Entrevista com o cofundador da PanoramaCrítico Alexandre Nicolodi

Imagem de capa: Alexandre Nicolodi

Um agradecimento às pessoas que ajudaram na PanoramaCrítico: professores Maria Ivone dos Santos, Neiva Maria Fonseca Bohns, Paula Viviane Ramos e Paulo Gomes e aos amigos e colegas Adreson Vilson Vita de Sá, André Dornelles Pares, Gabriel Karasek, Letícia Lampert, Angela Cagliari e Roberto Muniz.

Alexandre Nicolodi, Porto Alegre, julho de 2020.

História & Organização

Talitha Motter Alexandre, primeiro eu queria te agradecer por ter aceitado participar da entrevista. Eu acho que além da importância para o meu projeto de pesquisa, que tem relação com as revistas digitais no Brasil, também tenho um interesse pessoal em te entrevistar, porque a PanoramaCrítico foi a primeira revista onde eu tive a experiência de publicar algo, com a entrevista que eu e o Marcos Fioravante fizemos com a Bianca Knaak. A revista de vocês marcou realmente minha formação na graduação. Então é por isso que eu queria muito conversar contigo sobre a PanoramaCrítico.

Alexandre Nicolodi Foi na última edição?

Talitha Motter Na última edição, eu publiquei um texto sobre a Letícia Lampert e o Rafael Pagatini, e, antes disso, a gente tinha feito uma entrevista com a Bianca Knaak sobre as Bienais do Mercosul.

Alexandre Nicolodi Isso, eu lembro.

Talitha Motter Acho que foi o primeiro contato mais direto que eu tive com uma revista on-line do Brasil. Vocês tiveram um papel importante para nós no Instituto de Artes da UFRGS em Porto Alegre, com a criação de um espaço para a publicação de jovens autores. Eu agradeço a vocês por isso e também te agradeço por ter aceitado participar desta entrevista.

Alexandre Nicolodi Eu aceitaria até por saber como é que funciona a coisa mais ou menos, o lado complicado dela. Mas sobre isso que tu falou, nós acabamos descobrindo que muita gente na verdade aproveitou, no bom sentido, para seguir no lado acadêmico, porque tinha onde publicar pelo menos alguma coisa.

Talitha Motter A ideia seria de contar um pouco como é que surgiu a Panorama, como é que vocês tiveram a ideia de criar uma revista, uma revista em formato digital. Quais eram os objetivos iniciais? Quem é que estava no grupo inicial? Teve o Denis Nicola também e outros participantes.

Alexandre Nicolodi Era eu e o Denis, na verdade, quem coordenava tudo. E isso foi um pouco do que eu falei agora, surgiu dessa necessidade, na verdade. A gente conseguiu ver que era uma necessidade principalmente de Porto Alegre, que é um mercado que não é um mercado, grosso modo falando. Tu me entende bem, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, tem essa dificuldade. Neste nosso meio, as coisas ficam muito no nicho acadêmico. Isso era uma coisa que nos incomodava bastante na época, a mim e ao Denis. Em 2008, mais de dez anos atrás, a gente começou a trocar umas ideias, porque nós somos amigos, estávamos sempre por aí juntos, e em uma conversa e outra, a gente disse: “bah, vamos criar um site”, até por toda a facilidade de acesso. Isso, em 2008. Não era essa loucura que é agora… Estava começando o Twitter, o Facebook, imagina! A gente começou a conversar sobre um site. Só que daí a gente discutindo e conversando, isso demorou um ano quase, essas conversas meio ocasionais. Qual seria, eu vou usar um termo que não quero que seja pejorativo, qual seria o chamariz para se conseguir ter uma publicação ao invés do que meramente um site, um blog? Porque era a época dos blogs, né? Blog, blog, blog de tudo que é coisa. E aí, a gente: “Bom, vamos criar uma revista mesmo”, adquirir um ISSN, ver uma periodicidade, compor um conselho. A gente foi atrás para estudar sobre isso um pouco, sobre como é que funcionava. E, nesse viés, a gente: “Bah, já que a gente vai ter uma revista, porque não ter uma editora?” Porque, daqui a pouco, uma coisa levaria a outra, e foi o que aconteceu. Aí, nós montamos a editora que tem o mesmo nome, (criatividade nenhuma!), PanoramaCrítico. E o início foi esse, assim…

Talitha Motter Então, a editora nasceu junto com a revista?

Alexandre Nicolodi Primeiro a revista, na concepção ao menos. E como editor a gente viu como um desdobramento, até para poder capitalizar um pouco a revista. A editora vai gerar um outro viés, porque a revista nós fizemos e não teve apoio financeiro nenhum de nada nem de ninguém.

Talitha Motter A gente sabe muito bem como funciona.

Alexandre Nicolodi Nós até tentamos a Rouanet. Botar o projeto, a gente botou, só que daí a gente não conseguiu captar recursos. Talvez por ser uma coisa muito inicial até, esse meio on-line ainda não estava tão…

Talitha Motter Eu acho que foi um dos primeiros projetos nesse sentido de uma revista somente on-line no Rio Grande do Sul.

Alexandre Nicolodi Eu acho que foi, até onde eu sei, foi.

Talitha Motter É, eu não tenho conhecimento, talvez tenha tido algum outro projeto… Assim, diretamente vinculado com as artes visuais, talvez tenha sido mesmo. Claro, teve outros projetos de literatura, enfim.

Alexandre Nicolodi Isso, sim. Até a gente pegou a época em que a Aplauso… lembra da revista Aplauso, impressa que tinha? Ela tinha terminado ou estava terminando também, estava aquela coisa de publicar quando consegue.

Talitha Motter E a Aplauso, ela nasce impressa, né? Então, também tem uma diferença.

Alexandre Nicolodi Digo mais pelo período, que foi quando meio que morreu a coisa mesmo aqui no Sul. Então, a gente identificou ali que existia essa demanda, essa necessidade. Porque o Programa, a gente era da UFRGS, o PPG (Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes da UFRGS) tem a… me fugiu, até eu publiquei alguma coisa com a Maria Ivone, a PORTO ARTE, se não me engano. Tem a PORTO ARTE, mas é aquele problema, ela não sai desse “nichozinho” do Pós. Como é que eu vou dizer, não que ela não esteja disponível, mas tu tem que ir muito atrás para buscar. A gente queria uma coisa que ficasse num meio-termo, que ela tivesse esse viés mais acadêmico de produção científica sobre o campo das artes, mais focada nas visuais mesmo, só que ela chegasse em um grande público, que tivesse esse acesso mais fácil. Mas revendo hoje, eu até acho que o formato dela acabou ficando meio engessado demais.

Talitha Motter Mas eu acho que a gente também tem muito a referência desse formato de revista acadêmica. E isso acaba nos alimentando um pouco na questão da estrutura da revista.

Alexandre Nicolodi Nesse início, a gente contou com a participação de: era eu e o Denis como coordenadores gerais, digamos assim; e tinha a Maria Ivone, Professora Maria Ivone dos Santos; o Paulo Gomes; a Paula Ramos; e a Neiva Bohns da UFPel. Eram os professores, digamos assim, que faziam parte do conselho editorial. E a gente contou com a colaboração de diversas pessoas nesse meio também.

Talitha Motter Eu queria saber como é que foi esse contato com os professores para formar os membros do conselho.

Alexandre Nicolodi No primeiro momento, era eu e o Denis. Eu estava na escultura na época, eu era até monitor, eu me formei em escultura na verdade. Então, eu tinha contato direto com a Maria Ivone, em projetos… E aí trocamos uma ideia com ela, e ela aceitou o convite. Como ela estava ajudando, a gente convidou. A Paula Ramos também por proximidade, a gente tinha mais abertura com ela, e ela já tinha experiência com a Aplauso também, porque ela trabalhou um tempo na Aplauso, na ZERO HORA. Ela é jornalista também, a gente achou que isso seria uma boa. O Paulo a gente tinha contato também desde o início do curso. E eu te confesso que a Neiva eu não lembro como é que foi. Eu gosto muito dela, foi uma das que mais colaborou, só que eu não lembro se a gente já tinha algum contato direto com ela antes, ou se foi uma indicação de alguém. Te juro que eu não lembro, acho que foi um lance da Maria Ivone, que a gente não queria ficar só UFRGS, ser uma revista da UFRGS, isso engessa muito. Nada contra a UFRGS e o IA, mas tu me entende.

Talitha Motter Sim, o sistema em Porto Alegre, às vezes, acaba ficando sempre nos membros do Instituto de Artes.

Alexandre Nicolodi Geralmente não, sempre, né?

Talitha Motter Para não dizer “sempre”.

Alexandre Nicolodi É, praticamente sempre.

Talitha Motter E depois teve alguns outros colaboradores que se juntaram à equipe editorial propriamente dita.

Alexandre Nicolodi Sim, era geralmente o pessoal que dava uma força em alguma edição, algumas edições, para montar. Porque, tu deve saber bem, sozinho não dá para fazer, é complicado. E a gente teve a loucura, a brilhante ideia na época, da revista ser bimestral. Isso foi um tiro no pé também, porque é uma opção de trabalho muito na loucura, com duas pessoas fazendo. A gente tinha imaginado, assim: “Ah, vamos fazer uma coisa, como é on-line, ter uma revista semestral, a coisa fica lá seis meses parada”, parada entre aspas, mas é um complicador. A gente tentou ver o lado comercial da coisa um pouco para tentar patrocínios. Porque se tu olhar naquele controle do Google de acessos que tem, quando a gente lançava a revista, na primeira semana, tinha milhares de acessos, mas, depois de quinze dias, a curva descia. O sonho de todo mundo da curva da COVID era a nossa revista. Assim, despencava, patético. Aí, dava dois meses, a gente anunciava que ia ter e também era isso. Então, na verdade, não mudou nada a revista ser bimestral ou não. Poderia ter tido uma periodicidade maior, mas foi um dificultador que eu vejo, tanto pela demanda, quanto pelo tempo hábil, porque a gente tentava sempre… A gente não pagava ninguém, então a gente não podia também ficar cobrando muito quem estava ajudando, quem botava as coisas no site, quem editava isso, quem traduzia, teve algumas traduções que a gente fez. Não que nós não soubéssemos fazer, mas não dá para centralizar tudo, é loucura.

Detalhe do registro disponível na plataforma Internet Archive da página de expediente da PanoramaCrítico.

Talitha Motter Não, ainda mais com uma periodicidade de dois meses.

Alexandre Nicolodi Não, loucura. Tanto que teve uma edição que tinha quase 200 páginas. Se fosse fazer impressa… A gente teve um volume, uma demanda grande, faltou… sei lá.

Talitha Motter Faltou braço, às vezes?

Alexandre Nicolodi Braço, perna e tudo mais, gente! E nós tivemos as colaborações também, as parcerias, né. A principal foi a da Subterrânea na época.

Talitha Motter E como é que foi esse vínculo com a Subterrânea?

Alexandre Nicolodi Assim, a Lilian Maus e o James Zortéa principalmente, porque a Lilian publicou algumas coisas. A gente tinha contato com eles. Aí, nós publicamos o primeiro livro, nosso primeiro livro foi o livro da Subterrânea, aquele com papel Kraft na capa. Dali, a gente fez uma parceria de publicar, eu vou dizer todas, mas não tenho certeza se foram todas, todas as publicações deles foram conosco, ou praticamente todas. Não me lembro se a última foi, não lembro agora. Mas se tu for ver, a revista surgiu nesse momento que estava tendo um movimento em Porto Alegre, a coisa estava um pouco mais… oficialmente, a gente começou em 2008, final de 2008, com a revista 0. Mas a primeira edição foi em 2009, porque a 0 foi para testar. E estava tendo as Bienais megalomaníacas aqui do Mercosul, o Santander estava bombando, surgiu a Subterrânea, todos esses… o Jabutipê, foi na época da Bienal B também, quando teve aquele fervo. Eu não sei, a cena estava se movimentando, estava mais receptiva, talvez. E se tu for ver o período que a gente parou, quando faltou pernas, coincide também com o período em que a coisa começou a esfriar. A última edição é de 2011. Ali, em 2012, a coisa já começou a cair um pouco, em 2013, 2014 morreu.

Talitha Motter E tu acha que isso também pode ter acontecido, talvez, porque vocês começaram a se envolver com outros projetos ou realmente vocês já não tinham mais como dar conta de fazer as edições? Ou mesmo a questão do financiamento poderia ter levado a essa decisão de parar as atividades da revista?

Alexandre Nicolodi Sabe que não foi uma coisa que a gente decidiu, ela parou, mas um pouco de tudo isso que tu falou. Assim, envolvimento com outros projetos, por exemplo, eu estava no final do curso, tipo aquela loucura, o Denis também. Então, começou a ter outras questões por fora, mas não foi uma coisa… Nem que a gente quisesse fazer. Mas o principal é, eu olhando agora, eu vejo que talvez tenha faltado um pouco de se dar conta do que a gente estava fazendo de verdade. Não que nós não soubéssemos que “ah, estamos fazendo uma revista”. Isso que tu falou agora, a gente não sabia que tinha sido a primeira revista, mas a gente sabia que estava sendo a única funcionando pelo menos. Então, assim, o como ela surgiu, e eu acho que a gente não se deu conta da real importância disso. Esse ano, eu não sei se por causa da COVID ou não, mas eu quero retomar ela para o ano que vem. Eu já estou bolando algumas coisas. Mas neste ano, eu comecei a pensar que talvez tivesse faltado uma maturidade. Não sei se pessoal, mas quanto projeto, de se dar conta do que a gente estava fazendo, de como aquilo foi importante, que nem tu falou agora, eu estava olhando ontem as edições – eu tenho que atualizar no site, porque eu mudei todo o site, mas eu preciso botar o conteúdo de novo – de como isso possibilitou coisas para nós. Até para ver que tem isso, como dá abertura para certas coisas. Eu estava pensando, uma vez conversando com o meu irmão: dois gurizões na época, nem eram tanto assim, porque na época a gente já estava com quase 30, estou com 40 agora, estavam fazendo muito mais do que o pessoal do IA. E isso nos possibilitou, nos deu uma abertura, por exemplo, em São Paulo, na Bienal de São Paulo, no Rio, a gente teve uma circulação melhor lá dentro, mais acesso para falar com as pessoas, com menos preconceito do que aqui dentro. Eu já emendei uma coisa na outra, mas o que nos faltou, foi acho que um pouco assim de frieza: “Pera aí, o que é que a gente está fazendo? O que é que está acontecendo?” A gente se deixou levar um pouco, sabe? A gente bolou uma coisa e a coisa foi acontecendo. Assim, o monstro foi sendo criado, sem muito controle. Talvez isso tenha assustado um pouco também.

Detalhe da versão atual disponível da revista n.10 da PanoramaCrítico.

Talitha Motter É que também, não sei se é essa a sensação, mas a gente cria um projeto e, no caso de uma revista, ele assume uma forma tal que as pessoas começam a conhecer a revista, as pessoas começam a enviar textos e isso vai crescendo, crescendo, até que ele ficar maior do que tu esperava.

Alexandre Nicolodi Nossa, horrível. Bom, na verdade, mas assustador. Teve uma edição, eu não me lembro se foi a penúltima ou a antepenúltima, essa a maior delas, que eu abri… a gente ia recebendo por e-mail e eu ia jogando os artigos, os textos todos numa pasta. Aí, quando eu abri, eu disse: “Meu Deus, quem é que vai ler tudo isso?” Porque é isso, né, quem lia eram os professores. Eu não podia mandar vinte textos para uma edição. Então, começou a ser um complicador também. Eu acho que faltou – agora vendo, passaram-se dez anos – faltou sentar e reestruturar ela, reorganizar.

Talitha Motter Sim, porque ela tomou um outro patamar.

Alexandre Nicolodi Exato, e muito rápido. Eu acho que o que nos embananou um pouco foi que foi muito rápido. Eu acho que, na terceira edição, criou corpo já. Se tu for ver a terceira edição foram seis meses, para dois alunos de faculdade estarem fazendo tudo, eu achei que foi meio… A gente não se preparou para isso na verdade.

Talitha Motter Mas vocês tiverem a coragem de fazer.

Alexandre Nicolodi A gente deu a cara a tapa desde o início. E a questão da editora foi o que nos deu um gás, o livro da Claudia Paim foi com a gente. Então, tiveram alguns outros… Até estou com um projeto na Rouanet de um livro nada a ver com artes. Assim, porque daí a gente expandiu, mas tem um projeto na Rouanet que captou uma parte. Estou tentando captar o resto, agora não vou conseguir nunca mais, dado o cenário, mas vamos ver. Então, a editora continuou. A revista, a tendência é que, no ano que vem, eu consiga voltar com ela. Tem que organizar bem daí, para não fazer a mesma coisa.

Talitha Motter Em relação aos processos de edição?

Alexandre Nicolodi Sim, a tudo. Até a questão da periodicidade, eu acho que teria que fazer uma zero periodicidade, porque bimestral não tem como, é impossível, tem que ter uma equipe muito grande. Mas em relação ao processo, talvez mudar também a forma de filtrar o conteúdo, não sei. A gente recebia muita opinião também, isso dava nos nervos um pouco. Não sei contigo como é que é, mas todo mundo queria dar ideia. Porque a gente partiu da premissa… Assim, tu frequentou o Instituto de Artes, fez a graduação lá, né?

Talitha Motter Isso, fiz a graduação lá.

Alexandre Nicolodi Tu lembra que o pessoal vivia reclamando lá, os alunos? A gente vivia, o que era uma coisa que me incomodava muito deles também, tipo: “Ah, isso aqui é uma m., não sei o quê.”, e, “ninguém faz nada, nada funciona.” E a gente olhava, assim: “Tá, e o que é que tu está fazendo?”

Talitha Motter Crítica por crítica, vamos para as soluções.

Alexandre Nicolodi É, tipo assim, isso aqui é uma porcaria. Porto Alegre é ridículo, Rio Grande do Sul, no sistema, no mercado. Mas o que é que a gente está fazendo para mudar? Todo mundo reclamando, então vamos fazer. Faltava esse vamos fazer e a gente fez.

Talitha Motter É, e nessa coisa de a gente decidir fazer, a gente também inventa o jeito de fazer.

Alexandre Nicolodi Inventa. Se fosse agora, a coisa teria sido muito mais… Eu estava pensando, assim, me dá um desânimo ter que estar on-line e divulgando, isso cansa um pouco, né. Ter que estar o tempo todo no… agora tem Instagram, Facebook, não sei mais o quê. Tu não para. Na época, tinha o Twitter e o Facebook… era mais o Denis que cuidava disso. Mas, enfim, é o que tem. Mas isso que tu falou aí do fazer, eu lembro até hoje que, sei lá, em 2007, 2008, eu ouvia a Maria Ivone falar, não sei se é dela a frase ou não, ela dizia que no Instituto de Artes o grande mal não é que as pessoas não têm ideias, a questão é “o penso, logo desisto”. Ela vivia dizendo isso, todo mundo tinha ideias mirabolantes e ela falava: “Tá, então vamos fazer, botar no papel.” A pessoa vinha com uma solução mais simples: “Ah, mudei de ideia. Vou fazer um desenhinho, uma pinturinha.” Sabe? Então, isso a gente levou até hoje. É “o penso, logo desisto”, que é o mais cômodo, né? E a gente tentou ir contra isso.

Talitha Motter E funcionou, porque eu acho que marcou, como a gente falou no início, a história de muita gente, ter a PanoramaCrítico. Era uma referência para nós. E eu lembro que quando não se via mais as publicações da PanoramaCrítico, se comentava: “Ah, e agora, o que a gente faz? Para onde a gente corre?”

Alexandre Nicolodi Eu fui professor substituto ali, em 2016, na UFRGS, primeira coisa que a… acho que foi a Marilice que me perguntou, Marilice Corona, um dia eu fui lá assinar alguma coisa, cruzei com ela, e ela: “Ah, como é que tá? E quando é que volta a revista?” Primeira coisa! Professores, todos me perguntavam: “Ah, e a revista? Qual é a previsão?” Então, a vontade era de voltar, sabe, só que dava um… como? Não sei, tu está fazendo sozinha ela?

Talitha Motter Não, eu trabalho com a Paola Fabres na Arte ConTexto. Fomos nós duas que criamos em 2012-2013 e foi meio nesse buraco que a PanoramaCrítico deixou.

Alexandre Nicolodi É. E se tu for ver esse buraco, no nosso texto da revista, a justificativa da revista era essa. É essa lacuna, porque tu pega um jornal, uma publicação recorrente, assim, não existe mais… é só divulgação. Quando muito, alguma coisinha puxando um pouquinho, mas não chega a ter mais. Então, é uma lacuna mesmo. Até na primeira edição, posso estar enganado, mas nós fizemos a entrevista com a… não lembro do nome da pessoa, que era a presidente da Associação Brasileira de Críticos de Arte, ABCA, a Elvira Vermaschi, alguma coisa assim, falando sobre isso.  Nós fizemos a entrevista com ela sobre esse papel dessas novas… Se eu me lembro foi na primeira.

Talitha Motter Na primeira edição tem o “Qual o lugar da Crítica Hoje?”, talvez seja esse texto, que era contigo e o Denis.

Alexandre Nicolodi Foi nessa daí mesmo. A gente entrevistou ela e conversou com a Mônica Zielinsky e o Alexandre Santos sobre o assunto e escreveu depois um texto.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.