Entrevista com o cofundador da Performatus Tales Frey

Imagem de capa: Tales Frey, foto de Paulo Aureliano da Mata.

Outras Atividades

Além da publicação da revista, vocês organizam outras ações, como exposições, publicações de livros, etc.  Como você vê a relação entre essas diversas atividades e a publicação da revista? Como elas colaboram entre si?

Tales Frey Eu e o Paulo somos proativos ao extremo. Temos interesse por muitos campos da arte. Desde a criação até a organização de eventos e curadoria. As materializações artísticas (nossas próprias obras, nossas curadorias e programações de obras de outras pessoas, bem como outros eventos) são solidificações de assuntos que estamos pensando e o que publicamos na revista é isso também. O mesmo acontece com o que inserimos na nossa coleção de arte. Compramos obras de diferentes momentos da história e de estilos dessemelhantes, desde Tarsila do Amaral até Lenora de Barros, de Caribé a Marina Abramović. 

Você poderia me contar um pouco mais em detalhe sobre como funciona a coleção de obras da Performatus, quais são os seus objetivos? Como ela começou a ser formada, como se dão as doações, como é pensada a circulação e conservação dessas obras?

Tales Frey O acervo começou espontaneamente quando o Paulo se interessou por algumas pinturas naïfs. Depois, começamos a comprar fotografias que podiam ser circunscritas no gênero artístico da fotoperformance, aí começamos a comprar objetos, esculturas, até que um dia um galerista de quem estávamos comprando muitas obras nos convidou para realizarmos uma exposição na Central Galeria de Arte de São Paulo. Foi assim que nasceu a Mostra Performatus, onde expusemos parte da coleção e convidamos várias(os) artistas para ações ao vivo, palestrantes, fizemos parcerias para residências artísticas, etc. E, com o dossiê da primeira edição, eu ofereci ao SESC SP a Mostra Performatus #2 com outras obras, outras ações, outras palestras. O SESC comprou o projeto e o mesmo ocorreu no SESC Santos. 

Hoje, temos mais de trezentas obras e elas ficam no acervo da família. Sobre as doações, estamos sempre abertos para incorporarmos obras de arte ao nosso acervo. Temos adoração pelas obras que temos, assim como pelos livros, filmes e discos. Somos verdadeiros acumuladores de arte e cultura.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.