Entrevista com o cofundador da PanoramaCrítico Alexandre Nicolodi

Imagem de capa: Alexandre Nicolodi

Meios de Financiamento, Divulgação & Outras Atividades

Talitha Motter E a gente falou ali do seminário que aconteceu em 2010, em novembro, Seminário Práticas Artísticas e suas Inserções. E, para esse seminário, vocês tiveram financiamento da Funarte, não é mesmo?

Alexandre Nicolodi Foi da Funarte, foi o Rede, se não me engano.

Talitha Motter Isso, foi o Programa Rede Nacional.

Alexandre Nicolodi A ideia era essa, de circular atores, agentes. A proposta do edital era isso, ter esse deslocamento de pessoas. Então, teve o Rubens Mano de São Paulo; o Newton Goto, não me lembro se ele é de Curitiba, ele é do Paraná; teve o da UFPel, o Ricardo Mello (Coletivo C.D.M.); e a Claudia Paim, que era da FURG. E, nesse seminário, a Claudia Paim apresentou o trabalho dela e conversou comigo para publicar o livro. Agora eu não vou lembrar se era a dissertação ou a tese de doutorado dela, mas era um dos dois, que ela reescreveu tudo.

Primeiro dia do Seminário Práticas Artísticas e suas Inserções com a participação de  Maria Ivone dos Santos, Newton Goto e Cláudia Paim, 17/11/2010.

Talitha Motter Tu tinha comentado que os meios de financiamento da revista foram vocês o tempo todo, e foi nesse momento que, claro tinha também a editora, que vocês participaram de um edital e conseguiram esse financiamento. E como é que foi isso, essa organização pra se inscrever no Rede Nacional? Vocês chegaram a fazer também algum outro edital?

Alexandre Nicolodi Sim, primeiro de tudo, nós fizemos o da Rouanet, que não é bem um edital, para captar recursos. Mas eu acho que na época até o digital também era meio visto como… já falamos disso, né? Da Funarte, foram dois: esse de 2000 e… eu não me lembro se o edital foi em 2010 para fazer em 2011, alguma coisa assim; no outro ano, acho que teve de novo, e nós fomos pré-selecionados, seria tipo uma continuação, seria tipo o Seminário Dois. Porque tinha muito a ver com a ideia da revista, né? Práticas Artísticas e Suas Inserções, porque a revista de certa forma é uma inserção. Nós nos inserimos através da revista. Ninguém conhecia o Denis, ninguém conhecia o Alexandre. E esse edital… A gente estava sempre catando editais, alguma coisa que desse para encaixar e esse pareceu uma boa. E quem escreveu fui eu, eu e o Denis, a gente se sentou e escreveu. Aí, a Maria Ivone deu uma força. As indicações dos nomes, quem ficou meio responsável, digamos assim, foi a Maria Ivone e a Neiva, que eram as que estavam mais envolvidas com a revista na época. Cada uma delas indicou dois nomes, que eu não lembro quem foi quem. Se não me engano, a Maria Ivone foi o Newton e o Ricardo, que está na UFPel agora, e a Neiva indicou o Mano, ou eu confundi tudo, mas alguma coisa assim. A Neiva indicou o Mano e a Maria Ivone indicou o Newton Goto. Daí, os outros dois agora não lembro quem foi que indicou. E o Rubens Mano, todos que a gente entrou em contato super de boa, assim. Eles receberam para estar aqui, não foi muito, porque o edital não era um valor muito…

Talitha Motter Muito elevado?

Alexandre Nicolodi Não, era um edital que custeava, a passagem paga, hospedagem, lógico se viesse de fora, né. Mas a Claudia Paim também, ela não quis, porque ela tinha onde ficar. Ela tinha casa aqui, tinha… ela faleceu uns anos atrás. Então, foi isso, funcionou assim. E para tu ver a novidade que foi, olha a loucura da coisa, ele foi transmitido on-line!(risos!!) Não sabe a dificuldade que foi para nós conseguirmos a empresa que fizesse isso aqui em 2010. E não foi nada demais a transmissão, se tu olhar os vídeos lá, eles estão meio toscos assim. Foi difícil, não era que nem agora que tu faz uma live de qualquer coisa. Pô, isso aí foi uma coisa: “Bah, vai ser transmitido on-line!”, sabe? Uau! Agora é uma coisa banal, mas enfim. Eu acho que foi a grande chamada desse projeto… Ele foi em um dia de semana, dois, foram dois dias. Mas foi legal, teve um público, não foi o público que a gente esperava. É, foi legal, foi bem bom.

Talitha Motter E sobre essa questão de organização de um evento. Não sei se vocês chegaram a fazer algum outro evento da PanoramaCrítico, mas eu vejo isso muito também como uma estratégia de divulgação do digital para o físico, né? E, por exemplo, tu também comentou “ah, nós tínhamos o blog”, que divulgava, que fazia uma espécie de agenda, e que também era uma estratégia de divulgação da PanoramaCrítico. Além disso, a própria inserção de vocês, que estavam dentro do Instituto de Artes, fazia esse meio de comunicação para criar interesse na revista. E não sei se tu poderia comentar justamente sobre como se dava essa divulgação da Panorama e se vocês chegaram a fazer algum outro evento, alguma outra atividade comparada ao seminário?

Alexandre Nicolodi Comparada ao seminário, não, até por uma questão de dimensão, mas o que a gente teve foi mais lançamento de livro, da Claudia, teve um outro de arte e loucura, com uma professora da Psicologia também. Então, era mais focado. Mas a dificuldade maior era a divulgação, mesmo sendo on-line, porque on-line tu acaba divulgando nos teus canais, e de novo, o que tinha de mais bombástico era o Twitter, porque no Brasil, em 2009, estava começando a loucura aqui. A nossa principal dificuldade foi divulgação, foi muito no boca a boca. Porque a gente começou a divulgar por terceiros. Assim, a parceria com a Subterrânea, do Jabutipê de vez em quando, a gente apoiava alguns eventos. Um da Maria Ivone, que foi no Museu da UFRGS (Pontos de Vista: Lugares, Práticas e Políticas das publicações em Artes. Ensaios Críticos e publicações de Artistas), em novembro de 2009, ela botou como apoiador. Então, a gente sempre constava, até na Subterrânea, os convites tinham assim o apoio, naquele período ali, que acabou sendo coisas mais assim. Mas a principal dificuldade era a divulgação, de lançamento de livro, de tudo, o próprio seminário foi difícil de divulgar, sabe? Não tinha muito… não sei. A principal dificuldade foi a divulgação, mesmo sendo on-line. Bom, uma revista virtual, tu ter dificuldade em divulgar, não sei se tu me entendeu.

Talitha Motter Não, eu entendo. E eu acho interessante, porque parece que, talvez naquele momento, isso que tu tinha levantado antes, o on-line ainda era uma coisa nascente para nós.

Alexandre Nicolodi Como essa loucura de agora, sim. Até porque ninguém tinha isso aqui (Kindle –  leitor de e-book), né? Isso aqui veio… eu fui ter um smartphone em 2012, 2013. Eu quero dizer assim, o on-line ainda era uma coisa de sentar a bunda em frente ao computador e abrir um site, né? Um pouco isso, não era essa a facilidade que tu tem aqui… a ferramenta, de qualquer momento, tu puxar do bolso e ler o que tu quer. Que nem a loucura do e-book, eu consigo ler e-book aqui no celular, sabe. Então, agora não é mais desculpa, por isso que agora talvez seja o momento de retomar… É, um pouco de presunção, mas para o que a gente queria fazer não era talvez o momento mais adequado. Mas um pouco foi isso. Só uma coisa que tu estava falando ali, que eu lembrei, eu acho que uma coisa talvez que tenha gerado uns dois, três pés atrás, foi que… assim, uma revista de crítica de arte focada para esse público principalmente, que foi criada por uma pessoa formada em escultura e a outra formada no campo das artes, em fotografia e gravura, eu não sei até onde isso também não deu um… ninguém era da crítica, o que eu tinha feito era uma disciplina, aquela disciplina de Teoria e Crítica da Arte, sabe? Então… talvez, estou especulando, são impressões que eu tenho.

Talitha Motter Mas ao mesmo tempo isso mostra como nós, como atores dentro desse sistema todo, a gente assume múltiplos papéis.

Alexandre Nicolodi Sem dúvida, sem dúvida. Eu me lembro que eu fui convidado uma vez para fazer uma conversa, eu acho que foi o Luís Edegar Costa, acho, que era com os formandos na época. Não lembro de ninguém. Estava eu, o Túlio Pinto, o Guilherme Dable, da Subterrânea também, e mais alguns que eu não lembro, acho que o Rodrigo Monteiro também, que é meu amigo, para falar um pouco dessa inserção no campo, que é o que, eu e o Denis, a gente batia desde o início da revista, formas de inserção, de tentar. E me lembro que a tecla que a gente batia era a do sair da zona de conforto, no caso um pouco isso. Me lembro que até o Dable concordou comigo que o artista na realidade, não sei desde quando, ou talvez desde sempre, ele é um pouco isso que tu falou, ele é um multitarefas, e isso que eu nem tenho uma produção artística mais. Eu parei, não consigo mais, queria retomar tudo, mas a gente vai sempre adiando… porque tu está produzindo, tu tem que dar um jeito de fazer essa tua produção sair dali. E, no Brasil, a gente depende de editais também, lá fora também, talvez não editais públicos, de órgãos públicos, mas é sempre o ter que ver editais, tu tem que estar sempre… E é aí que eu acho que é a falha do Instituto de Artes, assim, é muito bom na parte teórica, com ressalvas sempre, na parte prática, não sei como é que está o currículo novo agora, só que: e o mundo lá fora, como é que é? Essa questão mais “mundana”. Isso eu falo no início, acho que pega muito nisso, que a gente acaba vendo que quem se sobressai um pouco… Eu até brincava, tipo olha só, dois guris, que estavam já com os seus 30 anos, fizeram uma revista, estavam se sobressaindo no meio. Então, quem consegue se organizar e ter essa visão um pouco mais ampla, isso que tu falou, tu não é um mero artista, tu não é um mero crítico, tu é várias coisas, eu acho que é quando tu consegue uma certa inserção, se não, não. Se não se mexer, nada acontece.

Talitha Motter Exato, não adianta só produzir, se não se faz a parte de, entre aspas, autopromoção.

Alexandre Nicolodi Porque muitas vezes, não vamos ser ingênuos agora, sem demérito ao trabalho de ninguém, mas a gente sabe que tem alguns no meio que é muito mais por autopromoção e círculo de relações do que propriamente o trabalho em si. Isso em qualquer profissão, mas nós estamos falando aqui do campo das artes, fora quem é professor, que já tem um outro tipo de produção, mas eu digo quem está fora disso, né? Então, é muito mais… Eu acho que é isso que não fica claro muitas vezes no campo para quem está se inserindo, quem entra em uma faculdade de Artes.

Talitha Motter Parece que tu tem que ler nas entrelinhas…

Alexandre Nicolodi É, e, às vezes, é preciso um pouco mais de vivência. Eu até penso, talvez, eu e o Denis, nós tenhamos feito o que fizemos porque eu entrei no IA com 25 anos, sai de lá quando a gente já estava perto dos 30, o Denis é um ano mais velho que eu, sabe? Porque a faixa etária que entra ali é na casa dos 20, um pouquinho menos um pouquinho mais. Então, eu acho que a gente já vinha de outro curso… sabe? Começa a ver essas entrelinhas um pouco mais, talvez um pouco isso. Isso é que eu acho que falha no nosso meio. Não sei como é que são os outros, mas é essa coisa mais mundana assim.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.