Détour

Entrevista com os diretores da Revista Desvio Gabriela Lúcio de Sousa e João Paulo Ovidio

Imagem de capa: Condor.

Ideias de Revista

Talitha Motter E agora pensando um pouco essa questão da revista de maneira mais ampla. Eu tinha perguntado antes para a Gabriela o que ela considerava como uma revista de arte e eu queria saber um pouco também de ti João. Como é que tu pensa o que é uma revista que trata de arte, de cultura? Eu li o texto que vocês escreveram sobre a Desvio da questão de uma revista estar sempre em obras, em construção. E eu achei interessante essa relação de revista com construção, com obra. Não sei se vocês querem comentar isso ou como é que vocês enxergam a ideia de revista em si. 

João Paulo Ovidio Eu acho que por mais que a revista tenha um objetivo inicial. O fato dela ser on-line demanda frequentes adaptações no sentido em que…. o que a gente pensava ou planejava em 2015-16 talvez já não funcione tão bem hoje. Então, a própria estrutura sofre essas alterações, que fazem parte do fluxo da sociedade, do pensamento como um todo. A revista como uma plataforma de divulgação, mas também um espaço de acesso e memória. No sentido que ela vai estar ali e vai ser consultada pelas pessoas depois de sei lá quanto tempo. Então, como os textos lidam muito com a questão da atualidade, tem uma abertura muito grande para crítica, até mesmo nas edições semestrais, acho que a função da revista é ser espaço também de memória e consulta. Mas não consulta passiva, mas de uma consulta crítica. De você poder voltar o seu olhar para aquilo que foi dito naquele momento e enfim gerar reflexões a partir do seu agora. Acho que tem essa função, sabe? 

Gabriela Lúcio de Sousa É eu concordo plenamente com o João nesse negócio da memória. 

João Paulo Ovidio Ela fala muito da sua época. 

Talitha Motter É bem assim que eu vejo a relação da revista e do seu tempo. E a importância também de se ver a revista como um registro de exposições de artistas, de tudo o que se está produzindo. É uma forma também de a gente saber que aquela pessoa naquele momento foi um artista, ou que produziu alguma coisa. Se a gente não tem um texto sobre isso, como daqui uns anos a gente vai identificar aquele ator da arte? 

Gabriela Lúcio de Sousa Ou até um registro histórico mesmo, por exemplo, a questão do incêndio do prédio da EBA. A gente tem um estudo muito completo desse incêndio. Então, para uma pessoa que vai fazer um dia um TCC sobre isso, é mais uma fonte de busca para ela. Porque a gente lançou na flor do momento, sabe? Tem essa coisa da relevância da gente ter lançado na hora, assim um pouco com aquela dor, com aquele desespero que a gente estava sentindo. Eu acho que isso é importante também nesse aspecto. 

Talitha Motter E tu tinha comentado sobre a ideia de ver a Revista Desvio como um sinônimo de resistência. Tu comentou também essa questão de posicionamento político, da questão da cultura. Achei interessante essa relação entre revista, resistência e autonomia. 

Gabriela Lúcio de Sousa Eu acho que esse momento político me deixa ainda mais arregada com esses conceitos. Na verdade, a gente estar aqui, o João, um historiador da arte, e eu restauradora, também é resistir nesse espaço que não é dado para a gente. Eu acho que a Desvio ocupa muito isso, sabe? De realmente ela… Primeiro que assim, o seu nascimento de propor um espaço para essa galera tão à margem, para esse graduando que não tem esse espaço, mas que se exige que ele seja. Aquela coisa clássica, para você trabalhar você tem que ter experiência. Para o graduando ir para o mestrado, ele tem que ter pontos em revista. Como é que ele vai ter pontos, se ele não publica? 

João Paulo Ovidio Como você participa de um processo de seleção de mestrado que vai levar em consideração a sua produção, se você não tem produção?

Gabriela Lúcio de Sousa É, então. E assim muita gente, às vezes, acaba nem indo para academia, porque fica com medo. Sabe, ah o espaço não é aberto, ah esse espaço é ruim. A ideia é realmente parte de democratizar esse espaço, sendo um espaço que não é muito usual, que é bastante diferente. E resistir também nessa situação, nesse momento também. Então, a revista surge muito com isso e, cada dia a mais, ela assume isso para si. Que não tem como… na situação que a gente vive, não tem como. Ela tem que realmente servir como um local de resistência. Eh… de todas as formas. 

João Paulo Ovidio E, por mais que eu me sinta muitas vezes saturado, Gabriela também, acho que aquilo que a gente comentou antes de ter esse compromisso de manter a revista em pé, porque sei lá daqui há dez anos as pessoas não olhem para a publicação e achem que paramos de produzir por conta de uma censura, ou de uma opressão. Como se tivéssemos desistido por não ter aguentado, sabe? Então, por mais que às vezes dá um desânimo, desânimo por outras questões, questões pessoais, de constantes tentativas de ter uma estabilidade, de dar continuidade à produção acadêmica, questões familiares como um tudo, por mais que isso nos canse frequentemente, é preciso continuar para que não seja mais um projeto, uma produção que vai ter seu fim nesse momento por conta de questões x e y. Eu quero que, não sei, se um dia tiver que encerrar, seja porque chegamos à conclusão de que atingimos o objetivo e que todos os graduandos, todos os artistas terão oportunidade de expor seu trabalho, de compartilhar suas ideias, porque… Enfim, terá diversas aberturas para isso. 

Gabriela Lúcio de Sousa Sim. E também assim, claro o que o João falou é muito importante, a gente está cansado, mas pela vida sabe. Porque cara, é isso sabe, o João está tentando. Ele também trabalha, né. Eu trabalho. A gente vai cansando pela vida mesmo, não é tanto pela revista, mas porque a vida cansa. E a gente tá tentando resistir nesse cenário também cada vez mais difícil, cada vez menos promissor, sabe, que você olha para o lado e você não tem mais Ministério da Cultura, você olha para o lado e você perde o museu. O museu queima, sabe? É desesperador, mas mais um motivo pelo qual a revista, ela tem que resistir. 

Talitha Motter E, nesse sentido, como é que vocês veem o papel do on-line para que a revista possa existir? 

Gabriela Lúcio de Sousa O on-line primeiro que ele, tudo que a gente paga o domínio da revista, a gente paga mesmo, mas ele é democrático. Claro que tem gente que não tem computador, enfim, mas no geral o acesso é mais simples do que uma revista que fosse impressa, que gera muito mais custo financeiro para a gente, para os outros também, que é nada ecológico, no momento que a gente vive não é muito adequado. E também, querendo ou não, o cara que vem lá da Universidade do Amazonas ele vai ter um computador disponível na universidade para dar uma olhada. Então, eu acho que, por mais que tenha muita gente que não tem acesso à Internet, ainda é um pouco melhor. 

Talitha Motter E até para distribuição. 

João Paulo Ovidio A distribuição é algo muito complicado, pensar a questão do deslocamento, frete, e tudo mais da edição física. E eu penso muito a partir da minha pesquisa, às vezes, eu estou lendo algum artigo e vejo um livro que é interessante. Aí, eu penso: ah, eu tenho que ir atrás desse livro, que vai me demandar um tempo, porque eu vou ter que ir talvez numa livraria, numa biblioteca para conseguir esse exemplar. Com o digital, se eu vejo uma referência aqui, eu já digito na busca, eu já encontro. Já vejo se é aquilo mesmo o que eu quero, ou se não é nada daquilo que eu quero.

Talitha Motter Além disso, além dessa questão da possibilidade de acesso, a questão de democratização para mesmo facilitar a publicação da edição, vocês veem mais alguma diferença em relação às revistas impressas e a revista em formato digital? 

João Paulo Ovidio O que a gente já conversou antes foi em relação a essa questão de referências, né? Então, a revista on-line permite a presença de links, de aberturas para outros lugares, outros modos de interação. Então, eu acho que essa é uma vantagem significativa. Também é a vantagem da busca. Então, se você aperta um “Ctrl + F” você pesquisa por uma palavra, você já é direcionado para um artigo, para um texto que vai te gerar interesse. Tem toda uma série de facilitadores de pesquisa mesmo. 

Gabriela Lúcio de Sousa É, eu acho que nesse ponto, por exemplo, a Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, ela é algo igualmente revolucionário, porque o que eles fizeram com o investimento que eles tinham foi incrível. Assim, essa coisa do digital para gente que tem que pensar cada vez mais rápido, tem que render cada vez mais rápido, é muito importante. 

João Paulo Ovidio A maior parte do levantamento de textos que eu fiz para escrever o meu TCC e que eu faço até hoje, é através da Hemeroteca. 

Gabriela Lúcio de Sousa Sim, eu também usei muito. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.