Entrevista com Maíra Endo, editora-curadora do HIPOCAMPO

Conteúdo & Colaboradores

Então, falando sobre essa parte que você me perguntou. A outra parte: como funciona a seleção, né? Todas as pessoas que eu acho que eu conheço, que eu teria vontade de trazer para o projeto, eu já contatei. Agora, eu só estou realmente indo atrás de pessoas que eu não conheço. Então, eu estou numa pesquisa bem livre, sabe? Eu estou no Instagram, eu vejo um artista que eu não conheço, já vou direto para o site, vou dar uma fuçada, vou ver que produção que ele tem e que poderia caber no acervo do HIPOCAMPO, se eu gosto, enfim. E meto as caras, tomo uns nãos, mas tomo uns vários sins também. Porque é isso, tem gente que não entende e fala: “Mas, pera aí, é sério, mesmo? Você quer uma obra, assim, para o acervo?” Eu falo: “Sim, eu sei que você vive disso. Imagina, não quero te…” Então, é um processo assim mesmo. Eu vou pesquisando, eu ouço falar. Alguém me fala sobre um artista que eu não conheço, eu vou pesquisar. Estou bem numa fase… curadora, digamos assim, que é uma coisa que eu nunca fiz muito, ficar pesquisando artistas, ficar conhecendo novas pessoas, e entrando em contato. E é uma delícia esse trabalho, né, ficar fuçando nos sites. Eu faço com muito prazer, porque imagina fazer alguma coisa de graça, realmente é só assim, né, com a vida que a gente tem corrida. Então, é… o que mais? Onde eu parei? Estava falando da seleção. Enfim, aí é isso. Eu geralmente entro em contato com o artista e falo: “Olha, estou aqui conhecendo seu trabalho, ou já conhecia o trabalho há um tempo, e estou vendo mais coisas, e fiquei com…”, né, apresento o HIPOCAMPO, e falo que “eu fiquei com vontade de ter uma obra sua no acervo”. E aí se a pessoa falar: “Ai, que legal!” Eu já respondo: “Olha, fiquei super de olho nessa, nessa.” Já mando uma listinha. “Nessa, nessa, nessa, mas assim, claro, não quero todas, tá? Fica à vontade, você pode falar ‘olha pode ser essa, ou pode ser aquela’, ou também você pode falar ‘não, não quero mandar nada disso’.” 

Porque também é…, em princípio, quando eu contatava os artistas, a minha ideia era muito que eles fizessem uma escavação nas coisas, nos arquivos deles e trouxessem coisas que não tinham tido muita chance de circular. Isso é um ponto do projeto também, sabe? Dar chance para projetos que não têm chance em museus, não têm chance em galerias. Trabalhos que estão lá, escondidos, guardados, esquecidos e que poderiam inclusive fazer sentido, né? Porque eu acho que… é isso também, o acervo do HIPOCAMPO se interessa pelo que foi feito ontem, ou no passado, e tipo há 50 anos atrás, entendeu? Eu acho que é superinteressante a gente trabalhar tudo isso, e mais do que isso colocar tudo isso junto no site depois, pegar um trabalho mais antigo, um trabalho superantigo, um trabalho de ontem. E isso para mim é muito rico também. E só que assim não foram muitos os artistas que entraram nessa, sabe, se animaram de estar lá: “Ai, mas não, mas aquele trabalho da década de set…” Tem os mais velhos, né: “Não, eu não quero, eu não sei.” Ou até mais jovens: “Ah, não, mas esse trabalho é do começo dos anos 2000, meu trabalho já mudou muito”. “Mas não tem problema, enfim, é um acervo, é um arquivo.” Então, ainda teve algumas resistências nesse sentido. Ainda tem, sabe, eu sempre fico tentando insistir para o pessoal desencanar, né? Trazer assim, aqueles trabalhos mais antigos, aquelas reflexões… Sei lá, acho que tudo é interessante, o que fala sobre a época, mas que hoje nem é mais tão atual, como um testemunho; o que é atual e conversa com outras coisas. E, enfim. Aí, muitas vezes, eu tenho essas respostas: “Ah, eu tenho um trabalho que eu sempre quis mostrar e nunca encontrei muito espaço, ele é meio esquisito.” Enfim, muitas vezes, a gente chega nesse lugar. Acho que também tem tido um interesse grande dos colaboradores em me ceder publicações, publicações antigas que circularam pouco, que estão digitalizadas, e isso também tem sido bem interessante. E é isso, assim, funciona dessa forma. E eu recebo trabalho deles.

A relação com os colaboradores é uma relação permanente, digamos assim, não permanente, permanente. Mas assim, ela é uma relação contínua, digamos. Então, a gente… uma vez que você é colaborador do HIPOCAMPO, as portas estão abertas, o seu nome está no site, e eu vou de tempos em tempos, a cada seis meses, te mandar um e-mail e falar: “Olha, esse é um lembrete do HIPOCAMPO, se você estiver com algum trabalho que você queira me mandar, me manda.” Dou uma estimulada para as pessoas me mandarem mais coisas, porque isso acontece. Tem artistas que falam… Ah, sei lá, que ficam superfocados quando eu faço o convite, e aí… que nem o Ricardo Basbaum, por exemplo, ele fez isso. Ele pegou, quando eu o convidei, ele já olhou. Eu já olhei, no site dele, as coisas dele. Tipo, pedi um monte de coisas que ele falou “pode pegar tudo”, e depois ele ainda me mandou mais coisas, enfim. E, aí, ele me mandou um tantão de coisas, e ele não fica me mandando um monte de coisas. Assim, acho que ele mandou uma vez, depois me mandou mais uma vez um negócio, depois… Tem artistas que mandaram uma coisa quando eu contatei, aí tipo há cada três meses me mandam alguma coisinha, entendeu? Então, eu sempre recebo esses trabalhos e mantenho contato por e-mail com eles, chamando para me mandar mais coisas, para enfim… Aí, é isso. Assim, tem gente que manda um monte de coisa. Então, tem artistas que eu tenho bastante trabalho, tem artistas que eu tenho muito trabalho, e é isso. Assim, tem pessoas que se animam mais, eu acho, com o projeto, tem pessoas que… enfim, não me respondem e-mail às vezes.

Eu acho que é isso que eu posso te contar sobre a seleção, sobre como funciona essa manutenção do acervo. Mas eu, assim, a cada edição eu me puxo para trazer pelo menos dois, entre dois e quatro novos colaboradores.

Detalhe da página que apresenta os colaboradores do HIPOCAMPO.

Talitha Motter No caso, então, tu vai fazendo esse processo de acumulação, de criação do teu acervo. E cada edição é entendida como uma mostra, como uma exposição desse acervo. A seleção para as edições, ela é feita por ti? Ou tu chega a convidar alguém, como é que funciona?

Maíra Endo Então, até hoje todas as edições foi eu que fiz. Mas a ideia inicial do projeto, que não colou, era que os próprios colaboradores se envolvessem nesse processo de edição também. Então, quando eu convido, eu sempre faço essa observação no fim, falo: “Olha, se você tiver se empolgado, tiver a fim de fazer uma edição comigo.” Eu superquero, né, diálogo. Imagina que, tipo, eu não tenho muito papo. Sou eu comigo, trabalhando no site. Eu bato um papo, às vezes, com um e-mail com um outro artista, com outro, eu falo: “Ai, vi um livro sobre artistas que eu queria para o acervo.” E tal, aí a gente bate um papo, mas, assim, falta diálogo para mim, sabe? Falta alguém para eu trabalhar junto, para eu conversar nessa parte criativa. Isso me faz muita falta. E tem crescido, assim, as pessoas. Assim, tem alguns colaboradores, como a Paula Borghi, a Lucila Vilela, a Bia Porto, que acabou de entrar, o Jurandy Valença, são pessoas que sempre estão bem disponíveis para me ajudar, sabe, com coisas relacionadas ao projeto e que me ajudam com mais ênfase na divulgação. Então, assim, rolou de alguns colaboradores de se envolverem mais. Mas falta esse diálogo, e, nunca, ninguém falou: “Ai, Maíra, quero estar com você.” Então, até hoje eu fiz isso sozinha. Mas esse projeto que eu estou escrevendo agora para o ProAC que prevê essa manutenção do acervo e também formalização, porque não existe uma documentação, fora o e-mail que eu troco com eles, sobre essa cessão dessas obras para o acervo, por quanto tempo, e em quais condições, enfim, não existe nada disso, fora isso a gente quer financiar duas edições, né, com esse projeto. E, aí, o Jurandy está nesse projeto comigo. Então, pela primeira vez a gente, se a gente levar o prêmio, a gente deve ter edições coeditadas.

Posso falar: cansei de escrever projeto para o HIPOCAMPO. Falei: “Ai, gente, nunca mais vou escrever. Vai ser de graça para sempre. Deixa para lá.” Porque… não sei por que é que ele não tem apelo, eu não sei. Assim, porque eu tenho uma relativa experiência em escrever projeto, sabe? Então, ou o projeto é ruim mesmo, ou eu que não estou conseguindo.

Talitha Motter Mas eu acho que é difícil mesmo o financiamento. A gente também tentou algumas vezes, mas não chegou a passar.

Maíra Endo É? Vocês tentaram bastante? Desistiram já?

Talitha Motter Já (risos). Mas essa ideia do ProAC Direto, que tu me disse, me deu confiança, hein?

Maíra Endo Olha, eu acho que tu devia achar alguém lá em São Paulo para, se eu não tivesse envolvida no meu, para te chamar para proponência. E te envolve, ué, porque afinal o que é virtual não é de lugar nenhum.

Talitha Motter É, é verdade. Mas, eu queria… a gente falou dessa questão da seleção do conteúdo e quando tu fala vem várias outras perguntas, obviamente. Mas eu achei muito interessante o que tu comentou sobre a questão da facilidade em relação à mediação, porque tem esse encontro de obras e textos, e que, às vezes, tu não precisa produzir textos para explicar as obras, para colocar em contato com o público. Mas também pelo que eu observei tu acaba redigindo alguns textos de apresentação. Eu não sei se é tu, ou se é o artista que escreve, mas tem alguns parágrafos que tu acrescenta nas obras. Então, isso conversa também, de certa maneira, com a mediação.

Maíra Endo Então, eu acho que você deve estar falando daquelas notas, que eu coloco no fim. Ali, a minha preocupação é…, às vezes, eu coloco informações a mais, mas são basicamente três perguntas que eu procuro responder ali: De quando é a obra? Em que contexto ela foi realizada? E por onde ela já circulou? Que vem desse esforço de trazer informações de memória, de arquivo e enriquecer nesse sentido. Então, você sabe que aquele trabalho, ele não está, você não está vendo ele ali pela primeira vez, mas ele já passou por outros lugares, outras pessoas já viram, enfim. E, eu acho que traz também, quando se sabe por onde ele passou, traz também um pouco da ideia de que o trabalho evoluiu de alguma forma, né? Porque ele acaba não sendo sempre a mesma coisa, conforme você vai passando pelos lugares, ou publicando em lugares diferentes. Então, é isso ali. Essa nota ela tem essa intenção. Às vezes, eu ponho, tipo agora nessa última edição que a gente teve uma novidade, que são colaboradores trabalhando com outras pessoas que não são colaboradores. Então, a Paula Borgui trabalhou com a Natali Tubenchlak, e também (quem mais trabalhou em dupla?) a Sofia Bauchwitz, de Natal, trabalhou com a Monica Rizzolli. Era um projeto de quando elas tinham um coletivo, que acho que não existe mais, pelo que eu entendi. Aí, eu também, por exemplo, trago uma minibio dessas pessoas que são convidadas, digamos, também para trazer uma história ali. E é isso. 

E aí, assim, tem o texto editorial, que, na verdade, eu tento meio que… Eu sou uma curadora não formada em curadoria, e sou uma pessoa muito pragmática e que trabalha com curadoria há muitos anos na prática. Então, tipo, no Ateliê, a gente… É que assim eu nunca gostei muito da palavra curadoria, porque curadoria, para mim, me parece que remete muito à pesquisa. Mas não existe um outro termo, apesar de, enfim, agora foi o que eu te falei, agora estou nessa fase muito pesquisa, mas todos os…, anteriormente, os outros trabalhos que eu trabalhei como curadora, eu gosto muito mais de trabalhar a parte do espaço físico, por exemplo, que é uma parte da curadoria, né, de expografia, de trazer as obras para o espaço. E a gente no Ateliê, como tinha essa coisa de ser sem grana, a gente acaba trabalhando muito no nosso networking, as pessoas que a gente conhece. Então, a pesquisa, ela não vem ligada à curadoria, em primeiro lugar, entendeu? Claro que vem, mas não muito empenhada, assim, você está trabalhando mesmo com pessoas que você já conhece, que meio que quando você fala: “Vem fazer um negócio aqui.” E fala: “Eu, vou”. Sabe? E ela está animada também porque ela vai te ver, não é só porque, sabe, é… muito afetuosa, as relações, são muito afetuosas, né?

Então, assim, a cada edição, eu costumo pensar em algumas palavras-chaves que, claro, estão bem ligadas ao que a gente vive no momento. E, aí, eu acho que as coisas estão mesmo cada vez mais misturadas, assim, o que se vive na política, se vive na arte, se vive em outros lugares também. E eu trabalho muito dessa forma. Tem uma edição do HIPOCAMPO, que eu não sei se você chegou a ver, que eu coloquei, junto com o texto editorial, um negócio que eu chamei de mapa mental, alguma coisa assim. Mapa mental do HIPOCAMPO, eu não sei, mas que eu quis trazer ali essa minha forma de pensar essa seleção, ou essa curadoria, ou essa edição, como preferir. E aí era muito isso. Assim, sabe, são palavras-chaves principais. E aí eu começo com um trabalho, aí esse trabalho tem algumas das principais e tem outras. E aí o próximo trabalho, ele tem um pouco das principais, um pouco das outras que só tinha nesse. E a coisa vai evoluindo nesse sentido. Eu vou puxando os trabalhos desse jeito, sabe? É claro que eu conheço muito bem o acervo, e é porque ele é pequeno. Então, também isso… Não sei se vou conseguir trabalhar assim se eu tiver um acervo gigante, mas, é… Aí, eu vou puxando por palavras-chaves, sabe, e com temas que eu quero trabalhar e vou relacionando uns com os outros.

Talitha Motter Vendo os conteúdos, dá para ver que tem diálogos, obviamente, por exemplo, tem alguma edição que tem vários conteúdos relacionados à morte. Tem a questão… Essa coisa da atualidade, que tu falou, me chamou muita atenção, que o editorial se apresenta em relação à atualidade, como a questão da pandemia, a questão das eleições. 

Maíra Endo Então, essa questão da atualidade é que eu não consigo fazer de outro jeito. Eu não consigo falar agora de um tema “x”. Não tem, assim, sabe por que… Não sei explicar por que, mas para mim, eu acho que talvez seja um canal, o HIPOCAMPO seja um canal para eu falar de temas que eu acho importante de serem falados. Acho que talvez seja isso e acaba caindo sempre nisso, na vida que está, no que estava rolando agora. Já tentei, assim, “ah, será que eu não deveria fazer uma temática e pensar em outras questões?” Mas eu acho tão, é… não é de agora, não é só por causa da pandemia, sabe? Já há alguns anos, talvez desde que o Bolsonaro se elegeu, é que não tem como você não falar de tudo o que a gente está vivendo, sabe? É muito envolvente e muito problemático, e faz pensar em muitas coisas. Então, eu realmente tenho dificuldade de fugir disso. Não sei, se alguma vez eu vá conseguir, talvez quando alguém vir coeditar comigo e falar: “Ai, Maíra, para de tanta viagem, vamos falar de outra coisa.” E, talvez mude, quem sabe, mas por enquanto, eu fico presa nisso e confesso que penso, pensei pouco ainda sobre esse tema, sabe?

Campinas — Montréal, 15 juin 2021.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.