Détour

Entrevista com os diretores da Revista Desvio Gabriela Lúcio de Sousa e João Paulo Ovidio

Imagem de capa: Condor.

Site Web, Conteúdo & Autores

Talitha Motter Mas que funcionou e que faz com que as coisas funcionem. E uma outra pergunta, mais em relação ao site da revista. Vocês comentaram que a Ana Elisa é a diretora de arte. Foi ela que foi selecionada pela chamada de equipe de direção de arte? 

Gabriela Lúcio de Sousa Na verdade, assim, eu até expliquei no que eu te mandei lá, primeiro era o Thiago. Aí, o Thiago saiu, entrou a Carine. 

João Paulo Ovidio É o Thiago ficou até a terceira edição, que foi a edição do primeiro PEGA. Aí, o Thiago saiu. Atualmente, o Thiago tem o próprio blog dele de crítica de arte, Arte Nuvem, alguma coisa assim.

Gabriela Lúcio de Sousa Acabou que a Carine entrou depois. Essa nova remodelação do site foi muito da Carine, ela tem formação em escultura, só que ela gosta muito dessa parte de design, enfim. Ela está na graduação ainda. Então, ela tinha interesse bem forte nisso. 

Página inicial do site da Revista Desvio.

João Paulo Ovidio O contato com a Carine se deu a partir da necessidade de fazer a cartilha do grupo de pesquisa “DE/SOBRE/FEITAS POR MULHERES”. Foi ela que fez a diagramação. Esse foi o primeiro contato da gente com ela. Depois que ela fez esse trabalho da cartilha, todo mundo gostou, resolvemos chamá-la para trabalhar com a gente para fazer a diagramação das edições. A Carine participou também do primeiro PEGA, acho que foi aí que a conhecemos. Depois alguém indicou ela para fazer a diagramação da cartilha. Aí, passamos a conhecer esse outro lado dela, pois conhecíamos o trabalho dela enquanto artista, artista visual. 

Talitha Motter E a Ana Elisa entrou quando? 

João Paulo Ovidio Na verdade, quando a Ana Elisa entrou, a Carine ainda estava. A Ana Elisa tinha uma outra função. A Ana Elisa entrou na metade do ano passado.

Gabriela Lúcio de Sousa Foi. Ela é uma pessoa que evoluiu bastante com a gente na revista. Ela conseguiu assumir bem essas funções. E a gente foi conversando com ela para ver se ela tinha interesse em ficar na direção. Ela se interessou e continuou. A parte de diagramação em si, ela entende pouco, mas ela faz a coordenação da diagramação, que é uma coisa que a gente precisa muito. 

Talitha Motter E uma outra pergunta, tu tinha comentado, Gabriela, sobre o projeto gráfico que tem esse aspecto mais urbano. Eu fiquei pensando um pouco também se vocês veem alguma relação entre essa proposta de urbano e a própria ideia da Revista Desvio como um desvio. Se essa foi a ideia quando se pensou o site. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, aquelas placas de desvio que ficam na rua foram uma grande inspiração para a gente. Grande parte do projeto também vem dessas noções urbanas, de observar a rua.

João Paulo Ovidio Foi isso mesmo. Quando se deu início a revista, isso ficou bem marcado. Assim, de pensar a própria diagramação, esses elementos visuais. Essas imagens que estão no sumário, que estão entre um texto e outro. 

Talitha Motter E depois se criou a necessidade de fazer a revista, além dos .PDFs e da plataforma Issuu, também com a possibilidade de publicar continuamente. De certo, teve alguma adaptação gráfica aí também. Agora, mais sobre a questão do conteúdo da revista. Eu sei que vocês têm dois formatos de conteúdo, que é o da própria edição e o das publicações que se dão dentro do site continuamente. E daí vocês têm várias seções como crítica semanal, a agenda. Dentro da revista, tem os artigos, os ensaios, as críticas… Vocês teriam como comentar um pouco como vocês veem a diferença entre cada tipo de conteúdo, ou algum exemplo que vocês acham importante destacar. 

João Paulo Ovidio Acho que a crítica semanal é algo que que a gente não consegue ter controle, porque a gente faz a seleção dos críticos a partir de um texto e depois disso ele tem esse acesso para publicar semanalmente um conteúdo e tudo mais. As edições semestrais a gente consegue ter esse controle, porque enfim nós lemos tudo que é enviado. Tem uma seleção, a gente pensando como isso vai ser organizado. Então, acho que a principal diferença é em relação a isso. Nós frisamos no contrato com os críticos semanais é que a gente repudia qualquer pensamento que seja lgbtfóbico, racista. Assim, se a pessoa enviar um texto que tenha esse conteúdo, é complicado. A pessoa será desligada da coluna. 

Talitha Motter Sim, de alguma maneira, ela ainda tem que estar ligada ao que a revista acredita. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente não faz seleção assim ah… se é de esquerda, se é de acordo com meu partido. Não necessariamente, a gente não faz isso. Para mim, isso também seria importante que acontecesse, eh… Eu acho até que seria interessante, porque a revista tem um ideal, tal, nesse mundo. Eu até acharia interessante, mas ao mesmo tempo eu entendo que, assim, aí é uma questão pessoal. A cultura, ela… Claro, ela é bem assim vanguardista, pioneira nos ideais… e, às vezes, liberais até. Então, eu não acho que tem como a gente exigir isso, porque às vezes parece que o pessoal não tem esse domínio político tão apurado. Agora é imprescindível ser uma pessoa ética respeitosa com as diferenças. Sei lá, não apoiar fascista por exemplo, umas coisas básicas. Eu realmente espero que uma pessoa da cultura não faça isso. Acho que é quase óbvio. Até porque assim nenhum fascista apoia a gente nunca. Então, não faz sentido para mim alguma pessoa apoiar isso. 

Talitha Motter E, João, tu estava falando um pouco da questão da seleção dos textos para as edições fechadas. Tu podia, ou tu e a Gabriela, comentar um pouco quais são os critérios para a análise dos textos?

João Paulo Ovidio A gente abre uma chamada para o caderno especial e uma chamada livre. A gente separa esse conteúdo em pastas e encaminhamos para pareceristas. Nas edições passadas, foram pessoas convidadas. Enfim, nossos conhecidos que também têm interesse por essa área acadêmica, mais que não são necessariamente dessa área, que são de outras instituições. Nessa edição específica, que vai sair agora em dezembro, que é a sétima edição, os pareceristas foram os próprios membros da revista por uma questão de tempo. Mas a seleção funciona a partir de uma ficha, que esse parecerista recebe, e ele preenche com os dados dizendo se esse conteúdo deve ser publicado, se esse conteúdo precisa de uma revisão, ou se esse conteúdo não deve ser publicado por uma questão de desencadeamento de ideias, ou por um outro motivo. Gabriela e eu analisamos essa ficha, esse parecer, porque a gente já leu também o texto. Então, a gente tem domínio desse parecer. Aí, a gente avalia se é realmente aquilo. A partir desse momento, a gente faz a separação dos que foram 100% aprovados e depois voltamos para olhar os aprovados com ressalva para formar esse conteúdo da edição. 

Chamada para a 7a edição da Revista Desvio.

Gabriela Lúcio de Sousa E um detalhe importante é que são duas chamadas por ano, como eu tinha colocado no arquivo e, normalmente, tem caderno especial. Não é sempre que tem, mas normalmente a gente faz um caderno especial. O caderno especial ele surge de maneiras muito aleatórias, às vezes, da gente conversando: “Ah, nossa, ia ser legal abordar a temática tal.” Então, da sétima agora, vai ser culturas populares, sociedades à margem. Isso surge muito dos nossos interesses, do que a gente está vivendo nesse momento também. 

João Paulo Ovidio Da segunda edição, foi sobre o incêndio da EBA. A gente teve edição sobre Arte-Educação, sobre o Queermuseu, Africanidades. 

Gabriela Lúcio de Sousa Maternidades. 

Talitha Motter A Gabriela tinha comentado que esse caderno especial do Queermuseu tinha dado bastante repercussão, de certa maneira, de visibilidade para a revista. Vocês chegaram a receber alguns comentários? Como é que foi isso? 

Gabriela Lúcio de Sousa É, grande parte da repercussão veio até porque o caderno foi feito por graduandos de uma disciplina de um professor. A gente conversou com um professor, que é o Cezar Bartholomeu, e ele falou que estava fazendo alguns artigos sobre o Queermuseu e que ele queria também publicar esses conteúdos. Então, foi muito interessante, porque foi uma união realmente de professor com o aluno. Porque assim não era uma coisa meio de submissão, sabe? A gente falava com ele, não de igual para igual, mas com interesses semelhantes. Isso foi muito interessante, os alunos gostaram bastante. O público gostou muito, divulgou para a família. A gente ia lançar até a edição impressa e a grande maioria de quem queria edição impressa, era quem fez o caderno do Queermuseu. Essa repercussão nos próprios graduandos foi muito bacana para gente. 

João Paulo Ovidio Muito bacana também, agora que Gabriela falou disso de apresentar o texto, porque nas primeiras edições, a gente fazia eventos de lançamento. Então, a gente convidava os autores para comentar um pouco sobre o que escreveu e tudo mais. Como tem muita gente da graduação no início, meados, metade da graduação, as pessoas vão apresentar o trabalho, levam os pais, levam os amigos. Isso é muito bacana, sabe? Isso acontece também no PEGA. Ah, é a primeira vez que fulano está expondo um trabalho. 

Talitha Motter E dessacraliza um pouco essa áurea de apresentação de trabalho, porque tem diversos públicos nesse momento, no lançamento da edição, no PEGA. E eu não sei se tu também tem um outro exemplo, João, a Gabriela tinha citado esse do caderno especial, mas tu lembra algum outro texto, que tu acha que marcou bastante a história da revista ou que teve algum impacto maior? 

João Paulo Ovidio Eu acho que talvez o caderno de… Acho que foi da quarta edição, o caderno de Africanidades, que saiu junto com o caderno de Arte-Educação, que eram duas grandes demandas. E foi um lançamento muito bonito, poder ver essas pessoas compartilhando, porque são temáticas, são questões que atravessam diretamente a vida dessas pessoas. Você falar de arte-educação por mais que você esteja trazendo ali alguns teóricos educadores para esse debate do seu texto, é algo que está muito relacionado com a sua vivência. E no caderno de africanidades também. Algo relacionado à sua religiosidade, à sua crença de um modo geral, à sua relação com o mundo. Eu tenho um carinho muito especial pela quarta edição.

Talitha Motter E na quarta edição ainda teve então esse lançamento em formato de evento. 

João Paulo Ovidio Eu não lembro se teve alguma edição que não teve lançamento. 

Gabriela Lúcio de Sousa As especiais não tiveram, João, porque já foram evento. 

João Paulo Ovidio As especiais são desdobramentos de evento. Então, tem edição especial do primeiro e do segundo PEGA, que é o encontro da graduação. Então, não tem um lançamento, porque já teve evento antes. Metodologias, a mesma coisa. E “Junho de 2013”. Porque aí é o oposto, é o desdobramento do evento. E, essa sexta edição, que foi a edição sobre Maternidades, teve uma exposição. Acho que seria interessante de ser comentado, que o formato de lançamento contemplou uma exposição feita com ilustrações de um coletivo de mães ilustradoras, mas também trabalhos de outras mulheres artistas. 

Gabriela Lúcio de Sousa Prioritariamente, as que estavam na edição também. 

João Paulo Ovidio A maior parte, mas teve outras que não estavam na edição, mas que foram convidadas também a fazer parte da exposição. 

Talitha Motter E uma pergunta, duas perguntas na verdade que são voltadas mais para a questão de quem publica na revista. Eu queria que vocês comentassem um pouco sobre qual é o perfil desse autores. A Gabriela tinha falado a questão do jovem pesquisador, que muitos são do Rio de Janeiro, por causa desse foco mesmo da Revista Desvio. Vocês enxergam que existe já uma presença na Revista Desvio em outros públicos, de outros autores, de interessados em publicar? E mesmo quais são essas áreas? Acho que não é só a área das artes, como é que funciona isso? 

João Paulo Ovidio O que eu percebi nas últimas edições, pensando talvez esse último ano, foi a presença de pessoas… enviando texto, pessoas que são da Bahia. Tivemos um número significativo de inscrições, de submissão de conteúdo. Do Ceará também, então pensando assim nessa parte do Nordeste, mais esses dois estados. Na edição passada, teve também artigo de algumas pessoas do Rio Grande do Sul. Nessa próxima, também vai ter. Acho que a revista, de certo modo, está conseguindo alcançar bastante gente da UFRGS. E dessa parte daqui do Sul, Sudeste, São Paulo e Minas ainda… tem uma participação bem tímida. Acaba que é uma participação mais forte do Rio e do Rio Grande do Sul aos poucos. A Gabi agora ela está em Brasília, acho que aos poucos a tendência vai ser receber artigos de pessoas que são de lá também. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, por uma coincidência até, a gente recebeu um convite dos graduandos daqui das Artes Visuais de Brasília, da UnB, para fazer, para participar de uma palestra, a Jornada de Iniciação Científica deles. E assim foi uma grande coincidência, porque a sorte eu estar aqui, que daí a gente pode comparecer. Vai ser dia seis agora. 

Talitha Motter E a maioria desses autores são da graduação ou são autores independentes que não tem nenhum relação com a academia? 

Gabriela Lúcio de Sousa A maioria é da graduação eu acho. 

João Paulo Ovidio A maioria, acho que são poucos o que podemos chamar de autores independentes. Quando são independentes, são pessoas que já passaram pela graduação. Aos poucos está tendo também uma presença de pessoas da área de Letras interessadas em publicar.. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente tem bastante mestrando também. 

João Paulo Ovidio Sim, mas quando é mestrando a gente dá preferência para o graduando, ou esses mestrandos que são de universidades menores, digamos assim. Se for, por exemplo, um mestrado de algum curso da universidade no Amazonas ou um de São Paulo a gente vai dar prioridade para quem é de Amazonas. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que é interessante também ressaltar que, por exemplo, uma coisa que a gente faz muito é verificar um pouco a origem dessa pessoa. Então, por exemplo, nos eventos que a gente faz, a gente faz uma tabelinha assim: fulaninha é da Baixada, é mulher, é negro. Assim a gente quer realmente viabilizar o acesso à essa galera que não consegue ter acesso.

Talitha Motter Isso faz parte digamos assim da posicionamento editorial da Desvio. Como é que vocês enxergam o tipo de texto que vocês publicam normalmente, se ele é um texto mais acadêmico, por exemplo tendo em vista o formato de artigo, ou se ele é mais ensaístico, mais informativo? Quais são as gradações desses textos dos autores que vocês publicam?

Gabriela Lúcio de Sousa A gente recebe bastante relatos de experiência, que também é um texto acadêmico. A gente tem aberto a opção para textos um pouco mais de artista. A gente vai até talvez fazer isso na oitava edição, de ter textos de artista. Mas no site da revista tem uma lista de normas do tipo de publicação que a gente aceita, então no geral é isso que a gente publica: alguns ensaios, resenhas, artigos, mas tem muito relato de experiência. 

João Paulo Ovidio Acho que pensando artigo dentro de um sentido rígido, boa parte é quando alguém manda o desdobramento do seu TCC, ou parte de uma pesquisa de iniciação científica, mas tem muita gente que envia algo que é o desdobramento de uma disciplina. Então, acaba se aproximando mais dessa questão ensaística. Por exemplo, agora nessa próxima edição a gente tem um texto de uma pesquisadora que vai ser sobre aquela pichação que aconteceu na abertura da ArtRio. É um texto que traz essas discussões de um modo mais ensaístico, que é baseado em algo que aconteceu um dia desses e tudo mais. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.