Entrevista com o cofundador do Icônica Ronaldo Entler

Imagem de capa: Ronaldo Entler, foto de Priscilla Buhr.

História & Organização

Talitha Motter Eu queria que tu pudesse me contar um pouco de como foi a criação do Icônica em 2009. Tu criou junto com o Rubens Fernandes, não é mesmo? E também falar um pouco sobre qual foi a ideia inicial, quais foram os objetivos que vocês pensaram e como foi realmente colocar no papel o Icônica até ele começar a publicar os primeiros textos.

Ronaldo Entler Eu trabalho com o Rubens há muito tempo. O Rubens foi meu professor. E, desde 95, eu dou aula na FAAP, onde ele é diretor da área de comunicação. Então, ele é meu chefe há muito tempo e é principalmente um grande amigo, um grande parceiro de trabalho. A gente já fez muita coisa juntos. E a gente tem um perfil semelhante. A gente tem uma formação acadêmica, um histórico de publicações acadêmicas, ao mesmo tempo que a gente lida com um público muito amplo, muito variado. Desde artistas, fotógrafos, um pessoal que está no circuito cultural da fotografia e também alunos de graduação, que são pessoas que eu prezo muito e que me ajudam muito a testar a clareza do meu discurso. A gente sempre fez um esforço muito grande de conseguir falar ou de conseguir modular nossa fala para levar as nossas questões para esse público amplo. O universo dos pesquisadores, dos alunos… Eu dou aula por exemplo para um primeiro semestre de graduação, que exige um pouco mais de generosidade na construção dos textos ou das falas e converso muito com artistas que têm também às vezes o seu vocabulário próprio. Então, nos artigos acadêmicos que a gente publicava corriqueiramente, já havia da nossa parte um esforço de que eles fossem lidos por outras pessoas que não estão necessariamente imersas nesse campo da pesquisa. A gente, o Rubens especialmente, ele é um grande cronista, um cara que acumula muitas histórias, porque ele é colecionador de fotografias e de outros tantos cacarecos. Ele traz histórias que são repletas de questões importantes, de questões que valeriam ser compartilhadas para um público amplo. Mas são histórias, histórias de vida, você não vai escrever um artigo para uma revista de uma universidade contando de um passeio que fez em um domingo, quando você achou uma coleção, um álbum de família que tomou a sua atenção por muito tempo. Enfim, o Rubens é um cara que tem muitas histórias. Da minha parte, uma coisa que pauta muito… A minha vida é como falar pra esse aluno que é muito jovem. Eu sempre tive muito isso na cabeça e sempre usei muitos alunos e ex-alunos para testar aquilo que eu estou pensando.

Essa é uma coisa que aparecia muito nas nossas conversas, como não se fechar, como transitar, como ter um pé em cada lugar e como não se trancar num desses ambientes.

Coisas que a gente viu acontecer com muita gente. Eu fui fotógrafo, eu trabalhei em jornal, durante muito tempo da minha vida, e a vida acadêmica é uma coisa que te traga, que às vezes te afasta do mundo. Eu sempre morri de medo de perder essa conexão com uma produção mais corriqueira, mais cotidiana e com as conversas mais cotidianas. Bom, eu me lembro bem. Num evento que aconteceu no Itaú Cultural em 2008, eu acho que era o Fórum Latino-Americano de Fotografia, se não me engano, eu estava numa mesa, creio que junto com o Rubens, ou se ele não estava na mesa, talvez ele tivesse ali na minha frente, na plateia, não me lembro bem, em que essa discussão surgiu de como falar ao mesmo tempo para o mundo acadêmico e para o universo dos artistas, que era basicamente o público que a gente tinha lá. E, na minha resposta, um pouco de brincadeira, eu falei sem a devida autorização do Rubens, mas eu tornei público uma coisa assim que eu arrisquei. Era só uma brincadeira, eu falei: “Mas, inclusive, eu estou aqui junto com o Rubens planejando aí um espaço na internet para a gente poder estabelecer conversas mais amplas.” O Rubens arregalou o olho ali na plateia, mas comprou a ideia. No intervalo, muita gente veio falar com a gente, assim “me conta essa história, como é que é isso? Que formato vocês vão dar pra isso?”. E ali não teve mais volta desse negócio. Eu, por sorte, me dou bem com tecnologia. Eu sempre gostei assim de me meter, me atrever, lidar com linguagens simples de programação, e decidi usar a plataforma WordPress, que era bastante disponível. A gente levou muito tempo para conseguir fazer esse treco sair para valer. Assim, foi quase um ano até colocar o blog no ar.

Primeiro layout do Icônica, fonte: https://imagesvisions.blogspot.com.

Em princípio, era um blog. Era para ser um blog com linguagem de blog, a gente queria conversa de boteco mesmo, a gente não queria colocar lá coisas que teriam potencial para virar artigo. Um comentário assim do tipo, fui assistir um filme, com um personagem fotógrafo. Aí, você faz lá… Às vezes, tinha textos muito pequenos, coisas provocativas. O Rubens também contando pequenas histórias. Acontece que a coisa deu certo. E, em algum momento, e muito rapidamente, a gente percebeu que a gente estava sendo lido tanto pelos fotógrafos, quanto por alunos e também pesquisadores que eram nossos parceiros, que mandavam retorno, deixavam comentários, convidavam a gente a escrever artigos a partir de coisas que a gente tinha postado ali. O que deu um pouco de medo, porque bate um certo senso de responsabilidade. Não é que a gente está falando aí para uma galerinha que já é leitora de blog, a gente continuou falando com os nossos interlocutores todos. Quando isso aconteceu, a gente foi parando um pouco com as gracinhas, com os textos mais… mais superficiais. Enfim, o que virou um drama para a gente, porque a gente não queria perder a agilidade. Naquele momento, isso foi muito difícil de manter. Por muitos anos, a gente tinha a proposta de publicar um texto por semana e quando bateu esse senso de responsabilidade, é que eu acho que a gente começou a querer não usar a linguagem de blog. Porque blog, assim, era uma época, em que todo mundo tinha blog e falava dos assuntos mais diversos. A gente falou: “Opa! Não, ele pode ser mais do que um blog”. A gente começou a ver, já no primeiro ano, pessoas citando textos do Icônica nas suas dissertações de mestrado, em outros artigos. Eu falei, “então, pera aí! Então, tem que citar fontes. A gente tem que tornar mais transparente as nossas fontes.” A gente foi parando um pouco com as gracinhas e os textos começaram a virar pequenos artigos. Isso aconteceu nesse espaço de um ano. A gente começou a conversar mais, criar uma espécie de pauta. Assim, “quem escreve essa semana? Você tem alguma ideia?” Quando não tinha, a gente ficava caçando temas para não perder muito o pique. E a coisa engrenou. Foi uma experiência muito prazerosa.

O Rubens era um cara já muito consolidado no circuito cultural da fotografia, no campo da pesquisa também. Para mim, eu sou um pouco mais jovem que ele, o Icônica foi muito importante, porque muita gente começou a me acessar, gente que não me conhecia. Acabou sendo um canal de muitas conexões. Dali surgiram outros trabalhos e surgiram também amizades muito, muito intensas.

Eu sempre botei muita fé na internet. Eu nunca tive preconceito e eu sempre… sempre acreditei que essas relações mediadas pela tecnologia, elas podem ser muito produtivas.

É, bom, graças ao Icônica, que eu resgatei o contato com uma figura que também havia sido um professor meu, que é o Mauricio Lissovsky. A gente se encontrou em eventos nos anos 80, no final dos anos 80, quando tinha a Semana Nacional de Fotografia. Não tinha internet ainda na época. E a gente teve uma boa interlocução. Eu era muito jovem e ele um pouquinho mais velho que eu, mas fiz um workshop com ele. Fiquei muito, muito tocado pelo pensamento dele e por conta do blog, ele começou a mandar alguns recados. A gente começou a interagir um pouco novamente. A gente começou a se encontrar em eventos e a se encontrar em botecos também. A gente redescobriu ali uma afinidade muito grande. Nessa ocasião eu conheci a Cláudia Linhares, que havia sido orientada pelo Mauricio. A gente foi formando ali um grupinho. Tem uma figura muito importante nessa história que é a Lívia Aquino, que é uma pesquisadora daqui de São Paulo, que também tinha um blog chamado Dobras Visuais. Eu só não a convidei para entrar no nosso blog, porque ela já tinha o dela e também já tinha o seu público. Enfim, eu acho que o blog dela é anterior ao nosso, inclusive. Então, isso virou um grupo muito produtivo de conversas. O Mauricio é um cara que tem um acadêmico muito, muito consistente, mas aquela coisa meio carioca. Ele tem um jeito muito provocativo e muito engraçado. Você conhece o Mauricio pessoalmente? Ou já ouviu ele falando alguma vez?

Talitha Motter Não, não cheguei a conhecer. 

Ronaldo Entler Muito divertido. Inclusive, quando ele está em eventos, evento acadêmicos, ele performa de um jeito muito interessante. Teve um dado momento em que eu fiz, comecei a fazer um esforço muito grande de levar o Mauricio pra conversar nos eventos destinados a artistas, a fotógrafos, não nos eventos acadêmicos, nos quais ele já estava bastante inserido. E, assim, quando essa circulação se estabeleceu, eu fiz o convite, eu falei: “Mauricio, pô, você, o seu texto já tem uma certa leveza, a sua fala acadêmica já tem uma certa leveza, o que você acha de começar a publicar algumas coisas no Icônica?” Porque, de vez em quando, ele mandava uns textinhos, assim umas coisas, umas ideias de artigos que nunca viravam artigo. Aí, eu convidei, a gente chamou o Mauricio e a Cláudia Linhares juntos, assim, eles eram muito parceiros na época. A gente achou interessante a ideia de não estar só concentrado em São Paulo. Então, a Cláudia hoje ela mora em Brasília ela é professora da UnB, mas ela morava no Rio. E a gente tinha aí o Icônica com o polo Rio e São Paulo. Depois ela foi para Brasília. E, nesse grupo de conversas quotidianas, estava o Pio Figueiroa. E o Figueiroa, ele criou, tinha criado um coletivo que foi uma experiência muito marcante aqui no Brasil, que era a Cia de Foto. Eles acabaram colocando muitas questões a respeito do que é criar a fotografia coletivamente. Isso virou muitas pesquisas de outros personagens no ambiente acadêmico. Eles acabaram, a Cia de Foto, agitando muito o ambiente cultural da fotografia também. E o Pio foi se tornando um grande amigo. Ele é um cara da imagem, ele tinha vontade de escrever, mas fazia isso com muito esforço e começou, assim, a testar essa escrita até que em um momento eu falei: “Pio, entra pro Icônica também.” Ele foi o último a chegar e tem poucos textos. A Cláudia também, assim, quando ela foi para Brasília, ela acabou não conseguindo arrumar muito tempo para publicar os artigos. E, assim, a gente juntou essa equipe, que funcionou muito bem durante alguns poucos anos. Mas é isso, eu acho que acabei contando outras histórias. Eu vou te deixar fazer outras perguntas. Mas o Icônica nasceu dessa provocação que eu fiz num evento do Fórum Latino-Americano de 2008. Ele saiu pra valer em 2009, e acho que foi em 2011 que o Mauricio e a Cláudia entraram, talvez em 2014 foi quando o Pio Figueiroa entrou.

Detalhe da home page atual do Icônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.