Entrevista com Maíra Endo, editora-curadora do HIPOCAMPO

História, Organização & Meios de Financiamento

Talitha Motter Não existem muitas pesquisas dentro do meio acadêmico sobre revistas de arte, e menos ainda sobre revistas de arte digitais. A gente tem muito acesso à documentação presente na Internet, nas páginas de apresentação, como no caso da tua revista. Mas, para mim, sempre foi importante falar com as pessoas, falar com quem está envolvido com os projetos, porque é uma parte que a gente não tem acesso, mesmo na página de apresentação, nos editoriais. Nesses textos está o posicionamento da revista, a proposta da revista, mas a gente não sabe como exatamente surgiu essa ideia, como a revista se estruturou. Então, isso sempre foi algo fundamental para mim. E, inclusive, no teu caso, eu acho que a gente, de alguma maneira, estabelece diálogos em relação ao teu projeto que tu desenvolveste com o CÓRTEX, à ideia de trabalhar com espaços independentes. Eu acho que as revistas digitais no Brasil têm bastante esse caráter. Enfim, eu acho que existem vários diálogos. 

Na verdade, o que eu gostaria muito é de te escutar falando sobre a HIPOCAMPO. Então, para início, primeiro eu quero agradecer pelo teu aceite, também agradeço a Paola Fabres, que me passou o teu contato para falar contigo. E a gente conhecia já o CÓRTEX também pela Arte ConTexto. Enfim, obrigada pela participação. E, na verdade, eu queria que tu contasse como é que surgiu a ideia do HIPOCAMPO. Eu sei que foi em 2016. Foi depois que tu trabalhou no Ateliê Aberto, mas se tu puder falar sobre esse momento.

Maíra Endo Quero te agradecer também, eu fico superfeliz de participar dessa pesquisa. Eu imagino que esse é um assunto bem pouco explorado, até porque também não tem tantas revistas, né? Eu acho, enfim, não sei. Você que deve saber mais, mas dá a impressão de que não tem tantas quanto poderiam ter, por exemplo, pensando que agora as revistas impressas praticamente não existem. O HIPOCAMPO, ele foi o que você falou, eu estava saindo do Ateliê Aberto. Eu tinha vontade de continuar trabalhando dentro desse contexto do circuito de arte auto-organizado e estava com uma filha recém-nascida nesse momento. Então, não pensava em abrir um espaço. E fiquei pensando se eu ia pensar em um projeto que ia ser mais efêmero, uma coisa que se encerrasse, sabe, em projetos que envolvessem essa cena. É… e fui trabalhando nisso, enfim. Acabei optando por fazer pesquisa, que foi tudo meio junto, por me dedicar a essa pesquisa, a pesquisa CÓRTEX, através do edital Rede Nacional da Funarte, e ao mesmo tempo resolvi começar a pensar essa questão do acervo, do arquivo, dentro do contexto do circuito de arte independente. Então, as iniciativas são muito, muito escassas dentro desse contexto, né? Quando você fala de um acervo, ou de um arquivo, você pensa num museu, numa instituição que vai salvaguardar tudo isso. Até porque os acervos tradicionalmente são físicos, mas hoje em dia existem os acervos digitais. Existem muitos trabalhos digitais, que não precisam de um lugar para guardar, ou de uma temperatura ideal, enfim, essas coisas. Então, eu conversei com algumas pessoas, assim amigos, na época, e resolvi embarcar nessa. Eu estava com… saindo do Ateliê depois de trabalhar 11 anos, então eu tinha conhecido muita gente com disponibilidade para trabalhar dentro dessa cena, quer dizer, dentro dessa cena que não tem grana, né? Então, falei: “Bom, eu vou… Vou ver como é que eu consigo começar esse trabalho”. E aí comecei, enfim, montando o site. E, justamente dentro desse networking, comecei a conversar com amigos que teriam vontade de ceder obras para esse acervo. O primeiro ano foi basicamente entre amigos assim, sabe? A partir do segundo ano… O segundo ano ainda estava, porque como esse networking até que é grande assim, né? E eu trabalho nos meus tempos livres na HIPOCAMPO. No segundo, eu ainda estava falando com o meu networking, mas estava começando também a explorar outras pessoas, porque também é um tema delicado assim, né? Você… você fazer uma exposição de graça já é uma coisa complicada, você ceder uma obra de graça, talvez mais. Então, eu acho que você precisa começar talvez com essas pessoas que já conhecem o seu trabalho, enfim, que já confiam em você de alguma forma. E foi como eu comecei. Mas aí, no segundo ano, eu comecei a explorar outras possibilidades, indicações dos colaboradores, das pessoas que já eram colaboradoras. E, no terceiro ano, fui começar a pesquisar mesmo. Saí desse universo para ir atrás de pessoas que eu nunca tinha conversado, que eu nunca tinha visto, para pedir uma obra para o acervo. E foi assim, foi crescendo e tal. 

É, no começo, no primeiro ano, o HIPOCAMPO chamava revista mesmo. Ele chamava Revista HIPOCAMPO, e depois eu comecei a entender que, quando as pessoas tratavam a HIPOCAMPO como uma revista, me incomodava um pouco, porque não era só uma revista. Então, eu comecei a pensar também nessa questão do que é o HIPOCAMPO. A pandemia me deu um pouco mais de clareza, engraçado, porque você começou a ver… Enfim, tudo foi tão transferido para o mundo virtual que ficou meio que todo mundo entendeu que tudo pode ser virtual, qualquer coisa, inclusive um espaço de arte, porque era meio como eu me entendia, sabe? Mas eu estava meio assim sem… sem confiança para me afirmar nesse sentido, porque você não ter um espaço físico, você não tem um lugar de encontro físico, enfim, é complicado, né? Mas como o HIPOCAMPO sempre esteve voltado não para o site, mas sim para o acervo, e claro o site é um desdobramento do acervo, porque é pelo site que eu consigo difundir o acervo, eu entendi que a gente era mais do que… que o HIPOCAMPO é mais do que uma revista, mais do que uma publicação. Então, ele é uma iniciativa talvez, uma iniciativa de arte, um projeto de arte, enfim. E acabei chamando de espaço de arte mesmo. Por fim, acho que foi no ano passado mesmo, depois da pandemia, que eu resolvi assumir como sendo um espaço de arte sem sede, virtual.

Sobre o nascimento do HIPOCAMPO, o que eu posso mais dizer, fora essa parte assim prática digamos, é que desde o começo eu pensei ele como um lugar multidisciplinar. Eu acho que é uma característica dessa cena de arte independente que para mim faz muito sentido, assim, todo sentido. Qualquer cruzamento eu acho, porque na verdade eu acho que a gente está… quando a gente está nisso, tudo parece ser cruzamento. Às vezes, você vai ver um filme no cinema que você fala: “Mas isso não é cinema.” Enfim, ou é. Mas, assim, é… está tudo tão diluído. As barreiras estão tão derrubadas, e as pessoas estão com tanta liberdade para proporem coisas, que eu acho que faz muito sentido. Eu trouxe isso desse lugar do Ateliê, que já era multidisciplinar e… Eu acho muito interessante você poder fazer uma mostra que tem texto, que tem vídeo, que tem peça de áudio, que tem entrevista e você poder não chamar isso, talvez, de uma exposição, mas de uma mostra em que tudo se complementa. Porque, às vezes, eu acho que isso até é um jeito de facilitar a mediação, sabe? Porque você não precisa aí também ficar com um monte de obras visuais, digamos só, em que talvez você precise ali explicar mais, ou trabalhar uma mediação, porque as obras de artes visuais no geral, ainda mais vídeos, que tem muitos, são bastante herméticos e tal, e quando você coloca textos juntos, ou poesias, ou outros tipos de reflexões juntas de formatos, eu acho que isso complementa. Logo você saca do que está se falando, sabe? Enfim. E isso foi muito interessante de trabalhar, porque no Ateliê a gente era um espaço multidisciplinar, mas as coisas aconteciam meio separadas. A gente tinha uma parte de música, a gente tinha uma parte de formação, que aí era de várias áreas, e tinha uma parte de…, mas, enfim, essas coisas. A multidisciplinaridade estava dentro da proposta dos artistas que, às vezes, traziam, e essa coisa de ter as coisas separadas, mas nunca junto, né? Então, eu acho que a minha ideia é ir absorvendo outros formatos com o tempo, tudo o que possa se juntar, entendeu? Como música, por exemplo, é… teatro, eu flerto com eles, tem alguns colaboradores que são meio dessa área e trazem um pouco isso, as artes cênicas, né? Mas, enfim, esse é um campo que para mim interessa muito explorar, essa multidisciplinaridade das propostas e tudo isso junto, e esse diálogo… e esse ruído às vezes, ou diálogo, que tem entre esses trabalhos. Deixa eu ver se eu posso te falar mais alguma coisa sobre quando nasceu o HIPOCAMPO… Eu acho que é isso. Se você quiser me perguntar mais alguma coisa que talvez eu possa ter falhado de falar.

Detalhe da homepage do HIPOCAMPO, onde se pode visualizar parte dos conteúdos publicados na Edição #9, de maio de 2021.

Talitha Motter Eu acho que tu trouxe aspectos muito ricos na verdade. Um até era uma das minhas questões. Porque eu estava observando o site e essa coisa do acervo ela é muito presente. Tu comentou que um dos grandes focos é a produção desse acervo, mas eu fiquei com essa dúvida: como esse acervo é constituído e onde ele está? Porque a gente tem acesso às edições, à seleção desse acervo, um olhar sobre ele, e eu gostaria de entender um pouco o que é esse acervo, onde ele se conserva, como ele se enriquece. E tu disse já como são esses contatos que tu tem, e que depois tu foi indo atrás de outros contatos. Mas e essa relação entre o acumular, que vem eu acho até do nome do projeto do HIPOCAMPO, e a seleção, que vem com a difusão, que é a ideia de uma revista? Então, se pudesse falar um pouco mais sobre a formação do acervo e essa relação com seleção, com revista, enfim.

Maíra Endo Perfeito. Bom, o acervo, ele fica em dois lugares. Ele fica no meu computador e ele fica no drive. Um é o backup do outro. É… eu não tenho uma formação em Museologia e nem em nada ligado a arquivo, a acervo. Então, um pouco experiência. Foi uma coisa assim. Foi bem uma experiência mesmo, que eu acabei gostando e acabou virando. Mas assim, de começo, sabe, eu não sabia muito onde eu estava me colocando, me jogando. Também foi o que eu te falei, no Ateliê, a gente sempre pensou muito nessa questão do arquivo e da memória. A gente sempre buscou ter isso arquivado, tanto que o site do Ateliê está no ar até hoje, apesar do Ateliê estar desativado. A gente finalizou o processo lá com uma publicação, trazendo tudo o que a gente fez nos 18 anos e vários artistas que participaram. Enfim, isso é uma coisa já não muito comum nesse contexto de arte independente. Essa preocupação com o registro e tal, porque não se tem dinheiro, né? Então, é a última coisa que vai se pensar, no registro, em quem vai fazer as fotos, em quem vai guardar, em qual HD, enfim. Então, esse acervo está como se qualquer outra pessoa que trabalha com artes fosse organizar um acervo. Está organizado por nomes, em pastas, sabe, não tem uma catalogação propriamente dita. E isso é um objetivo desse ano, que o HIPOCAMPO está fazendo cinco anos e a gente vai lançar a 10ª edição no segundo semestre. 

Eu estou escrevendo um projeto no ProAC agora, nesse ProAC Direto. É a grana do ICMS, a grana do ProAC ICMS veio para uns editais, que chama ProAC Direto. E tem uma grana muito legal. Assim, tipo, chances reais de conseguir, sabe? Porque o ProAC é concorridíssimo, né? O ProAC normal, ele é super… virou um negócio de outro mundo, vestibular de medicina, assim, surreal. Então, isso é uma novidade deste ano, e eu resolvi… Porque eu já tinha inscrito projetos do HIPOCAMPO, só que é superdifícil de captar, eu nunca consegui. Eu consegui captar vários projetos, mas nunca consegui um para o HIPOCAMPO. Falei: “Bom, acho que agora eu vou ter chance. E vou meter minhas caras.” Então, a nossa ideia para esse projeto é justamente conseguir finalmente fazer essa catalogação, sabe, deixar isso… não é formal, mas é organizado por alguém que entenda, porque eu também não quero que a pessoa pegue e faça uma catalogação exatamente como é feita no museu. Eu quero que ela pense numa forma diferente de catalogação, tipo: “Olha, você pode catalogar como você quiser! Você manja disso, você não precisa se prender a como se cataloga geralmente.” Mas, enfim, eu quero ter isso organizado de alguma forma que não seja por mim, que não sei nada sobre isso. Então, a ideia agora é ter esse acervo além de organizado em pastas superbonitas, ele está superorganizado, mas assim não é um acervo, né, uma catalogação talvez. Isso é uma meta. 

Campinas — Montréal, 15 juin 2021.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.