Détour

Entrevista com os diretores da Revista Desvio Gabriela Lúcio de Sousa e João Paulo Ovidio

Imagem de capa: Condor.

Outras Atividades

Talitha Motter Então, eu acho que a gente passou por todos os tópicos que eu tinha proposto. E eu não sei se vocês gostariam de complementar alguma coisa ou fazer alguma finalização. 

João Paulo Ovidio Em relação a isso de complementar, acho que seria talvez a questão do PEGA, que entre os nossos projetos, no ano passado nós tivemos bastante projetos de exposição, de seminários e tudo mais, mas eu acho que o PEGA é esse espaço que permite que a revista saia, faça esse movimento inverso, que ela saia do on-line para o físico, no sentido do físico das pessoas e dessas relações. Porque é aonde se tem a oportunidade de conhecer esses novos artistas pessoalmente, conversar sobre seus trabalhos, fazer um acompanhamento, conversar para entender melhor essa poética. Até mesmo porque, depois que esses artistas passam pela exposição, a gente continua de olho, no sentido de chamar para um novo projeto, ou de divulgar na agenda uma outra exposição que ele fez parte. E das comunicações também. Acho que se fosse necessário, é importante manter um dos muitos projetos, que a gente tem alguns outros em andamento, para 2020, acho que o PEGA, eu tenho um carinho especial. 

Talitha Motter É como se vocês construíssem com o PEGA uma espécie de rede de jovens artistas, que vocês começam a conhecer e a participar da formação deles de uma certa maneira, porque eles têm uma oportunidade de expor.

João Paulo Ovidio E até mesmo porque até os que não são selecionados a gente dá um retorno. Todos os artistas recebem um retorno, porque esse ano em específico teve essa questão que a gente não pôde contar com trabalhos de vídeo por uma questão de equipamento, também teve uma questão de espaço. Então, assim, teve trabalhos que não puderam ser mencionados, porque tinha dois por três metros e a gente já tem outros trabalhos com grande dimensão mais amadurecidos, no sentido de uma ideia mais consistente. 

Talitha Motter Para nós, acho que também funcionou um pouco assim quando a gente fez algumas exposições, a gente sempre estava de olho nos artistas que publicaram. E é como se o nosso repertório se construísse em cima dessa rede mesmo, das pessoas que entram em contato com a gente. E depois a gente continua acompanhando. É como se nós pudéssemos observar como se forma o nosso sistema, participando dele. 

João Paulo Ovidio Sim, isso é algo que me interessa muito. 

Talitha Motter E como foi o projeto da Galeria Desvio?

Gabriela Lúcio de Sousa Bom no final do ano passado, a gente sentou e conversou e decidiu criar um espaço, muito porque a gente tinha perdido o espaço do HO. A gente não ia conseguir mais expor nele, com a saída da Daniele de lá. Então, a gente pensou em viabilizar um espaço novo para expor o que a gente quisesse expor mesmo. E também assim, aquilo que a gente considerava interessante. Enfim, realmente uma galeria. Além de fazer venda também de obras, que é prioritariamente o que a galeria deveria fazer. Aconteceu que… a gente que pagava o aluguel. E começou a ficar muito difícil para a gente manter esse espaço financeiramente. Porque eram muitos gastos. A gente não estava conseguindo dar uma dedicação adequada. Então, a gente achou melhor realmente encerrar o serviço naquele momento. 

Página que apresenta parte das atividades que foram realizadas pela Galeria Desvio.

João Paulo Ovidio Porque o que acontece a galeria existia dentro de um espaço de um atelier, que é o Orgânico Atelier. Então, a gente ocupava um espaço, uma quantidade ali dentro. E, nos outros cantos, tinham o atelier de outros artistas que também alugavam um pedaço. Só que na hora de fazer a exposição a gente conseguiu ocupar todas as paredes, porque havia uma negociação. Quando fomos para lá em janeiro deste ano. O objetivo era passar todo o mês de janeiro fazendo um planejamento, em fevereiro fazer uma abertura. Março em diante começar o calendário de exposições e tudo mais. Exposições com artistas em sua maioria que participaram do PEGA, ou que em algum momento de algum outro projeto. Enfim, mandaram algum conteúdo para a revista. E, em abril, eu comecei a trabalhar praticamente todos os dias. Eu só tinha folga na segunda e a Gabi não estava mais no Rio então toda essa responsabilidade acabou ficando com a Daniele, que na época estava no processo de finalizar a dissertação dela do mestrado. Teve um gasto de tempo muito grande na galeria de inatividade. Até a primeira exposição acontecer, até a outra acontecer. Então, era algo que acabava não sendo viável para gente. No sentido que se ocupava um mês inteiro para enfim discutir fazer reuniões e a exposição mesmo não acontecia. Então, a gente começou a se questionar sobre a verdadeira utilidade do espaço. 

Talitha Motter Eu vi várias imagens do projeto “Artes Aquáticas – Verão em Queimados”. Como é que se desenrolou o dia das performances na piscina? 

Gabriela Lúcio de Sousa Nessa época, eu já não estava mais, então vai ser um relato só do João mesmo. Eu estava em Brasília já.

João Paulo Ovidio No ano passado, a Daniele chegou a escrever um projeto, não lembro se foi para a Funarte, ou se foi para algum outro edital para fazer uma exposição em Queimados na piscina e tudo mais. Acabou que, enfim, o projeto não foi contemplado, mas se manteve a ideia de realizar a exposição lá. Uma das pessoas responsáveis pela piscina é a Gisele Castro, que também fez História da Arte lá com a gente na EBA. Então, uma pessoa que a gente já conhecia. O esposo dela é o, digamos, responsável geral pela piscina. E, enfim, como a ideia de realizar o evento no ano passado foi muito próximo das eleições a gente resolveu adiar, por uma série de razões. Assim, Queimados é um município que fica aqui na Baixada Fluminense, que é conhecido por um alto índice de violência, em que praticamente a maior parte da população votou no dezessete. E, a gente sabe, a galera da arte tem uma postura, tem um enfrentamento que poderia gerar algum tipo de confronto ali e colocar talvez em risco a vida dessas pessoas. Porque a ideia era que a gente pudesse ter toda essa liberdade de corpos e tudo mais na piscina, se vestir como quisesse.

Talitha Motter Mas poderia ser interpretada de outra maneira. 

João Paulo Ovidio Poderia ser interpretado de uma outra maneira. 

Talitha Motter E daí acabou acontecendo neste ano. 

João Paulo Ovidio Foi no início deste ano, em março. E também tem aquilo, na metade do ano passado, aconteceu o assassinato da Matheusa. Então, em outubro, com as eleições e como as pessoas estavam tendo atitudes muito radicais, muito violentas. Enfim de atropelar travestis na rua, de esfaquear e tudo mais. A gente pensou: não, é melhor não realizar agora por uma questão de segurança das pessoas. No início do ano, decidimos fazer. Foi dia 24 de março. Convidamos algumas pessoas que tinham participado do PEGA também, alguns outros artistas que já conhecemos há um tempo. E foi isso, foi um evento bem legal. Tem reportagem na mídia, saiu naquele Programão Carioca, que é um dos quadros desse jornal de meio-dia da Globo. E teve atividades da própria piscina. Então, teve capoeira, Hip Hop. A gente abriu o microfone, em um momento, para que as pessoas pudessem falar, declamar poesias e coisas do tipo. E, no verão em Queimados, teve essa questão de ter um bar, de ter um local para poder vender bebida, comida e tudo mais. E foi a primeira, acho que podemos ter o “Artes Aquáticas” como uma tentativa anterior à galeria, porque ali já se pensou como vender alguns trabalhos. 

Talitha Motter Sim, que eu lembro que tinha uma proposta meio de feira. 

João Paulo Ovidio Chegamos a ter outras ideias, mas a ideia era fazer uma por estação. A do outono ia ser uma numa fábrica que tem lá em Bangu. Acho que se chama alguma coisa Viegas, eu não lembro o nome, mas que é uma fábrica muito conhecida da Zona Oeste, que de vez em quando rola alguma proposta lá de Hip Hop, de grafite, etc. E as outras edições iam ser em espaços sempre contemplando essa periferia do Rio de Janeiro. A gente estava pensando em fazer a do inverno em Olaria, a da primavera em Caxias, etc. E acabou que foi um projeto que não teve continuidade por uma questão de outras demandas, de outros trabalhos. 

Gabriela Lúcio de Sousa A gente tem muitos projetos e a gente tem muitas vontades, mas a gente não tem braço suficiente. E agora eu estou fora também. Então, isso atrapalha algumas coisas enfim. Se a gente pudesse, nossa! A gente faria muita coisa. 

Talitha Motter Mas são ideias que podem ficar guardadas, incubadas, por enquanto, e no futuro elas vão encontrar o caminho para serem realizadas.

João Paulo Ovidio Sim. Por mais que eu goste bastante de exposição, não é um trabalho que eu sou o primeiro a tomar um passo, sabe? De pegar e vamos fazer. Porque eu sou muito mais dessa outra produção, que é de organizar as coisas, de acompanhar e tudo mais. Gosto muito de exposição, mas quando eu penso que eu preciso me responsabilizar por toda uma demanda, toda uma gestão de montagem e ver questões de equipamento, e pensar como distribuir isso no espaço, me causa um pouco de cansaço mental. 

Talitha Motter É um outro tipo de produção.

João Paulo Ovidio Minha atuação como um todo, ela sempre esteve relacionada a essa questão mais de uma organização de evento, parte mais acadêmica e de arte e educação, que foi com o que eu trabalhei durante o período da graduação.

Talitha Motter Sim, e a revista tem bastante esse papel, como tu tinha dito, de formação. Então, une esses dois interesses.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.