Détour

Entrevista com os diretores da Revista Desvio Gabriela Lúcio de Sousa e João Paulo Ovidio

Imagem de capa: Condor.

História & Organização

Talitha Motter Eu tinha falado antes com a Gabriela sobre como é que foi o nascimento da Revista Desvio, mas eu gostaria que vocês comentassem novamente um pouco como é que foi o contexto de criação da revista e quais foram os objetivos que vocês pensaram ao criar a revista. E também, como a Gabriela tinha comentado que a revista tinha sido idealizada um pouco antes do lançamento, como é que se deu esse processo entre a idealização e a criação da revista.

João Paulo Ovidio Se eu não me engano no final de 2014, meados de 2015, uma pessoa publicou no Facebook do curso de História da Arte o interesse em criar uma revista, um periódico para o curso. A partir de então, essa pessoa fez um grupo separado para que todos os interessados pudessem entrar e debater o formato, e tudo mais. Esse grupo teve uma longa duração e poucos encontros. Ele não gerou frutos. O grupo começou com muitas pessoas interessadas, quase cem, mas acabou ficando umas cinco ou seis pessoas. Eu fazia parte desse grupo pequeno, que tentou, debateu, dar o início à revista. Então, se teve muito tempo de interesse, mas até que isso se concretizasse foi bastante trabalhoso, digamos assim. A gente sempre ficava naquela incerteza: “Ah, será que já é a hora certa de começar? Será que a gente já tem tudo e tudo mais?” Até que em determinado momento resolvemos lançar uma chamada e ver no que ia dar. A primeira edição, ela também levou bastante tempo para ficar pronta. Eu acho que a Gabi lembra com mais exatidão.

Gabriela Lúcio de Sousa A primeira edição levou uns sete meses para ficar pronta. 

João Paulo Ovidio Foi bastante tempo. E, enfim, quando a gente foi criar a revista, a gente levou em consideração que antes já outros alunos tiveram uma iniciativa. Só que essa iniciativa foi em colaboração com os professores e essa revista chegou a ter duas edições. Só que essa revista estava bem distante da proposta que gostaríamos que fosse feita, porque parecia mais uma revista como se tem esses jornais de DCE e tudo mais, seguia mais para esse perfil. E a função dos alunos era uma espécie de gerenciar esse conteúdo que vinha dos docentes, dos professores. Então, era uma revista que eles participavam, mas eles não estavam tão à frente assim. Era como se fosse uma abertura para que os alunos de História da Arte pudessem ter um contato com essa questão de periódicos e tudo mais, sem ser com a Arte & Ensaios, que é a revista da Pós-Graduação. Então, tinha essa questão presente. 

Gabriela Lúcio de Sousa No meu caso, foi bem diferente, porque quando eu entrei na verdade foi no final de 2015, daí o que aconteceu: eu conversei com uma colega nossa que era a Cíntia, falei que eu queria muito viabilizar uma revista acadêmica que desse espaço para o graduando publicar. E ela falou: “Ah, mas tem uma pessoa que já tem uma ideia.” Na época, ela me falou que era uma pessoa só, que é a Dani, que era uma das diretoras gerais da revista. E ela apresentou a gente numa reunião no IFCS. E a gente começou a tocar para frente algumas coisas. Nesse processo, eu já conhecia o João, mas a gente se aproximou mais nesse processo. Aí, acabou que ficou (no final das contas, a Cíntia também não quis continuar) na primeira edição: eu, o João, a Priscila, o Thiago e a Dani. E saiu a primeira edição da revista. Eu acho que é interessante comentar que a primeira edição da revista… A gente sempre tem um texto editorial, e o nosso texto editorial foi da Rogéria de Ipanema, que é uma professora da EBA. Depois disso, a gente mesmo começou a fazer nosso próprio texto editorial, porque a gente achava importante que os alunos realmente fizessem sabe. A gente começou a focar um pouco mais nisso. 

Talitha Motter Vocês disseram que tiveram esse tempo de gestação da revista. Vocês consideram que esse tempo foi muito para tentar se apropriar dos processos de edição de uma revista ou foi mais por organização de equipe? 

João Paulo Ovidio Eu acho que no início a gente estava bem incerto sobre as seções e o que poderia ter na revista. Uma coisa que a gente debatia muito era sobre a agenda, sobre como essa agenda ia funcionar. E era um debate que a gente tem até hoje, de ter disponível no site um espaço que as pessoas possam consultar, que seja alimentado constantemente, que apresente essa programação de arte, música e teatro como um todo, né? Essa programação cultural, contemplando principalmente as ações que não são divulgadas. O interesse da agenda era bastante isso, de conseguir divulgar essa programação que não chegava até as pessoas. Então, a agenda foi também uma das questões que deu conta para o debate até mesmo porque… Ah se a gente vai lançar uma revista de seis em seis meses, vai ser semestral, qual é a função de uma agenda ali dentro se ela vai estar completamente datada. 

Conteúdos publicados na categoria Agenda – Rio de Janeiro (exposições) da Revista Desvio.

Gabriela Lúcio de Sousa Essa foi uma função bem complicada que a gente teve até porque hoje em dia a agenda no site ela funciona bem até. Tem gente que manda coisa para publicação. Artistas menores, empresas menores, enfim. Ela precisa ser um pouco melhor ainda, mas hoje em dia ela tem uma função bem interessante até. 

Talitha Motter Com a publicação no site, fica mais fácil essa questão de poder seguir os eventos mais rapidamente, se comparado com a publicação semestral. 

João Paulo Ovidio Sim, e foi algo que a gente discutiu principalmente depois da terceira edição da revista, que foi a edição especial do primeiro PEGA, que era relacionado à necessidade de ter publicações constantes. Então, tivemos a ideia de fazer a crítica de coluna semanal, o que permite ter essa publicação mais constante e tudo mais. E se a gente não consegue divulgar o que está acontecendo através da agenda essa coluna de crítica acaba cumprindo esse papel também, porque é alguém que viu uma exposição e que vai chamar a atenção para isso que está acontecendo. Então, ao mesmo tempo, que essa pessoa está produzindo, pensando sobre aquilo, ela está divulgando também. Isso é bem interessante. 

Talitha Motter Então, acho que cumpre muito bem esse papel. E essa possibilidade do on-line de publicar constantemente, acho que agrega. 

João Paulo Ovidio E relação à questão do on-line, eu trabalho na Arte & Ensaios, lá do PPGAV. E o que foi discutido lá é que a revista física não… não sei se não pontua mais, ou não tem mais força, alguma coisa assim. A revista para pontuar, a revista acadêmica para pontuar ela precisa ser on-line. Então, é um movimento dessas revistas que já estavam estabelecidas como física, que já possuíam um público fixo, direcionado, e tudo mais, de cada vez mais buscar esse espaço virtual para se reinventar e para atender essas demandas de pontuação. 

Talitha Motter E eu acho que, no caso das revistas vinculadas aos programas, isso está muito relacionado com a questão da indexação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Acho que a ciência da informação deu uma bobinada nesses setores e acaba que é uma prática hoje em dia fazer isso. Até para você consegue selecionar melhor os conteúdos. 

João Paulo Ovidio Eu também acredito que essas revistas on-line independentes serão importantes porque as revistas acadêmicas cada vez mais vão deixar de publicar entrevistas porque não pontua. Então, não gera interesse, e tradução também não pontua. Todas essas seções que não geram pontuação aos poucos serão excluídas dessas revistas e caberá às outras abraçar esse conteúdo que é tão importante para quem é de arte, das ciências humanas como um todo. Porque a entrevista te dá um acesso à fala de alguém, permite saber um pouco mais sobre aquilo, sobre aquele assunto, sobre aquele estudo e a tradução, porque… Enfim, nem sempre a gente consegue… 

Gabriela Lúcio de Sousa A tradução democratiza o processo. 

João Paulo Ovidio Seja por uma questão de você não conhecer aquele idioma, ou seja por uma questão de ser um texto de difícil acesso, sabe? Então, permite essa circulação que é muito importante. 

Talitha Motter E a gente fica dependendo dessa valorização pela pontuação para poder publicar ou não dentro desse gênero de revista. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que vale a pena ressaltar uma questão, a Desvio ela não consegue entrar em uma dessas classificações da CAPES, porque para ser da CAPES a gente tem que estar aí com as pós-graduações. O que vai contra justamente com o nosso objetivo, porque a intenção da Desvio é publicar graduando. A revista acadêmica da pós-graduação não pública graduando. A gente tentou várias vezes entrar na CAPES, buscar de alguma forma, conseguir ter acesso. Mas até agora nada. 

Talitha Motter É eu acho que não chega a abarcar as revistas independentes diretamente, e que isso talvez seja uma dificuldade do próprio sistema de entender o nosso campo, que é um campo diferente, o campo da cultura, das artes. E, voltando para a questão do início da revista, a gente comentou um pouco na entrevista escrita sobre o nome da Revista Desvio… E eu já tinha lido algumas coisas e eu achei bem interessante essa ideia de uma via de outra mão, que a Gabriela comentou, enquanto um Desvio mesmo para a esquerda, como visão política. E eu fiquei pensando como isso pode estar relacionado, essa via de outra mão, com a área de pesquisa em cultura. Vocês veem alguma associação entre essa ideia de desvio e cultura?

Gabriela Lúcio de Sousa Olha eu acho meio complicado isso, porque assim… O lance do Desvio à esquerda, quando eu entrei já tinha esse nome. Não foi uma criação da minha gestão, digamos assim. Tinha nome, tinha logo, tinha tudo. E, eu sempre achei interessante esta proposta: Desvio mais à esquerda. Eu acho que o campo da cultura, ele é um campo que é totalmente revolucionário. Ele está o tempo todo tentando lutar para se manter. Não sei como é no seu caso, mas aqui no Brasil pelo menos é assim. Acho que o campo da cultura é um constante desvio, é uma constante manobra do sistema que a gente vive. Pelo menos eu vejo assim trabalhando… Eu não trabalho no campo da cultura propriamente dito. Eu trabalho com cultura. Eu trabalho no órgão legislativo. Então, assim… essas vantagens e desvantagens. Enfim, eu vejo que para a gente se manter no órgão legislativo é muito difícil. Eu vejo que o campo da cultura como um todo passa por isso. Eu acho que nesse ponto a Desvio ela trabalha com a cultura e vive a cultura. 

João Paulo Ovidio Essa constante necessidade de ter, criar as coisas, porque elas não estão ali dadas. E, só para complementar, um dos projetos da Desvio no ano passado foi uma exposição que se chamou “Junho de 2013: 5 anos depois”. E, o fato, hã… digamos de receber uma atenção, um incentivo permitiu realizar essa exposição no Centro Municipal de Arte. Então, assim que a administração… dessa prefeitura do Crivella, que é cristão, conservador e tudo mais, e fazer uma exposição dentro de uma instituição pública, que é de responsabilidade dele, que vai contra tudo o que ele presa. 

Talitha Motter A exposição foi uma iniciativa da Desvio? 

Gabriela Lúcio de Sousa Foi uma iniciativa da Desvio. A nossa sorte também de conseguir realizar esse tipo de evento nesses órgãos, era porque na época a Daniele trabalhava no HO, que é esse centro municipal. Ela era curadora lá. A gente tinha esse acesso facilitado muito por isso. A gente sabe que é super difícil ter acesso, mesmo aos órgãos públicos como um todo de cultura é difícil ter acesso. E isso ajudava muito a gente. E o fato de o órgão ser um órgão quase esquecido para o grande gestor, pelo Crivella, ajudava também a fazer umas coisas bem diferenciadas, sabe? Porque não estava muito no foco dele. Então, a gente teve essas duas sortes. Mas, assim, a gente estreou a exposição com medo. Não sei se o João lembra, mas a gente estava com medo. Será que a gente está fazendo certo, sabe? Será que vai dar um problema, isso? A gente estava com medo, mas deu tudo certo no fim das contas. Não teve nenhum problema.

Talitha Motter Vocês chegaram a publicar várias textos sobre essa exposição na revista, na crítica semanal.

João Paulo Ovidio Sim. A Daniele, que fez a curadoria da exposição, chegou a publicar acho que três textos durante três semanas. A Camila Vieira também, que na época trabalhava lá no HO, chegou a fazer alguns textos sobre a exposição. Eu não lembro se outros fizeram o mesmo. Eu acho que… de domingo, que é a Carolina Lopes, acho que ela chegou a fazer um texto, ou foi um texto de outra exposição relacionando com essa. Mas teve bastante publicação.

Detalhe de um dos textos de Camila Vieira publicados sobre a exposição “Junho de 2013: 5 anos depois”.

Talitha Motter Voltando à questão da revista como estrutura, eu queria saber um pouco do interesse pessoal de vocês de participar de uma revista e de continuar participando até hoje. Porque a revista teve várias formações de equipe e vocês continuam lá. Como é que se deu isso?

João Paulo Ovidio No meu caso porque… Enfim, eu venho de uma iniciação científica que trabalhava muito com uma questão de periódicos de pesquisa e tudo mais. Eu tinha, eu tenho, um interesse na área acadêmica por essas partes que envolvem, em certa medida, a produção, seja a produção de livros, de uma publicação, como é o caso de uma revista, ou seja a produção de uma exposição, como aconteceu no ano passado, como é o próprio PEGA. Durante a graduação, quando… o trabalho dos meus colegas e tudo mais, eu percebia que existia uma demanda por um espaço, porque não se tinha garantia em outros lugares. Então, o meu interesse vem um pouco daí, de ter uma plataforma que recebesse essas pessoas que têm interesse, mas que não têm oportunidade. Eu acho que mais do que a revista, o que mais me motiva é o PEGA, esse encontro dos alunos das artes do Rio de Janeiro todo, alunos de arte que nunca tiveram a chance de expor seus trabalhos. É uma plataforma de incentivo, de divulgação importante. Então, o que que isso gradualmente tem mudado, né? Por exemplo, agora que eu estou no mestrado, quando tem eventos da própria pós, eu sou um desses que incentiva a abertura para que os alunos da graduação tenham uma participação mais ativa, não só como ouvinte, mas tem muito trabalho bom ali.

Gabriela Lúcio de Sousa No meu caso, eu entrei na revista, porque, como eu falei, eu tinha interesse em viabilizar espaço para graduandos publicarem. Assim como o João, eu sinto que falta esses espaços. E as revistas acadêmicas, até por uma questão de dinheiro enfim, não publicam graduando porque elas precisam desse investimento que a CAPES faz nelas. A gente entende, mas é absurdo. Então, eu tinha esse interesse de publicar graduandos. Eu gosto também, assim como o João, da área acadêmica. Eu pretendo dar aula, enfim. E iniciei minha jornada na Desvio por isso. Hoje em dia assim… Vale ressaltar que eu não moro mais no Rio de Janeiro. Eu moro em Brasília atualmente. Eu me mudei para cá no começo do ano e, é claro, assim a distância física pega muito, porque, a Desvio, ela está alocada no Rio, as atividades são no Rio. E constantemente eu me pergunto: “Putz, será que eu deveria continuar?” Só que minha mãe me ensinou que eu não posso largar as coisas no meio, sabe? Que é uma falta de respeito com os outros isso. E, além de acreditar muito no projeto, eu acho que é questão quase de honra. Ele foi construído com muito esforço, com muita dificuldade e de vontade, sabe? De vontade de pessoas que se uniram para construir esse projeto. Eu acho que é isso, que ele é muito potente para ser deixado, sabe? 

João Paulo Ovidio Eu já comentei com a Gabriela, em alguns momentos, que, se for o caso, seria de conhecer pessoas que estejam interessadas em dar continuidade, sabe? Bola para frente para que o projeto não acabe. Ah, porque por mais que daqui, não sei, tipo… ah, acabe hoje. Quem tem interesse de fazer uma revista, seria algo que ia começar do zero. Eu acredito na importância da continuidade de um trabalho, entende? Você faz uma ou duas edições, ok, e vai fazer mais, e aí quando outra pessoa que tenha interesse naquele assunto, até começar, até você conquistar um público, conquistar pessoas que comprem a sua ideia e tudo mais, leva um tempo. É um desgaste muito grande. Eu acredito que as pessoas, como um todo, que estão lá na universidade também tem interesse em trabalhar numa revista. Tanto é que nesse ano, esse ano completa dez anos de criação do curso de História da Arte, eles criaram um grupo de pesquisa e tudo mais. Realizaram um seminário agora, em outubro, há pouco tempo. Então, assim, essas pessoas que se articularam, eu vejo nelas também um interesse, talvez de ter um projeto como esse, de ter um projeto com uma revista. E não só de dentro da UFRJ, porque a revista desde sempre teve colaboradores de outras universidades. 

Gabriela Lúcio de Sousa E, assim, uma outra questão é que, além de eu estar em Brasília, eu trabalho na Câmera dos Deputados e trabalho 40 horas semanais. Então, assim, acaba que fica um pouco pesado para mim. E eu acabei fazendo um mestrado em Ciência da Informação aqui na UnB. A minha vida está criando alguns acúmulos que me fazem pensar o quanto eu vou ser útil nesse espaço da revista, mas como o João falou o trabalho tem que ser contínuo, ele tem que continuar. A gente está tentando viabilizar um pouco a entrada de pessoas para assumir esses papéis. Só que é muito trabalhoso. Às vezes, a pessoa entra, um pouco até na empolgação, e quando vê como é o processo… Porque, assim, basicamente com a revista a gente teve, nós pessoalmente, a gente teve coisas muito boas, só que a gente investiu nosso próprio dinheiro, nosso próprio tempo. Quantas vezes a gente já se reuniu, sei lá, fins de semana, férias, feriados, natal a gente fez uma reunião também. Então, a gente tem uma dedicação muito grande a esse projeto. E demanda isso mesmo, sabe? É difícil falar a pessoa assim: “Olha, você vai perder seu fim de semana. Você tem que fazer isso e fazer aquilo.” É complicado, eu entendo isso. 

Talitha Motter Mas eu acho interessante que você têm conseguido, pelo o que eu posso observar assim de fora, fazer essas chamadas e essas seleções para novas pessoas participarem. 

Chamada para novos críticos realizada entre junho e julho de 2019.

João Paulo Ovidio É e até mesmo na última vez que a gente vez seleção para críticos semanais teve um número expressivo de inscrições. O PEGA sempre tem um número muito bom. No ano passado, a gente teve, eu acho que cem, ou quase cem, noventa e oito inscritos. Neste ano, teve um pouco menos, teve sessenta e oito, por aí, sessenta e oito, setenta, mas também foi um tempo reduzido de divulgação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Foram duas semanas de inscrição. 

João Paulo Ovidio Duas semanas para inscrições. Teve sessenta e oito, número bom, número expressivo. Então, como estou nos dois lugares eu consigo também ter uma ideia do interesse, de pessoas que vão chegando e tudo mais, para fazer essas inscrições. Mas também a gente tem que levar em consideração que neste ano a gente não ofereceu nenhum tipo de suporte para os artistas. Quando eu digo suporte, é… TV, não temos totem, não temos nenhum tipo de equipamento. Eu acredito que foi um dos fatores que levaram a ter um número menor de inscrição em relação ao ano passado. Eu acho que se tivesse aberto para vídeo, para projeção, eu acho que teria um número até maior do que já teve, que já foi um número muito bem expressivo. E aí que acabou… que no início eu tinha conversado com a Gabriela, eu falei: “Ai, não, a gente está sem espaço. Eu consegui um lugar para fazer, mas é bem pequeno, bem distante e tudo mais. Vamos selecionar poucos artistas. Vamos selecionar, sei lá, doze artistas.” No final das contas, a gente tinha conversado de doze, no máximo dezesseis artistas, mas selecionamos trinta e oito de sessenta e oito.

Talitha Motter É um número bem expressivo para organizar tudo no espaço da exposição. Vocês que fazem a expografia? 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente faz tudo na verdade, expografia, curadoria, organização, levanta o espaço também, que agora a gente tem o Centro Cultural Phábrika na Pavuna. Mas, assim, é sempre a gente que faz todo esse processo. Posso comentar uma coisa que aconteceu durante isso que eu achei muito engraçada? A gente, normalmente, que que a gente faz: o espaço, escolhe as coisas, escolhe os artistas, enfim e tudo por conta própria. Como eu falei, a gente investe o nosso próprio dinheiro. E aí uma colega nossa indicou uma pessoa para ajudar na montagem. Aí, a pessoa, eh… Eu fui conversar com essa pessoa, e a pessoa falou para mim assim: “Ah, mas vocês dão transporte? Porque Pavuna é muito longe.” Aí, eu fiquei olhando assim, pensando, gente, a pessoa não tem dimensão que a gente é independente, que a gente não tem dinheiro. Então, é isso que eu faço, às vezes, as pessoas não entendem que assim, que é isso, que a revista ela é feita também por estudantes, ou ex-estudantes, gente que também não… que está aí na pista também. 

João Paulo Ovidio Desempregados a maioria. 

Talitha Motter A gente também, os projetos que a gente fazia em Porto Alegre era tudo tirado do nosso bolso. E a gente sempre tentando conseguir o mais voluntário possível, todo tempo. 

João Paulo Ovidio Sim, e as fotografias dos catálogos só foram possíveis por conta de uma colega minha. A gente não aguenta mais explorar o trabalho dela, mas ela é parceira. E, é isso, ou se não, na última edição do PEGA, uma das artistas que expôs também se comprometeu em fazer outras fotos para o catálogo. Então, vai sendo assim, né?

Talitha Motter Sim, cada um contribui com uma parte que sabe para no final acontecer o evento, acontecer a revista. E como é que vocês dividem as atividades no site, para a edição de cada revista? 

Gabriela Lúcio de Sousa Hoje em dia a gente está com um esquema novo com a saída da Dani. Porque a Dani fazia a direção geral, então o que que ela fazia, digamos assim que ela dava uma chefiada no processo todo, dava uma opinião mais geralzona. Ela fazia o texto editorial, todo esse processo mais da direção mesmo. Com a saída dela, eu e o João a gente assumiu um pouco esse cargo. Então, a gente faz a organização da revista. Tipo assim o conteúdo chega para revista, a gente organiza esse conteúdo, tabela o conteúdo, faz os pré-textuais, texto editorial, sumário, todas essas etapas, assim. Reúne o conteúdo e encaminha para a diretora de arte que é Ana Elisa. Ela manda para a equipe dela para fazer a diagramação. Aí, é por conta dela, essa parte ela coordena. Ela manda para gente uma semana antes de publicar. A gente vê se tem um coisa para corrigir, normalmente tem. A gente reenvia para ela, é natural né porque é muita coisa.

Página Quem somos da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio A gente tem que levar em consideração que o arquivo é enviado em A4, com uma formatação e tudo mais. Então, vai diagramar e ela passa isso para o programa, às vezes, a foto fica numa posição errada. A foto fica no topo da página o resto da página em branco e o texto começa só na outra. Fica esses desvios, esses buracos e tudo mais. Às vezes, até na hora de copiar alguma coisa e colar para outro lugar, o texto fica… junta uma palavra com a outra. E, às vezes, em termos mais assim que a gente não tem como controlar: o artista, o autor, e tudo mais mandou o arquivo com algum coisa, com o título errado. E a gente não tinha percebido pela revisão e a gente só vai perceber quando já está diagramado. Porque o que aconteceu muito na edição passada foi de no sumário estar o nome do autor com o título do trabalho do outro. 

Gabriela Lúcio de Sousa Na edição passada, foi bem esse período de transição de quando a Daniele saiu e a gente estava fazendo… Porque, assim, a gente publicou neste ano agora quatro edições já, que eram três edições especiais que estavam meio paradas, que a gente conseguiu soltar este ano. E a gente fez tudo isso ao mesmo tempo, tanto a sexta edição, quanto as edições especiais foi tudo junto. A gente acabou pegando algumas coisas no meio do caminho. Isso acontece porque estava só eu e o João fazendo praticamente tudo. E a Ana Elisa fazendo a parte de direção de arte, mas também é muita coisa. Então, aconteceu esses probleminhas, mas superáveis. Sabe, a edição está no ar, está bem feita. É isso que importa. A Ana também, enquanto direção de arte, ela faz a parte do site. Por exemplo, a parte do design do site é ela que ajusta, os posts da agenda é ela que coloca. Os posts da crítica é a Emanuelle, que é uma colaboradora voluntária. E a postagem de Desvio Indica, essas mais diferentes é a Clarisse. O restante da equipe é basicamente a equipe que ajuda a produzir o conteúdo. Por exemplo, a Marcela fala espanhol, faz tradução. O Vitor, ele faz revisão. A Luiza faz revisão. A galera fica mais por conta das atividades de produção da revista, no sentido de fazer revisão, avaliar conteúdo. Essas etapas, sabe? 

Edições da Revista Desvio na plataforma Issuu.

Talitha Motter Sim, depois tem toda a recepção de texto dos autores, resposta aos autores. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, isso é a gente que faz, eu e o João.

João Paulo Ovidio Sim, nós que administramos o e-mail. 

Gabriela Lúcio de Sousa E a gente controla as pessoas também. Uma das minhas funções prioritárias é controlar as pessoas, assim tipo falar: “Fulaninho, não esquece de fazer isso.” Eu sou a agenda um pouco da edição. “Fulaninho faz isso, fulaninho faz aquilo, fulaninho está perto do prazo, fulaninho não esquece do prazo tal.” Enfim, é isso. 

Talitha Motter Ainda mais que vocês têm uma equipe bem grande para fazer toda a gestão de prazos. E uma outra pergunta sobre a coluna que vocês têm para críticas semanais e as chamadas para novos críticos. Eu fiquei interessada em saber como vocês veem o papel desse novo crítico na Revista Desvio ou o papel dessa coluna na revista. 

João Paulo Ovidio A ideia inicial dessa coluna era por conta desse espaço que a gente ficava de quase seis meses sem lançar uma nova edição. Mas também era por conta que eu estudo arte na década de 50, 60 e a Daniele também tem um interesse por esse recorte, a Daniele que fazia parte da revista. Em um dado momento a gente conversou como a presença da crítica era forte, diária, constante nos jornais e como isso… Enfim, a gente… cada vez menos teremos jornais e tudo mais. Esse espaço vai se extinguindo, se antes tinha a possibilidade de crítica todos os dias, o jornal vai adotando um novo perfil, passa a ser uma vez na semana, aos poucos nenhum dia. Isso acaba passando para a área virtual da Internet. E como a Desvio tinha muito uma questão com os autores de publicação de artigo e com os artistas, a gente também pensou sobre essas pessoas que talvez não estejam interessadas em mandar um artigo sobre a sua pesquisa, mas tem muito o que falar e gostariam de ter um espaço. Porque de uns anos para cá, o Facebook permitiu isso. As pessoas visitam uma exposição ou assistem algum filme, algum show, ou até presenciam algum tipo de manifestação, manifestação de rua, que tem muita potência; e essas pessoas sentem muito interesse em verbalizar isso, em colocar isso para fora. Então, surgiu esse interesse de chamar essas pessoas que não são conhecidas pelo grande público, até mesmo para que elas pudessem ter essa abertura e aos poucos construindo um perfil, que pudessem gerar interesse aos leitores. Essa questão mesmo de formação, que é um dos propósitos da revista. A revista tem uma grande preocupação com formação seja contribuindo para autores que nunca publicaram antes; seja a formação do artista de não só expor o trabalho, mas ter um retorno; seja a formação dos críticos, de ter aquele espaço e poder ter um retorno bacana com alguém e conversar e tudo mais. A nossa preocupação também foi… Agora já falando um pouco sobre a seleção dos críticos, de ter uma diversidade, sabe? A gente tinha a Ludimilla, na quinta-feira, que com frequência publicava textos relacionadas à questão queer, LGBTQI+, às vezes alguma coisa relacionada a cinema. Noutro dia, tinha alguém que estava mais interessado em questões étnico-raciais. A gente se preocupava em ter essa diversidade de assuntos e que isso também fosse presente no perfil das pessoas. Então, tinha tanto pessoas que estavam na graduação de arte, uma pessoa que, não sei, está no mestrado, na área de direito, que não fosse também algo restrito. Assim, só quem faz arte pode escrever sobre arte, só quem tem determinada formação pode falar sobre isso. Então, sempre teve essa preocupação para ter essa abertura. 

Críticas semanais publicadas pela Revista Desvio.

Talitha Motter Acho bem interessante o que tu falou da questão da passagem da crítica do jornal para o on-line. Justamente, um dos principais interesses da minha pesquisa é ver como essa crítica on-line participa da construção de discursos sobre a arte atual. Então, eu acho que isso é verdadeiramente um indício para essa questão, de encontrar esses espaços dentro de publicações independentes on-line. 

João Paulo Ovidio Até um assunto que foi levantado durante esta semana, numa das disciplinas que eu faço, foi a questão que por mais que ainda exista uma ou outra coluna no jornal impresso, essa escrita vai estar muito restrita a uma pauta que vem desse jornal. Então, o jornal vai pegar essa pessoa que escreve e vai comentar assim: “Ah… vai ter abertura da ArtRio, você precisa escrever sobre isso e com essas limitações. Você não pode falar sobre tal coisa, você não pode falar sobre a outra e tudo mais.” Essa preocupação em manter uma imagem, que não era uma preocupação tão forte dos críticos da década de 50. Se não gostaram de uma exposição, se não gostaram de um trabalho, dava a cara a tapa. 

Talitha Motter Tinha uma liberdade maior. Só uma pergunta que eu fiquei curiosa, porque eu vi que vocês têm toda uma padronização, tanto de regulamentação da revista, de certos contratos com os participantes que fazem parte do corpo editorial. E eu fiquei me perguntando como é que começou tudo isso. Desde o início vocês se preocuparam em regulamentar, em deixar tudo bem claro, ou foi uma necessidade que foi surgindo com o tempo? 

Gabriela Lúcio de Sousa Olha, eu amo regras. Eu sou uma ultra burocrata. Sei que é um horror falar isso. As pessoas ficam chocadas, mas assim primeiro que eu sou formada em restauração, não sou formada em arte. Eu sou formada restauradora. Eu sou um burocrata, eu adoro regra, coisas organizadas, adoro contrato. 

Detalhe da primeira página do Regimento Interno da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio É algo que faz parte da sua formação. 

Gabriela Lúcio de Sousa Faz parte da minha formação, a minha mãe também é uma ultra burocrata. 

João Paulo Ovidio E, eu digo, até mais da sua formação profissional, nos lugares por onde você passou, de arquivo, onde isso é muito presente. 


Gabriela Lúcio de Sousa Sim. Com o tempo, eu falava com a equipe que para mim era muito importante ter essas coisas. Então, para mim, era importante ter contrato, era importante ter esse nível de organização, ter papel para chamar as pessoas. Até porque, assim, eu acho que a revista ela lida com um espaço independente e um público muito complicado às vezes. A gente precisa ter os nossos cuidados para a manutenção da revista, questões éticas, questões legais. Então, isso foi sempre uma preocupação minha. Claro que, assim, o João ele dá risada, mas ele também é bem organizado. Não é um burocrata, mas ele é super organizado, encaminha bem as coisas. Mas eu acho que, sinceramente, essa questão dos contratos, essa questão de normas saiu um pouco do meu interesse mesmo pela burocracia. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.