Entrevista com Maíra Endo, editora-curadora do HIPOCAMPO

Ideias de Revista, Público, Site & Outras Atividades

Talitha Motter Sim, mas uma das coisas que eu acho muito interessante em relação à ideia de revista é a relação que ela tem com a atualidade. E a revista, no caso da arte, ela tem uma relação com essa atualidade de inscrever o que está acontecendo no entorno, naquele momento no campo da arte. E, no texto… acho que é num dos editoriais, tu comenta essa relação desse teu olhar, desse olhar que vai para o afetivo e o olhar que vai para o externo, que é o que acontece na comunidade, e a questão que acontece no atual. E isso eu acho que está muito vinculado com essa ideia de revista, de rever, de botar um outro olhar. E acaba também se conectando com essa outra ideia de circulação mesmo, que tu tem essa vontade de fazer circular coisas que não estão necessariamente aos nossos olhos. E como a revista se conecta com a ideia de circulação. É essa ideia que a revista é sensível à atualidade e é sensível às pessoas que estão ao seu entorno. Então, ela vai falar de artistas, de atores, de pessoas que estão participando nesse momento e, de uma maneira ou outra, essa forma que tu constrói o teu acervo conversa com isso também.

Maíra Endo Muito interessante, sabia? Porque talvez seja um pouco isso, depois que eu tirei o nome revista, eu fiquei meio perdida, talvez porque isso, para mim, estava conectado mesmo no começo, mas aí depois eu acho que eu… sei lá! Eu achei que talvez eu não deveria ficar presa só a isso, mas talvez sim, sabe? E, é isso. É como ele nasceu. É porque… não sei como acervo, e como mostras de acervo, eu não sei se isso é limitante, entende? Talvez seja meio uma crise de identidade do projeto.

Talitha Motter Mas é o que tu comentou no início, tem alguns momentos que tu fala sobre essa questão de achar limites. Na verdade, é muito difícil hoje achar os limites. Então, a gente bebe de várias estruturas para criar projetos. E essa coisa do acervo, que tem uma necessidade de divulgação. Então, a gente vai ver que vários museus vão ter uma revista também, como uma forma de alimentar isso. Mas tu não tem necessidade de determinar “eu sou uma revista, ou um museu”, mas me parece que o projeto em si ele dialoga com isso, com essa perspectiva, até com essa vontade de ter um ISSN, de se afirmar como periódico, e de ter colaboradores, uma rede, que essa ideia de rede também eu acho que é muito presente para ti. E até eu não sei se tu poderia comentar um pouco como… Eu percebo que tem essa relação do “córtex” e do “hipocampo”, eu sei que tu já escreveu sobre isso, mas se tu quiser comentar um pouco de como foi a escolha do nome do projeto.

Logo do HIPOCAMPO.

Maíra Endo É que o “hipocampo” ele está relacionado a essa parte de armazenamento, de memória no cérebro; e como o HIPOCAMPO era um acervo e tinha essa ideia muito no começo de… que eu acabei desistindo, como eu te contei, por resistência dos artistas, mas que eu queria muito essa coisa dos trabalhos mais antigos. E aí, talvez, se eu tivesse conseguido mesmo, eu não ia conseguir tanto ser revista, porque aí talvez seria um material mais que, enfim, eu ia ter que procurar conexões com o hoje, e que não fosse ser tão fácil.

Na verdade, eu entrei um pouco nessa onda cerebral. Foi muito engraçado, às vezes, as pessoas tiram muita onda de mim. Eu comecei com um projeto que se chamava SINAPSE, que era uma rede de colaboradores, que era tipo… É, às vezes, eu sou muito ambiciosa, viagem assim, e queria criar uma rede social para pessoas que trabalham com artes, artes visuais no caso. E aí eu escrevi um projeto num edital do ProAC, ganhei e criei esse site, só que as pessoas… não queriam, não queriam ser parte da SINAPSE, da minha rede social, elas queriam o Facebook, o Instagram. Então, assim, esse projeto supernaufragou. Mas aí começou com a SINAPSE, depois veio o CÓRTEX. O CÓRTEX, eu acho que porque eu nunca tinha pesquisado, assim, sabe, e eu não me considero uma pesquisadora no sentido… no sentido acadêmico, mas eu sou uma pesquisadora da vida, sempre fui. Assim, o que eu estou interessada, eu vou lá e pesquiso, contato, vou lá e me informo. E isso foi o que aconteceu quando resolvi fazer a pesquisa CÓRTEX, eu estava nessa onda e falei: “Bom, agora, eu vou entrar nesse rolê cerebral, de ler, de escrever.” E é uma coisa que eu nunca tinha feito, assim mesmo, de escrever muito, de…, aliás, não fiz mais também, porque também foi um trauma, porque depois você escreve, escreve, escreve, escreve, e depois como é que faz para caber no livro? Porque você perde a mão uma hora, quer dizer, começa a escrever, escrever, escrever, quando eu vi tinha muito mais páginas do que podia ter. Aí tinha que ver como é que eu ia selecionar o que eu ia colocar, enfim. Foi tudo muito novo pra mim, tanto o HIPOCAMPO, quanto o CÓRTEX. Não sei explicar, mas eu estava me sentindo cerebral, digamos assim, nesses momentos. Eu achava que tudo tinha a ver uma coisa com a outra, também, na minha cabeça. Acho que as pessoas percebem também essas conexões. E aí fazia sentido para mim tudo ter nomes, assim, ligados ao cérebro.

Talitha Motter Sim! Eu li uma boa parte da publicação do CÓRTEX, e mesmo essa ideia de redes de colaboração, que tu traz no texto, eu acho que volta de novo para esse contexto, essa metáfora que a gente utiliza das redes neurais. E depois mesmo a minha pesquisa que vem com essa coisa das redes sensíveis, a gente se sente conectado com o contexto do digital, da revista digital, do projeto digital. Até se tu quiser falar um pouco… Tu comentou que tu não queria ter um espaço físico, mas tu escolheu o digital para te afirmar.

Maíra Endo Para atuar, né?

Talitha Motter Se tu vê vantagens em ter um projeto que seja digital em comparação ao que tu já trabalhou, por exemplo, no Ateliê Aberto. Como é que tu percebe essa questão de uma revista digital, ou de uma iniciativa digital?

Maíra Endo Não, não vejo. Eu queria ter um acervo, eu queria ter um espaço físico. Eu queria ter um acervo lá, guardado. Eu queria ter obras que não fossem só digitais. Queria ver as pessoas, queria que tivesse todo mundo lá, vendo as mostras. Não vejo vantagem nenhuma em estar no digital. Eu sou uma pessoa nada digital, eu não consigo dar conta das redes sociais. Superdifícil para mim, sabe? Eu acho um desafio que eu quero ver se consigo pensar esse ano com esse projeto do ProAC, que eu não acabei de contar na verdade. As edições, eu quero que elas aconteçam no site e também na vida, fisicamente, digamos. Então, eu queria escolher alguns lugares para que essas mostras se materializem pela primeira vez e para que eu possa… é muito difícil não conhecer meu público, sabe? Não ver as pessoas, não saber, não ter diálogo, não… É frustrante às vezes! Assim, eu não vejo nada demais nisso. Acho muito… acho um “porre” na real, sabe, ter que ter só on-line. Eu acho que on-line é legal, está funcionando, para mim é maravilhoso para eu trabalhar, porque, né? Ah, tem uma vantagem: é barato! Essa é a vantagem, supervantagem, é barato, sabe? Porque… todo o resto é botar uma conta aí que… como se paga? Não sei, né? Pensando uma outra vantagem, tanto que eu posso trabalhar com artistas de onde for, eu acho que é bem legal. No Ateliê tinha isso: “Ah, quero trabalhar com fulano, mas fulano mora lá em Manaus. Ah, então, que pena, não vai rolar.” E, na HIPOCAMPO, eu tenho a possibilidade de trabalhar com quem eu quiser, desde que queira trabalhar comigo, né? Então, isso… E posso também atingir o público, que eu não faço a mínima ideia de quem é, mas que é o público da Internet, que está em qualquer lugar. Então, eu acho que são essas as vantagens. Mas dizer que eu tirei vantagem disso, não, não consegui ainda, sabe? Não consigo ter uma presença nas redes sociais para poder ter mais seguidores, para poder fazer a revista chegar em mais gente. É superdifícil para mim, desafiadora essa parte da comunicação. Acho que o HIPOCAMPO, ele é bem pouco conhecido na real. Acho que ele é bem pouco conhecido, acho que ele circula aí… no universo dos colaboradores, no meu universo, e tem muita dificuldade de sair disso. Mas, enfim, eu espero que esse projeto role e que pela primeira vez eu possa ver pessoas vendo os meus trabalhos, conversar com elas. Enfim, isso já era uma necessidade antes da pandemia, agora, tipo: “Vamos, nossa! Mas quando que vai ser? Vamos marcar! Vamos marcar a exposição do HIPOCAMPO!” Porque tem, enfim, tem essa parte do CÓRTEX, que é de articulação. A parte de pesquisa, eu sem grana, comecei uma segunda fase da pesquisa, mas está difícil. Faz uns dois meses que eu não mexo nisso. Sem grana é muito difícil trabalhar, e eu preciso transcrever umas entrevistas que eu fiz na Alemanha. Eu não consigo transcrever, não consigo pagar ninguém para transcrever, enfim. Aí, eu comecei também a ir para um outro lado dentro do projeto CÓRTEX que é um lado de articulação mesmo, meio que para mim era o próximo passo natural depois de fazer a pesquisa, sabe? Então, larguei um pouco mão dessa parte da pesquisa, que estava muito solitário e depressivo, e sem grana, e fui para esse outro lugar que é de articulação, que está bem interessante. Então, eu estou me articulando com outros espaços aqui em Campinas, com outros dezesseis espaços, e a gente tem essa rede de colaboração que chama Circuito Livre de Arte Independente de Campinas. É o CLAI, no Instagram, é o @claicampinas.

Talitha Motter Tu comentou, eu não sei, talvez eu não tenha entendido, mas no teu texto na publicação do CÓRTEX, tu fala uma coisa que me chamou muita atenção. Tu analisa algumas forças que existem no nosso campo no Brasil, algumas forças que participam da organização, vamos dizer assim, do que acontece. E, numa delas, tu comenta da questão da cena independente. E, nesse caso, quando tu fala da cena independente, tu cita alguns exemplos, e, dentro desses exemplos, tu fala das publicações de arte. E eu fiquei pensando, e tu falou agora de viabilidade, da questão de tornar possível uma publicação a partir do on-line, se todas as publicações de arte participam realmente da cena independente.

Maíra Endo Eu acho que não, eu acho que não participam na verdade. Acho que tem uma certa dificuldade aí de chegar. Na verdade, acho que tudo que não tem sede, não é espaço, físico, que de alguma forma é mais efêmero, mais volátil, tem dificuldade de se aproximar dessas redes eu acho. Não sei, talvez, também porque não é uma atividade contínua às vezes, né? Qual a é periodicidade da Arte ConTexto?

Talitha Motter A gente começou em 2013 e a periodicidade, na verdade, a gente foi reduzindo. Antes era de quatro em quatro meses. Hoje, na verdade, a gente está parado, né? Faz um ano, dois, que a gente não publica. 

Maíra Endo Mas eu acho que é isso, né? Enfim, a necessidade de você se juntar a uma rede de colaboração, ela acaba vindo de muitas dificuldades que, talvez, quem trabalha numa publicação não tenha. Sabe essas dificuldades mesmo… primeira de grana, né, porque a gente por mais… Enfim, se a gente não consegue, a gente não lança. Ali, se você não consegue, você fica com dívida. Essa necessidade de colaboração talvez seja mais iminente, né, nesses espaços do que em espaços que trabalham com publicação digital.

Talitha Motter Sim, mas existem outros tipos de colaboração, outros tipos de rede, né?

Maíra Endo Sim, mas eu acho… Sabe quem que… agora que você me falou, me ocorreu de um trabalho da… não sei se era dela só, mas ela estava envolvida, Fernanda Grigolin, que ela fez alguma… Não sei se era, parecia uma pesquisa com o intuito de formar uma rede de colaboração de publicadores, parecia meio isso.

Enfim, a ideia dela era juntar publicadores. Então, acho, que justamente ela deve ter percebido essa dificuldade de articulação, né? De fato, eu mesmo com a Lola (Paola Fabres), a gente nunca se juntou para falar: “Vamos falar das nossas revistas. Vamos ver como a gente pode trabalhar juntas.” Nunca falamos. Não sei, há de se pensar, mas deve ser por causa disso eu acho. A gente talvez sinta essa necessidade… Não é que a gente sente menos, mas é que quem tem um espaço sente muito.

Talitha Motter Sim, é imperativo.

Maíra Endo É quem tem que fazer uma programação semanal, ou mensal, num espaço, e a coisa vai assim… essa necessidade vira mais… Acho que é isso, né, não é que a gente tenha menos necessidade. Talvez a gente não tenha acordado para isso, porque acho que faz muito sentido o que tu está falando, a gente poderia se ajudar bastante, em algumas questões que eu já estou imaginando aqui. Mas, olha! Agora acho que fiquei até interessada em olhar esse projeto da Fernanda Grigolin com mais calma, porque eu lembro exatamente quando rolou, eu acho que eu respondi um formulário dela, mas eu não fui num… teve encontro também presencial que eu não fui. Enfim, acho que a gente tem que trabalhar isso aí melhor, sim.

Talitha Motter Com certeza! Uma outra questão interessante, que tu falou sobre as palavras-chaves que te fazem estruturar a seleção dos textos, ou dos conteúdos e das obras que são apresentados em cada mostra. Eu vejo também que no site, além dessas edições, existe também a presença de tags, que organizam esse conteúdo e até eu vi que na última edição, acho que tu comenta que tu teve a ajuda de alguém para fazer essa organização de tags. Então, eu queria que tu comentasse um pouco como é que funciona essas categorias e se tu vê uma importância delas dentro do site.

Maíra Endo Certo. Existem duas coisas diferentes: são as categorias e as tags. As categorias confesso que, às vezes, fico confusa um pouco nas categorias, penso bastante antes de criar uma nova. Aí, às vezes, eu acho que ainda tem coisa que não fica muito alinhada ali. As tags são pensadas livremente. A cada publicação, eu escrevo as tags ali a partir do conteúdo. Gosto de colocar muitas tags. Eu gosto de trabalhar com bastante tag, e o que o sistema do próprio site faz é fazer aquela nuvem de tag, que fica lá na entrada. Por ali, você pode acessar algumas coisas, mas eu não sei assim, na prática, o quanto as pessoas usam aquilo para navegar, ou as próprias categorias. Mas eu acho que é interessante você ter na plataforma algumas formas diferentes de navegar no site. Achei interessante. Sempre que eu vejo alguma coisa lá, enfim. Vocês que organizam a Arte ConTexto também, é o WordPress?

Nuvem de tags na home do HIPOCAMPO.

Talitha Motter É pelo WordPress, também.

Maíra Endo No último ano eu acho, eu tenho explorado muito assim a coisa daqueles widgets, tem os plugins, investigado coisas novas que eu possa acrescentar ali, como… Enfim, eu acho que realmente essa parte de você diversificar a forma de navegar é muito importante, porque você nunca vai chegar no que é na vida real, né? Tu chegar numa exposição e todas as possibilidades que você tem de navegar por ali. Acho que é interessante a gente criar o que puder de possibilidades, né, de como navegar. Isso é uma possibilidade também que a tecnologia traz, dentro desse contexto que é digital, acho que não tem por que não usar.

Detalhe da página do vídeo Letargia #1 de Alexandre Silveira, publicado na Edição #9, de maio de 2021. Na imagem, podemos ver o parágrafo que contextualiza o vídeo e a lista de tags relacionadas a ele.

Talitha Motter E até como isso modifica o acesso a esse conteúdo, se a gente comparar, por exemplo, com uma revista impressa, ou com uma publicação impressa, ou como tu disse uma exposição. Acho interessante como as tags, elas criam caminhos que talvez não existiriam.

Maíra Endo Você conhece a Fernanda Pujol, que é amiga da Lola?

Talitha Motter A Fernanda Pujol é a que trabalha na Aura?

Maíra Endo Isso.

Talitha Motter Eu conheço da UFRGS, mas não sou próxima.

Maíra Endo É porque agora a gente vai, o HIPOCAMPO vai acolher pela primeira vez uma amostra de fora, que é uma mostra organizada pela Pujol, que é o Festivau de C4nn3$. Aí, eu estou numa missão agora, porque a gente fez uma seleção em cima de trabalhos das últimas três edições do Festivau de C4nn3$, que é uma coisa que eles não trabalham, né, com seleção, mas a gente trouxe essa proposta para eles. E a navegação, ela é toda por tags. Então, eu criei um sistema que é um pouquinho diferente do que com a HIPOCAMPO, porque daí eu fiz um grid de imagens. Então, eu peguei frames dos vídeos, fiz um grid, aí as pessoas vão entrar na exposição, na mostra, por essa página que é só um grid, quando elas clicam numa imagem, abre o vídeo, e aí tem tags e outros vídeos com as tags relacionadas. Então, são 40 vídeos, são 40 páginas, 40 formas de ver a exposição de um ângulo diferente, digamos assim. E é a partir dessas tags também. Então, as tags do vídeo vão por uma ordem assim: outros vídeos que têm duas ou três tags que estão bem mais próximos desse. Daí vem esse. Aí, outros vídeos que têm duas tags, aí outros vídeos que têm só uma tag, então, que tem uma relação com esse vídeo, mas que é uma relação bem mais longínqua do que aquele que tem duas tags em comum, ou três tags em comum. A piração das tags agora, eu cheguei no auge da piração das tags. Menina, é um trabalhão! Fazer essas 41 páginas, e olhando: “Ai, não, essa tem a tag não sei o que lá. Ai, não, essa tem a tag essa e essa.” Eu estou pirando, mas estou finalmente acabando. Falta duas páginas.

Detalhe da página do Festivau de C4nn3$ no HIPOCAMPO. Fotos de trabalhos de Felipe Bittencourt, Marcos Nath, Gabriela João, Alexandre Nitzche, Ursula Jahn, Luana Larissa de Melo, Henrique Fagundes, Clarissa Mendes, Miguel Ángel Fajardo, Adriani Araujo, Mano Penalva e Dani Amorim.

Talitha Motter E eu nem imaginava que tu estava nessa função!

Maíra Endo Não, menina, e isso porque a função é assim… Você me pegou num lugar muito com a calça curta, porque lançaram os editais do ProAC agora e até a primeira semana de julho. Então, fora tudo o se arrasta, tem cinco reuniões por semana para falar sobre cinco projetos. Então, puxou assim num extremo que está quase pico.

Talitha Motter Tu comentou, ali na questão do público, que tu não conhece teu público e que tu acha isso uma das dificuldades em relação ao sistema do on-line, porque tu não tem essa proximidade cara a cara. Mas eu queria saber se tu poderia destacar alguns dos conteúdos que foram publicados pelas mostras. Se tu acha que algum deles teve algum impacto que tu conseguiu observar, ou mesmo para produzir outros contatos com outros colaboradores. Em relação, à repercussão de algum dos conteúdos, se tu observou alguma coisa diferente que tu queria destacar.

Maíra Endo Olha, teve um conteúdo que quando eu publiquei, eu aumentei uns duzentos seguidores. Assim, teve um conteúdo que eu percebi isso acontecendo que foi, na última edição, o texto da Paula Borgui, Como Corpo. Ela lançou o texto na edição, e, logo depois, ela propôs de a gente fazer uma leitura performática desse texto no Cam4, que é um site de pornografia. E, depois dessa leitura, ela foi muito impactante. Assim, foi um trabalho… aí, é engraçado, foi um trabalho que foi totalmente descolado do acervo, né? O texto dela, sim, está no acervo, porém a leitura performática é da Beatriz Barros, foi uma colaboradora dela, e foi lançado no HIPOCAMPO. Então, uma parceria que a gente tinha, uma colaboração entre eu, a Paula e a Beatriz. E isso foi muito impactante, não sei o que aconteceu, sinceramente. Eu não sei se foi o conteúdo em si. Eu acredito que seja, porque a Paula já colaborou em outras edições, eu tenho os materiais dela. Mas eu acho que esse tema da sexualidade está muito latente agora, e as pessoas estão realmente interessadas nisso. E tem isso: essa leitura da Paula, ela está ligada com um projeto meu e da Paula que a gente está tentando captar recursos há um tempão e não conseguiu, que é uma mostra de performances no Cam4, performances artísticas, e isso foi meio que um teste drive nosso para gente ver como é que funciona. E foi muito interessante, realmente, ver a performance acontecendo e os taradões ali nos comentários: “Né, o quê? Que que é esse falar? Agora ela vai militar!” Aí a Paula, ela entrava lá, né, com um codinome outro, e ela chamou outra pessoa também, para ir bater nos bolsominions, porque ali (risos) o negócio é feio, né? “Cala a boca!” Fica um bate-boca no chat do lado e a Beatriz fazendo a performance. Foi uma loucura, foi bem interessante. E esse trabalho, ele repercutiu tanto que até a Lucila Vilela, que é uma outra colaboradora, falou: “Não, eu quero escrever um texto sobre esse trabalho.” Aí, ela escreveu um texto que saiu nessa edição. Também está muito conectado com o trabalho dela. Enfim, essa questão da sexualidade no mundo digital, digamos assim. Então, acho que é isso, né, o tema sexo chama atenção.

Talitha Motter E essa conexão com uma outra plataforma também.

Maíra Endo É, acho que foi. E, fora isso, viu, eu não lembro de nada que tenha causado um impacto. Porque é isso, pode ter causado, mas assim eu só consigo medir pelos seguidores do Instagram, né? Porque aumenta o número de seguidores, porque tem mais comentários, enfim. Mas eu acho que tem essa dificuldade, pode ter tido outros conteúdos que causaram impacto, mas não se sabe. Não sei, não sei como medir isso, perceber.

Talitha Motter Então, eu queria te perguntar uma outra coisa em relação a isso, tem muito a ver com esses limites, tu falou que primeiro tu apresentava a HIPOCAMPO como revista. Depois, tu achou que isso podia limitar, mas depois essa questão de acervo talvez limite também. Mas ao mesmo tempo eu percebo que tu te apresenta dentro do site como uma editora e curadora. E aqui tu também disse que tu tem bastante dificuldade com esse termo de curadoria. Na verdade, um grande foco meu em relação às revistas, é essa comunicação com a atualidade, que eu te falei, e isso tem muito a ver com a crítica de arte. A crítica de arte, de certa maneira, responde à atualidade do que está acontecendo no nosso campo. E eu queria saber, se tu pudesse comentar um pouco sobre, se tu vê alguma conexão entre a HIPOCAMPO e a produção em crítica de arte, ou talvez com a curadoria.

Maíra Endo Eu acrescentei o termo curadora quando eu comecei a intensificar mais as minhas pesquisas. Porque também é claro que existe… A riqueza de pensar o espaço físico, a exposição, não é a mesma de pensar no espaço virtual, até porque eu não sou programadora, se eu fosse, seria. Eu acho que eu teria a mesma liberdade para trabalhar espaço que eu tenho para trabalhar no espaço físico. Mas eu não sou. Então, eu acho que eu comecei a me sentir… acho que tem a ver com essa indefinição, com essa dificuldade de identidade do projeto que existe. Não sei se é uma dificuldade, ou se é normal a coisa ir mudando, ser um processo. Mas é de eu ir entendendo as coisas, né? Então, quer dizer, a partir do momento que virou um acervo, que eu estou selecionando trabalhos, que estou fazendo uma pesquisa que vai além do meu networking, e que eu estou fazendo uma seleção, além de fazer pesquisa, apesar de eu não estar trabalhando esse espaço físico de forma intensa, eu senti que era um trabalho de curadoria e que valia a pena colocar isso até para transmitir a ideia que eu queria transmitir de que aquilo, de que o HIPOCAMPO é um espaço de artes e não só uma revista, não só uma revista como só uma revista fosse pouco, mas porque não é. Eu tenho essa intenção de construir esse acervo e de que esse acervo seja cada vez maior, e de salvaguardar esse acervo, e de que esse acervo renda muitos frutos. Porque eu acho que é… o que tem no meu acervo dificilmente vai ter em um acervo de um museu, entendeu? Eu acho que é um acervo diversificado, diferente e autêntico. Então, que também é isso. E aí, coloquei esse termo de curadoria, edição-curadoria, porque eu acho que é isso. A gente fica num limite entre o que é uma revista e um espaço, e fica num limite no meu trabalho entre o que é uma edição e uma curadoria. E, na falta de um termo que exista, que diga o que é de verdade, eu resolvi criar esse duplo termo.

Talitha Motter Bem condizente com a nossa realidade. E tu vê espaço dentro disso para a crítica de arte?

Maíra Endo Ah, sim! É verdade, essa pergunta. Então, é interessante você me falar isso, porque eu sempre quis que tivesse um espaço para isso. Mas, não sei muito bem como trabalhar isso, sabe? Não é uma coisa que está dentro do meu, do meu métier. Então, eu sempre busquei selecionar trabalhos dos colaboradores que trabalham com crítica de arte, selecionar trabalhos que são de crítica de arte. Tem bastante material do Basbaum de crítica, que quer dizer que ele não se considera crítico de arte. Ele, inclusive, tem um texto de crítica de arte que ele começa falando que ele não é crítico de arte. E tem uma proposta de um colaborador do HIPOCAMPO que nunca se concretizou, mas que eu espero que um dia se concretize. Ele veio com essa ideia, ele falou: “Ai, eu queria fazer um trabalho de crítica dos trabalhos que estão no HIPOCAMPO. Então, eu queria escrever sobre os trabalhos.” E aí isso acabou nunca acontecendo de fato. Eu acho que é… o problema, o espaço para a crítica de arte, ele existe, o que não existe muito é a crítica de arte. Acho que está um pouco escasso, assim, sabe? Essa reflexão. É eu acho que a posição do crítico de arte mudou também. Acho que ninguém mais está interessado na crítica de arte que fique falando se achou o trabalho bom ou ruim, né? Mas que traga reflexões potentes sobre os trabalhos e crie pontes, que perceba primeiro as pontes, porque hoje em dia tem muitos trabalhos que têm uma base filosófica superforte. Eu acho que até a produção em si, muitas vezes, acaba falhando em trazer isso para o espectador. Mas os pesquisadores de arte, hoje eles estão todos vendo filosofia. Eu não sei, eu tenho dúvida se falta interesse das pessoas escreverem sobre isso, das pessoas lerem sobre isso. Mas, eu não sei, eu me pergunto muito onde que é o lugar da crítica de arte hoje, sabe? Onde que está a crítica de arte, porque, no jornal, a gente sabe que não está mais. Enfim, e as revistas de crítica de arte parece que não sobrevivem muito. Não sei, parece que vai até ali, e não… Eu acho que o HIPOCAMPO vai estar sempre aberto para isso, eu sempre vou olhar para isso, porque eu acho que é um lugar interessante para ter crítica de arte, mas talvez falta pensar um pouco mais sobre isso, botar um pouco mais de energia, e trazer isso de uma forma mais interessante. Acho que até, de repente, nesse projeto mesmo do ProAC, que a gente está prevendo algumas mesas de discussão, esse tema pode ser muito interessante. Mas, enfim, as pessoas discutem a crítica de arte, mas ainda assim ela não sobrevive.

Detalhe da página do texto Cica & sede de crítica de Ricardo Basbaum publicado na Edição #8 de outubro 2020.

Talitha Motter Sabe, o que tu acabou de dizer, eu achei extremamente interessante, porque parece totalmente o contrário do que eu venho escutando. A questão não é que não existe espaço para a crítica, mas é que não existe crítica. E, às vezes, quando tu vai ler sobre as revistas, enfim, tem muitas revistas que escrevem nos seus textos de apresentação, elas vão dizer: “É porque não tinha espaço para falar, para produzir reflexões sobre a arte. Então, a gente criou uma revista.” E, no teu caso, me parece que tu criou uma… se eu pensar com uma perspectiva de revista expandida, vamos dizer assim, tu criou um espaço que conecta com a curadoria. Então, é um diálogo da revista com a curadoria. Então, não é tanto a faceta da crítica que se busca, sabe?

Maíra Endo Sim, mas eu busco trabalhos… Eu acho que também é isso, por isso que eu também precisava de mais pessoas trabalhando comigo, porque aí fica sendo eu, o que eu penso, o que eu acho. Então, eu busco as críticas, eu busco nos trabalhos, e não necessariamente a crítica de arte, mas a crítica de modo geral. Eu tenho uma atração por trabalhos que estão levantando questões e que estão fazendo crítica de alguma forma. E tem alguns trabalhos, tem alguns artistas que trabalham também a questão da crítica de arte dentro do trabalho, como é o Basbaum, como é o caso de outros artistas também. E eu acho que esse caminho é até mais interessante, sabia, de crítica feita pelos artistas, me interessa mais. E tanto crítica no geral quanto crítica de arte, mas não são muitos os artistas que o trabalho é voltado para a crítica de arte, mas acho que é um lugar potente para a crítica. Mais, às vezes, do que um texto enorme e… Porque a reflexão, ela é densa, mas… não é todo mundo que é denso. Então, eu acho que a crítica de arte precisa ainda ser trabalhada para que seja mais fácil de consumi-la. Porque eu acho que é isso, assim, também não adianta só quem é doutorando, e mestrando, e pesquisador ter interesse e acesso por esses textos. É uma crítica que circula pouco não tem muito… não tem muito peso, né? Não tem muita importância. Eu acho que é um âmbito que tem que ser muito trabalhado. Eu fiz uma minissérie agora, que é sobre o artista-etc. Eu fiz cinco entrevistas. Ela deve ser lançada agora nos próximos meses. A gente editou uns capitulozinhos, e, para todas as entrevistas, não são todas as respostas que entraram, mas eu fiz essa pergunta do lugar da crítica de arte, do formato da crítica de arte, porque eu acho que a gente tem que pensar um pouco mais sobre isso. É claro que, enfim, eu não sou, imagino que você seja… Você trabalha com crítica de arte, não?

Talitha Motter Já trabalhei.

Maíra Endo Não é uma coisa que eu supermanjo, é um coisa que eu estive em contato, e que a minha opinião é uma opinião não de quem entende, mas de quem trabalha com arte.

Talitha Motter Eu fiz essa pergunta porque, como eu tenho esse meu viés que é em relação às revistas, a crítica de arte encontra a sua casa na revista. Porque as revistas especializadas em arte normalmente vão trazer comentários de exposições, comentários específicos sobre artistas. Então, tem, digamos assim, um elo entre as duas coisas. Mas ao mesmo tempo hoje a crítica se transforma, é como a curadoria que se transforma. Então, eu achei interessante o caso da HIPOCAMPO, porque ela traz um outro elemento, que é essa questão desse olhar curatorial. Mas ao mesmo tempo, como tu disse, existem textos que falam de crítica e existem textos que são críticas, que falam de exposições, que fazem comentários de exposições e que tu traz para dentro da HIPOCAMPO. Além disso, eu sei que em alguns momentos tu trouxe textos ou obras que foram produzidas ineditamente para a HIPOCAMPO. E também sei que tem todo esse diálogo com o “SOLar. projetos de arte”, com outros projetos que tu realiza. Não sei se tu quer comentar outras atividades com que a HIPOCAMPO está relacionada, ou algo mais para finalizar a conversa mesmo.

Maíra Endo Certo. Então, eu vejo que tudo o que eu faço na verdade está relacionado. Na minha cabeça, está tudo super-relacionado e são frentes de trabalho. E que meio que chegou neste ponto máximo que é de entender que a produção artística hoje mais interessante, ela circula não nas galerias e não nos museus, mas nessa outra cena, nesse terceiro braço. Que eu acredito que não necessariamente aquele artista que está ali naquela cena, ele vai se desenvolver totalmente ali. Mas ali é fundamental, talvez ele vai conseguir fazer uma obra mais cara digamos, mas que exige mais recursos, quando ele sai dali, daquela cena independente, e vai para o museu, e vai para uma galeria, que eu acho que é um caminho bem comum entre os artistas que se consagram. Mas eu acho que tanto não existe esse reconhecimento… desse lugar pós-faculdade, assim sabe, que é para onde os artistas vão quando eles saem da faculdade, a cena de arte independente. Existe essa falta de conhecimento da importância desse degrau, desse lugar, e às vezes não é um degrau, como no meu caso, às vezes você escolhe ficar ali. Você não quer se institucionalizar, você não quer ceder ao mercado. E aí acaba sendo um fim mesmo. Quando ele é um fim mesmo, eu acho que é um lugar onde a arte realmente consegue se manifestar como sendo a coisa mais importante. Então, por exemplo, eu acho que na galeria, o mais importante é o dinheiro; na instituição, o mais importante é atender a comunidade, atender às demandas de uma sociedade, é que atenda a todas as faixas etárias, atenda a todos os gostos, a todas as posições políticas, atenda a tudo, né, porque você está numa instituição, que tem que atender a tudo; e no espaço de arte independente, a cena de arte independente, que é onde eu trabalho, sobre o que eu pesquiso, sobre o que eu faço, tudo está aí, na minha opinião, é onde você tem a arte, a voz da arte mais viva, sabe? É onde a prioridade é desenvolver a pesquisa, a prioridade é olhar para a experimentação, a prioridade é falar de transdiciplinaridade, multidisciplinaridade, onde a prioridade é falar de gestão horizontal, é para mim é onde existe toda a mágica de trabalhar com arte, de fazer arte, de viver de arte, sabe? Então, acho que o que amarra tudo isso é essa minha visão sobre o sistema da arte. Eu acho que a gente tem um lugar institucional que está muito corrompido pelo mercado. A gente tem um mercado que como sempre está mercado, isso eu penso do mercado, e a gente tem esse lugar de respiro, de fôlego, e de criação verdadeira e de respeito ao artista, à arte que é essa cena, e é por ela que eu trabalho, e nela que eu quero estar. Então, eu acho que é isso que conecta tudo. Eu acho que eu não tinha te falado sobre o CLAI, eu te falei que era essa parte de articulação, e estou fazendo uma articulação agora lá em São Paulo também, com o Projeto Marieta, que é um espaço que fica lá no Centro. A gente está articulando um laboratório de gestão para espaços de arte independente, que a gente pretende que esse laboratório alimente a criação de um agente coletivo, porque a gente está realmente com essa necessidade, sabe, de ter um agente que represente toda a cena de arte independente e possa fazer demandas à altura da importância da cena. Eu sei que tem muitas redes se formando desde a pandemia, mas eu acredito que é importante a gente ter essa rede de espaços, porque são equipamentos que custam dinheiro, que custam manutenção, e que recebem uma atenção ridícula do governo. Em Campinas, a cena de Artes Visuais, ela é só a cena independente. Não existe. O museu é uma piada, o MAC é ridículo, o MIS é ridículo, está caindo os pedaços. Não tem nada que vale a pena lá, não tem programação, não tem curador, não tem programa, não tem nada, sabe? Então, por exemplo, em Campinas, essa é a cena. Em São Paulo, por exemplo, eu nunca fiz uma pesquisa assim na ponta da faca, mas eu sei, pelos meus mapeamentos, que a oferta de exposições, por exemplo, ela é equivalente à de museus, à de instituições, do que é à de espaços. Agora a verba não é, não é nem proporcional, nem equivalente, nem nada. Então, acho que o que junta tudo é isso. É essa luta aí que eu acho que vale muito a pena para arte, para as pessoas, para a comunidade, para a sociedade, e que eu acho que está indo, enfim, está seguindo outros lugares. Isso não acontece aqui só, né? Quando eu fiz a segunda fase da pesquisa CÓRTEX, que eu fui até Berlim para pesquisar, eu fui atrás disso, de ver lá em que fase eles estão. Eles estão aí uns degrauzinhos a frente da gente. Eles têm agentes coletivos, eles têm diálogos com o senado. Eles pleiteiam verba e eles conseguem, sabe? Então, eu acho que é esse o caminho para a gente. A gente precisa se fazer ver, porque a gente já existe, e existe em bastante quantidade, em bastante volume, e com a qualidade que a falta de grana permite.

Talitha Motter Adorei! É muito bom saber que a HIPOCAMPO faz parte de tudo isso.

Campinas — Montréal, 15 juin 2021.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.