Entrevista com o cofundador do Icônica Ronaldo Entler

Imagem de capa: Ronaldo Entler, foto de Priscilla Buhr.

Conteúdo & Participações Externas

Talitha Motter E, sobre essa questão do Proac, essa seção que vocês criaram, o Paragem, né, que foi selecionando os artistas, como é que foi essa seleção? Vocês fizeram uma chamada e receberam muitos portfólios provavelmente… Como é que foi o processo de seleção desses artistas, contato com eles para dar o ok e a escrita mesmo das críticas?

Ronaldo Entler É, assim, foi uma surpresa. Eu lancei uma pequena convocatória. O espaço não era muito grande, porque o edital durava um ano e eu tinha o compromisso de publicar acho que dez portfólios, algo assim. E foi uma enxurrada de coisas, coisas que, por um lado, tinha gente que estava um pouco fora do perfil que eu tinha definido e que eu definia como artistas em formação. Tinha gente que era da velha guarda, já com o trabalho consolidado, que mandava, assim: “Olha, eu estou com uma série nova. Você não quer publicar?” Eu falei: “Não, não é esse o espaço.” Mas eu devo ter recebido… Sim, eu tinha, dentre os portfólios, as séries que eram publicáveis, eu cheguei a uns 150 trabalhos. Num dado momento, eu avisei que estavam encerradas as inscrições, porque eu não ia dar conta de olhar tudo isso. Mas foi um processo muito legal, porque teve duas situações. Trabalhos que chegaram bem prontos, que o que eu fazia era estabelecer um processo de interlocução. Uma coisa que eu sempre gostei muito de fazer é trabalhar com artistas escrevendo textos para catálogos de exposições, livros, e geralmente eu escrevo para artistas com quem eu convivo, já são amigos, eu já frequento atelier, acompanho o trabalho desde muito tempo. Uma coisa que sempre aconteceu e continua acontecendo, assim, aparece um convite do nada de alguém me pedindo um texto: “Ah, você não quer escrever sobre o meu trabalho?” E, eu geralmente respondo que não, porque para mim é um processo muito lento de entrar no trabalho desses caras, estabelecer um diálogo para conseguir chegar no texto. E o Paragem, ele foi desenhado um pouco com essa perspectiva. Na verdade, todos os textos ali são meus. Os meus colegas, assim, não se animaram muito com a ideia, também já estavam sem tempo. Mas o que eu fiz foi isso, na medida em que eu selecionava uma figura, eu estabelecia uma conversa que podia durar dois meses. Teve uma menina em particular que, eu esqueci o nome dela, ela é de Londrina eu acho, eu gostei do trabalho dela, mas achei que o trabalho não estava pronto. A gente ficou ali uns seis, sete meses conversando, ela me mandando, refazendo as imagens. Foi assim, em alguns casos, ali no Paragem, o que a gente estabeleceu foi um processo de orientação. É uma coisa que eu gosto muito de fazer, trabalhar com alunos, ajudando o cara chegar num trabalho. Então, às vezes foi só um bate-papo para eu entender a pesquisa desse artista, para eu poder escrever o texto. Em outros casos, nesse processo de diálogo, o trabalho ia se transformando.

E tem uma coisa, assim, que era meio moeda… Eu não pagava nada pra esses artistas, mas eu descobri que o texto é uma moeda, porque muita gente me pedia: “Ah, você escreve um texto para mim? Eu te pago.”

Não sei o quê… troca texto por trabalho. “Você me escreve um texto e eu te dou um trabalho meu.” E eu achei que o que eu teria para oferecer era o texto. “Olha, me deixa eu publicar seu portfólio, eu faço um texto para o seu trabalho.” E, foi muito legal, porque em vários casos esses artistas acabaram usando meu texto em outros espaços, em exposições que eles fizeram. E, eu tinha isso em perspectiva mesmo, em mente, a ideia de que o teu texto que eu escreveria era algo que eu estava oferecendo a esses artistas. Então, foi isso, foi uma convocatória, tinha um processo de inscrição. Todo mundo subia lá um PDF com esse portfólio e foi uma loucura, porque eu achei que eu receberia uns 20, 30 trabalhos, recebi uns 250, selecionei 150 trabalhos possíveis, mas publiquei dez. Eu jurava pra mim que eu iria continuar publicando esses portfólios, mas ele morreu ali. Na hora que encerrou o edital, eu encerrei essas publicações. Fora do edital, eu publiquei um trabalho de uma menina, que achei que… Assim, eu quis escrever sobre o trabalho dela. Ela tinha esse perfil de artista em formação, então eu reabri o Paragem um ano ou dois depois, não sei, para colocar mais um trabalho e foi só.

Texto sobre a produção da artista Claudia Tavares na seção Paragem.

Talitha Motter Para voltar um pouco nessa questão da história da revista, do blog, enfim, do site, como foi decidido o nome do Icônica? Por que Icônica?

Ronaldo Entler É… Icônica, se eu fosse traduzir, bom, Ícone é uma palavra grega que, se você for traduzir, a tradução é imagem. Então, Icônica seria uma coisa como imagética. É uma palavra um pouco infeliz porque… icônico está muito associado a coisas que se tornam emblemáticas. Assim, uma figura icônica do cinema, uma figura cuja imagem se difunde em larga escala. Aí, tem uma coisa da minha história de pesquisador. Além de fotografia, uma coisa que eu estudo muito seriamente é a produção de imagens e textos sobre imagens no contexto da Idade Média Cristã. Eu estudo muitos ícones cristãos medievais. Isso é uma pesquisa um pouco estranha, assim, eu tenho poucas oportunidades de falar sobre isso, mas eu dou muita aula sobre isso. Eu dou aula numa pós-graduação em História da Arte onde eu falo desse período, Idade Média. Gosto muito da literatura que foi produzida nesse período e tinha muito em mente essa coisa dos ícones medievais. A palavra icônica, ela também circula muito no vocabulário semiótico, da semiótica persiana enfim. Mas não era muito essa a minha pegada. Na prática, o que definiu o nome do blog foi aquela coisa, teve um momento que a gente teve que registrar um domínio, o nome, o endereço do site, e a gente ficou testando lá. Tinha uma meia dúzia de opções e essas opções não estavam mais disponíveis como nome, e icônica estava. A palavra icônica estava disponível. Mas, assim, a gente ficou feliz com o nome também, porque a ideia era falar de imagem inclusive numa perspectiva mais abrangente do que a própria fotografia, a gente fala às vezes de pintura, instalação, cinema. Nessa perspectiva de falar de uma cultura visual, a gente achou que a palavra icônica cabia bem. Mas, a gente nunca fez disso um grande drama. As explicações, elas estão muito diluídas e em muitas pequenas histórias. Não teve uma reunião em que a gente decidiu o nome da empresa, do empreendimento. Isso não existiu. Quer dizer, hoje eu tenho uma empresa, eu tive que criar uma empresa por conta de trabalhos que eu faço e o nome fantasia dessa empresa é Icônica, já que eu tenho o site eu decidi que a empresa ia se chamar Icônica. Mas a empresa surgiu muito depois. Então, talvez não tenha uma grande explicação, mas acho que é uma palavra forte, porque remete a uma longa tradição da produção de imagens, da produção histórica de imagens.

Talitha Motter E tu comentou um pouco que no início vocês tinham uma ideia de publicar textos como… “Ah, fui ali e tive uma ideia, fiz uma viagem e a partir disso escrevi algo.” E eu notei que existe alguns textos que realmente parecem o resultado de viagens ou de percursos. E depois tem essa parte do site que se chama Rotas, que cria rotas dentro do site com uma abordagem de arte e educação. E eu fiquei me perguntando se essa ideia de viagem, de rotas, fazia parte da metodologia do Icônica.

Seção Rotas Entre Imagem e Educação do Icônica.

Ronaldo Entler Assim, desde o começo, uma ideia chave que ocorreu para a gente era a coisa do diário de bordo. O blog funciona como uma espécie, quer dizer, dentro do imaginário em torno dos blogs que a gente conhecia na época, o blog tem e sempre teve esse perfil de diário. Assim, de você contar as suas histórias de viagem no sentido metafórico. É… Bom, a gente nunca pensou muito que o espaço existia para que a gente contasse histórias das nossas viagens, porque essas viagens elas eram circunstanciais. Saía de férias, saía para um evento, enfim, não dava para garantir que a gente ia ter sempre a oportunidade de viajar. Mas sim, quando a gente viajava e via uma exposição ou encontrava um artista, ou encontrava pela rua alguma coisa que merecia virar história, a gente publicava lá. Quando eu ganhei o Proac, aí a Cláudia Linhares, que era uma figura que publicou poucos textos, ela estava ali fazendo uma série de pesquisas, a área dela lá na UnB é educação, a relação entre imagem e educação. E eu pedi para que ela participasse um pouco mais desse processo, inclusive eu tive uma espécie de assistente que me ajudou durante esse período financiado pelo Proac, que era uma aluna dela da área de educação. E ali a gente fez alguns planejamentos, porque o site já tinha muita informação. Em parte ok essa grana, é esse financiamento serviu para gente se animar e não perder o pique. Mas, nesse momento, a gente achou que valia a pena reler todos os textos e criar esses percursos que a gente chamou de Rotas e ali, sim, a gente começou a ter uma série de reuniões. Eu a Cláudia e essa menina, que era nossa assistente. E, nesse momento, a metáfora da viagem ela surgiu com bastante força. Então, essa seção Rotas, que tem esse pretexto, esse compromisso de colocar o site a serviço de uma pesquisa na área de educação, e a ideia de paragem também. A palavra Paragem, que é uma palavra que eu achei muito poética. Paragem, assim, é… sei lá, o viajante quando ele se cansa, quando por alguma razão estratégica ele tem que interromper a viagem, seja por uma noite, seja por um período mais longo, ele procura um lugar que funcione bem para ele fazer essa parada. Pode ser que seja um hotel, mas às vezes não é um hotel, assim, é só um espaço que ele acha razoável. Então, esse lugar, ele se chama paragem.

Paragem é uma palavra muito antiga que tem um pouco a ver com o imaginário dos viajantes. Um lugar em que tradicionalmente os viajantes param para descansar, para reabastecer o seu navio de mercadorias, para recarregar suas próprias energias.

Esses lugares são, eram chamados de paragem. E paragem tem um pouco essa ideia de um espaço, de um atravessamento provisório, né, qual que é a ideia de paragem? O site era nós cinco, teve muita gente que pediu para entrar. Assim, “ah posso te mandar um texto, ou posso colaborar com o Icônica?” E a gente achou, achava que não, não porque era um grupo muito hermético. Estava cada um num canto, a gente não se via com tanta frequência, a não ser eu e o Rubens, mas a questão é assim… Aquilo era uma ação entre amigos, quando as pessoas pediam para entrar e colaborar, aquilo parecia que… ia acabar virando cobrança para a gente. A gente ia ter que estabelecer ali uma agenda que a gente nunca teve muito claramente. Então a gente nunca deixou ninguém entrar, participar, colaborar, mas o Paragem é justamente esse espaço, que a gente criou, para que algumas pessoas pudessem atravessar o Icônica de passagem. Nesse momento sim, a ideia da viagem ela surgiu muito claramente como uma metáfora que ajudou a gente a organizar e a refletir sobre o site. Uma coisa que aconteceu muitas vezes curiosamente, quer dizer, curiosamente, porque eu não imaginava em princípio que isso renderia, eu fui muitas vezes chamado para eventos pra contar a história do Icônica para falar como é que ele funcionava, de onde nasceu, mais ou menos essa história que eu estou te contando. Quer dizer, para mim o Icônica rendeu muitos convites, foi muito legal por isso, me colocou em uma circulação interessante. Então, de alguma maneira também o Icônica me fez viajar um bocadinho. Não era a missão que ele tinha no início, mas acabou servindo.

Talitha Motter E sobre isso que tu comentou agora, que o Paragem possibilitou essa entrada de outras pessoas dentro do Icônica, teve um texto que tu publicou que era tipo “artistas que gostariam de adotar uma crítica de arte”, para o qual tu fez uma chamada aberta de imagens e que, de uma certa maneira, foi também uma forma de convidar pessoas para participar do Icônica. Tem alguma outra iniciativa que tu percebe dessa maneira? Ou, se não, toda essa contribuição que as pessoas fazem no blog com comentários ou mesmo na página do Icônica de Bolso, que é no Facebook, como é que essas pessoas participam? Se tem alguma coisa que te marcou mais nessa relação público e Icônica.

Ronaldo Entler É tem uma história curiosa, muito curiosa, que é a seguinte: em um texto já bem antigo que eu publiquei, eu conto a história de um álbum de fotografias da minha infância, que é uma história engraçada porque um fotógrafo… Bom, eu estou falando aí dos anos, começo dos anos 70, quando eu era criança. Um fotógrafo que ia de porta em porta bateu na casa em que eu morava e contou uma lorota ali, inventou uma história, pra conseguir fazer fotos minhas e da minha irmã, dizendo que essas imagens iam ser usadas num evento e tal. E minha avó que tomava conta da gente engoliu essa história. E, na verdade, essa era uma estratégia de venda, porque daí no dia seguinte… Era assim uma malandragem sem muita maldade, quase romântica, né. Então o cara te contava uma história para os pais e avós para convencer a fotografar as crianças. Aí, sei lá, uma semana depois ele aparecia com um álbum, dizendo: “Olha, infelizmente, seu filho, seu neto, não foi selecionado para o evento. Mas as imagens estão lindas, e eu achei que valia a pena mostrar.” Daí o cara nessa, ele vendia o álbum dele e isso era uma estratégia de venda. E a minha mãe, quando o cara foi fazer as fotos, minha mãe não estava em casa, estava só a minha avó, que é mais ingênua. Quando ele voltou com o álbum, contando essa história querendo vender o álbum, minha mãe enxotou o cara de lá e ficou com o álbum sem pagar o cara. E eu decidi contar essa história, também conversa de boteco. E eu publiquei ali, o nome da empresa. Eu abri o álbum, eu tenho esse álbum até hoje, tá lá “Companhia Lins de Fotografia” e contei essa história. Bom, eu não sabia que essa Companhia Lins tinha sido muito grande, importante, ela tinha lá uma centena de fotógrafos batendo de porta em porta principalmente no Estado de São Paulo. E um dia aparece um comentário, assim: “Olha, que legal, eu trabalhei, eu fui fotógrafo dessa empresa. E é verdade a gente tinha essas estratégias meio picaretas, né, para poder entrar na casa das pessoas.” E, aí, começa a aparecer gente falando entre si: “Ah, eu também trabalhei.” “Eu também trabalhei, em que ano você trabalhou?” E aquela página de comentários, se você entrar lá, deve estar até hoje, virou uma espécie de fórum que reagrupou algumas dezenas de pessoas que trabalharam nessa empresa nos anos 60 e 70. E, a partir do Icônica, eles acabaram montando uma página no Facebook. Sei lá, hoje deve ser um grupo de WhatsApp, eu não sei. Mas esse texto, ele acabou articulando um universo de pessoas que participaram de uma experiência que estava absolutamente perdida e cada um desses caras estavam num canto, ninguém fotografa mais profissionalmente. Era um emprego que eles tiveram em um dado momento da vida.

Parte dos comentários deixados no texto A retórica de um fotógrafo, as retóricas da imagem de Ronaldo Entler.

Então, assim, a gente viveu histórias muito curiosas de bastidores. Teve gente, pessoas ofendidas, com texto que a gente publicava. Porque nessa coisa de ser informal, sei lá, tem um texto em que eu faço uma provocação, falo um pouquinho mal do Sebastião Salgado. E, aí, amigos me bombardearam: “Como assim? Falar mal do cara? O cara é gente boa e tal.” Mas voltando ao exemplo que você deu, era muito comum, quando a gente tinha uma ideia, jogar uma questão aí no Facebook por exemplo. E falar, “olha, será que alguém tem uma imagem de tal coisa para ilustrar um texto”. E a gente recebia duas, três, dez coisas. Eu já fiz isso com artigos acadêmicos também. Recentemente, eu publiquei um texto numa revista da Unicamp, eu precisava de uma imagem de fios emaranhados na cidade de São Paulo, fios elétricos. Aí eu botei lá no Facebook, a galera manda. É um jeito de conseguir imagens. Então, isso aconteceu de tempos em tempos. Nesse texto que você está falando, que eu publiquei, eu publiquei todas as fotografias. É uma história interessante que é a seguinte a Cia de Foto, da onde veio o Pio Figueiroa, era um coletivo que foi muito importante. Eu trabalhei muito com eles, escrevendo textos para eles e eles tinham, iam lançar um livro, e me pediram um texto. Eu fiz esse texto, que é justamente esse texto que eu publiquei no Icônica. E eu não conto essa história por inteiro. O que aconteceu é que a Cia de Foto acabou. Assim, eles brigaram, era um coletivo de quatro artistas. Eles brigaram e foi um divórcio litigioso, não se falam, não se falaram nunca mais. E esse livro, que estava prontinho, ia sair pela Cosac & Naify, que é uma editora importante. Eles estavam tão bravos uns com os outros, que eles cancelaram o projeto do livro. Então, esse texto que eu publiquei, era um texto em que eu comentava uma imagem da Cia de Foto, uma imagem que era escura. Então, fala o tempo todo do escuro e eu ali contei um pedaço da história. Assim, hoje falar em Cia de Foto é uma coisa muito constrangedora porque os caras se odeiam, o Pio Figueiroa que veio da Cia de Fotos é muito amigo e eu preferi não resgatar essa história toda. Então, é verdade que eu escrevi esse texto em cima de uma imagem que eu não sabia mais qual era, porque o projeto se perdeu, mas eu não conto que eu sabia que essa imagem era da Cia de Foto. E o texto, eu tenho aqui uma pasta cheia de textos pela metade e que eu nunca concluí, principalmente para o Icônica. Do Icônica, sim, eu tenho 100 textos que eu comecei e não terminei, mas mesmo artigos acadêmicos enfim. Um dia eu estava ali revirando esses textos e “pô, esse texto está prontinho”. Eu gostava muito do texto e eu falei: “Bom, vou foi publicar no Icônica.” E, aí, eu lancei essa provocação. No texto, eu falo de uma imagem escura que eu não sabia qual era e também não ia atrás da Cia de Foto, porque os caras não querem mais saber de publicar nada que tem o nome Cia de Foto. Então eu lancei essa provocação na internet e vieram, sei lá, 40 imagens. E eu decidi publicar todas. E a provocação, a galera gostou muito. Essa ideia de uma crítica órfã de uma obra. E esse texto, é um texto que circula bastante. Recentemente, eu encontrei alguém que estava com o texto impresso. O professor dele tinha dado, pedido para ele ler, enfim. Tem lá uns dois, três textos, assim, que eles acabaram tendo uma vida fora do Icônica bastante intensa.

Religações: o escuro da fotografia contemporânea de Ronaldo Entler, uma crítica órfã.

Talitha Motter E além desse, quais seriam esses outros dois textos?

Ronaldo Entler Tem um outro texto que eu falo… ele é muito complementar a esse. Eu não lembro do título, eu posso resgatar e te passar, em que eu falo, se chama Realegorizações da caverna, em que eu falo do escuro também. O texto circula bastante. Bom, os textos do Rubens circulam muito. Sabe, os textos do Rubens, eles acabam sendo muito citados também. O Mauricio escreveu menos do que o Rubens, mas também. Eu estou falando dos meus, porque os meus eu fico mais atento. Eu fico caçando citações. E tem mais um que eu preciso pesquisar, eu te falo depois, porque eu não tenho aqui de cabeça agora.

Sabe uma história que eu gostaria de contar, que é meio burocrática, tecnicamente o Icônica sempre continuou sendo um blog. Ele é um espaço informal, não tem… ele próprio não tem um CNPJ, uma sede. E nunca teve formalmente um editor. Mas alguns amigos que enxergavam o Icônica como revista e pediam o ISSN, sabe esse número que as revistas têm, falavam assim: “Olha eu queria citar o Icônica, mas o meu orientador falou assim: “O que que é o Icônica? Como assim? Você vai citar um blog?” Então às vezes orientadores não permitiam, porque achavam que um blog não seria digno de citação. E esses caras falavam assim: “Não, não é só um blog, é uma publicação de cinco pesquisadores. É legal, é importante, blábláblá.” E eles falavam assim: “Você tem o ISSN?” Eu falei: “Não, eu não tenho ISSN.” Eu na minha cabeça, essa coisa nasceu como um blog e assim continuaria sendo. Mas de tanto que me perguntavam se eu tinha o ISSN, eu falei: “Vamos ver como é que funciona esse treco”. Aí, quem aqui no Brasil representa esse Internacional Standard, é um órgão chamado ibict, enfim, um treco ligado acho que à Biblioteca Nacional, não sei. Eu escrevi para os caras. Assim, dei uma pesquisada e eu descobri que, na Austrália, blogs já podiam ter ISSN. Eu escrevi uma longa argumentação, mandei para os caras e eles mandaram uma resposta muito protocolar dizendo que não era possível um blog ter o ISSN, porque era obrigado ter tal coisa, tal coisa, tal coisa. Isso foi em 2011, eu acho. 2011. Então, a resposta foi não, não dá para ter ISSN. Morreu esse assunto. Mas num momento… Assim, de tempos em tempos, alguém me cobrava o ISSN, eu falei: “Deixa eu ver como é que está essa história.” Tentei de novo aqui pelo Brasil, a resposta continuava sendo não. Mas eu descobri, isso acho que era 2014, 2015, eu descobri que quem define o padrão internacional de quem merece, não merece, o ISSN já considerava a ideia de que publicações eletrônicas incluindo blogs poderiam ter o ISSN. Isso estava no site internacional, mas o site brasileiro não dizia nada. Aí, eu comprei uma pequena briga aqui com o ibict, com esse órgão que distribui esse número, e falei: “Olha, vocês representam um padrão internacional e vocês estão descolados desse padrão internacional.” Então, como que os caras definem que sim e vocês acham que não.

Eu comprei essa briga e eu forcei os caras a me aceitarem como publicação periódica, porque ISSN é isso, né? Eles não falam necessariamente em revista, mas falam em publicação periódica e, assim, eles nunca me deram essa informação, mas por esse histórico eu suponho que a gente tenha sido o primeiro blog a conseguir no Brasil o ISSN.

E eu acabei orientando muita gente que me perguntou “mas como você conseguiu? Como assim? É possível!” E depois eu acabei… Hoje deve ter um monte, eu mesmo ajudei muita gente a conseguir o ISSN. Eu acho que essa é uma história interessante, porque o ISSN acaba formalizando um pouco essa ideia de que a gente tem ali uma revista e a partir disso acho que as pessoas ficaram mais à vontade para poder citar o Icônica e dizer: “Olha, uma revista eletrônica publicada por cinco pesquisadores.”

Talitha Motter Quando eu escrevi meu texto da qualificação, eu justamente comentei essa questão de como estava presente o ISSN nessa vontade de ser revista. Porque o ISSN mostra uma vontade de trabalhar com uma periodicidade, com uma oficialização também.

Ronaldo Entler Você sai de uma informalidade de uma maneira.

Talitha Motter Pensando um pouco mais sobre a questão do conteúdo do Icônica, eu estava querendo te perguntar como é que tu enxerga a participação do Icônica na discussão da fotografia, da fotografia atual. Por exemplo, eu vi que tem alguns textos que foram publicados naquela série Manual de primeiros socorros para conceitos mutilados, que é bem interessante por tentar reabilitar certas noções. Enfim, isso já mostra um interesse em repensar e se posicionar em relação à fotografia e em como a gente trabalha com isso. E não sei se tu poderia comentar outras coisas, outras contribuições que o Icônica fez para essa discussão.

Ronaldo Entler Assim, eu, e o Rubens de certa maneira também, a gente sempre militou muito num processo de abertura da fotografia, que aqui no Brasil gerou muita resistência, a ideia de que a fotografia poderia se colocar em diálogo com outras linguagens. A gente viveu muito um período em que as pessoas da nossa geração, o Rubens é um pouco mais velho que eu, enfim, foi meu professor, mas a gente viveu esse momento juntos, já trabalhando juntos, a gente encontrava muito essa pergunta: “Pô, mas isso é fotografia? Não, isso não é fotografia.” Porque as imagens em diálogo com o ambiente mais amplo da arte contemporânea, elas vão se tornando muito híbridas. E o Rubens que também é curador, crítico, como eu… quer dizer, ele está nessa há muito mais tempo do que eu, mas de alguma maneira eu segui os passos dele nessa história, ele sempre acolheu muitos trabalhos experimentais de jovens artistas que geravam esse tipo de desconfiança.

E essa acabou sendo uma bandeira minha também, de tentar criar um espaço de interlocução que ajudasse as pessoas a pensar e a aceitar essas experiências mais amplas e expandidas como algo que merece ser discutido e pensado pelo campo da fotografia.

Então, aquilo que a gente chama de fotografia contemporânea sempre foi uma bandeira nossa. A gente abriu esse espaço tanto como uma forma de comentários sobre textos de artistas… Aliás, a Cia de Foto, tanto eu quanto o Rubens, a gente se aproximou muito deles porque eles levavam bordoada de todos os lados, porque eram um grupo que decidiu não assinar fotografia com o nome próprio, eles assinavam como coletivo. E os fotógrafos que vêm da tradição de fotojornalismo caíram matando, assim, eu falei: “Opa, vamos ver quem é essa molecada, o que é que eles estão fazendo.” A gente começou a olhar… Aliás, eu acho que foi num texto do Icônica, e é esse o texto que ficou faltando, que eu falei que foi muito citado, que teve grande circulação, um texto em que eu falo da questão dos coletivos, em que eu faço uma defesa desse movimento. No Brasil, isso teve um certo ar de movimento. Eu faço uma defesa desse movimento dos coletivos. Acho que a reação aos coletivos é muito conservadora. E foi nessa que eu me aproximei da Cia de Foto e depois pontualmente do Pio Figueiroa, que acabou vindo para o Icônica. Então, assim, pensando a fotografia contemporânea, a gente acolhia isso tanto do ponto de vista de falar de trabalhos de artistas, mas também numa perspectiva teórica, que é um pouco a vocação que a gente tinha por estar inserido nesse mundo acadêmico. Acho que faz parte desse projeto de dar uma certa atenção a fotografia contemporânea, de testar de tempos em tempos os vocabulários por exemplo. Então, essa série do manual de primeiros socorros é um espaço em que eu faço isso, eu fico testando o vocabulário de uma certa tradição para ver como ele tem sido usado pelo campo de pesquisa da fotografia. Tem uma outra série, que eu não sei se vou lembrar o nome com precisão, mas então Histórias de Fantasmas e Assombrações, uma coisa assim, em que eu também vou discutir um pouco como que certas ideias assombram o campo da fotografia. São textos muito provocativos. É curioso, acho que esse é um bom exemplo. Essas séries eu gosto muito e por isso elas viraram séries também. Ali, eu estou enfrentando uma discussão que é acadêmica, mas com uma irreverência que jamais seria permitida num artigo. Eu tenho certeza que eu não conseguiria publicar um texto assim numa revista, na forma de um glossário, de um manual. Então, esses são exemplos de textos que estão com um pé na academia e, de fato, eles foram lidos por pessoas que estão no campo acadêmico, mas a linguagem é outra. A linguagem é uma linguagem provocativa, além de uma linguagem, assim, que flerta com o ambiente da conversa de boteco.

Detalhe da seção Séries do Icônica.

Talitha Motter É que às vezes esse tipo de linguagem pode ter uma inserção muito maior, produzir outras respostas.

Ronaldo Entler Aliás, uma justificativa do Icônica, eu te contei uma longa história, mas uma maneira simples de justificar o Icônica é a seguinte: me doía muito ver textos… Às vezes, eu passava um ano escrevendo um texto, eu conseguia publicar esse texto numa revista importante de uma universidade X e, assim, cadê o texto? Essa revista, ela desaparecia por completo. Alguém me pedia, eu não tinha, eu não tinha um exemplar. Aonde consegue essa revista? Bom, assim, principalmente num momento em que as revistas eram só impressas, era isso, os textos desapareciam. Mas, mesmo assim, em termos de publicação acadêmica on-line, que acho que democratiza muito o acesso às publicações que morriam na prateleira de uma biblioteca, ainda assim os textos têm uma circulação muito baixa.

Então, o Icônica tem a ver com o desejo de circulação.

Acho que dá para dizer dessa forma. Coisas que tomaram muita energia e muito tempo da minha parte morreram na prateleira de alguma biblioteca. Inclusive, coisas recentes. Eu tenho um livro, um artigo que eu gosto muito que foi publicado em um livro da Universidade Federal da Bahia. Bom eu não sei quantos livros eles imprimiram, mas eu recebi dois exemplares. Esse livro desapareceu, ninguém tem esse livro. E eu estou agora brigando com eles para ver se eles me liberam para publicar esse artigo. É um artigo grande, assim, não caberia no Icônica. Mas eu estou tentando publicar num outro livro, porque eu gosto muito do artigo. E esse livro ninguém acha, ninguém conhece e não circulou. Então, é isso, o Icônica, ele nasce de um desejo de circulação, porque os artigos acadêmicos daquela época não permitiam.

Talitha Motter E para voltar um pouco de novo nessa questão do conteúdo, a gente falou da fotografia, da relação do Icônica com a fotografia, e um outro eixo seria perguntar como é que os textos publicados pelo Icônica se relacionam com a atualidade do Brasil. Por exemplo, teve um dos textos que foi o Porque as imagens ardem e os museus queimam, que está muito vinculado com os acontecimentos políticos e sociais do país.

Ronaldo Entler Olha para ser sincero, acho que nunca, raramente, a gente conseguia ter agilidade para fazer com que os textos respondessem aos acontecimentos. A gente era mais lento do que isso. Inclusive, por isso, a gente não se comprometia com a coisa de fazer crítica de exposição, porque quando o texto estava pronto a exposição já tinha acabado. Mas, de vez em quando, a coisa batia. Eu sei, assim, se você contar, eu sou aquele que mais escrevi para o Icônica. E tem momentos que eu estava inspirado e eu consegui escrever com uma certa agilidade. Às vezes, assim, você é atropelado pela questão. Teve um outro texto que foi mais ou menos assim. Não sei se virou série ou não, mas em que eu falo de representações da morte. Eu fiquei muito tocado, muito assustado, com imagens do linchamento do Kadhafi. Kadhafi era um ditador da Líbia. Enfim, ele foi empalado por uma multidão, ele foi linchado publicamente diante de câmeras. E, ali, também foi um texto que eu… Quer dizer, a partir disso, eu revisitei outras imagens que representam mortes de figuras públicas. Então, tem alguns momentos que a gente tenta, a gente, eu principalmente, que consegui escrever com um pouco mais de agilidade. O Rubens também fez isso muitas vezes. A gente tentava dar conta dessa atualidade. De fato, esse texto dos museus, foi uma coisa que me fez parar durante um, dois dias, e quando você para e fica ali com uma ideia fixa entorno de um tema, para mim é muito natural que isso vire textos. Mas isso nunca foi um compromisso, porque a gente nunca conseguiu ter essa agilidade. Acho que eu e o Rubens, a gente conseguia um pouco mais. O Mauricio de jeito nenhum. Assim, né, o Mauricio, ele brinca que ele é assim… ele fala que se a gente tocasse jazz eu seria aquele cara do improviso e ele seria o cara que precisa escrever a partitura antes de poder tocar a música. Eventualmente, o Mauricio lidava com coisas que ele encontrava pelo caminho, mas não notícias, não coisas assim que interessavam para um público muito abrangente. Às vezes, uma imagem que ele encontrou na coleção de alguém, em um baú que ele abriu, enfim, mas assim não era isso que pautava o Icônica.

Quando eu convidei o Mauricio e a Cláudia, e depois o Pio, acho que mesmo quando eu propus para o Rubens essa era uma promessa: “Olha, assim, a gente não vai se sentir muito obrigado a ter que publicar um texto essa semana, porque não pode ficar um buraco.” Então, ficava, ficava dois meses sem texto, depois a gente retomava. Mas é inevitável, enfim, a gente está circulando pelo mundo atento aí as coisas que acontecem, quando rola uma conjunção dos astros, quer dizer, o acontecimento é forte, a gente se sente tocado por ele e tem tempo para sentar ali e passar um dia. Porque é isso, né. Também quando é que a gente se deu conta de que o Icônica não era só um blog, quando você se pegava assim há quatro dias esquecendo de comer, quase sem dormir, encanado com a finalização de um texto. Aí você fala: “Bom, um blog não era pra ser assim.” A coisa começou a ficar séria. Mas não é, não era uma regra não. Eu diria que não era pelo princípio de, assim, pelo compromisso com os acontecimentos do país, do mundo, era muito mais porque a gente era atropelado por alguns acontecimentos em particular.

Talitha Motter E até porque essas questões da atualidade podem vir de maneira direta, como um texto que comenta realmente um fato atual, como também de maneira indireta, se tu comenta uma produção de um artista que trata disso também, ou uma fotografia, ou uma imagem.

Ronaldo Entler Todos nós no Icônica somos leitores de Walter Benjamin e tem um princípio, assim, uma coisa que a gente já citou em muitos textos, a ideia de que a história não é uma coisa morta.

Um fato do passado, ele mantém uma energia e ele pode ser convocado para lutar ao nosso lado no presente.

E isso, para o Mauricio principalmente, que é um grande benjaminiano, é metodologia de trabalho. Então, uma coisa que ele faz talvez melhor, muito melhor do que eu, mas eu tento fazer também, é pegar um fato do passado e é quase como se você perguntasse a esse evento do passado o que ele tem a dizer sobre o presente, né? Então, essa ideia do anacronismo, a ideia de que os tempos se comunicam. Isso sempre foi um princípio para a gente. Então, sei lá, o Rubens é muito ligado às fotografias históricas, o Mauricio é historiador. Mas, de vez em quando, a gente consegue sacar ali uma questão do passado que diz muito sobre o presente, sobre a atualidade. Isso acaba acontecendo um pouco naturalmente também.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.