Entrevista com o cofundador da PanoramaCrítico Alexandre Nicolodi

Imagem de capa: Alexandre Nicolodi

Ideias de Revista

Talitha Motter A gente não aprende exatamente, assim, como se envia um texto por exemplo. Só voltando aqui um pouco para as linhas gerais da conversa, agora eu queria comentar mais sobre a ideia de uma revista de arte e eu queria te perguntar como é que tu viu a participação da Panorama na discussão sobre temas da arte contemporânea. Eu vejo que tem essa questão das Bienais que volta várias vezes, tanto da Bienal de São Paulo como da Bienal do Mercosul. Tu vê algum outro tema que a PanoramaCrítico trouxe para discutir a arte contemporânea? A gente falou de lacunas, a PanoramaCrítico se colocou nesse papel de abrir um espaço para novos autores, para discussões sobre a arte, e eu queria perguntar se tu percebe que a PanoramaCrítico assumiu outros papeis em relação à produção sobre arte contemporânea? Se ela teve algumas, tipo, bandeiras sobre isso? Eu vejo que ela se posicionou em relação à Bienal. Teve alguns outros tópicos como esse?

Alexandre Nicolodi Eu acho que acabou sempre tendo um posicionamento, em linhas gerais. Lógico, tem textos que os autores são terceiros, no caso nós só fizemos a seleção. Mas ela teve um posicionamento um pouco de resistência, talvez, resistência a um modelo inserido, porque criticar uma Bienal, tu critica, mas a Bienal está instaurada. No fundo, no fundo, aquilo ali não… para a Bienal, digamos assim, a Instituição Bienal, isso afeta pouco. Porque a Bienal já tem um modelo, por mais que vá se ajustando, mas ela tem um modelo e é um modelo que o sistema em si de arte é. Eu nunca fiz resistência direta à Bienal, vamos dizer, a revista nunca foi uma resistência, mas tinha alguns pontos ali. E se tu ver de certa maneira chegou um momento em que a Bienal nos convidou para participar da Bienal, então, tem essa coisa meio…

Talitha Motter De vai e volta.

Alexandre Nicolodi É, até porque eu vejo a Bienal como um sistema já instaurado, que se consolida a cada ano, que nem eu falei, praticamente todos os alunos do IA trabalham, ou já trabalharam na Bienal, fizeram o curso de mediador, que é para reproduzir um discurso, na verdade, se tu for ver. Mas, então, acho que a grande bandeira da Panorama foi o posicionamento do meio, não o posicionamento da revista, mas que as pessoas tivessem um lugar para se posicionar, sem chutar o balde, lógico… mas que era um espaço para se posicionar. Porque é isso mesmo, assim, não dá para ser um discurso de corredores. A grande bandeira eu acho que era essa, não era nem contra a Bienal, ter um discurso de Bienal, ter uma reflexão, eu acho que trazendo essa reflexão geral do sistema, assim, do campo. Eu acho que o tema, o título do seminário, a proposta do seminário, eu acho que resume bem a Panorama também, como se inserir no mercado, no meio, que já tem algumas ferramentas consolidadas. Acho que a grande questão era essa,  dar um espaço para as pessoas tentarem discutir. Eu não sei até onde a discussão e as coisas que a revista trouxe deram algum fruto, porque nunca tive um feedback de nada. Eu sei que várias pessoas publicaram ali, usaram no currículo. Tem alguém, não me lembro quem foi, acho que foi a Bruna Fetter, que falou há alguns anos que pegou dali um texto, usou a revista, mas eu acho que diretamente, não sei, eu não vi ao menos, não tive um retorno, não sei até onde. Porque é um meio que tu sabe bem, né, tu está criticando, mas daqui a pouco tu está dentro. Então, por mais que possa ter uma bandeira de ser contra, eu lembro daquela Bienal de São Paulo que os grafiteiros invadiram, lembra? Na outra Bienal, eles estavam lá. É um meio, um sistema sabonete, assim, que não se deixa… Na verdade, eu não sei até onde é que realmente teve alguma repercussão. Ela foi importante como ferramenta, como instrumento, tu usou, mas até onde foi essa discussão… eu não sei. Eu não sei até onde que se quer… se realmente se importa com essa discussão, sabe? Não sei se tu está me entendendo, até onde vai a relevância dessa discussão como discussão mesmo.

Talitha Motter Acho que também a questão de bandeira não necessariamente precisa ser uma bandeira de fazer uma crítica “crítica”.

Alexandre Nicolodi Sim, mas assim a minha grande questão, tipo: “Tá, e aí?”

Talitha Motter Sim, o que resultou disso?

Alexandre Nicolodi Se tem uma coisa que, eu e o Denis, a gente sempre falava, as pessoas vinham chorar para a gente, “tá e aí?”, de novo, “o que tu faz quanto a isso?”. Então, um pouco isso. Eu não sei até onde a revista teve impacto, talvez seja a palavra impacto, que ela serviu para muitas pessoas, ela serviu, para mim, para o Denis, mas até onde? Ela foi uma ferramenta de inserção para mim e para o Denis, para várias pessoas foi. Mas até onde ela gerou um ruído que seja, alguma coisa de… Agora sim eu sei, tu está trazendo uma pesquisa, tu mesmo elogiou, falou umas coisas que eu nunca tinha pensado. Então, talvez eu consiga ver isso, mas na época a gente não via muito assim não.

Talitha Motter É, e eu acho que… mesmo o que tu disse no início que “ah, a revista surgiu no momento em que Porto Alegre estava meio em um boom cultural”. E eu acho que o braço que faltava para completar esse círculo era uma plataforma dessas. Eu acho que tem vários ganhos simbólicos com uma revista, e também com uma revista que se escolhe on-line.

Alexandre Nicolodi Sim, é que assim, aí sendo um pouco mala, até onde eles se importam com o que está acontecendo, eu às vezes penso assim, sabe? Até onde?

Talitha Motter Eu acho que uma coisa importante, assim, eu acho que daí a gente passa para essa questão do que pode ser uma revista de arte, porque acho que um dos papéis de uma revista é justamente escrever certos nomes dentro dessa história.

Alexandre Nicolodi Ah, isso sim, quanto a isso, sim.

Talitha Motter E eu acho que, esses textos, eles marcam um momento da história da arte da região.

Alexandre Nicolodi Nesse aspecto, sim, até pelo o que a gente estava falando, né. Foi um momento, aquele momento do boom, teve uma euforia em Porto Alegre. Isso, sim.

Talitha Motter E eu acho que a gente só consegue depois acessar essa história a partir disso.

Alexandre Nicolodi É, tanto que na época eu não conseguia fazer essa leitura. Eu faço agora dez anos depois. É, eu acho que o principal, bem isso que tu falou, acho que o principal legado, digamos assim, tenha sido isso… possibilitou de pessoas escreverem. Foi realmente um espaço para aquele momento, que as pessoas tinham para fazer os seus trabalhos, divulgar as suas… é isso. Muito mais do que isso seria pretensão, né?

Talitha Motter E eu acho que isso é muito.

Alexandre Nicolodi Não que seja pouco, se tu for ver.

Talitha Motter Porque se a gente estava falando de sistema, que a gente não completa a volta, tipo a gente produz, mas o que a gente faz com essa produção? Então eu acho que a revista assume um papel dentro disso, não é mesmo?

Alexandre Nicolodi É. Mas é que, tipo assim, para quem?

Talitha Motter Para nós?

Alexandre Nicolodi Para o meio, bom, mas para quem? Entendeu, quem? Eu não sei. Eu não sei se quem escrevia na revista, se quem mandava texto lia a revista. Uma coisa meio idiota de pensar, mas eu nem sei se as pessoas que nos deram abertura, que nos chamaram, se davam o trabalho de ler a revista. Mas um outro lado legal, por exemplo, teve um crítico, Peter Plagens, em uma das edições, foi na dois: “Arte Contemporânea Revelada”. Eu não estou com o texto agora, mas ele foi publicado na Art in America antes disso daí. Eu assinava a Art in America na época, imagina, vinha três meses depois a revista! O texto era um panorama mais ou menos do que a gente estava vivendo aqui, só que em Nova Iorque. Então, eu achei interessante de fazer a tradução. Eu entrei em contato com ele, prontamente ele autorizou a tradução, a Art in America autorizou, e está ali. Essa é a de agosto e de setembro 2009, agosto-setembro. E ele deu um feedback depois da revista, elogiando. Então, pelo menos lá chegou. Essa repercussão que é possível.

Talitha Motter De repente, eu queria te fazer só mais uma pergunta e depois se tu quisesse comentar mais alguma coisa que a gente não falou e que tu acha importante de colocar. E a minha pergunta seria: tu tem tanto a experiência da editora PanoramaCrítico, que trabalha com o formato impresso, quanto a experiência da revista digital da Panorama, e eu queria ver contigo como é que tu encara essas diferenças de trabalhar com o papel e de trabalhar com uma difusão on-line.

Alexandre Nicolodi Isso que tu perguntou me lembrou agora do Rommulo Conceição, se não me engano, nessa conversa na Bienal, ele me questionou uma coisa meio assim. Porque eu defendia a questão do on-line, de difusão, on-line em qualquer lugar do mundo se acessa, só que ele me questionou também a questão do, como ele era um pesquisador, a questão do registro, de ter a coisa. Porque ele falou, que nem aconteceu agora, esses dias eu estava pensando nisso, “ah, porque se alguém resolve tirar do ar, não está lá para sempre”. Tanto que é o caso agora, os textos não estão para sempre, porque eu tirei. Então, mas eu não vejo uma grande diferença assim. Realmente, o papel tu tem a questão do registro, do acervo, do arquivo, mas ao mesmo tempo… eu sou um saudosista… eu tenho livro por tudo o que é canto, né, até uma questão material. Mas eu não tenho, não vejo nada, eu entendo o lado digital como… As coisas se complementam na verdade. Assim como o e-book também, não dá para ser ferrenho e dizer que um vai acabar com o outro, aquela discussão. Eu acho que são ferramentas distintas, com a mesma função. Só que a diferença é a difusão e a praticidade, digamos assim. Uma revista impressa, primeiro o custo seria outro, porque por mais que o conteúdo em si tu possa organizar mais ou menos da mesma maneira, mas a disposição dele não. Tu vai ter a questão de impressão, de distribuição, tu provavelmente vai ter que comercializar para bancar tudo isso. E o on-line te dá uma fluidez melhor, né, tu tem um alcance maior. E hoje em dia, como está tudo tão digital e agora esse ano a coisa parece que… até o ensino, eu tenho uma criança de quatro anos tendo aulinha da pré-escola on-line, sabe, é bizarro. Então, esse ano acho que demonstrou que o on-line está aí mesmo. Eu tenho meus pés atrás com várias coisas, mas, assim, não é por ser on-line que tem que ser menosprezado, porque na época, inclusive, tinha isso também. A gente enfrentou um pouco isso, “ah, é on-line”, tanto que vieram falar: “Mas é on-line”. “Ok, é on-line, mas veja bem, estamos aí”. Dez anos depois, “graças a Deus que é on-line!”, digamos. Talvez porque na época a facilidade não fosse tão grande, que nem eu falei. Mas agora o on-line está aí, é para ficar mesmo. Tu tem a facilidade do idioma no on-line, se tu quiser fazer bilíngue, tu faz, três, quatro línguas, tendo quem faça, tendo como fazer a tradução, é viável. Então, tu tem um acesso, tem como ter uma circulação muito maior, não tem por que não. Nada contra o impresso, só que o impresso vai ficar muito em déficit, imagina tu ter que mandar… teria que te mandar uma cópia da revista no atual cenário, tu ia receber no ano que vem só, o correio aqui está um caos. Mas eu não tenho, assim… Eu me lembro que teve uma resistência muito grande na época. Assim, se tu for ver que revista que tem impressa no Brasil de arte hoje em dia, tem aquela DASartes, que surgiu meio junto, na mesma época da Panorama.

Talitha Motter Mas depois eles fizeram uma passagem para o on-line, né?

Alexandre Nicolodi Fizeram uma passagem para o on-line… até isso. Na época que a gente fez a Panorama, aquela Bravo!, que era da Editora Abril, não tem mais, eu acho.

Talitha Motter É, e eles refizeram a Bravo! e agora é on-line, mas tem uma edição impressa também.

Alexandre Nicolodi É, uma coisa assim, mas foram as mudanças. Então, eu não vejo mal, eu sei que tem quem tenha resistência.

Talitha Motter Ainda tem, eu acho que isso é surpreendente até.

Alexandre Nicolodi Mas eu acho que é uma questão assim mais de, como direi, essa questão é mais acadêmica, eu acho um pouco, de tu ter o registro da coisa, de tu ter o acervo. Pelo menos… que nem aconteceu comigo, os textos não estão no ar mais, virou lenda, virou história o texto, sabe?

Talitha Motter É, no on-line, para tu preservar no espaço on-line, tu tem que ter uma dedicação ali, né?

Alexandre Nicolodi Isso, talvez seja um pouco isso. E uma resistência talvez pelo histórico. Porque quando a gente fez, o que tinha on-line era blog, e blog assim… vamos falar, no Currículo Lattes, Capes, um blog e nada é praticamente a mesma coisa, a questão do peso, né. E isso é uma coisa que aqui no Brasil acaba se perdendo um pouco, a gente se preocupa muito com o peso da publicação da revista, com o quantitativo, e às vezes se perde um pouco na… Quantos tu já não viu, aqueles doutorados e mestrados que são artigos e mais artigos, a pessoa está sempre falando a mesma coisa, só está reescrevendo o mesmo texto e mastigando aquilo. Então, é um pouco isso. 

Talitha Motter A gente fica meio preso nessa questão dos pontos.

Alexandre Nicolodi É, isso é meio ruim. Eu sei que tu acaba entrando, quem está nisso acaba entrando, porque não tem escolha. Não sei se era isso que tu estava me perguntando sobre o on-line. Eu acho extremamente válido, porque, de novo, se tu for entrar na questão gráfica de impressão, tu vai requerer uma estrutura muito maior. E daí fica mais difícil.

Talitha Motter Sim, e eu acho que para iniciativas independentes se torna ainda mais difícil de tu trabalhar com o impresso.

Alexandre Nicolodi Mais difícil ainda por uma questão de custo mesmo, custo e energia. Porque tu manter um site já é trabalhoso, tu imagina tu ter que ficar preocupado com a distribuição, com… é xarope na verdade, é bem cansativo esse tipo de coisa. Agora tu já tem ferramentas que possibilitam, mas mesmo assim. De novo, nada contra a revista impressa, muito pelo contrário.

Talitha Motter Não, eu acho que são diferentes as abordagens, como tu disse.

Alexandre Nicolodi É isso, é outro foco, é outro público, é outro alcance.

Talitha Motter Mas como esses formatos se alimentam entre si também. Eu acho que a referência do impresso está também no nosso modo de ver uma revista on-line.

Alexandre Nicolodi É, mas o que eu vejo, assim, agora puxando de novo, de dificultador para uma revista on-line é aquilo que eu falei no início, o on-line é um mundo muito dinâmico. 2009, 2010 já era. Agora, então, né. Tu sabe disso, a tua é semestral?

Talitha Motter É semestral, agora eu acho que é quase anual.

Alexandre Nicolodi É, a gente tem umas edições ali que são duas, duas numa só, porque não dava. Então, assim, a dinâmica de uma revista com ISSN direitinho, ela é mais estática. Essa periodicidade tem que ser cumprida do jeito que dá, mas tu não pode puxar, adiar ela. Então, eu acho que esse é um dificultador, faço uma leitura agora da revista on-line, porque tu pega essas revistas, que nem a gente falou da Bravo!, essa DASartes, elas estão sempre alimentando com conteúdo, uma coisinha e outra, até porque essas revistas são geralmente mensais ou bimestrais…

Talitha Motter E elas têm uma equipe maior.

Alexandre Nicolodi Equipe maior, tem toda uma estrutura por trás. E, no nosso caso, vou falar do meu e do teu, a questão é mais estática. Até o próprio conteúdo que se trabalha, tu trabalha mais com artigos, né? Tu não vai em uma exposição tirar fotos, escrever um… sabe? Então, eu acho que acaba sendo mais…

Talitha Motter Tem uma dinâmica aí, a dinâmica do on-line talvez seja uma outra dinâmica.

Alexandre Nicolodi É, e para a revista também, eu acho que é por isso que ela pena um pouco no on-line. Porque essa dinâmica de on-line, a revista on-line, ela tem uma dinâmica quase da impressa, a periodicidade, a coisa mais… e o on-line é um mundo muito louco. Assim, o que tu falou agora daqui dez minutos já não é mais. Então, eu acho que esse é um dificultador da revista on-line um pouco. Porque é isso, ela acaba sendo um site estático, né?

Talitha Motter Sim, e daí como pensar outros formatos de revista on-line? Porque, às vezes, a gente acaba seguindo esse formato estático, mas aí existem outras revistas que vão publicar posts como se fosse mais em um formato de blog.

Alexandre Nicolodi É, isso é uma coisa, que nem eu estava pensando, voltar a revista, mas como é que vai manter, sabe? Porque é isso, tu tem ali o conteúdo, saiu, se tu quiser, tu pega todo o conteúdo num dia e não acessa mais. Não que não seja importante estar lá, mas eu digo pelo funcionamento on-line, assim, essa loucura.

Talitha Motter Como fazer que tenha sempre algo novo?

Alexandre Nicolodi É, porque o on-line está se alimentando, essa loucura que a gente está agora, a cada dois minutos, mudou já o… é loucura! O que por um lado é bom também, né? Mas eu vejo como uma dificuldade, um pouco, para a revista on-line, porque ela não conversa muito, entendeu? Não sei se eu me fiz claro.

Talitha Motter Não, completamente. Eu acho justamente isso, que existe esse diálogo com esse formato, do que vem do impresso, mas como repensar a revista dentro do on-line?

Alexandre Nicolodi É, e uma coisa que eu vejo, por exemplo, a revista on-line geralmente é (acessada por) quem procura, e a revista impressa pode ser por acaso, às vezes, de tu ter contato com ela, alguma coisa assim. Esse foi um dificultador que eu sempre vi na revista, desde o início, que as pessoas (que acessam) é quem está procurando aquele conteúdo, aquele assunto, por ser uma coisa muito específica.

Talitha Motter Mas, às vezes, não também, porque tu pode se deparar, sei lá, nas tuas redes sociais, com alguém que compartilhou.

Alexandre Nicolodi Lógico, eu digo de uma maneira geral.

Talitha Motter E uma outra coisa que eu queria te perguntar é se faltou algum tópico que tu gostaria de levantar sobre a PanaromaCrítico especificamente?

Alexandre Nicolodi Não sei se faltou alguma coisa, só que talvez se fosse hoje, seria um pouco mais fácil, pela questão de ferramentas mesmo, não digo nem pela questão de divulgação e contatos, que nem eu falei agora, tu tem outras ferramentas para facilitar a construção do site e tudo. Eu acho que seria mais nisso e da minha parte eu encararia um pouco diferente, mas daí são outras coisas, porque passaram-se dez anos. Mas eu acho que seria um pouco isso, não sei se um pouco mais fácil, ou menos difícil, digamos assim, mas… não quero ser arrogante também “ah, mais fácil”. Não, não é bem assim também.

Talitha Motter Porque difícil é.

Alexandre Nicolodi Difícil é. Às vezes, é maçante. Mas, enfim.

Talitha Motter Eu acho que mais ou menos a gente falou dos pontos que eu tinha comentado por e-mail. Eu queria te agradecer pela entrevista. E como é que funciona agora: eu vou transcrever a entrevista e vou te mandar para tu dar uma olhada, depois eu vou alimentar o blog, daí também eu gosto de colocar alguma imagem da própria revista. Caso tu tenha esse material, eu te peço nesse outro e-mail.

Alexandre Nicolodi Alguma coisa tem, até porque assim, alguns anos atrás, o nosso servidor teve um vírus, que tirou a revista do ar, ainda bem que eu tinha backup de quase tudo, porque tirou, assim, de perder o conteúdo. Então, por isso que ela saiu do ar em 2017. Fui deixando… E, o que essa pandemia mostrou é que não dá para deixar muito para depois as coisas, né? Tem que fazer e fim de papo, lógico não precisa fazer correndo, mas não precisa deixar para amanhã também.

Porto Alegre — Montréal, 10 juillet 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.