A gente reenvia para ela, é natural né porque é muita coisa.

Página Quem somos da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio A gente tem que levar em consideração que o arquivo é enviado em A4, com uma formatação e tudo mais. Então, vai diagramar e ela passa isso para o programa, às vezes, a foto fica numa posição errada. A foto fica no topo da página o resto da página em branco e o texto começa só na outra. Fica esses desvios, esses buracos e tudo mais. Às vezes, até na hora de copiar alguma coisa e colar para outro lugar, o texto fica… junta uma palavra com a outra. E, às vezes, em termos mais assim que a gente não tem como controlar: o artista, o autor, e tudo mais mandou o arquivo com algum coisa, com o título errado. E a gente não tinha percebido pela revisão e a gente só vai perceber quando já está diagramado. Porque o que aconteceu muito na edição passada foi de no sumário estar o nome do autor com o título do trabalho do outro. 

Gabriela Lúcio de Sousa Na edição passada, foi bem esse período de transição de quando a Daniele saiu e a gente estava fazendo… Porque, assim, a gente publicou neste ano agora quatro edições já, que eram três edições especiais que estavam meio paradas, que a gente conseguiu soltar este ano. E a gente fez tudo isso ao mesmo tempo, tanto a sexta edição, quanto as edições especiais foi tudo junto. A gente acabou pegando algumas coisas no meio do caminho. Isso acontece porque estava só eu e o João fazendo praticamente tudo. E a Ana Elisa fazendo a parte de direção de arte, mas também é muita coisa. Então, aconteceu esses probleminhas, mas superáveis. Sabe, a edição está no ar, está bem feita. É isso que importa. A Ana também, enquanto direção de arte, ela faz a parte do site. Por exemplo, a parte do design do site é ela que ajusta, os posts da agenda é ela que coloca. Os posts da crítica é a Emanuelle, que é uma colaboradora voluntária. E a postagem de Desvio Indica, essas mais diferentes é a Clarisse. O restante da equipe é basicamente a equipe que ajuda a produzir o conteúdo. Por exemplo, a Marcela fala espanhol, faz tradução. O Vitor, ele faz revisão. A Luiza faz revisão. A galera fica mais por conta das atividades de produção da revista, no sentido de fazer revisão, avaliar conteúdo. Essas etapas, sabe? 

Edições da Revista Desvio na plataforma Issuu.

Talitha Motter Sim, depois tem toda a recepção de texto dos autores, resposta aos autores. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, isso é a gente que faz, eu e o João.

João Paulo Ovidio Sim, nós que administramos o e-mail. 

Gabriela Lúcio de Sousa E a gente controla as pessoas também. Uma das minhas funções prioritárias é controlar as pessoas, assim tipo falar: “Fulaninho, não esquece de fazer isso.” Eu sou a agenda um pouco da edição. “Fulaninho faz isso, fulaninho faz aquilo, fulaninho está perto do prazo, fulaninho não esquece do prazo tal.” Enfim, é isso. 

Talitha Motter Ainda mais que vocês têm uma equipe bem grande para fazer toda a gestão de prazos. E uma outra pergunta sobre a coluna que vocês têm para críticas semanais e as chamadas para novos críticos. Eu fiquei interessada em saber como vocês veem o papel desse novo crítico na Revista Desvio ou o papel dessa coluna na revista. 

João Paulo Ovidio A ideia inicial dessa coluna era por conta desse espaço que a gente ficava de quase seis meses sem lançar uma nova edição. Mas também era por conta que eu estudo arte na década de 50, 60 e a Daniele também tem um interesse por esse recorte, a Daniele que fazia parte da revista. Em um dado momento a gente conversou como a presença da crítica era forte, diária, constante nos jornais e como isso… Enfim, a gente… cada vez menos teremos jornais e tudo mais. Esse espaço vai se extinguindo, se antes tinha a possibilidade de crítica todos os dias, o jornal vai adotando um novo perfil, passa a ser uma vez na semana, aos poucos nenhum dia. Isso acaba passando para a área virtual da Internet. E como a Desvio tinha muito uma questão com os autores de publicação de artigo e com os artistas, a gente também pensou sobre essas pessoas que talvez não estejam interessadas em mandar um artigo sobre a sua pesquisa, mas tem muito o que falar e gostariam de ter um espaço. Porque de uns anos para cá, o Facebook permitiu isso. As pessoas visitam uma exposição ou assistem algum filme, algum show, ou até presenciam algum tipo de manifestação, manifestação de rua, que tem muita potência; e essas pessoas sentem muito interesse em verbalizar isso, em colocar isso para fora. Então, surgiu esse interesse de chamar essas pessoas que não são conhecidas pelo grande público, até mesmo para que elas pudessem ter essa abertura e aos poucos construindo um perfil, que pudessem gerar interesse aos leitores. Essa questão mesmo de formação, que é um dos propósitos da revista. A revista tem uma grande preocupação com formação seja contribuindo para autores que nunca publicaram antes; seja a formação do artista de não só expor o trabalho, mas ter um retorno; seja a formação dos críticos, de ter aquele espaço e poder ter um retorno bacana com alguém e conversar e tudo mais. A nossa preocupação também foi… Agora já falando um pouco sobre a seleção dos críticos, de ter uma diversidade, sabe? A gente tinha a Ludimilla, na quinta-feira, que com frequência publicava textos relacionadas à questão queer, LGBTQI+, às vezes alguma coisa relacionada a cinema. Noutro dia, tinha alguém que estava mais interessado em questões étnico-raciais. A gente se preocupava em ter essa diversidade de assuntos e que isso também fosse presente no perfil das pessoas. Então, tinha tanto pessoas que estavam na graduação de arte, uma pessoa que, não sei, está no mestrado, na área de direito, que não fosse também algo restrito. Assim, só quem faz arte pode escrever sobre arte, só quem tem determinada formação pode falar sobre isso. Então, sempre teve essa preocupação para ter essa abertura. 

Críticas semanais publicadas pela Revista Desvio.

Talitha Motter Acho bem interessante o que tu falou da questão da passagem da crítica do jornal para o on-line. Justamente, um dos principais interesses da minha pesquisa é ver como essa crítica on-line participa da construção de discursos sobre a arte atual. Então, eu acho que isso é verdadeiramente um indício para essa questão, de encontrar esses espaços dentro de publicações independentes on-line. 

João Paulo Ovidio Até um assunto que foi levantado durante esta semana, numa das disciplinas que eu faço, foi a questão que por mais que ainda exista uma ou outra coluna no jornal impresso, essa escrita vai estar muito restrita a uma pauta que vem desse jornal. Então, o jornal vai pegar essa pessoa que escreve e vai comentar assim: “Ah… vai ter abertura da ArtRio, você precisa escrever sobre isso e com essas limitações. Você não pode falar sobre tal coisa, você não pode falar sobre a outra e tudo mais.” Essa preocupação em manter uma imagem, que não era uma preocupação tão forte dos críticos da década de 50. Se não gostaram de uma exposição, se não gostaram de um trabalho, dava a cara a tapa. 

Talitha Motter Tinha uma liberdade maior. Só uma pergunta que eu fiquei curiosa, porque eu vi que vocês têm toda uma padronização, tanto de regulamentação da revista, de certos contratos com os participantes que fazem parte do corpo editorial. E eu fiquei me perguntando como é que começou tudo isso. Desde o início vocês se preocuparam em regulamentar, em deixar tudo bem claro, ou foi uma necessidade que foi surgindo com o tempo? 

Gabriela Lúcio de Sousa Olha, eu amo regras. Eu sou uma ultra burocrata. Sei que é um horror falar isso. As pessoas ficam chocadas, mas assim primeiro que eu sou formada em restauração, não sou formada em arte. Eu sou formada restauradora. Eu sou um burocrata, eu adoro regra, coisas organizadas, adoro contrato. 

Detalhe da primeira página do Regimento Interno da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio É algo que faz parte da sua formação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Faz parte da minha formação, a minha mãe também é uma ultra burocrata. 

João Paulo Ovidio E, eu digo, até mais da sua formação profissional, nos lugares por onde você passou, de arquivo, onde isso é muito presente. 

Gabriela Lúcio de Sousa Sim. Com o tempo, eu falava com a equipe que para mim era muito importante ter essas coisas. Então, para mim, era importante ter contrato, era importante ter esse nível de organização, ter papel para chamar as pessoas. Até porque, assim, eu acho que a revista ela lida com um espaço independente e um público muito complicado às vezes. A gente precisa ter os nossos cuidados para a manutenção da revista, questões éticas, questões legais. Então, isso foi sempre uma preocupação minha. Claro que, assim, o João ele dá risada, mas ele também é bem organizado. Não é um burocrata, mas ele é super organizado, encaminha bem as coisas. Mas eu acho que, sinceramente, essa questão dos contratos, essa questão de normas saiu um pouco do meu interesse mesmo pela burocracia. 

Site Web, Conteúdo & Autores

Talitha Motter Mas que funcionou e que faz com que as coisas funcionem. E uma outra pergunta, mais em relação ao site da revista. Vocês comentaram que a Ana Elisa é a diretora de arte. Foi ela que foi selecionada pela chamada de equipe de direção de arte? 

Gabriela Lúcio de Sousa Na verdade, assim, eu até expliquei no que eu te mandei lá, primeiro era o Thiago. Aí, o Thiago saiu, entrou a Carine. 

João Paulo Ovidio É o Thiago ficou até a terceira edição, que foi a edição do primeiro PEGA. Aí, o Thiago saiu. Atualmente, o Thiago tem o próprio blog dele de crítica de arte, Arte Nuvem, alguma coisa assim.

Gabriela Lúcio de Sousa Acabou que a Carine entrou depois. Essa nova remodelação do site foi muito da Carine, ela tem formação em escultura, só que ela gosta muito dessa parte de design, enfim. Ela está na graduação ainda. Então, ela tinha interesse bem forte nisso. 

Página inicial do site da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio O contato com a Carine se deu a partir da necessidade de fazer a cartilha do grupo de pesquisa “DE/SOBRE/FEITAS POR MULHERES”. Foi ela que fez a diagramação. Esse foi o primeiro contato da gente com ela. Depois que ela fez esse trabalho da cartilha, todo mundo gostou, resolvemos chamá-la para trabalhar com a gente para fazer a diagramação das edições. A Carine participou também do primeiro PEGA, acho que foi aí que a conhecemos. Depois alguém indicou ela para fazer a diagramação da cartilha. Aí, passamos a conhecer esse outro lado dela, pois conhecíamos o trabalho dela enquanto artista, artista visual. 

Talitha Motter E a Ana Elisa entrou quando? 

João Paulo Ovidio Na verdade, quando a Ana Elisa entrou, a Carine ainda estava. A Ana Elisa tinha uma outra função. A Ana Elisa entrou na metade do ano passado.

Gabriela Lúcio de Sousa Foi. Ela é uma pessoa que evoluiu bastante com a gente na revista. Ela conseguiu assumir bem essas funções. E a gente foi conversando com ela para ver se ela tinha interesse em ficar na direção. Ela se interessou e continuou. A parte de diagramação em si, ela entende pouco, mas ela faz a coordenação da diagramação, que é uma coisa que a gente precisa muito. 

Talitha Motter E uma outra pergunta, tu tinha comentado, Gabriela, sobre o projeto gráfico que tem esse aspecto mais urbano. Eu fiquei pensando um pouco também se vocês veem alguma relação entre essa proposta de urbano e a própria ideia da Revista Desvio como um desvio. Se essa foi a ideia quando se pensou o site. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, aquelas placas de desvio que ficam na rua foram uma grande inspiração para a gente. Grande parte do projeto também vem dessas noções urbanas, de observar a rua.

João Paulo Ovidio Foi isso mesmo. Quando se deu início a revista, isso ficou bem marcado. Assim, de pensar a própria diagramação, esses elementos visuais. Essas imagens que estão no sumário, que estão entre um texto e outro. 

Talitha Motter E depois se criou a necessidade de fazer a revista, além dos .PDFs e da plataforma Issuu, também com a possibilidade de publicar continuamente. De certo, teve alguma adaptação gráfica aí também. Agora, mais sobre a questão do conteúdo da revista. Eu sei que vocês têm dois formatos de conteúdo, que é o da própria edição e o das publicações que se dão dentro do site continuamente. E daí vocês têm várias seções como crítica semanal, a agenda. Dentro da revista, tem os artigos, os ensaios, as críticas… Vocês teriam como comentar um pouco como vocês veem a diferença entre cada tipo de conteúdo, ou algum exemplo que vocês acham importante destacar. 

João Paulo Ovidio Acho que a crítica semanal é algo que que a gente não consegue ter controle, porque a gente faz a seleção dos críticos a partir de um texto e depois disso ele tem esse acesso para publicar semanalmente um conteúdo e tudo mais. As edições semestrais a gente consegue ter esse controle, porque enfim nós lemos tudo que é enviado. Tem uma seleção, a gente pensando como isso vai ser organizado. Então, acho que a principal diferença é em relação a isso. Nós frisamos no contrato com os críticos semanais é que a gente repudia qualquer pensamento que seja lgbtfóbico, racista. Assim, se a pessoa enviar um texto que tenha esse conteúdo, é complicado. A pessoa será desligada da coluna. 

Talitha Motter Sim, de alguma maneira, ela ainda tem que estar ligada ao que a revista acredita. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente não faz seleção assim ah… se é de esquerda, se é de acordo com meu partido. Não necessariamente, a gente não faz isso. Para mim, isso também seria importante que acontecesse, eh… Eu acho até que seria interessante, porque a revista tem um ideal, tal, nesse mundo. Eu até acharia interessante, mas ao mesmo tempo eu entendo que, assim, aí é uma questão pessoal. A cultura, ela… Claro, ela é bem assim vanguardista, pioneira nos ideais… e, às vezes, liberais até. Então, eu não acho que tem como a gente exigir isso, porque às vezes parece que o pessoal não tem esse domínio político tão apurado. Agora é imprescindível ser uma pessoa ética respeitosa com as diferenças. Sei lá, não apoiar fascista por exemplo, umas coisas básicas. Eu realmente espero que uma pessoa da cultura não faça isso. Acho que é quase óbvio. Até porque assim nenhum fascista apoia a gente nunca. Então, não faz sentido para mim alguma pessoa apoiar isso. 

Talitha Motter E, João, tu estava falando um pouco da questão da seleção dos textos para as edições fechadas. Tu podia, ou tu e a Gabriela, comentar um pouco quais são os critérios para a análise dos textos?

João Paulo Ovidio A gente abre uma chamada para o caderno especial e uma chamada livre. A gente separa esse conteúdo em pastas e encaminhamos para pareceristas. Nas edições passadas, foram pessoas convidadas. Enfim, nossos conhecidos que também têm interesse por essa área acadêmica, mais que não são necessariamente dessa área, que são de outras instituições. Nessa edição específica, que vai sair agora em dezembro, que é a sétima edição, os pareceristas foram os próprios membros da revista por uma questão de tempo. Mas a seleção funciona a partir de uma ficha, que esse parecerista recebe, e ele preenche com os dados dizendo se esse conteúdo deve ser publicado, se esse conteúdo precisa de uma revisão, ou se esse conteúdo não deve ser publicado por uma questão de desencadeamento de ideias, ou por um outro motivo. Gabriela e eu analisamos essa ficha, esse parecer, porque a gente já leu também o texto. Então, a gente tem domínio desse parecer. Aí, a gente avalia se é realmente aquilo. A partir desse momento, a gente faz a separação dos que foram 100% aprovados e depois voltamos para olhar os aprovados com ressalva para formar esse conteúdo da edição. 

Chamada para a 7a edição da Revista Desvio.

Gabriela Lúcio de Sousa E um detalhe importante é que são duas chamadas por ano, como eu tinha colocado no arquivo e, normalmente, tem caderno especial. Não é sempre que tem, mas normalmente a gente faz um caderno especial. O caderno especial ele surge de maneiras muito aleatórias, às vezes, da gente conversando: “Ah, nossa, ia ser legal abordar a temática tal.” Então, da sétima agora, vai ser culturas populares, sociedades à margem. Isso surge muito dos nossos interesses, do que a gente está vivendo nesse momento também. 

João Paulo Ovidio Da segunda edição, foi sobre o incêndio da EBA. A gente teve edição sobre Arte-Educação, sobre o Queermuseu, Africanidades. 

Gabriela Lúcio de Sousa Maternidades. 

Talitha Motter A Gabriela tinha comentado que esse caderno especial do Queermuseu tinha dado bastante repercussão, de certa maneira, de visibilidade para a revista. Vocês chegaram a receber alguns comentários? Como é que foi isso? 

Gabriela Lúcio de Sousa É, grande parte da repercussão veio até porque o caderno foi feito por graduandos de uma disciplina de um professor. A gente conversou com um professor, que é o Cezar Bartholomeu, e ele falou que estava fazendo alguns artigos sobre o Queermuseu e que ele queria também publicar esses conteúdos. Então, foi muito interessante, porque foi uma união realmente de professor com o aluno. Porque assim não era uma coisa meio de submissão, sabe? A gente falava com ele, não de igual para igual, mas com interesses semelhantes. Isso foi muito interessante, os alunos gostaram bastante. O público gostou muito, divulgou para a família. A gente ia lançar até a edição impressa e a grande maioria de quem queria edição impressa, era quem fez o caderno do Queermuseu. Essa repercussão nos próprios graduandos foi muito bacana para gente. 

João Paulo Ovidio Muito bacana também, agora que Gabriela falou disso de apresentar o texto, porque nas primeiras edições, a gente fazia eventos de lançamento. Então, a gente convidava os autores para comentar um pouco sobre o que escreveu e tudo mais. Como tem muita gente da graduação no início, meados, metade da graduação, as pessoas vão apresentar o trabalho, levam os pais, levam os amigos. Isso é muito bacana, sabe? Isso acontece também no PEGA. Ah, é a primeira vez que fulano está expondo um trabalho. 

Talitha Motter E dessacraliza um pouco essa áurea de apresentação de trabalho, porque tem diversos públicos nesse momento, no lançamento da edição, no PEGA. E eu não sei se tu também tem um outro exemplo, João, a Gabriela tinha citado esse do caderno especial, mas tu lembra algum outro texto, que tu acha que marcou bastante a história da revista ou que teve algum impacto maior? 

João Paulo Ovidio Eu acho que talvez o caderno de… Acho que foi da quarta edição, o caderno de Africanidades, que saiu junto com o caderno de Arte-Educação, que eram duas grandes demandas. E foi um lançamento muito bonito, poder ver essas pessoas compartilhando, porque são temáticas, são questões que atravessam diretamente a vida dessas pessoas. Você falar de arte-educação por mais que você esteja trazendo ali alguns teóricos educadores para esse debate do seu texto, é algo que está muito relacionado com a sua vivência. E no caderno de africanidades também. Algo relacionado à sua religiosidade, à sua crença de um modo geral, à sua relação com o mundo. Eu tenho um carinho muito especial pela quarta edição.

Talitha Motter E na quarta edição ainda teve então esse lançamento em formato de evento. 

João Paulo Ovidio Eu não lembro se teve alguma edição que não teve lançamento. 

Gabriela Lúcio de Sousa As especiais não tiveram, João, porque já foram evento. 

João Paulo Ovidio As especiais são desdobramentos de evento. Então, tem edição especial do primeiro e do segundo PEGA, que é o encontro da graduação. Então, não tem um lançamento, porque já teve evento antes. Metodologias, a mesma coisa. E “Junho de 2013”. Porque aí é o oposto, é o desdobramento do evento. E, essa sexta edição, que foi a edição sobre Maternidades, teve uma exposição. Acho que seria interessante de ser comentado, que o formato de lançamento contemplou uma exposição feita com ilustrações de um coletivo de mães ilustradoras, mas também trabalhos de outras mulheres artistas. 

Gabriela Lúcio de Sousa Prioritariamente, as que estavam na edição também. 

João Paulo Ovidio A maior parte, mas teve outras que não estavam na edição, mas que foram convidadas também a fazer parte da exposição. 

Talitha Motter E uma pergunta, duas perguntas na verdade que são voltadas mais para a questão de quem publica na revista. Eu queria que vocês comentassem um pouco sobre qual é o perfil desse autores. A Gabriela tinha falado a questão do jovem pesquisador, que muitos são do Rio de Janeiro, por causa desse foco mesmo da Revista Desvio. Vocês enxergam que existe já uma presença na Revista Desvio em outros públicos, de outros autores, de interessados em publicar? E mesmo quais são essas áreas? Acho que não é só a área das artes, como é que funciona isso? 

João Paulo Ovidio O que eu percebi nas últimas edições, pensando talvez esse último ano, foi a presença de pessoas… enviando texto, pessoas que são da Bahia. Tivemos um número significativo de inscrições, de submissão de conteúdo. Do Ceará também, então pensando assim nessa parte do Nordeste, mais esses dois estados. Na edição passada, teve também artigo de algumas pessoas do Rio Grande do Sul. Nessa próxima, também vai ter. Acho que a revista, de certo modo, está conseguindo alcançar bastante gente da UFRGS. E dessa parte daqui do Sul, Sudeste, São Paulo e Minas ainda… tem uma participação bem tímida. Acaba que é uma participação mais forte do Rio e do Rio Grande do Sul aos poucos. A Gabi agora ela está em Brasília, acho que aos poucos a tendência vai ser receber artigos de pessoas que são de lá também. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, por uma coincidência até, a gente recebeu um convite dos graduandos daqui das Artes Visuais de Brasília, da UnB, para fazer, para participar de uma palestra, a Jornada de Iniciação Científica deles. E assim foi uma grande coincidência, porque a sorte eu estar aqui, que daí a gente pode comparecer. Vai ser dia seis agora. 

Talitha Motter E a maioria desses autores são da graduação ou são autores independentes que não tem nenhum relação com a academia? 

Gabriela Lúcio de Sousa A maioria é da graduação eu acho. 

João Paulo Ovidio A maioria, acho que são poucos o que podemos chamar de autores independentes. Quando são independentes, são pessoas que já passaram pela graduação. Aos poucos está tendo também uma presença de pessoas da área de Letras interessadas em publicar.. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente tem bastante mestrando também. 

João Paulo Ovidio Sim, mas quando é mestrando a gente dá preferência para o graduando, ou esses mestrandos que são de universidades menores, digamos assim. Se for, por exemplo, um mestrado de algum curso da universidade no Amazonas ou um de São Paulo a gente vai dar prioridade para quem é de Amazonas. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que é interessante também ressaltar que, por exemplo, uma coisa que a gente faz muito é verificar um pouco a origem dessa pessoa. Então, por exemplo, nos eventos que a gente faz, a gente faz uma tabelinha assim: fulaninha é da Baixada, é mulher, é negro. Assim a gente quer realmente viabilizar o acesso à essa galera que não consegue ter acesso.

Talitha Motter Isso faz parte digamos assim da posicionamento editorial da Desvio. Como é que vocês enxergam o tipo de texto que vocês publicam normalmente, se ele é um texto mais acadêmico, por exemplo tendo em vista o formato de artigo, ou se ele é mais ensaístico, mais informativo? Quais são as gradações desses textos dos autores que vocês publicam?

Gabriela Lúcio de Sousa A gente recebe bastante relatos de experiência, que também é um texto acadêmico. A gente tem aberto a opção para textos um pouco mais de artista. A gente vai até talvez fazer isso na oitava edição, de ter textos de artista. Mas no site da revista tem uma lista de normas do tipo de publicação que a gente aceita, então no geral é isso que a gente publica: alguns ensaios, resenhas, artigos, mas tem muito relato de experiência. 

João Paulo Ovidio Acho que pensando artigo dentro de um sentido rígido, boa parte é quando alguém manda o desdobramento do seu TCC, ou parte de uma pesquisa de iniciação científica, mas tem muita gente que envia algo que é o desdobramento de uma disciplina. Então, acaba se aproximando mais dessa questão ensaística. Por exemplo, agora nessa próxima edição a gente tem um texto de uma pesquisadora que vai ser sobre aquela pichação que aconteceu na abertura da ArtRio. É um texto que traz essas discussões de um modo mais ensaístico, que é baseado em algo que aconteceu um dia desses e tudo mais. 

Ideias de Revista

Talitha Motter E agora pensando um pouco essa questão da revista de maneira mais ampla. Eu tinha perguntado antes para a Gabriela o que ela considerava como uma revista de arte e eu queria saber um pouco também de ti João. Como é que tu pensa o que é uma revista que trata de arte, de cultura? Eu li o texto que vocês escreveram sobre a Desvio da questão de uma revista estar sempre em obras, em construção. E eu achei interessante essa relação de revista com construção, com obra. Não sei se vocês querem comentar isso ou como é que vocês enxergam a ideia de revista em si. 

João Paulo Ovidio Eu acho que por mais que a revista tenha um objetivo inicial. O fato dela ser on-line demanda frequentes adaptações no sentido em que…. o que a gente pensava ou planejava em 2015-16 talvez já não funcione tão bem hoje. Então, a própria estrutura sofre essas alterações, que fazem parte do fluxo da sociedade, do pensamento como um todo. A revista como uma plataforma de divulgação, mas também um espaço de acesso e memória. No sentido que ela vai estar ali e vai ser consultada pelas pessoas depois de sei lá quanto tempo. Então, como os textos lidam muito com a questão da atualidade, tem uma abertura muito grande para crítica, até mesmo nas edições semestrais, acho que a função da revista é ser espaço também de memória e consulta. Mas não consulta passiva, mas de uma consulta crítica. De você poder voltar o seu olhar para aquilo que foi dito naquele momento e enfim gerar reflexões a partir do seu agora. Acho que tem essa função, sabe? 

Gabriela Lúcio de Sousa É eu concordo plenamente com o João nesse negócio da memória. 

João Paulo Ovidio Ela fala muito da sua época. 

Talitha Motter É bem assim que eu vejo a relação da revista e do seu tempo. E a importância também de se ver a revista como um registro de exposições de artistas, de tudo o que se está produzindo. É uma forma também de a gente saber que aquela pessoa naquele momento foi um artista, ou que produziu alguma coisa. Se a gente não tem um texto sobre isso, como daqui uns anos a gente vai identificar aquele ator da arte? 

Gabriela Lúcio de Sousa Ou até um registro histórico mesmo, por exemplo, a questão do incêndio do prédio da EBA. A gente tem um estudo muito completo desse incêndio. Então, para uma pessoa que vai fazer um dia um TCC sobre isso, é mais uma fonte de busca para ela. Porque a gente lançou na flor do momento, sabe? Tem essa coisa da relevância da gente ter lançado na hora, assim um pouco com aquela dor, com aquele desespero que a gente estava sentindo. Eu acho que isso é importante também nesse aspecto. 

Talitha Motter E tu tinha comentado sobre a ideia de ver a Revista Desvio como um sinônimo de resistência. Tu comentou também essa questão de posicionamento político, da questão da cultura. Achei interessante essa relação entre revista, resistência e autonomia. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que esse momento político me deixa ainda mais arregada com esses conceitos. Na verdade, a gente estar aqui, o João, um historiador da arte, e eu restauradora, também é resistir nesse espaço que não é dado para a gente. Eu acho que a Desvio ocupa muito isso, sabe? De realmente ela… Primeiro que assim, o seu nascimento de propor um espaço para essa galera tão à margem, para esse graduando que não tem esse espaço, mas que se exige que ele seja. Aquela coisa clássica, para você trabalhar você tem que ter experiência. Para o graduando ir para o mestrado, ele tem que ter pontos em revista. Como é que ele vai ter pontos, se ele não publica? 

João Paulo Ovidio Como você participa de um processo de seleção de mestrado que vai levar em consideração a sua produção, se você não tem produção?

Gabriela Lúcio de Sousa É, então. E assim muita gente, às vezes, acaba nem indo para academia, porque fica com medo. Sabe, ah o espaço não é aberto, ah esse espaço é ruim. A ideia é realmente parte de democratizar esse espaço, sendo um espaço que não é muito usual, que é bastante diferente. E resistir também nessa situação, nesse momento também. Então, a revista surge muito com isso e, cada dia a mais, ela assume isso para si. Que não tem como… na situação que a gente vive, não tem como. Ela tem que realmente servir como um local de resistência. Eh… de todas as formas. 

João Paulo Ovidio E, por mais que eu me sinta muitas vezes saturado, Gabriela também, acho que aquilo que a gente comentou antes de ter esse compromisso de manter a revista em pé, porque sei lá daqui há dez anos as pessoas não olhem para a publicação e achem que paramos de produzir por conta de uma censura, ou de uma opressão. Como se tivéssemos desistido por não ter aguentado, sabe? Então, por mais que às vezes dá um desânimo, desânimo por outras questões, questões pessoais, de constantes tentativas de ter uma estabilidade, de dar continuidade à produção acadêmica, questões familiares como um tudo, por mais que isso nos canse frequentemente, é preciso continuar para que não seja mais um projeto, uma produção que vai ter seu fim nesse momento por conta de questões x e y. Eu quero que, não sei, se um dia tiver que encerrar, seja porque chegamos à conclusão de que atingimos o objetivo e que todos os graduandos, todos os artistas terão oportunidade de expor seu trabalho, de compartilhar suas ideias, porque… Enfim, terá diversas aberturas para isso. 

Gabriela Lúcio de Sousa Sim. E também assim, claro o que o João falou é muito importante, a gente está cansado, mas pela vida sabe. Porque cara, é isso sabe, o João está tentando. Ele também trabalha, né. Eu trabalho. A gente vai cansando pela vida mesmo, não é tanto pela revista, mas porque a vida cansa. E a gente tá tentando resistir nesse cenário também cada vez mais difícil, cada vez menos promissor, sabe, que você olha para o lado e você não tem mais Ministério da Cultura, você olha para o lado e você perde o museu. O museu queima, sabe? É desesperador, mas mais um motivo pelo qual a revista, ela tem que resistir. 

Talitha Motter E, nesse sentido, como é que vocês veem o papel do on-line para que a revista possa existir? 

Gabriela Lúcio de Sousa O on-line primeiro que ele, tudo que a gente paga o domínio da revista, a gente paga mesmo, mas ele é democrático. Claro que tem gente que não tem computador, enfim, mas no geral o acesso é mais simples do que uma revista que fosse impressa, que gera muito mais custo financeiro para a gente, para os outros também, que é nada ecológico, no momento que a gente vive não é muito adequado. E também, querendo ou não, o cara que vem lá da Universidade do Amazonas ele vai ter um computador disponível na universidade para dar uma olhada. Então, eu acho que, por mais que tenha muita gente que não tem acesso à Internet, ainda é um pouco melhor. 

Talitha Motter E até para distribuição. 

João Paulo Ovidio A distribuição é algo muito complicado, pensar a questão do deslocamento, frete, e tudo mais da edição física. E eu penso muito a partir da minha pesquisa, às vezes, eu estou lendo algum artigo e vejo um livro que é interessante. Aí, eu penso: ah, eu tenho que ir atrás desse livro, que vai me demandar um tempo, porque eu vou ter que ir talvez numa livraria, numa biblioteca para conseguir esse exemplar. Com o digital, se eu vejo uma referência aqui, eu já digito na busca, eu já encontro. Já vejo se é aquilo mesmo o que eu quero, ou se não é nada daquilo que eu quero.

Talitha Motter Além disso, além dessa questão da possibilidade de acesso, a questão de democratização para mesmo facilitar a publicação da edição, vocês veem mais alguma diferença em relação às revistas impressas e a revista em formato digital? 

João Paulo Ovidio O que a gente já conversou antes foi em relação a essa questão de referências, né? Então, a revista on-line permite a presença de links, de aberturas para outros lugares, outros modos de interação. Então, eu acho que essa é uma vantagem significativa. Também é a vantagem da busca. Então, se você aperta um “Ctrl + F” você pesquisa por uma palavra, você já é direcionado para um artigo, para um texto que vai te gerar interesse. Tem toda uma série de facilitadores de pesquisa mesmo. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, eu acho que nesse ponto, por exemplo, a Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, ela é algo igualmente revolucionário, porque o que eles fizeram com o investimento que eles tinham foi incrível. Assim, essa coisa do digital para gente que tem que pensar cada vez mais rápido, tem que render cada vez mais rápido, é muito importante. 

João Paulo Ovidio A maior parte do levantamento de textos que eu fiz para escrever o meu TCC e que eu faço até hoje, é através da Hemeroteca. 

Gabriela Lúcio de Sousa Sim, eu também usei muito. 

Outras Atividades

Talitha Motter Então, eu acho que a gente passou por todos os tópicos que eu tinha proposto. E eu não sei se vocês gostariam de complementar alguma coisa ou fazer alguma finalização. 

João Paulo Ovidio Em relação a isso de complementar, acho que seria talvez a questão do PEGA, que entre os nossos projetos, no ano passado nós tivemos bastante projetos de exposição, de seminários e tudo mais, mas eu acho que o PEGA é esse espaço que permite que a revista saia, faça esse movimento inverso, que ela saia do on-line para o físico, no sentido do físico das pessoas e dessas relações. Porque é aonde se tem a oportunidade de conhecer esses novos artistas pessoalmente, conversar sobre seus trabalhos, fazer um acompanhamento, conversar para entender melhor essa poética. Até mesmo porque, depois que esses artistas passam pela exposição, a gente continua de olho, no sentido de chamar para um novo projeto, ou de divulgar na agenda uma outra exposição que ele fez parte. E das comunicações também. Acho que se fosse necessário, é importante manter um dos muitos projetos, que a gente tem alguns outros em andamento, para 2020, acho que o PEGA, eu tenho um carinho especial. 

Talitha Motter É como se vocês construíssem com o PEGA uma espécie de rede de jovens artistas, que vocês começam a conhecer e a participar da formação deles de uma certa maneira, porque eles têm uma oportunidade de expor.

João Paulo Ovidio E até mesmo porque até os que não são selecionados a gente dá um retorno. Todos os artistas recebem um retorno, porque esse ano em específico teve essa questão que a gente não pôde contar com trabalhos de vídeo por uma questão de equipamento, também teve uma questão de espaço. Então, assim, teve trabalhos que não puderam ser mencionados, porque tinha dois por três metros e a gente já tem outros trabalhos com grande dimensão mais amadurecidos, no sentido de uma ideia mais consistente. 

Talitha Motter Para nós, acho que também funcionou um pouco assim quando a gente fez algumas exposições, a gente sempre estava de olho nos artistas que publicaram. E é como se o nosso repertório se construísse em cima dessa rede mesmo, das pessoas que entram em contato com a gente. E depois a gente continua acompanhando. É como se nós pudéssemos observar como se forma o nosso sistema, participando dele. 

João Paulo Ovidio Sim, isso é algo que me interessa muito. 

Talitha Motter E como foi o projeto da Galeria Desvio?

Gabriela Lúcio de Sousa Bom no final do ano passado, a gente sentou e conversou e decidiu criar um espaço, muito porque a gente tinha perdido o espaço do HO. A gente não ia conseguir mais expor nele, com a saída da Daniele de lá. Então, a gente pensou em viabilizar um espaço novo para expor o que a gente quisesse expor mesmo. E também assim, aquilo que a gente considerava interessante. Enfim, realmente uma galeria. Além de fazer venda também de obras, que é prioritariamente o que a galeria deveria fazer. Aconteceu que… a gente que pagava o aluguel. E começou a ficar muito difícil para a gente manter esse espaço financeiramente. Porque eram muitos gastos. A gente não estava conseguindo dar uma dedicação adequada. Então, a gente achou melhor realmente encerrar o serviço naquele momento. 

Página que apresenta parte das atividades que foram realizadas pela Galeria Desvio.

João Paulo Ovidio Porque o que acontece a galeria existia dentro de um espaço de um atelier, que é o Orgânico Atelier. Então, a gente ocupava um espaço, uma quantidade ali dentro. E, nos outros cantos, tinham o atelier de outros artistas que também alugavam um pedaço. Só que na hora de fazer a exposição a gente conseguiu ocupar todas as paredes, porque havia uma negociação. Quando fomos para lá em janeiro deste ano. O objetivo era passar todo o mês de janeiro fazendo um planejamento, em fevereiro fazer uma abertura. Março em diante começar o calendário de exposições e tudo mais. Exposições com artistas em sua maioria que participaram do PEGA, ou que em algum momento de algum outro projeto. Enfim, mandaram algum conteúdo para a revista. E, em abril, eu comecei a trabalhar praticamente todos os dias. Eu só tinha folga na segunda e a Gabi não estava mais no Rio então toda essa responsabilidade acabou ficando com a Daniele, que na época estava no processo de finalizar a dissertação dela do mestrado. Teve um gasto de tempo muito grande na galeria de inatividade. Até a primeira exposição acontecer, até a outra acontecer. Então, era algo que acabava não sendo viável para gente. No sentido que se ocupava um mês inteiro para enfim discutir fazer reuniões e a exposição mesmo não acontecia. Então, a gente começou a se questionar sobre a verdadeira utilidade do espaço. 

Talitha Motter Eu vi várias imagens do projeto “Artes Aquáticas – Verão em Queimados”. Como é que se desenrolou o dia das performances na piscina? 

Gabriela Lúcio de Sousa Nessa época, eu já não estava mais, então vai ser um relato só do João mesmo. Eu estava em Brasília já.

João Paulo Ovidio No ano passado, a Daniele chegou a escrever um projeto, não lembro se foi para a Funarte, ou se foi para algum outro edital para fazer uma exposição em Queimados na piscina e tudo mais. Acabou que, enfim, o projeto não foi contemplado, mas se manteve a ideia de realizar a exposição lá. Uma das pessoas responsáveis pela piscina é a Gisele Castro, que também fez História da Arte lá com a gente na EBA. Então, uma pessoa que a gente já conhecia. O esposo dela é o, digamos, responsável geral pela piscina. E, enfim, como a ideia de realizar o evento no ano passado foi muito próximo das eleições a gente resolveu adiar, por uma série de razões. Assim, Queimados é um município que fica aqui na Baixada Fluminense, que é conhecido por um alto índice de violência, em que praticamente a maior parte da população votou no dezessete. E, a gente sabe, a galera da arte tem uma postura, tem um enfrentamento que poderia gerar algum tipo de confronto ali e colocar talvez em risco a vida dessas pessoas. Porque a ideia era que a gente pudesse ter toda essa liberdade de corpos e tudo mais na piscina, se vestir como quisesse.

Talitha Motter Mas poderia ser interpretada de outra maneira. 

João Paulo Ovidio Poderia ser interpretado de uma outra maneira. 

Talitha Motter E daí acabou acontecendo neste ano. 

João Paulo Ovidio Foi no início deste ano, em março. E também tem aquilo, na metade do ano passado, aconteceu o assassinato da Matheusa. Então, em outubro, com as eleições e como as pessoas estavam tendo atitudes muito radicais, muito violentas. Enfim de atropelar travestis na rua, de esfaquear e tudo mais. A gente pensou: não, é melhor não realizar agora por uma questão de segurança das pessoas. No início do ano, decidimos fazer. Foi dia 24 de março. Convidamos algumas pessoas que tinham participado do PEGA também, alguns outros artistas que já conhecemos há um tempo. E foi isso, foi um evento bem legal. Tem reportagem na mídia, saiu naquele Programão Carioca, que é um dos quadros desse jornal de meio-dia da Globo. E teve atividades da própria piscina. Então, teve capoeira, Hip Hop. A gente abriu o microfone, em um momento, para que as pessoas pudessem falar, declamar poesias e coisas do tipo. E, no verão em Queimados, teve essa questão de ter um bar, de ter um local para poder vender bebida, comida e tudo mais. E foi a primeira, acho que podemos ter o “Artes Aquáticas” como uma tentativa anterior à galeria, porque ali já se pensou como vender alguns trabalhos. 

Talitha Motter Sim, que eu lembro que tinha uma proposta meio de feira. 

João Paulo Ovidio Chegamos a ter outras ideias, mas a ideia era fazer uma por estação. A do outono ia ser uma numa fábrica que tem lá em Bangu. Acho que se chama alguma coisa Viegas, eu não lembro o nome, mas que é uma fábrica muito conhecida da Zona Oeste, que de vez em quando rola alguma proposta lá de Hip Hop, de grafite, etc. E as outras edições iam ser em espaços sempre contemplando essa periferia do Rio de Janeiro. A gente estava pensando em fazer a do inverno em Olaria, a da primavera em Caxias, etc. E acabou que foi um projeto que não teve continuidade por uma questão de outras demandas, de outros trabalhos. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente tem muitos projetos e a gente tem muitas vontades, mas a gente não tem braço suficiente. E agora eu estou fora também. Então, isso atrapalha algumas coisas enfim. Se a gente pudesse, nossa! A gente faria muita coisa. 

Talitha Motter Mas são ideias que podem ficar guardadas, incubadas, por enquanto, e no futuro elas vão encontrar o caminho para serem realizadas.

João Paulo Ovidio Sim. Por mais que eu goste bastante de exposição, não é um trabalho que eu sou o primeiro a tomar um passo, sabe? De pegar e vamos fazer. Porque eu sou muito mais dessa outra produção, que é de organizar as coisas, de acompanhar e tudo mais. Gosto muito de exposição, mas quando eu penso que eu preciso me responsabilizar por toda uma demanda, toda uma gestão de montagem e ver questões de equipamento, e pensar como distribuir isso no espaço, me causa um pouco de cansaço mental. 

Talitha Motter É um outro tipo de produção.

João Paulo Ovidio Minha atuação como um todo, ela sempre esteve relacionada a essa questão mais de uma organização de evento, parte mais acadêmica e de arte e educação, que foi com o que eu trabalhei durante o período da graduação.

Talitha Motter Sim, e a revista tem bastante esse papel, como tu tinha dito, de formação. Então, une esses dois interesses.

Brasília e Rio de Janeiro — Montréal, 31 oct. 2019.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.