Entrevista com o cofundador da PanoramaCrítico Alexandre Nicolodi

Imagem de capa: Alexandre Nicolodi

Conteúdo & Site Web

Talitha Motter É, eu vejo que existe nas edições da PanoramaCrítico tanto o interesse de pensar a crítica quanto o interesse de fazer crítica. Como é que tu via essas duas relações, essas duas abordagens?

Alexandre Nicolodi O fazer crítica, bom… para fazer crítica tem que pensar a crítica. O fazer a crítica, eu acho que o próprio projeto já era, o surgimento dele já é uma crítica ao sistema, assim… falar isso “crítica do sistema” é tão clichê, mas de certa forma é. Porque era um meio que tem curso, pós-graduação e tudo, mas é um meio que não… É isso, o que é que se faz hoje, sabe? Foi um pouco nesse viés. E o pensar a crítica e pensar o papel, o lugar. Bem isso, o lugar, eu acho que o melhor título foi esse. Qual o lugar da crítica de arte? Para que serve a crítica de arte hoje, digamos assim. Porque foi essa a mudança. Antigamente, não no meu tempo, a crítica de arte tinha uma relevância maior. Até nos grandes meios, nos jornais, as críticas de arte eram importantíssimas. Não que agora não seja, mas agora ela circula dentro do umbigo dela se tu for ver.

Talitha Motter Na academia.

Alexandre Nicolodi Na academia, no meio dela. Então, isso é bom. Só que o nosso pensamento é que não deveria ser só. Lógico tu não vai dar uma dissertação, uma tese, sem ser pejorativo, para um leigo ler. Mas eu acho que a nossa grande questão foi, desde o início, se posicionar, porque o se posicionar é um movimento crítico, é um pensamento crítico. A gente pensava assim, a partir do momento em que eu estou fazendo um curso de Artes, eu larguei Arquitetura para fazer Artes, o Denis é formado em Propaganda, em Publicidade na PUC, a gente escolheu fazer aquilo ali, foi uma escolha. Então, a gente pensava assim, a partir do momento que tu está ali dentro, tu é agente do meio, tu é um ator ali dentro também. Afinal de contas, a grande maioria participou da Bienal de um jeito ou de outro, como mediador, ou como não sei o quê. A gente faz parte desse meio, a gente alimenta aquilo ali. Nem que seja como público no final, vai virar público. Então, por que que a gente não pode se posicionar? Esse era o pensamento da época, estou falando lá em 2000 e pouco, 2007, 2008, é nisso que eu estou pensando. Então, vamos assumir esse papel, entendeu? Assim, tu quer ser artista, assume que tu é artista, te coloca como artista. A gente via nesse discurso: “Ai, a coisa não vai…” É isso, a gente entendia assim, as pessoas fogem um pouco desse papel do “trabalhar no meio”. E isso eu acho até uma falha do próprio Instituto. O que é o lutar nesse meio? Ninguém te fala lá dentro do IA, assim, das possibilidades… Eu já vi cursos fora do país que têm cursos de artes que te dão essa possibilidade de trabalhar em um campo. Não quer dizer que tu faz um curso de artes, que tu vai ser aquele artista despirocado, que vai se enfiar num ateliê, socado, passar… Quer ser, seja, mas não é só isso, esse é um estereótipo que se tem muito ainda. Então, a gente viu um pouco isso, vamos nos posicionar, não só eu e o Denis, mas tipo as pessoas: “Vamos começar a assumir, assumir para nós.” Acho que o primeiro passo é esse, né. O escolher fazer um curso de Artes já é um posicionamento político, não digo político-partidário, mas é um posicionamento crítico. Então, acho que partiu um pouco do “vamos assumir, assumir…”

Talitha Motter Que a gente pode falar, que a gente pode dizer. E a revista é uma plataforma para isso, né, para a voz dos atores.

Alexandre Nicolodi Isso, foi. E até para chamar gente, tentar… porque é bem isso, todo mundo tinha ideia de fazer um monte de coisas e ninguém fazia nada. Então, foi um pouco isso, vamos tentar fazer, vamos chamar gente para fazer, vamos fazer acontecer. Até porque era um momento propício para isso, né, 2009.

Talitha Motter E como é que foi escolhido o nome PanoramaCrítico?

Alexandre Nicolodi Ah, em um bar, tomando cerveja (risos)… mas, é! No bar que tinha ao lado do IA, ali na Rua dos Andradas, Companhia de Arte. Não, a gente foi fazer tipo um brainstorming, porque todo mundo dava ideia também, né. Na verdade, o nome oficial que surgiu foi: “PanoramaCrítico: fragmentos remanescentes da produção contemporânea”.

Talitha Motter Um belo nome de tese.

Alexandre Nicolodi É, só que ficou meio grande, né? E foi isso, a gente fez uma lista. A gente ia lançando, mas tudo dentro desse mesmo viés. Eu não lembro dos outros mais. Até o Denis me mostrou, um tempo atrás, um papelzinho que ele achou com os nomes. Tinha um monte de bobagens no meio.

Talitha Motter Eu fico pensando que “panorama” e “crítico” parecem ser duas palavras que têm abordagens diferentes. “Panorama” parece que dá essa ideia de uma coisa ampla, de uma visão geral, e o “crítico” parece que escolhe um foco e se posiciona.

Alexandre Nicolodi Foi nesse viés que a gente foi, depois da bobagem toda, o “panorama” era isso, para dar uma geral. Panorama, o nome já diz, um panorama é uma coisa… E o crítico com esse duplo sentido, porque a ideia era fazer uma coisa mais voltada para a crítica, para a parte textual, e o crítico da situação também, aí, vem o subtítulo “fragmentos remanescentes”; “contemporâneo”, né, porque…; e o “fragmentos” por causa disso, como a gente queria preencher uma lacuna, que nem tu está fazendo agora, tu mesmo falou “a lacuna da lacuna que a gente deixou”. Não, sem ser pejorativo, como tu disse, se a gente deixou uma lacuna… Tu entende o quão crítico a Panorama era? Se eu e o Denis deixamos uma lacuna (risos!)… Era um pouco nesse viés, a gente queria preencher essa lacuna. E os “fragmentos”, porque a gente via que a coisa estava toda muito… fica tudo muito solto, né, não tem uma… Mas foi nesse viés que tu falou mesmo. Depois de horas de bobagem, a gente acabou martelando nesse. E foi o que ficou, todo mundo elogiava por essa… justamente todo mundo falava “é uma coisa bem forte”, né.

Talitha Motter Eu nunca tinha pensado nisso, essa ideia de o panorama ser crítico.

Alexandre Nicolodi Era uma situação crítica, porque, por exemplo, nós tínhamos colegas que eram… Na época que eu fiz, não me lembro se tu pegou isso ainda, tinha as ênfases.

Talitha Motter Eu não cheguei a pegar, eu entrei justamente quando mudou o currículo.

Alexandre Nicolodi É, eu fui a última ou a penúltima turma. Então, meus colegas que estavam fazendo História, Teoria e Crítica, apesar de tudo se permear um pouco, eles conversavam “tá, sei lá, eu vou fazer” e escreviam um texto sobre a obra e não tinham onde publicar. Se tu pensar, assim, o ponto de partida foi a coisa mais simples do mundo: as pessoas estão produzindo e não têm onde publicar. Digamos assim, o embrião de tudo foi isso. Aí, depois disso, veio a reflexão em cima. E, crítica? Eu vejo que agora está mais crítico ainda, mas enfim.

Talitha Motter Agora um comentário mais sobra a parte gráfica da revista: e os parênteses no logo da Panorama?

Alexandre Nicolodi Foi o Denis. É a lacuna, né. Geralmente em um texto quando tu está falando uma coisa e tu quer botar um complemento, fazer uma pausa, um adendo, tu põe “travessão” ou “entre parênteses”. Então, a gente foi nesse viés, até para tentar criar uma marca mesmo. Porque o parêntesis abre um novo espaço, né. Porque é essa lacuna.

Talitha Motter Sim, porque de certa maneira o parêntesis, ele abre uma lacuna.

Alexandre Nicolodi Ele abre uma lacuna e ele fecha uma lacuna. Então, na verdade, ele é a lacuna, né. O entre é a lacuna!

Talitha Motter E que pode ser preenchido com alguma coisa.

Alexandre Nicolodi Com alguma coisa, exato! Tanto que virou o logo da editora também. A gente teve criatividade para uma coisa, o resto (risos!)…

Talitha Motter Mas eu acho importante esse vínculo entre a editora e a revista, porque acho que elas assumem papeis similares, não é mesmo?

Alexandre Nicolodi Sim, se tu entrar lá no site, o portfólio da editora, a maioria das publicações são no campo das artes. Ah, teve uma que a gente participou de uma seleção da Furg, nada a ver com assunto, mas a grande maioria… Agora a gente está vendo para criar outros selos, para não ficar esse balaio de gato. Manter a PanoramaCrítico para o campo e criar outros selos para quando a coisa destoa muito. Porque é uma facilidade, a editora pode fazer isso, pode ter quantos selos quiser, né? Só para se organizar.

Detalhe da página de portfólio da editora PanoramaCrítico.

Talitha Motter E como é que foi a criação do site especificamente? Vocês utilizavam uma plataforma de blog? WordPress? Como é que foi isso?

Alexandre Nicolodi Começou com o WordPress. Se tu for ver… é que não tem mais disponível, mas cada edição foi alguém que fez para a gente, foi praticamente isso. Começou no WordPress, aí depois trocou para o Joomla!, que ficou mais fácil, porque era uma coisa mais no formato blog mesmo, para editar. Mas, no primeiro momento, foi o WordPress. Depois foi com o HTML mesmo, acho que foi o Adreson Vilson Vita de Sá. Ele participou de quase tudo o que a gente fez, ele está sempre junto. E depois, no final, foi para o Joomla!. Mas uma coisa é que na época também tinha uma dificuldade ainda técnica. Porque agora tu tem o Wix, tu tem essa nova versão do WordPress, tipo a editora está no Wix, sabe, qualquer um entra ali e consegue mexer. Isso era uma dificuldade, porque estava começando o WordPress, mas ainda com cara de blog. A gente não conseguia dar cara de site para ele. A gente não queria blog. Então, a gente dependia sempre de alguém para fazer, diferente do que seria agora. Então, acabava sendo o Adreson, mas entrava naquilo, tipo, eu não podia cobrar muito dele. Ele estava fazendo na parceria, na amizade. Até hoje somos amigos. Então, eu acho que assim, eu vou dizer uma coisa, não me entenda mal, não me entenda arrogante, mas eu acho que a nossa ideia estava um pouquinho à frente do que estava disponível tecnologicamente, sabe? A nossa ideia era ter uma difusão muito maior, que seria muito mais fácil agora. Até no ferramental, fazer um HTML é um saco, né? Cada edição tem que fazer do zero, tu não pode simplesmente… Isso foi uma coisa que cansou também.

Talitha Motter Demora muito a parte de edição propriamente dita do site, né.

Alexandre Nicolodi Não é só jogar lá.

Talitha Motter Não, e tem a revisão também. E vocês faziam os .PDFs com os textos. Então, isso tudo demanda uma organização.

Alexandre Nicolodi E a gente estava, até faltaram algumas edições, colocando no Issuu também. Aquela plataforma tipo revista mesmo, sabe? Para tu ver, na verdade, a gente começou a querer abraçar muita coisa.

Revista n.07 da PanoramaCrítico disponível na plataforma Issuu.

Talitha Motter E a publicação dos textos propriamente dita era por meio do .PDF e da plataforma Issuu, né?

Alexandre Nicolodi É, ficava on-line, tinha o .PDF disponível para download, porque é uma facilidade, não tem por que não, já que está no site gratuito. E, no Issuu, era mais para… uma ferramenta a mais na verdade. Até porque difunde, tem uma biblioteca no Issuu, não é bem uma biblioteca, porque são revistas, né? Mas tem uma biblioteca toda no Issuu, coisas do mundo todo.

Talitha Motter Com certeza, e tu pode colocar todos os textos juntos também.

Alexandre Nicolodi É, agora mudou um pouco, nem download dá para fazer mais, a não ser que seja conta paga, antes tinha como. Mas a gente usou mais como difusão mesmo, assim, para tentar expandir. E até porque o Issuu foi a primeira ferramenta com essa coisa de trocar de página, sabe? Tu abre o Issuu, é como se tu estivesse lendo, foi a primeira ferramenta que fez isso. Agora já virou uma coisa comum… foi mais pela difusão mesmo.

Talitha Motter É, aí a gente pode ver vínculos com o formato de uma revista impressa, de tentar procurar isso na plataforma Issuu.

Alexandre Nicolodi Para tu ter uma ideia, quando a gente fez a revista, a gente queria trabalhar com isso: e-books. Só que ninguém comprava e-book ainda, agora que começou a… Olha só, dez anos depois, eu estava vendo que as vendas de e-books dispararam no Brasil. Dez anos depois! Então, enfim…

Talitha Motter Talvez agora seja o momento.

Alexandre Nicolodi Agora estamos indo nisso.

Talitha Motter Eu queria falar sobre as seções da revista, porque toda essa parte do projeto gráfico do site vai incorporar as divisões que vocês propuseram para os textos. Pelo o que eu vi, vocês tinham, por exemplo, a seção Panorama, os Artigos, os Ensaios, as Entrevistas, o Ensaio Visual. Como era para vocês o objetivo de cada uma dessas seções? A Panorama parece ser um pouco a cara da revista e a Entrevista também, né?

Alexandre Nicolodi Isso, a Panorama, a ideia do panorama ali… O editorial era só uma abertura que a gente fazia, era uma apresentação. A ideia inicial do Panorama era ser o carro-chefe da edição, o que ia permear. A gente tentava sempre fazer depois do que tinha de conteúdo. Tanto que na primeira nós escrevemos, teve a Neiva, o Paulo Gomes, não lembro mais agora, a Paula Ramos também, não sei se foi na primeira ou na segunda. Era para ser o carro-chefe. O Artigo, bom, artigo mais acadêmico, a criatura tem um artigo acadêmico nos mandava no formato e a gente publicava… E o Ensaio, a ideia era ser um texto mais solto um pouco, não precisava ser aquele artigo acadêmico, aquela leitura mais pesada. Porque artigo acadêmico, se a pessoa é muito boa, muito fluente na escrita, o artigo fica bom de ler, que nem tese, dissertação. Tu vê que a pessoa domina a escrita, é uma coisa mais agradável de ler. Mas às vezes, nem todo mundo domina a escrita, daí fica uma leitura mais quebrada, falando português bem claro, mais chata mesmo, não o conteúdo, mas a leitura em si, o ritmo. E o Ensaio era para ser tipo, como foram feitos alguns, a pessoa foi na exposição e resolveu escrever, “tive um insight e escrevi um texto sobre”, uma coisa mais light. E Entrevista, bom, Entrevista era entrevista, que era a parte mais legal!

Detalhe do registro disponível na plataforma Internet Archive do texto “Verbetes para um auto-retrato” de Leonardo Araujo publicado na seção Panorama da revista n.10.

Talitha Motter Sim, e vocês que as faziam normalmente.

Alexandre Nicolodi A grande maioria, a gente fazia questão de fazer, até porque a gente ia atrás das coisas, né. Na verdade, assim, era impossível querer escrever alguma coisa para a revista mesmo, toda edição, como nós fizemos em uma edição. Até daria, mas ia ser um esforço tremendo. Talvez até pudesse ter sido feito. Só que a entrevista era uma coisa que, bom, tu já fez, é mais divertido de fazer, é melhor porque é uma coisa que vai acontecendo naquele momento… O problema é o trabalho depois da entrevista, que é decupar tudo, essa era a parte cansativa. Ter que ouvir o áudio, imagina, na época ainda o áudio… Não existia smartphone, lembra? Não existia smartphone ainda!! Então, era de doer a coisa. Mas era uma coisa bem legal de fazer, porque era onde a gente dava a cara a tapa, né, com as pessoas, com os outros. O Ensaio Visual foi a proposta de… eu não me lembro, te juro que eu não lembro quem foi, o Ensaio Visual, mas foi alguém que propôs de ter uma coisa mais visual na revista. E surgiram alguns, mas acabou não vingando… Porque, assim, é uma coisa da aldeia aqui, né. Todo mundo, os projetos são todos maravilhosos, todo mundo tem um “bah, vamos!”, só que na hora do “vamos?” as pessoas ficam com o pé atrás. Não sei se tu sente… Tu sabe do que eu estou falando, tu está aí no Canadá, mas tu sabe do que eu estou falando daqui. Assim, não é um pé atrás, são os dois pés atrás. É a história do balde de caranguejo. Então, até o Ensaio Visual ficou meio difícil sabe… Chegou uma hora que ficou difícil de conseguir conteúdo das pessoas, as verdades são essas. E o nosso contato direto que nós tínhamos era aqui, e a gente não queria ficar muito preso na UFRGS e estava ficando. Então, acho que isso também desgastou um pouco a revista, porque teve um momento que veio bastante conteúdo de fora e depois deu uma parada.

Talitha Motter Como sair, né, desse círculo?

Alexandre Nicolodi É, é aquela coisa… fica se autoalimentado. E isso também deu uma desanimada, um pouco. Isso eu estou falando agora, vendo de fora, digamos assim.

Talitha Motter Mas talvez seja um pouco isso que tu disse, que talvez no momento a questão da Internet, da divulgação, ela não era tanto como hoje, né? Talvez, se fosse hoje, essa difusão teria feito com que essas conexões viessem mais facilmente.

Alexandre Nicolodi Isso, sem dúvida. O Twitter estava surgindo, imagina! Então, hoje em dia se divulga e tudo o mais. Agora, papo de velho mesmo, “hoje em dia…”, “no meu tempo não era assim”, tudo é on-line, é Instagram… Não sei, se tu não está nesse meio… Eu digo por mim, eu não estou nesse meio, eu me afastei um pouco, nunca fui uma pessoa dentro desse meio web, assim, de gostar de me expor. Eu não gosto de me expor tanto, mas o me expor gratuitamente. Assim, participei e participo de coisas, não tem problema, mas essa coisa constante, diária. Só que eu vejo que agora… tanto que a gente vai voltar, né, e vai fazer uso disso.

Talitha Motter Porque é necessário, né?

Alexandre Nicolodi É necessário. Na época, a divulgação era um blog. A gente tinha um blog que era a agenda, que as pessoas nos mandavam o material, “ah, vai ter uma exposição”, e a gente ia divulgando. Tipo uma agenda mesmo, que era alimentada diariamente; lógico, se tivesse coisas no dia para alimentar, mas diariamente. Porém, o que desgastou muito também foi aqui, Porto Alegre, assim, essa questão de… começou a ter uma certa resistência, parece.

Talitha Motter Mas uma resistência em publicar ou uma resistência…

Alexandre Nicolodi Não era uma resistência explícita, mas uma coisa a nos mandar material, a receber material. Começou a ficar escasso. Olha só, teve um período ali que meio que ficou escasso o conteúdo, tinha que espremer para sair alguma coisa, porque a gente recebia textos que não tinham muita condição de entrar também, né? Tem coisas às vezes que… bah! Enfim, começou a ficar difícil pelos professores também.

Talitha Motter De ter tempo para avaliar?

Alexandre Nicolodi É, foi.

Talitha Motter Uma pergunta um pouco relacionada a isso, sobre as entrevistas e mesmo sobre a seleção dos outros conteúdos. Primeiro, no caso das entrevistas, como é que se dava esse “ah, eu vou entrevistar essa pessoa”? Tinha algum tema relacionado com a seção Panorama? Vocês tentavam fazer um vínculo desse jeito? Ou era alguma coisa que estava acontecendo na época que vocês achavam importante de falar com tal e tal pessoa?

Alexandre Nicolodi A primeira que a gente fez, que a gente redigiu o texto em cima da entrevista, foi totalmente focada na ideia do texto, sobre o papel da crítica, o lugar da crítica. Aí, depois, as coisas foram meio de oportunidade mesmo. O Cildo Meireles, por exemplo, acho que foi na abertura da Bienal do Mercosul, alguma coisa assim que teve, e a gente esteve antes naqueles pré-eventos, sabe? Eu estava zanzando lá e cruzei com o Cildo, e eu “bah, o Cildo!”, conversei com ele. Daí, ele disse: “Não, faz assim, vamos marcar amanhã”. Ele estava ali no Plazinha, ao lado do IA. Amanhã ou depois, não me lembro agora. Ah, “nove e meia da manhã, encontro vocês lá”. “Beleza!” “Vambora?” “Vambora!” Foram várias assim.

Talitha Motter Ótimas oportunidades.

Alexandre Nicolodi É, a coisa surgia, mas isso é uma coisa legal de estar fazendo isso, né?

Talitha Motter Tu cria uma porta de contato.

Alexandre Nicolodi Tu tem um porquê, tu não vai chegar, cruzar com o Cildo e dizer: “Adoro teu trabalho!”, dar um abraço, um aperto de mão, tchau. Então, tu tem algo a oferecer… O Walmor Corrêa estava tendo uma exposição, alguma coisa, estava meio em alta. Uma exposição aquela dos desenhos… eu esqueci o nome. Ele fazia tipo a anatomia…

Talitha Motter Sim, aqueles desenhos enormes que ele tem.

Alexandre Nicolodi Isso, ele estava fazendo aquilo. Gente finíssima ele. Aí, a gente conversou com ele e ele topou, de boa assim. Aí que tu vê, esses mais consolidados, com mais vivência, nossa! Super de boa, abertura total. E, assim, a gente nunca fez uma entrevista de verdade. A gente tinha a pauta para não se perder, tipo o que a gente está fazendo agora, para não dar aquele momento de silêncio, e sempre foi conversa. O Paulo Bruscky também, a gente sabia que ele vinha para o lançamento, para a Bienal do Mercosul, e eu liguei para ele e falei com ele. Não, a gente o encontrou também na Bienal, e eu liguei para ele, porque ele ia voar para o Recife e depois ia voltar só tal dia e marcou comigo. Então, foi tudo meio assim. A outra mais temática foi a da Bienal de São Paulo, com o Agnaldo Farias, porque a gente foi lá. Eu já tinha conversado com ele antes, aqui em Porto Alegre também. Não me lembro quem apresentou ele, peço desculpas, se a pessoa ler depois, mas não lembro. E também foi uma conversa assim de umas duas horas na parte de refeições que tinha ali, tipo uma lancheria dentro da Bienal de São Paulo. A gente sentou lá e ficou horas conversando com ele. A gente publicou uma parte, porque o resto…

Detalhe do registro disponível na plataforma Internet Archive da revista n.08 da PanoramaCrítico, na qual foi publicada a entrevista com Agnaldo Farias.

Talitha Motter Não tinha como…

Alexandre Nicolodi É, era uma conversa sobre o campo. As nossas conversas com todos eles, no meu ponto de vista, o que eu achava legal, era uma conversa sobre o campo das artes. A gente acabava tirando um pouco a visão de cada um, foi bem legal. E teve algumas entrevistas que nos mandaram, a gente também aceitava, não tinha problema quanto a isso. Só que entrevista… é mais difícil ter quem faça.

Talitha Motter Dessa maneira, vocês também tinham essa participação e assinavam a revista.

Alexandre Nicolodi Claro, claro, toda a edição tinha alguma coisa nossa. Porque como a gente estava fazendo uma coisa, o meio a gente sabe como é que é o meio, tem que ter alguma coisa também. Até por interesse, a gente entrevistou os curadores da Bienal do Mercosul também, em duas edições eu acho, uma do presidente da Bienal também. Sempre foi bem de boa, a receptividade foi sempre bem boa. Ah, isso que eu digo, olhando agora, eu vejo que o que a gente estava fazendo era maior do que a gente estava vendo. Até pela receptividade… eu fui convidado pela Bienal do Mercosul para, acho que foi na oitava Bienal em 2011, teve uma mesa lá naquela Casa M, era eu, a Mônica Zielinsky e um outro que tinha a revista, esqueci o nome do cara da revista de cinema… o Marcus Mello, da revista Teorema. Eu fui convidado para ser um dos palestrantes, sabe. Então, acho que agora olhando, eu vejo que a gente tinha algo na mão, que não é que a gente não deu valor na época, mas a gente não entendeu o que tinha na mão. Eu vejo assim, dez anos depois quase, pela possibilidade que nos abriu, a gente chegava… na Bienal de São Paulo, por exemplo, a gente chegou, a gente marcou com o Agnaldo. A gente foi nos bastidores, entrou lá, tomou um café com ele lá numa parte deles, ali nas internas. Ele nos deu o material, o catálogo aquele. Tipo, não é um deslumbramento com isso, mas, assim, é o potencial que isso nos deu. Tanto que nós fizemos, em 2010, o seminário.

Talitha Motter E agora uma coisa que eu queria comentar… a gente está abrindo parênteses…

Alexandre Nicolodi Os parênteses são geralmente a parte mais importante da conversa.

Talitha Motter Exato! Essa coisa… primeiro, essa coisa que tu está dizendo “ah, talvez a gente não tenha dado o valor”, mas é interessante que, na verdade, o meio reconheceu o papel da PanoramaCrítico.

Alexandre Nicolodi É que não era dar o valor, mas talvez a gente não tenha entendido…

Talitha Motter Sim, mas essas aberturas com os outros atores, eles viam a importância de uma iniciativa como essa.

Alexandre Nicolodi Isso, e talvez a gente não tenha visto, ou entendido isso. Talvez tenha faltado maturidade, até talvez pelo momento, de estar nessa loucura que a gente estava naquela época. As coisas começaram, e elas foram acontecendo. Quando a gente viu, a gente estava em São Paulo fazendo não sei o quê. Faltou, de repente, assim um: “Para tudo, dá dois passos para trás”, que nem dez anos depois, aí não foram dois, foram vários passos para trás, “respira e olha o que está acontecendo”. Faltou isso, eu acho, da parte dos dois.

Talitha Motter E agora, de repente, com toda essa experiência, vocês vão fazer…

Alexandre Nicolodi Não, a intenção é voltar. Este ano eu sei que é mais complicado. Tudo é mais complicado este ano.

Talitha Motter É, este ano é um grande parêntesis.

Alexandre Nicolodi É, este é o ano do parêntess, é o ano todo, porque a gente aqui está desde março em isolamento. Mas a intenção é para o ano que vem.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.