Entrevista com o cofundador da Performatus Tales Frey

Imagem de capa: Tales Frey, foto de Paulo Aureliano da Mata.

Site Web, Conteúdo & Autores

Como foi pensado o projeto gráfico da revista?

Tales Frey Toda a criação da identidade visual foi feita em diálogo com o designer Rubens Rangel, com quem sempre trabalhamos. 

Edições publicadas pela revista Performatus.

Qual é o sistema utilizado para publicação do site da revista (ex. WordPress)? Comentar por exemplo as vantagens e desvantagens observadas.

Tales Frey Utilizamos o wordpress. A vantagem é a simplicidade e autonomia que podemos ter para atualizações. A desvantagem talvez seja a falta de possibilidade de criarmos um layout mais elaborado, embora o nosso gosto estético esteja completamente relacionado à desafetação mesmo. 

O site da revista foi alguma vez modificado? Por quais motivos?

Tales Frey Algumas vezes precisamos inserir novos sublinks. Quando criamos eventos relacionados à revista (mostras de performance, curadorias de exposições, residências artísticas, etc.).

Vocês também disponibilizam a publicação dos textos em .PDF. Você teria como me contar os motivos que levaram a publicar também esse segundo formato?

Tales Frey Muita gente escrevia para a revista pedindo tal formato. Talvez porque quisessem armazenar os textos em seus computadores. Nós aderimos atendendo aos pedidos que recebemos.

Você poderia me contar um pouco sobre quais são os tipos de conteúdo publicados pela revista? Por exemplo, comentar os objetivos principais de cada seção da revista: Perfil de ArtistaEstudosCríticasEntrevistasTraduções, Dos cadernos e Documentações.

Tales Frey No perfil de artista, priorizamos artistas emergentes. Não são artistas já consagradas(os), mas são aquelas(es) que têm se destacado no circuito artístico. Inclusive, há artistas que, posteriormente à publicação, passaram a ter ainda mais inserção no meio e isso prova que a revista pode impulsionar muito as suas carreiras profissionais. Em “entrevistas”, priorizamos artistas ou pesquisadoras(es) que, de modo geral, abordem a performance/performatividade nas suas práticas e pesquisas. Documentações são ensaios visuais que não precisam vir acompanhados de textos. Dos cadernos são anotações, relatórios e visões mais específicas sobre os processos e métodos de cada artista. Isso é uma ideia também apresentada em estudos, embora neste último item, reunimos analises mais conceituais de pesquisas em arte. Em críticas, há inclusive textos sobre espetáculos de teatro, de dança, de exposições, portanto é bem abrangente. Traduções é um item importantíssimo, pois procuramos sempre inserir textos fundamentais para a especificidade da performance (ou de assuntos relacionados ao gênero) e que ainda não exista em língua portuguesa. 

Pour être plus belle et efficiente (setembro de 2005) de Priscilla Davanzo publicada na seção Documentações da revista Performatus n.16.

Você poderia explicar mais em detalhes como é realizada a seleção do conteúdo de cada edição? Vocês recebem submissões espontâneas para avaliação ou também são realizados convites a autores? Quais são os critérios de avaliação dos textos, para a escolha de autores convidados e mesmo de temas?

Tales Frey Os temas coincidem sempre com o que estamos estudando para as nossas criações, mas também podem acontecer a partir de proposições externas enviadas para nós. Não há uma maneira fixa de criar cada edição. Para a próxima edição, por exemplo, eu e o Paulo escolhemos um tema e convidamos pessoas e, também, inserimos alguns textos que se aproximavam do tema e que já estavam conosco para análise. 

Quais seriam para você os papéis que a Perfomatus assume ao escolher discutir a performance em países que tem como idioma o português? Você percebe uma importância particular em trabalhar a questão da performance nesses países?

Tales Frey Os territórios onde o português é língua oficial não são países com uma tradição histórica de performance. O compromisso da revista é político, é decolonial. Hoje, no Brasil, por exemplo, há muitas pessoas praticando performance e é importante que elas sejam documentadas e, por isso, criamos uma publicação impressa e online chamada Evocações da Arte Performática, onde incorporamos todas as inscrições. 

Catálogo on-line do projeto Evocações da Arte Performática.

Como você percebe o diálogo entre as ações da revista Performatus e da Cia. Excessos? Por exemplo, penso que existe um importante papel de documentação crítica das performances realizadas pela Cia. Excessos a partir dos textos que são publicados na revista.

Tales Frey Naturalmente a Cia. Excessos e a Performatus estão interligadas, porque ambas são iniciativas minhas e do Paulo. Como respondi acima, a revista surgiu também como um modo de reunirmos as nossas pesquisas e interesses. Poderia dizer que a Cia. Excessos é uma plataforma para congregarmos a nossa prática e a Performatus para juntarmos as teorias e conceitos que nos atravessam. 

Você percebe uma relação entre os conteúdos publicados pela revista e os acontecimentos atuais no Brasil?

Tales Frey Completamente. Nós estamos sempre com atenção na atualidade de modo global e não acreditamos na existência da estética separada da política e, conforme o que o autor Bernard Stiegler diz, “o abandono do pensamento político pelo mundo da arte é uma catástrofe”. 
O Brasil está passando por um momento tenebroso que relaciona o fascismo e o neoliberalismo de um modo totalmente desumano em prol do capital. A necropolítica do Brasil atual é escancarada e, então, qualquer artista que esteja com atenção ao que se passa ao seu redor acaba por responder diretamente ao que assimila. E nós nos identificamos com tais artistas, logo a revista vira o reduto de oposição ao sistema opressor.  

Você poderia mencionar e comentar um texto publicado pela revista que teve um maior impacto/reverberação nas discussões?

Tales Frey Vou citar mais de um. A carta da Sara Wookey denunciando como a Marina Abramović explorava os seus colaboradores teve um impacto enorme nas redes sociais. O perfil de artista do Wagner Schwartz também reverberou nas redes sociais e acabou sendo muito acessado, pois o artista estava sendo perseguido de forma violenta pelos adeptos da extrema-direita do Brasil. Traduções de textos de algumas/alguns artistas e autoras(es) são muito citados em pesquisas e, nas estatísticas, estão entre os mais acessados. Dentre os artigos, ressalto os que foram escritos por Carolee Schneemann, Orlan, Jerzy Grotowski, Paul Beatriz Preciado, Adrian Heathfield, Vito Acconci, André Lepecki e o clássico “A Performatividade da Documentação de Performance” do Philip Auslander.

Você poderia falar um pouco do perfil dos autores que publicam na revista? Por exemplo, seriam eles novos autores, historiadores da arte, estudantes, curadores, críticos de arte, artistas, etc.? De onde falam esses autores, de quais regiões do mundo?

Tales Frey Realmente posso dizer que não há um perfil específico. Tem artistas e pesquisadoras(es) de campos diversos do conhecimento humano e as suas origens são múltiplas. Tem gente da América Central, do Sul e Norte, da Europa, Ásia, África e Oceania. O elo entre todas essas pessoas é o assunto em torno da arte.  


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.