Entrevista com o cofundador da PanoramaCrítico Alexandre Nicolodi

Imagem de capa: Alexandre Nicolodi

Autores

Talitha Motter A gente falou um pouco dessa questão do envolvimento da PanoramaCrítico com o Instituto de Artes. E, em relação aos autores, as pessoas que mandavam textos e que passavam por todo o processo de seleção e tal, como é que tu via o perfil geral deles? Eram mais estudantes? Eram já, sei lá, críticos de arte?

Alexandre Nicolodi A maioria estudantes, dos diversos níveis digamos, graduação, pós, mestrado, doutorado, a maioria, e já tinha alguns agentes, assim, de menor visibilidade, mas já atuantes também. E de diversos lugares do país na verdade.

Talitha Motter E vocês chegaram a perceber isso na época, esse papel que a PanoramaCrítico assumiu em abrir um espaço para novos autores?

Alexandre Nicolodi Eu acho que a gente viu, mas a gente não conseguiu perceber a dimensão da coisa. Isso que eu estava falando agora há pouco, sabe? A gente viu até porque a proposta era essa, a gente viu que deu certo, talvez não do jeito que a gente tenha idealizado. Também não é um problema isso. Só que talvez tenha faltado, assim, se dar conta. Talvez pelo contexto todo, tipo cada um com seus problemas, com as suas coisas no mundo, no campo pessoal e profissional, fora isso. Mas eu acho que… a gente via, mas talvez não compreendia.

Talitha Motter É, eu acho que ela realmente assumiu essa questão que vocês tiveram como mote inicial, o de criar esse espaço. E eu acho que isso correspondeu com a vontade de as pessoas publicarem.

Alexandre Nicolodi A premissa foi quase uma análise de mercado do meio que a gente vivia, todo mundo reclamava que não tinha onde publicar. Só que eu acho que faltou compreender o que estava acontecendo. Talvez, agora que estamos falando, a gente não soubesse que a necessidade era tão grande. Talvez seja um pouco isso também, porque fez um boom na época. Talvez isso tenha assustado um pouco também. Não sei, talvez olhando agora, de novo, dez anos atrás, isso tenha assustado um pouco.

Talitha Motter Porque era uma carência do meio e é ainda, mesmo com todas essas iniciativas.

Alexandre Nicolodi Teve uma edição ali, que eu não lembro qual é que foi, que teve um pessoal do pós, ali da UFRGS mesmo, que era um dossiê com o Flávio Gonçalves. Ou seja, a própria Pós-Graduação não estava usando a revista deles. Estava usando um outro meio. Isso que eu digo, agora eu consigo fazer essa leitura. Poxa, teve alguns trabalhos de graduação também, com a Ana Albani. Tiveram vários que nos deram abertura, que conseguiram fazer. Acho que agora eu vejo, eu faço uma leitura meio assim, talvez tenha sido mais importante. E não só na área das artes, né, porque teve o dossiê do Hospital Psiquiátrico São Pedro lá, que foi muito legal, porque a gente conseguiu fazer um tour dentro do São Pedro, locais fechados para o público. E eu fiz uma disciplina, semestre passado, ano passado no caso, do Pós Educação, e até o próprio professor, com interesse na editora, na revista, veio conversar comigo. Aí, eu vejo realmente que existe essa necessidade. Sim, mas daí de novo, talvez na época tenha faltado esse enxergar a dimensão da coisa. Não querendo me gabar da revista, mas a dimensão da necessidade. E realmente ela teria potencial para seguir. Não sendo bimestral, jamais. Mas teria potencial para seguir.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.