Entrevista com o cofundador do Icônica Ronaldo Entler

Imagem de capa: Ronaldo Entler, foto de Priscilla Buhr.

Site Web & Meios de Financiamento

Talitha Motter Mas foi bom, porque esse depoimento já cobre várias perguntas que eu tinha pensado. Uma delas era justamente sobre esse período de passagem em 2011, que eu acho que é quando o site se renova, muda o seu formato. Ele sai desse formato mais blog para o formato atual do site. E foi exatamente com esse objetivo que teve essa mudança? Para tentar se afastar um pouco dessa linguagem de blog?

Ronaldo Entler Essa foi uma preocupação minha. Eu acho que os meus colegas não estavam muito preocupados assim com o que era o Icônica. Aliás, eu com muito prazer, eu trabalhava muito para que a parte técnica funcionasse. Eu é que publicava todos os textos, eles me mandavam o texto no Word. Eu fazia a revisão e ficava ali montando aquelas páginas. Então, assim, quem entendia um pouco tecnicamente o que era aquilo, era eu. E eu cumpri um pouco esse papel. A gente nunca falou, assim, “eu sou editor, fulano é o editor”. Todos nós éramos colaboradores, mas sim eu cumpria um pouco esse papel de ficar dizendo, provocando: “Olha, não temos nenhuma ideia. Mauricio você tem alguma coisa? Li um treco que você postou nas redes, não quer escrever um pouco mais sobre isso?” Então, eu ficava tentando articular esses textos. De fato, em 2011, quer dizer desde antes, muito rápido, já no primeiro ano, bateu essa coisa de… Era pra ser conversa de boteco, a gente achou que não, os textos começaram a ficar grandes, tem textos enormes. Inclusive, as pessoas reclamavam, falando: “Pô, que textão! Isso não é artigo.” As pessoas diziam: “Isso não é artigo acadêmico.” Mas, de fato, 2010 para 2011, eu cansei da cara que ele tinha eu achei que… Porque o blog ele tinha uma estratégia, que é essa coisa de uma espécie de linha do tempo, em que os assuntos vão se perdendo, tipo o Facebook, o que vai ficando pra trás, vai ficando para trás. E a gente percebeu que alguns textos, eles sobreviviam. A gente via a galera recuperando esses textos, citando os textos, convidando a gente para falar em eventos em função desses textos que tinham sido lidos. E, essa foi a primeira, a primeira questão, quer dizer a primeira não, mas aquela gota d’água que exigiu que o blog passasse por essa reformulação. Aquela ideia assim de ter temas, eixos que permitissem que quem chegasse no Icônica, num dado momento, pudesse navegar por vários textos de vários autores a partir de certos temas. Eu queria deixar esses textos mais visíveis na tela. Então, eu comecei a pesquisar, foi um longo processo para encontrar aí o que a gente chama de tema, o layout do WordPress que funcionasse bem. Isso dá muito trabalho. Você redesenhar o layout de um blog, pelo menos deu, da maneira como eu queria. Eu comprei esse layout, ele é pago. Você tem muito layouts que são gratuitos. Eu optei por um que fosse pago, eu reprogramei bastante esse layout para que ele funcionasse como eu queria. De fato, em 2011, a gente mudou a cara dele. E as pessoas… Engraçado, né?

A partir dali a gente percebeu que as pessoas… algumas chamavam de revista. A gente começou, por exemplo, a receber release de imprensa. Toda exposição que acontecia, me mandava o material como se eu fosse o editor de uma revista. E eu pensava, assim, o Icônica é uma revista?

Assim, não sei. Muita gente chamava o Icônica de Portal. Tem uma coisa que a gente nunca fez e nunca quis fazer que é fazer divulgação de eventos. Essas coisas, “ah, vou fazer uma exposição”, “estou lançando o livro”. A gente era muito lento, ninguém tinha agilidade pra receber um release na mesma semana e ficar ali escrevendo uma crítica sobre uma coisa que a gente acabou de receber. Então, eu sempre disse pra todo mundo: “Olha, não manda livro para divulgar, a gente não consegue divulgar. Não é esse o espírito.” Então, é assim, o Icônica é uma revista, ou é um portal dedicado à publicação de artigos. É isso, de artigos, que têm uma certa missão que ainda é acadêmica, mas o Icônica nunca perdeu esse esforço de usar uma linguagem que fosse acessível ao grande público. Então, em 2011, teve essa mudança bem importante.

Eu acho que 2015 teve uma outra coisa. É que, em 2015, o que aconteceu é que ninguém aguentava mais ficar trabalhando nisso. Eu já não tinha o tempo que eu tinha no início. A gente começou a deixar a peteca cair e eu decidi tomar um fôlego. Eu inscrevi o Icônica num edital de publicações culturais que é o Proac, que é um edital do Governo do Estado de São Paulo. E eu consegui um financiamento por um ano para revitalizar. Então, nesse momento, eu fiz algumas alterações no layout de novo, não tão significativas, mas teve algumas mudanças. Acrescentei algumas funcionalidades de pesquisa, enfim, e criei algumas seções que não existiam. Eu fiz dentro do Icônica como se fosse um pequeno edital, em que eu convidava jovens artistas para dialogar comigo. E, aí, eu publicava pequenas críticas, assim, publicava os ensaios que era uma coisa que a gente não costumava fazer, publicar ensaios de artistas. Mas esse foi o compromisso que eu assumi com o edital, de dar espaço pra artistas em formação. Não necessariamente jovens de idade, mas artistas que não estivessem consolidados. Então, 2015 também foi um momento importante, em que a gente teve esse fôlego, porque tinha grana. E isso permitiu a gente se remunerar pelos artigos, inclusive. E, assim, depois disso foi um pouco ladeira abaixo, porque a vida é implacável, cada um tomou seu rumo. A gente vai ficando mais velho e ficando com mais responsabilidades. E hoje se você entrar no Icônica ele é um espaço relativamente abandonado. Eu não tiro os artigos. Eu já pensei muitas vezes em tirar o Icônica do ar, porque começa a dar pau. Porque se você não entra lá, de repente você entra um dia e o site saiu do ar. Você não fez uma atualização que tinha que ter sido feita, as imagens vão saindo do ar. Os vídeos que estão no YouTube, o YouTube acha lá uma questão de direito autoral, você entra tem uma janela vazia ali. Então, as coisas começam a ficar meio em estado de ruína. Teve um momento, assim, que eu conversei com os meus parceiros, eu falei: “Galera, eu vou fazer um backup de tudo isso, deixar na mão de vocês, mas vou tirar o Icônica do ar.” E a notícia se espalhou e a galera, amigos, falou: “Não tira do ar, deixa ele lá, porque as pessoas continuam acessando.” De fato, a gente tem muito feedback. Os textos, tem alguns que são circunstanciais outros são atemporais. Muitos textos continuam sendo citados. Eu, volta e meia, encontro esses textos circulando impressos, professores distribuindo para alunos. Eu sei que o Icônica, ele está na bibliografia de muitas disciplinas pelas universidades do Brasil. Ele continua sendo citado. Durante um tempo, eu tentei colecionar essas citações que o Icônica tinha, mas eu desencanei, assim, isso também aumenta o meu trabalho. Mas é isso, ele está meio parado, não tem sido alimentado. De vez em quando, muito raramente, algum texto fica ali meio parado, a gente pode sem cerimônia lançar lá na Icônica. Mas ele não tem… Assim, periodicidade zero. E a gente tem, sei lá, cada um de nós está escrevendo para outros espaços. Eu, atualmente, sou colunista do site do Instituto Moreira Salles, o que canaliza muita energia. Mas é isso, 2011 foi um momento importante, 2015 também por causa do Proac que a gente ganhou.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.