Entrevista com o cofundador do Icônica Ronaldo Entler

Imagem de capa: Ronaldo Entler, foto de Priscilla Buhr.

Continuidade

Talitha Motter Ronaldo eu não sei se tu gostaria de complementar alguma coisa sobre a história do Icônica. Se tem algo que a gente não falou, que tu acha que é importante de colocar na entrevista.

Ronaldo Entler Eu tenho um projeto, isso me ocorreu há quase um ano, e eu estou esperando um edital que viabilize isso, porque eu precisaria de grana. É um projeto que se chamaria Doce O Icônica. Porque eu sinto muito, assim, me dói bastante ver o espaço desabitado. Assim, não tanto de público, de tempos em tempos, eu fico vendo, as pessoas continuam lendo os textos, principalmente aqueles que não são tão corriqueiros, mas desabitado de produção. E, como eu trabalho muito ajudando a formar jovens artistas, eu fiz um esforço muito grande na minha trajetória para me formar como crítico, quer dizer, como alguém que pensa a produção artística, seja no sentido acadêmico ou não.

E é muito difícil entender como é que se forma um crítico, como é que se forma alguém que escreve sobre produção artística.

Assim, como eu fiz lá o Paragem que era um processo de orientação de artistas relativamente jovens, já me ocorreu a possibilidade de fazer isso com jovens pesquisadores que têm o gosto pela escrita e que tem o interesse em manter um pé dentro e um outro pé fora da academia. E eu conheço pessoas que têm esse perfil de gerações várias. É muito difícil você encontrar um espaço mais constante para dar vazão para esses textos. Como eu sei que eu não vou dar conta, eu não tenho mais tempo, eu tenho outros projetos, que me tomam todo tempo e meus colegas idem, eu pensei na possibilidade de levantar uma grana e passar um ano assim fazendo uma convocatória, convidando jovens pesquisadores a mandar textos e tentar estabelecer uma produção um pouco mais rotineira, como foi a nossa no começo, e formar esses críticos que têm um pé dentro e outro pé fora da academia para ver se a partir disso o Icônica passa a ser deles. E, aí, a gente entraria para uma história, assim, teria nosso retrato na sala do cerimonial do Icônica. Mas eu ficaria muito feliz se eu pudesse reunir uma galera mais jovem que tivesse mais fôlego do que eu e mais tempo para que o Icônica seguisse adiante. Esse projeto ele está praticamente escrito já, o que aconteceu é que não tem mais editais. A área de cultura ruiu nesses anos. E vai ser muito difícil, nesse período, de conseguir viabilizar esse projeto. E uma coisa que eu faço questão, assim, a minha preocupação não é tanto em me remunerar, mas se eu vou ficar convidando molecada para produzir textos, eu acharia legal nessa fase de testes poder pagar por esses textos para que eu me sinta à vontade de inclusive dizer: “Olha, muito obrigado, você não tem perfil para aquilo que eu quero.” Então, eu faço questão de ter grana para isso. Sem dinheiro eu acho que eu não conseguiria. Mas esse é um sonho que eu tenho, assim, de passar o Icônica para uma outra geração que consiga levar adiante esse projeto.

Talitha Motter Eu acho que esse é um grande dilema das publicações que a gente poderia chamar de independentes, de fazer essa passagem, porque sempre vai ter um momento que tu não consegue mais sustentar aquele ritmo. A gente, por exemplo, tem uma publicação também, mas acabou que diminuiu a periodicidade, porque todo mundo está envolvido com outras coisas. E tu quer continuar, porque não quer deixar o projeto morrer, também, porque já se construiu uma história. E fazer essa transição eu acho que é uma ideia genial, porque pelo menos tu passa para pessoas que tu vai ter um contato, que já vão fazer parte desse projeto de formação e que vão continuar com a ideia que tu tinha para o Icônica.

Ronaldo Entler Quando você fala que você tem uma publicação, a gente quem?

Talitha Motter Eu e a Paola Fabres, a gente fez graduação juntas em Artes Visuais lá no Sul, em Porto Alegre. E daí, em 2013, a gente criou uma publicação que se chama Arte ConTexto com várias outras pessoas, com um web designer, com um revisor, que é meu marido, e com outras pessoas da área acadêmica. Então, desde lá, a gente vem publicando. No início, eram publicações quadrimestrais, agora tá tipo semestral, ou mesmo anual. Mas teve algumas experiências que tu comentou, por exemplo, essa questão de começar a ter uma inserção e de começar também a praticar a escrita, que a gente também teve com a revista. Além dessa questão de tu construir uma rede, de tu ver que as pessoas começam a se interessar pela revista e que tem coisas que acontecem além de ti mesmo, o que é uma coisa bem legal da Arte ConTexto. Mas é isso, acho que a gente sempre tem que tentar dar um novo fôlego para essas publicações, porque senão elas acabam naquele limite do “até onde podemos levá-las”.

São Paulo — Montréal, 6 avril 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.