Entrevista com o cofundador do Icônica Ronaldo Entler

Imagem de capa: Ronaldo Entler, foto de Priscilla Buhr.


Ideias de Revista


Talitha Motter E a gente comentou agora há pouco dessa questão dos formatos de revista impressa e da questão de como é que isso se repercute, que a gente acaba tendo menos acesso a essas publicações. E não sei se tu teria como comentar sobre outras diferenças que tu vê entre publicações impressas e publicações de arte que são digitais. Quais seriam as vantagens e as desvantagens a partir da experiência do Icônica?

Ronaldo Entler É, assim, a gente pode pensar em revista impressa e pode pensar em revista impressa acadêmica, que é uma outra coisa. As revistas acadêmicas, mesmo no digital, as revistas acadêmicas às vezes elas… elas padecem de uma certa lentidão, de um certo conservadorismo. Tem uma coisa, assim, eu não sei se isso já aconteceu pra você, mas em algum momento vai acontecer, que é você virar parecerista de coisas várias no mundo acadêmico. E, assim, para uma revista, toda a revista acadêmica ela é pontuada pelo sistema Qualis, aqui no Brasil. Você deve conhecer essa estrutura. Para você ter uma boa pontuação no Qualis, você tem que ter um corpo de pareceristas e nenhuma revista tem grana. Então esses pareceristas, eles são colaboradores voluntários, geralmente uma troca entre amigos: “Olha, você participa da banca de um orientando meu e eu faço um parecer para sua revista, para a revista que você edita.” É um saco. Eu, toda a semana, eu recebo dois pedidos de parecer e eu tenho dificuldade de responder, dizer, assim: “Olha, infelizmente não vai ser possível.” Porque é tanto pedido de parecer que eu não dou conta, né. E a gente sabe que essa revistas ficam meio travadas, às vezes por conta de um sistema de avaliação, que no final das contas não ajuda em nada. Esses pareceres às vezes, não é que eles não sejam sérios, mas a gente não consegue achar o tempo. É tipo banca, tem uma hora que a gente não aguenta mais participar de banca. É muita pesquisa para pouca gente que está disposta a participar de banca. Então, você começa a ter um modelo que começa a ruir. As revistas acadêmicas, elas estão presas a um sistema de pontuação que eu acho bastante arcaico, mesmo quando elas migram pro digital. Tem essa coisa que você precisa ter uma revista que pontua, porque isso depois gera bolsas de estudo, o resultado disso é que as revistas não conseguem sair às vezes, porque… sei lá, eu tenho um prazo de 30 dias, quando eu consigo fazer um parecer eu levo três meses, né. Então, essas revistas ficam emperrando. O bom de uma publicação mais informal é que, se você tem uma ideia e a ideia é boa, você põe no ar e testa. Agora ok, né, o mundo acadêmico, ele ainda tem um compromisso de seguir certos protocolos que vêm da ciência. Eu, pessoalmente, em época de coronavírus, em época de muita suscetibilidade a fakenews, a gente descobre que os protocolos científicos, eles são muito importantes.

Mas tem uma coisa que eu também acho que é, no campo das humanidades e das artes, esse desejo de ser ciência, ele emperra muita coisa. Eu acho importante esse movimento dos críticos, artistas, colocarem o pé dentro da academia, mas eu acho tão importante quanto o movimento contrário.

Assim, eu gosto muito de ver como que hoje as pesquisas no campo das artes, elas vão se abrindo a formatos que são bastante experimentais por pressão do ambiente artístico. Assim, eu respeito e prezo muito pelos protocolos da ciência, mas eu acho que para as humanidades e, principalmente, para as artes “querer ser ciência” é uma coisa que burocratiza o pensamento e a produção artística. Então, eu tenho um grande embate, porque minha vida, ela é muito dividida nesses dois territórios, a vida acadêmica e a vida no circuito cultural da arte e da fotografia. E, eu faço um esforço muito grande para estabelecer essas pontes e para provocar um lado com argumentos que vêm do outro. Assim como eu fico enchendo o saco dos meus amigos professores e pesquisadores a relaxar um pouco com relação a esses protocolos. Eu fico cobrando dos artistas que eles, de vez em quando, citem as suas fontes, que eles parem de ficar achando demais as coisas. Essa contaminação, eu acho muito positiva.

Agora na comparação entre o impresso e o digital. Olha, eu cedi, assim, eu me empolguei muito rápido com o digital. A internet, ela chegou comercialmente no Brasil, se não me engano por volta de 1995. Em 1995, eu estava começando meu doutorado. E eu fui para a França fazer uma parte do meu doutorado, eu tinha uma bolsa da FAPESP, o que me deixou, pelo fato de eu estar ali sozinho, longe dos meus amigos. A gente não tinha Skype, não existia rede social. Então, foi um período de isolamento bem importante para a minha pesquisa, mas eu fui, por exemplo, estudar um pouco de programação, porque eu decidi ter como produto da minha pesquisa, formalmente como produto, um software e um site. E, nessas coisas que eu tento mapear aqui no Brasil, e isso quem me disse foi a FAPESP, foi uma coisa que eu nem imaginava, eu fui o primeiro pesquisador no país a ter um site como produto da pesquisa. Não um site, assim, você faz a sua tese e depois publica no espaço virtual. Não, eu criei um site chamado Arte Acaso. Olha, se bobear esse treco está no ar completamente em ruínas, porque as coisas vão parando de funcionar. Não sei se está ou não está, mas se não tiver eu tenho registros, porque eu documentei bastante todo esse processo. Em 95, quando a internet se abriu comercialmente, quer dizer, ela era uma coisa muito restrita a alguns núcleos de pesquisa em universidades. Quando ela se abriu, que eu tive um acesso efetivo, assim, liberdade de começar a fazer coisas, eu fui estudar como é que se produz conteúdo para a internet e criei um site. Ele era ao mesmo tempo, assim, não deixava de ser um espaço de difusão dos meus resultados de pesquisa, mas era mais do que isso. Quer dizer, o site ele tinha algumas aplicações que me permitiam testar hipóteses e as conclusões eu levava para a minha pesquisa. Então, esse site ele era ao mesmo tempo instrumento, era ao mesmo tempo meio de difusão, mas ele era também resultado da minha pesquisa. Essa questão dos acessos, ali, muito rapidamente, eu descobri que quando você solta uma coisa no mundo você coloca sua pesquisa em contato com coisas que você não imagina. Você começa a formar parcerias, algumas acadêmicas, outras totalmente fora desse território.

Então, durante muito tempo, publicar em revistas impressas era uma coisa que dava muito status. Até hoje talvez ainda tenha um certo resquício, um fetiche do papel. Se um livro, se alguém te convida para publicar um capítulo de um livro eletrônico, bate uma decepçãozinha. Assim, você queria que fosse em papel, para você ter na estante, para você ir numa livraria e ver o seu título ali. Eu também tenho esse fetiche, eu acabei de publicar um livro de contos. Aliás, essa é outra história que eu te falo já, já. Um livro de contos que para mim é um livro de teoria da fotografia, mas são ficções, e tem muito a ver com esse princípio de tentar achar uma linguagem que possa levar a teoria para um público mais amplo. Mas, enfim, a gente às vezes não escapa do fetiche do papel, mas muito rapidamente me bateu essa coisa, né… que o papel por um lado, ele se preserva mais do que, sei lá, esse site Arte Acaso. Se você não ficar ali atualizando o treco, ele vai se esfacelando e uma hora ele sai do ar sozinho, se você não o tirar do ar. O Icônica, ainda tenho que ficar ali prestando atenção. Então, assim, ele é mais volátil, mas eu acho que compensa o esforço. De fato uma grande questão, isso vale para os textos e vale por exemplo para a fotografia digital, o que vai ser dessa memória daqui há cem anos? Os jornais, eles estão aí meio amarelados, microfilmados, mas eles estão aí. Por exemplo, a minha dissertação de mestrado, que eu digitei em uma versão Word para DOS (DOS era um sistema operacional que existia na época), eu tenho em um disquete, um treco, um disquetão, bolachão. Primeiro, não tem mais onde colocar esse disquete. Mas quando eu consegui achar um computador para poder tirar esse arquivo e passar para o pen drive, o arquivo não abre mais. Então, eu tenho um arquivo que nenhum programa consegue ler. Então a gente corre esses riscos, né. Mas a questão do acesso para mim ele é muito impactante. Então, eu desde sempre… Eu já fiz muito, já participei, já encabecei muitas publicações virtuais, CD-ROM. Tinha uma época que estava na moda a coisa do CD-ROM. Projetos, assim, baseados em meios digitais, isso sempre me empolgou bastante, mas nenhum preconceito em relação ao papel. Nenhum preconceito. Gosto de ler em papel, leio bem na tela, mas gosto de me sentar com o livro na mão. Gosto de ler jornal impresso se for o caso, mas é isso.

Talitha Motter Sobre essa questão da “volatilidade” dos sites, justamente um dos focos do projeto é criar um corpus de textos, traduzindo-os para uma linguagem que seria mais perene. É uma linguagem de marcação de texto que se chama TEI (Text Enconding Initiative), que é uma maneira comumente utilizada para transcrever documentos históricos para o computador. Daí tu consegue fazer todas as marcações como se fosse uma página HTML, mas ela tem uma flexibilidade que depois se pode adaptar para qualquer programa de computador. Então, seria também uma forma de “traduzir” textos da internet e preservar eles. Estou trabalhando nesse corpus, principalmente com as críticas de arte das revistas.

Ronaldo Entler Assim, de tempos em tempos, eu gero o PDF de tudo isso. Houve um momento em que eu achei que o Icônica estava perdendo o fôlego, foi um pouco depois do Proac, que eu gerei um PDF de todos os artigos, imprimi tudo e mandei para cada um dos colaboradores. E falei assim: “Olha, guardem isso, porque eu não sei por quanto tempo eu vou conseguir manter isso no ar.” E, os artigos, eu acho que têm importância. Isso, de fato, me preocupa. A gente estudando fotografia, a gente se depara muito com essa questão. As imagens que se perdem… Sei lá, o meu álbum de fotografia da minha infância está aí há quase 50 anos e todo mundo já perdeu um HD, assim, com um monte de coisa que foi para o espaço. Eu perdi, por exemplo, de uma maneira absolutamente inexplicável, três anos de e-mail do meu Gmail. Assim, o Google nunca conseguiu me explicar o que aconteceu. Desapareceu uma fatia de três anos. Tinha uma história ali contada. Enfim, eu nem pensei muito nisso depois, porque senão eu ia sofrer demais. Mas se está sujeito a isso.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.